XP Expert

Bolsas Hoje: Expectativas para a decisão do Fed e produção industrial no Brasil

Política monetária dos Estados Unidos, produção industrial e leilões de títulos do Tesouro no Brasil são alguns dos temas de maior destaque nesta terça-feira, 03/05/2022

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -1,2% | 106,639 Pontos

CÂMBIO +2,3% | 5,09/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Os investidores seguem na expectativa da decisão de política monetária dos Estados Unidos, que será divulgada amanhã. Na agenda local de hoje, o destaque fica para a produção industrial de março e leilões de títulos do Tesouro, além de uma sessão extra de venda de dólar em swap cambial.

Brasil

A segunda-feira foi marcada por um sentimento de aversão ao risco com dados da indústria global mais fracos que o esperado. Mas, enquanto as bolsas internacionais recuperaram esse movimento negativo ao longo do dia, por aqui a recuperação foi parcial. Depois de testar  os 105,2 mil pontos, praticamente zerando os ganhos no ano, o Ibovespa fechou nos 106,6 mil pontos, apresentando uma queda de 1,15%.

No mercado de câmbio, o banco central intensificou suas intervenções para limitar a depreciação da moeda. O real caiu 10% desde meados de abril. Acreditamos que a ação do BC será de eficácia limitada para conter a desvalorização do real, uma vez que se trata mais de uma tendência global de valorização do dólar. Ontem, a moeda americana fechou em alta (+2,2%), superando pela primeira vez desde 18 de março os R$5,00, cotado a R$5,09.

Em renda fixa, as taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem em alta, em semana que será marcada por decisões de política monetária pelos bancos centrais no Brasil (Copom) e nos EUA (FOMC). À espera da quarta-feira, o mercado observou vendas das Treasuries (títulos de dívida soberanos dos EUA), ações e moedas emergentes, o que elevou as taxas de juros locais também.  DI jan/23 fechou em 13,075%; DI jan/24 encerrou em 12,67%; DI jan/25 foi para 12,145%; DI jan/27 fechou em 11,98%; e DI jan/29 foi para 12,09%.

Mundo

Bolsas internacionais amanhecem levemente positivas (EUA +0,1% e Europa +0,5%) enquanto investidores aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve e novos resultados das companhias. A temporada de resultados seguirá hoje com Pfizer, Airbnb, AMD, Lyft e Starbucks. Na China, a bolsa de Hong Kong reabre para negociações e o índice de Hang Seng (0,1%) encerra sem movimentos expressivos, mas as demais bolsas locais permanecerão fechadas por conta do feriado. Por fim, o ouro (-0,2%) encerra em seu patamar mais baixo desde fevereiro, impactado pelo fortalecimento do dólar e aumento no custo de oportunidade com as taxas de juros em alta.

Juros americanos

Os juros dos títulos soberanos em mercados desenvolvidos vem subindo rapidamente nas ultimas semanas, antecipando a continuidade do ciclo de aperto monetário. O juro do Tesouro de 10 anos dos EUA foi negociado acima de 3% ontem, o nível mais alto desde 2018. O FOMC, comitê de política monetária do banco central americano, se reúne amanhã. O consenso de mercado espera uma alta de 0,50 pp e um tom agressivo na declaração pós-reunião.

Mercado em Gráfico

Analisando o desempenho de diferentes setores do Ibovespa desse ano, além de commodities e financeiro, é o setor de Elétricas – o que pode parecer contra-intuitivo, já que essas empresas são conhecidas por serem proxies de títulos de renda fixa ou ações semelhantes a títulos. Em outras palavras, eles tendem a ter uma correção negativa com as taxas de juros – quando as taxas de juros sobem os preços geralmente caem. No entanto, em 2022 observamos um comportamento muito diferente deste setor. Enquanto a curva de juros brasileira vem se achatando, a maioria das ações desse setor está tendo retornos positivos. Para saber quais fatores foram responsáveis pelo movimento positivo do setor, acesse nosso Raio XP.

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

Klabin (KLBN3): Antes da abertura
3R Petroleum (RRRP3): Após o fechamento
CTEEP (TRPL4): Após o fechamento
Raia Drogasil (RADL3): Após o fechamento
Marfrig (MRFG3): Após o fechamento
Iguatemi (IGTI11): Após o fechamento
Tim (TIMS3): Após o fechamento

Calendário do 1T22

Temporada de resultados do 1º trimestre 2022 – o que esperar?

Economia

Juros dos títulos do Tesouro dos EUA atingem máximos de 3 anos na véspera da decisão de juros do Fed

  • Os juros dos títulos soberanos em mercados desenvolvidos vem subindo rapidamente nas ultimas semanas, antecipando a continuidade do ciclo de aperto monetário. O juro do Tesouro de 10 anos dos EUA foi negociado acima de 3% ontem, o nível mais alto desde 2018. A taxa de 10 anos da Alemanha subiu acima de 1% e as Gilts de 10 anos do Reino Unido atingiram 2%, em ambos os casos o nível mais alto desde 2015. A inflação crescente está colocando pressão sobre os bancos centrais para acelerar o aperto monetário. O FOMC, comitê de política monetária do banco central americano, se reúne amanhã. O consenso de mercado espera uma alta de 0,50 pp e um tom agressivo na declaração pós-reunião;
  • Também devido ao aperto monetário dos EUA, o dólar dos EUA está se fortalecendo em relação à maioria das principais moedas. O índice DXY do dólar acumula alta de 8% no ano e atingiu o nível mais forte em 19 anos;
  • Na Europa, as autoridades alemãs reforçaram sua disposição de apoiar o embargo ao petróleo russo, mas alertam que os consumidores devem estar preparados para grandes impactos econômicos e preços de energia mais altos. As sanções à Rússia representam pressões inflacionárias adicionais sobre a economia mundial, o que provavelmente levará os bancos centrais a reverter rapidamente o estímulo monetário nos próximos trimestres;
  • No Brasil, o banco central intensificou suas intervenções no mercado de câmbio para limitar a depreciação da moeda. O real caiu 10% desde meados de abril. Acreditamos que a ação do BC será de eficácia limitada para conter a desvalorização do real, uma vez que se trata mais de uma tendência global de valorização do dólar;
  • Segundo o jornal Folha de SP, a equipe econômica do governo apoiaria uma Emenda Constitucional que altera o teto de gastos para permitir investimentos financiados pelas receitas da privatização. Acreditamos que a discussão sobre o quadro fiscal será fundamental para os mercados brasileiros durante a campanha eleitoral presidencial;
  • No calendário econômico, o destaque hoje é a Produção Industrial de março. Esperamos alta de 0,4% em relação ao mês anterior.

Empresas

Santos Brasil (STBP3): Acompanhamento Mensal do Setor Portuário

  • Em nosso acompanhamento mensal dos Operadores Portuários de Abr’22, destacamos:
    • (i) os volumes do Tecon Santos da Santos Brasil subiram 18% A/A em Abr’22, com ~104k unidades movimentadas durante o mês (melhorando ~5% vs. ~99k reportados em Março);
    • (ii) a utilização da capacidade do Porto de Santos permanece em níveis elevados (82% em Mar’22 UDM, vs. 81% em 2020 e 84% em 2021);
    • (iii) o Tecon Santos da Santos Brasil ganhou ~3p.p. de participação de mercado em Mar’22 vs. Fev’22 (+3p.p. A/A); e
    • (iv) os preços dos fretes marítimos continuaram em patamares elevados, embora desacelerando seu ritmo de crescimento.
  • Reiteramos nossa recomendação de Compra da Santos Brasil e preço-alvo de R$ 9,00/ação (TIR nominal atrativa de 15% para o acionista);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Localiza (RENT3) 1T22: Melhorias no Rent-a-Car (RaC) Impulsionando Desempenho Forte de Margem; Positivo

  • A Localiza apresentou bons resultados no 1T22, com lucro líquido de R$517 milhões +17% T/T e 20% acima das nossas estimativas (+7% A/A). Os principais pontos positivos foram: 
    • (i) forte desempenho do EBITDA de Rent-a-Car (RaC) (+80% A/A e 23% T/T) devido a tarifas sequencialmente mais altas (+3% T/T e +32% A/A) e melhora da margem T/T, refletindo eficiências capturadas ao longo do 1T22 (margem EBITDA de 57,1% +14p.p. A/A e +10p.p. T/T); e
    • (ii) operação de Seminovos continuamente fortes (~24% de margem bruta e ~16% de margem EBITDA) apesar de apenas ~14,5 mil carros vendidos no trimestre (-50% A/A e -6% T/T).
  • Do lado negativo, observamos o ambiente de compra de carros ainda prejudicado, levando a uma queda sequencial de volume na divisão RaC (-3% T/T), devido aos gargalos relacionados à cadeia de suprimentos em meio à indústria automotiva;
  • Reiteramos nossa visão positiva e recomendação de Compra para a Localiza;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Copasa (CSMG3): Resultados mais fracos no 1T22 devido a volumes mais baixos e opex mais alto

  • Destaques financeiro: O EBITDA reportado da Copasa foi de R$ 445 milhões, 10% abaixo da nossa projeção de R$ 498 milhões e 14,4% abaixo do 1T21. O lucro líquido foi de R$ 168 milhões, 15% abaixo em relação à nossa projeção de R$ 196 milhões;
  • PMSO mais alto e volumes mais baixos. A piora nos resultados pode ser atribuída a uma mistura de problemas enfrentados pela companhia durante o trimestre. Apesar do reajuste tarifário negativo implementado em agosto de 2021, o volume por economia caiu tanto em água (4,2%) quanto em esgoto (4,5%). Os custos e despesas também aumentaram;
  • Temos uma avaliação negativa do resultado da Copasa no 1T22, apesar de grande parte do impacto negativa ter vindo de custos não gerenciáveis. Dito isso, continuamos vendo um risco-retorno pouco atrativo para suas ações, e mantemos uma recomendação de venda, com preço-alvo de R$ 15/ação;
  • Acesse aqui o relatório completo.

Pague Menos (PGMN3): Resultados mistos do 1T22, mas em linha; Sinalizações positivas para frente

  • A Pague Menos (PGMN3) reportou resultados em linha com o esperado, com o crescimento de receita bruta de +11% A/A, suportado pela performance de vendas mesmas lojas maduras (SSS) de +7,0% (vs. XPe em +6,5%), enquanto pressões inflacionárias, maior penetração dos canais digitais e despesas de lojas pré-operacionais pressionaram a margem EBITDA (ex-IFRS) em 1,2p.p A/A;
  • Mantemos recomendação de Compra e preço alvo de R$13,0 por ação;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Marcopolo (POMO4) 1T22 Resultados: Gargalos de Produção Prevenindo um Trimestre Melhor; Rentabilidade Continua Melhorando

  • A Marcopolo apresentou resultados acima do esperado no 1T22, com margem EBITDA recorrente de 5,0% melhorando sequencialmente vs. o nível de 4,1% reportado no 4T21 (2,8% no 1T21) e +1p.p. vs. nossa estimativa;
  • Notamos que as margens foram positivamente afetadas por maiores preços unitários e melhor mix de vendas (ônibus rodoviários como 31% da receita vs. 20% no 1T21), porém, compensadas pela recente valorização do real (impacto negativo de 1,8p.p na margem bruta do 1T22);
  • Além disso, destacamos que a produção de ~3,1 mil unidades (+2% A/A e +2% T/T) foi atingida por gargalos relacionados à cadeia de suprimentos (os volumes potenciais poderiam ter sido 15-20% maiores, de acordo com a empresa), com indicativos dados pela companhia de uma aceleração no ramp-up de produção a partir de mar’22 como uma leitura positiva para a demanda adjacente do setor, em nossa opinião;
  • Reiteramos nossa recomendação Neutra para a Marcopolo;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Banco BV terá aumento de capital de R$ 350 mi com emissão de novas ações (Valor);
    • Nubank diz que CEO só receberá bônus de até R$ 680 mi se ficar na companhia por cinco anos (Estadão);
    • BC concede autorização para Shopee funcionar como instituição de pagamento (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Estimativa de inflação para este ano sobe pela 16ª vez e já se aproxima de 8% (Estadão)
    • Nova tributação pode aumentar em 60% preço em apps de compra internacional (Exame)
    • Shopee recebe aval do BC para funcionar como instituição de pagamento (Folha)
    • Clique aqui para acessar o relatório
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Funds trim exposure in CBOT grains but remain acutely bullish (Reuters)
    • Lucro líquido da Mosaic cresceu 653% no primeiro trimestre (Valor)
    • Minerva exporta, do Uruguai, primeiros produtos com certificação ‘carbono neutro’ (Valor)
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Equatorial Energia aprova distribuição de dividendos no valor de R$ 704 milhões. (Canal Energia);
    • Petróleo fecha em alta com possível boicote europeu à Rússia. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Selic em 12,75%? O que esperar para a renda fixa após o Copom

  • Nos dias 3 e 4 de maio, ocorrerá a próxima reunião do Copom;
  • Vemos dois cenários como mais prováveis:
    • Cenário-base: Elevação de 1,0 ponto percentual (p.p.), com comunicado mais aberto para a próxima reunião;
    • Cenário alternativo: Elevação de 1,0 pp, porém já sinalizando o que esperar para junho.
  • Acreditamos que, caso o cenário-base se concretize, as taxas curtas de juros têm o potencial de alta. Já no cenário alternativo, as expectativas se ajustariam para baixo;
  • Em qualquer dos cenários, continuamos a enxergar os títulos de renda fixa como uma opção atraente de alocação, uma vez que as taxas de maneira geral continuam elevadas no mercado;
  • Relatório completo aqui.

Revisamos o preço-alvo do S&P 500 para 4.600 pontos

  • A atual dinâmica global, em que o conflito entre Rússia e Ucrânia não parece estar próximo do fim, a preocupação com o aumento recente do número de casos da Covid-19 na China cresce, e o Federal Reserve segue reforçando uma postura contracionista frente a inflação global, propõe fatores adicionais para ponderarmos na nossa visão referente aos próximos meses;
  • Nesse cenário, destacamos os seguintes pontos:
    • 1. Aumento dos juros dos títulos de longo prazo nos Estados Unidos.
    • 2. Projetamos um processo de desinflação ao longo do ano, mas as expectativas de inflação continuam aumentando.
    • 3. Esperamos ajustes monetários mais agressivos e um crescimento econômico mais fraco em 2022 nos EUA.
  • Com isso, atualizamos a projeção de preço-alvo do S&P 500 de 4.900 para 4.600 pontos no final do ano.
  • Clique aqui para acessar o relatório completo e entender como tais condições impactam a performance da bolsa americana, quais são os fatores de risco adicionais e saber o que estamos observando no panorama macroeconômico.

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Lucros da Berkshire Hathaway caem com retração do mercado de ações

  • Lucros da Berkshire caem no primeiro trimestre vs. o mesmo período do ano anterior;
  • Elon Musk busca novos financiamentos para adquirir o Twitter;
  • Amazon em expansão na Índia;
  • Nasdaq segue sofrendo com cenário macroeconômico atual;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Conheça os 5 fundos imobiliários que mais pagaram rendimentos em abril (Suno);
    • Os 10 melhores fundos imobiliários para comprar agora, segundo a Guide (MoneyTimes);
    • Fundo imobiliário de cemitério estreia no Ifix com valorização de 10,21%; e outros destaques (MoneyTimes);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Maioria das empresas brasileiras conhecem sua pegada de carbono, mas têm dificuldade em medir o escopo 3 | Café com ESG, 03/05

  • O mercado fechou o pregão de segunda-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -1,1%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) a pesquisa Mudanças Climáticas – Avaliação do Nível de Preparo no Tema, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) e divulgada ontem mostrou que a maioria (55%) das empresas conhece sua pegada de carbono, pelo menos das suas operações, mas têm dificuldade em medir ainda o escopo 3, referente às emissões da cadeia de fornecedores; e (ii) a Minerva Foods informou que embarcou ontem, a partir do Uruguai, os primeiros produtos com o selo “CO2 neutral” concedido pela organização sem fins lucrativos Preferred by Nature;
  • No internacional, as vendas de títulos verdes, sociais e de sustentabilidade (GSS) na Europa podem totalizar 1,6 trilhão de euros (US$ 1,68 trilhão) até 2026, representando quase metade de todas as novas emissões de títulos na região, de acordo com um estudo da PwC Luxembourg. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.