XP Expert

Mercados operam com sinais mistos em dia de feriado em NY e olhar atento sobre relação China-EUA

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 0,03% | 96.235 Pontos

CÂMBIO -0,79% | 5,36/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou estável nesta quinta-feira a 96.234 pontos com alguma correção após alta maior do que os índices americanos na véspera na esteira de dados econômicos fortes. No mercado de câmbio, o dólar comercial subiu 0,6% a R$ 5,34. A curva de juros futuro ficou praticamente estável, depois de três dias de queda, com viés ainda de baixa após dados bons de emprego nos EUA e da produção industrial no Brasil. Além disso, destaca-se o mega leilão de 19,5 milhões de Letras do Tesouro Nacional (LTN), que calibrou o movimento de queda. O DI jan/21 fechou em 2,15%; o DI jan/23 ficou em 3,98% e DI jan/25 ficou estável em 5,75%.

Em dia de feriado nos Estados Unidos pelo 4 de julho e menor liquidez, as atenções se voltam para a escalada de tensões entre Pequim e Washington. A China disse nesta quinta-feira que adotará medidas contra os EUA e também contra o Reino Unido e a Austrália se os países continuassem a adotar medidas contra a nova lei de segurança para Hong Kong, como as sanções recentes aprovadas pelo Congresso americano e a promessa do primeiro-ministro Boris Johnson de oferecer passaportes a residentes de Hong Kong. O porta-voz do ministério de relações exteriores da China, Zhao Lijan, disse em pronunciamento que pressão externa não terá efeito sob as políticas adotadas pelo governo chinês.

No Brasil, as discussões se concentram sobre a formulação dos programas de transferência de renda que serão implementados ao final do auxílio emergencial pago durante a pandemia. Em debate, estão o valor e o formato do Renda Brasil e a implementação de medidas trabalhistas, com flexibilização de regras e de tributação, que facilitem a contratação de beneficiários do novo programa.

O governo também prepara uma ofensiva em resposta às críticas recebidas de fundos estrangeiros em decorrência da questão ambiental. Depois do alerta, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que pretende ampliar a interlocução na área, e o governo prepara uma carta com dados em resposta.

Na economia, o ministro Paulo Guedes, tem estudado a possibilidade de criar a nova Carteira Verde Amarela digital que estimule os trabalhadores informais a retornarem para a formalidade no pós-pandemia.

Reforçando a mensagem de que abril foi o pior mês para a atividade econômica no país, a produção industrial brasileira apresentou expansão de 7% na comparação mensal de maio, o equivalente a uma retração de 21,9% na comparação interanual desse mesmo mês de 2019.

Nos Estados Unidos, o payroll, relatório oficial do mercado de trabalho americano, registrou criação de 4,8 milhões de empregos em junho (acima do consenso) e queda da taxa de desemprego para 11,1%. O resultado foi bem recebido pelos mercados, assim como a melhora dos PMI’s na zona do Euro.

Na agenda de indicadores e eventos do dia, os destaques serão o evento virtual da ABDIB com o ministro Paulo Guedes e a participação do diretor de Política Econômica do BC, Fabio Kanczuk, em painéis virtuais.

Tópicos do dia

Coronavírus

O caso para se comprar Brasil: Rumo aos 110 mil
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Brasil

  1. Nova Carteira Verde Amarela é estudada pelo ministro da Economia

Internacional

  1. Política internacional: China ameaça adotar medidas contra EUA, Reino Unido e Austrália
  2. Internacional

    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Construção Civil: Live da Caixa Econômica Federal sobre Habitação
  2. Setor Elétrico: Custo final da Conta-COVID será de CDI + 3,9%, distribuidoras criticam taxa
  3. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): exportações brasileiras de proteínas em Junho crescem 7% A/A em dólares


Veja todos os detalhes

Brasil

Nova Carteira Verde Amarela é estudada pelo ministro da Economia

  • De acordo com o Estadão, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem estudado a possibilidade de criar uma nova Carteira Verde Amarela digital que estimule os trabalhadores informais a retornarem para a formalidade no pós-pandemia;
  • A ideia é permitir o registro por hora trabalhada de serviços prestados pelo trabalhador para vários empregadores. Nesse modelo, não haveria cobrança de encargos trabalhistas, do FGTS e da contribuição previdenciária;
  • A ideia do ministro é adotar ainda um modelo de IR negativo, em que os trabalhadores, em vez de pagarem impostos, receberiam pagamentos suplementares do governo. Em conexão com o Renda Brasil, que substituirá o Bolsa Família, o governo estuda desonerar a contratação dos trabalhadores do novo programa.

Internacional

Política internacional: China ameaça adotar medidas contra EUA, Reino Unido e Austrália

  • Na escalada de tensões entre Beijing e Washington, a China disse nesta quinta-feira que adotará medidas contra os EUA e também contra o Reino Unido e a Austrália se os países continuassem a adotar medidas contra a nova lei de segurança para Hong Kong, como as sanções recentes aprovadas pelo Congresso americano e a promessa do primeiro-ministro Boris Johnson de oferecer passaportes a residentes de Hong Kong. O porta-voz do ministério de relações exteriores da China, Zhao Lijan, disse em pronunciamento que pressão externa não terá efeito sob as políticas adotadas pelo governo chinês.

Internacional

  • Covid-19: Segundo a OMS, são 10.533.779 casos confirmados e 512.842 óbitos;
  • Na escalada de tensões entre Beijing e Washington, a China disse nesta quinta-feira que adotará medidas contra os EUA e também contra o Reino Unido e a Austrália se os países continuassem a adotar medidas contra a nova lei de segurança para Hong Kong, como as sanções recentes aprovadas pelo Congresso americano e a promessa do primeiro-ministro Boris Johnson de oferecer passaportes a residentes de Hong Kong. O porta-voz do ministério de relações exteriores da China, Zhao Lijan, disse em pronunciamento que pressão externa não terá efeito sob as políticas adotadas pelo governo chinês;
  • Na Europa, após derrota nas eleições municipais o presidente da França, Emmanuel Macron, demitiu seu primeiro ministro, Edouard Philippe, cuja popularidade está em alta desde durante a pandemia. Na Alemanha, o Parlamento deu apoio a compra de títulos do Banco Central.

Empresas

Construção Civil: Live da Caixa Econômica Federal sobre Habitação

  • Ontem (02/07), o Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, realizou uma videoconferência sobre a conjuntura do setor da construção civil e algumas medidas tomadas pelo Banco durante a crise do COVID-19;
  • Sobre a carteira de crédito imobiliário da Caixa, os executivos destacaram o aumento de 22% no volume de contratações de crédito imobiliário no primeiro semestre do ano (contra o mesmo período do ano passado), superando o volume total de R$48 bilhões, onde R$29 bilhões são sob o programa “Minha Casa, Minha Vida” e R$19 bilhões via SBPE. O destaque foi para o crescimento do market share da Caixa nas contratações via SBPE, que atingiu o patamar de 41% (13 p.p acima do mesmo período do ano passado);
  • Sobre as medidas para as pessoas físicas durante a pandemia, a Caixa Econômica Federal concedeu: 1) facilidade de acesso aos serviços fora das agências físicas; 2) pausa temporária no pagamento das prestações em 2,4 milhões de contratos de financiamento habitacional e 3) concessão de 26 mil novos contratos com 6 meses de carência da primeira prestação. Adicionalmente, anunciaram novas medidas como: 1) financiamento dos custos cartoriais e ITBI por meio do financiamento imobiliário e 2) registro eletrônico do contrato habitacional com cartórios associados, diminuindo o prazo do tempo de registro, na média, de 45 dias para 5 dias;
  • Por fim, também foram anunciadas medidas para as construtoras: 1) utilização de recursos de repasses no pagamento de encargos dos empreendimentos; 2) flexibilização da comercialização mínima de 30% para 15% em novos empreendimentos; 3) menor exigência de capital na fase inicial do projeto imobiliário (flexibilização da exigência de 15% de obra em novos empreendimentos);
  • Vemos as medidas anunciadas como marginalmente positivas para as incorporadoras dado que elas devem estimular a demanda das famílias por imóveis e diminuem a necessidade de capital de giro das incorporadoras no início do projeto e durante o período de repasse das unidades. 

Setor Elétrico: Custo final da Conta-COVID será de CDI + 3,9%, distribuidoras criticam taxa

  • Ontem, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) confirmou que o custo da operação financeira de socorro ao setor elétrico para compensar os efeitos da pandemia do Coronavírus (“Conta-COVID”) será de CDI + 3,9%. No caso, as despesas com juros apenas são de CDI + 2,9%, mas as instituições financeiras que participarão da operação (19 ao todo, lideradas pelo BNDES) decidiram incluir uma taxa adicional de 2,5%. A taxa final é superior à operação de resgate ao setor elétrico de 201415 (“Conta-ACR”), que à época foi de CDI +3,7%, em média. Em comparação à inflação, o custo da Conta-COVID seria de IPCA + 5% ao ano, comparado a IPCA + 9% para a Conta-ACR devido ao patamar superior da taxa SELIC à época;
  • Com a definição das taxas, a CCEE espera que as distribuidoras de energia declarem até hoje o interesse em fazer parte da operação. Segundo o Boradcast, o custo total da operação não foi bem recebido pelas distribuidoras por ser considerado caro. No caso, as empresas acreditam que elas poderiam captar recursos a custos mais baratos no mercado de capitais. No entanto, notamos que a comparação não procede inteiramente, uma vez que a Conta-COVID seria uma operação fora do balanço das distribuidoras, portanto não comparável ao custo de uma operação de dívida. Além disso, notamos que a SELIC está no menor patamar de sua história, implicando um baixo custo nominal para operação;
  • Acreditamos improvável que as distribuidoras de energia não queiram aderir à Conta-COVID, uma vez que seus recursos são essenciais para garantir o fluxo de recursos ao longo de toda a cadeia de valor do setor elétrico, principalmente no que diz respeito aos custos de parcela A das tarifas de energia (custos de geração e transmissão). A não adesão também seria prejudicial para a liquidez e manutenção dos covenants financeiros das companhias. Por fim, destacamos que as distribuidoras terão direito a pleitear pedidos de Revisões Tarifárias Extraordinárias (RTEs) para o reequilíbrio econômico de suas concessões, caso seja necessário. De todo modo, mantemos uma visão negativa para o setor no médio prazo em vista da potencial deterioração de resultados e indicadores como perdas não técnicas e inadimplência com a deterioração da economia, da renda das famílias e do desemprego.

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): exportações brasileiras de proteínas em Junho crescem 7% A/A em dólares

  • Segundo dados preliminares do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, divulgados na nota semanal da balança comercial brasileira, em Junho de 2020, o país exportou cerca de 560 mil toneladas de carne (+4% A/A), que geraram uma receita de US$ 1,2 bilhão (+7% A/A);
  • As exportações de carne bovina (fresca, refrigerada ou congelada) seguem em alta, respondendo por 27% do volume total exportado, com 152 mil toneladas (+33% A/A), e 52% do faturamento, com US$ 655 milhões de receita (+48% A/A);
  • Outro destaque positivo foi a carne suína (fresca, refrigerada ou congelada), que respondeu por 16% do volume total exportado, com 87 mil toneladas (+54% A/A), e 15% do faturamento, com US$ 187 milhões de receita (+45% A/A);
  • Já a carne de aves e suas miudezas (fresca, refrigerada ou congelada) apresentou resultados negativos. A categoria respondeu por 57% do volume exportado, com 321 mil toneladas (-13% A/A), e 33% do faturamento, com US$ 408 milhões de receita (-32% A/A), ou seja, houve uma forte queda no preço em dólar por tonelada na comparação anual (-22%);
  • Vale lembrar que o real se desvalorizou mais de 30% no período, logo tais resultados, ao serem convertidos para a moeda nacional, são ainda mais positivos em termos de faturamento para as empresas brasileiras de proteínas, como JBS e Marfrig, nossas favoritas no setor, e para BRF também.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.