XP Expert

Mercados devem refletir decisão do COPOM e negociações pelo Brexit

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,70% | 113.001 Pontos

CÂMBIO 0,95% | 5,17/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou o pregão de ontem em baixa de 0,70%, fechando em 113.001 pontos, num pregão marcado pela deterioração do cenário externo, somado à preocupação com o risco fiscal no Brasil, decorrente do aumento de casos de Covid-19 e a possibilidade da ampliação do estado de calamidade e do auxílio emergencial. Os principais destaques positivos do índice foram as ações de IGTA3 (+2,1%), MULT3 (+1,4%) e ABEV3 (+1,3%). Por outro lado, o dólar comercial subiu 0,95%, cotado a R$ 5,17, seguindo o movimento de países emergentes.

Em dia de decisão do Copom, que manteve a Selic inalterada, as taxas futuras de juros fecharam o dia ontem em alta, principalmente nos vencimentos intermediários e longos, elevando a curva, reflexo da alta do dólar e ainda observando noticiário sobre a vacinação contra a covid-19 e a questão fiscal. DI jan/21 fechou em 1,91%; DI jan/23 encerrou em 4,39%; DI jan/25 foi para 6,05%; e DI jan/27 fechou em 6,91%.

Nessa quinta-feira, os mercados globais operam sem direção definida, com futuros do S&P caindo 0,8% e futuros do Dow Jones subindo 0,17%. Já no resto do mundo, as bolsas europeias e chinesas sobem 0,26% e 0,04%, respectivamente.

Ainda no cenário político internacional, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira (9) um projeto de lei de gastos com validade de uma semana para de evitar uma paralisação do governo que começaria no sábado (12). A proposta foi enviada ao Senado onde deve ser aprovada nos próximos dias. 

Além disso, apesar de esforços de moderados, não houve progresso no lado do pacote de estímulo. Sem negociações entre Mitch McConnell e Nancy Pelosi, parlamentares acreditam que será difícil a aprovação de um projeto.

As negociações pelo Brexit continuarão até domingo. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, estão reunidos em Bruxelas, mas ainda existem diferenças relevantes entre os dois lados.

Já no Brasil, cresce a atenção sobre a disputa pela presidência da Câmara. Arthur Lira, líder do PP, se lançou candidato com apoio de partidos que representam perto de 160 dos 513 deputados, enquanto o grupo de Rodrigo Maia sinalizou a composição de um bloco com perto de 150 deputados, mas ainda sem ter um candidato definido. Os blocos agora saem em disputa do apoio de partidos de esquerda e de defecções em partidos rivais, já que o voto é secreto e os deputados não são obrigados a seguir o bloco do partido. O presidente Jair Bolsonaro demitiu ontem o ministro do Turismo, criando espaço que pode ser usado para contemplar partidos aliados na disputa do Congresso.

A quarta-feira também teve novos rumores sobre a possibilidade de prorrogação do estado de calamidade pública, o que permitiria a extensão do orçamento de Guerra e do auxílio emergencial. A possibilidade foi contestada por Paulo Guedes, Rodrigo Maia e Ricardo Barros, líder do governo.

Ademais, a Câmara mantém na pauta de hoje o projeto de lei que trata da liberação do estoque de fundos públicos, e o da recuperação fiscal dos estados. O Senado tenta votar a nova Lei do Gás, que foi adiada ontem por não haver acordo sobre o relatório, e a Lei de Licitações.

Na seara econômica, destaque para a decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) na noite de ontem. O Copom manteve a taxa Selic em 2,00% ao ano, com decisão em linha com o esperado pela XP Investimentos e pelo mercado. O comunicado manteve as principais mensagens da reunião anterior, avaliando que o regime fiscal não mudou desde a sua última reunião e que a inflação, apesar de elevada, mantém características de choques temporários.  Entendemos que o comunicado é consistente com nosso cenário de que a política monetária começará a se normalizar gradualmente ano que vem, mas aponta que o processo pode se iniciar antes do esperado. Esperamos a retirada do forward guidance possivelmente já na próxima reunião do Copom, e seguimos com a expectativa – que mantemos desde junho – de elevação da Selic a partir do segundo semestre de 2021, até 3% no final do ano.

Já na mídia, o jornal Estado de São Paulo destaca a alta do índice que corrige o salário mínimo e outros benefícios indexados, como previdência, e os impactos no orçamento para 2021. A diferença entre o previsto no orçamento contido na PLOA 2021 enviado ao Congresso e o INPC acumulado em doze meses projetado para dezembro deve elevar os gatos obrigatórios em aproximadamente R$ 20 bilhões.

Na agenda do dia, destaque para a decisão do Banco Central Europeu e resultado de vendas no varejo no varejo no Brasil referentes a outubro.

Do lado das commodities, o minério de ferro na China teve mais um pregão de forte alta. Futuros de Singapura (SGX) fecharam em alta de 5,5% (US$154,7/t). A commodity segue ganhando força após dados mais fortes do que o esperado de exportações da China em novembro e estoques de aço em queda. Adicionalmente, o mercado ainda reflete a revisão para baixo no guidance de produção da Vale para 2021 para 315-335 milhões de toneladas, ~60mt abaixo das últimas projeções divulgadas pela companhia.

Por fim, do lado das empresas, estamos retomando cobertura do setor de vestuário e joias, com C&A, Compra e preço alvo de R$18,0/ação, e Grupo Soma, Compra e preço alvo de R$17,0/ação,  sendo nossas preferências no setor, Lojas Renner com recomendação Neutra e preço alvo de R$53,0/ação e Vivara com recomendação de Compra e preço alvo de R$33,0/ação. Publicamos três relatórios: (i) overview setorial, discutindo os seis principais temas a serem monitorados no setor; (ii) início de cobertura de Grupo Soma; e (iii) Radar ESG, em que destacamos quais os fatores ESG que vemos como os mais importantes para o setor e analisamos como as empresas sob a cobertura da XP estão posicionadas no tema.

Tópicos do dia

Brasil

  1. Copom sinaliza retirada do Forward Guidance antes do previsto, mas projeções de inflação permanecem perto da meta

Internacional

  1. Política internacional: Câmara dos EUA vota projeto para evitar shutdown e Brexit tem data-limite
  2. Petróleo: Aumento no estoque dos EUA acima do esperado pelo mercado
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Renovando o Guarda-Roupa: O que esperar do setor de vestuário/joias e nossas recomendações
  2. Quando somar é multiplicar – Iniciando Cobertura do Grupo Soma com Compra
  3. Vale (VALE3): Nova audiência entre a Vale e autoridades termina sem acordo
  4. Sabesp (SBSP3): Regulador posterga novamente cronograma para revisão da estrutura tarifária
  5. MRV (MRVE3) – MRV Engenharia anuncia o lançamento de sua subsidiária de média renda
  6. Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção


Veja todos os detalhes

Brasil

Copom sinaliza retirada do Forward Guidance antes do previsto, mas projeções de inflação permanecem perto da meta

  • O Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (Copom) manteve, por unanimidade, a taxa Selic em 2,00% ao ano. A decisão veio em linha com o esperado pela XP Investimentos e pelo mercado, como apontou nossa pesquisa Pré-Copom;
  • O comunicado que acompanhou a decisão manteve as mensagens da reunião anterior: i) O estímulo monetário “extraordinariamente elevado” segue adequado; ii) a Selic deve permanecer estável enquanto as expectativas de inflação não se aproximarem das metas, desde que o regime fiscal não mude (Forward Guidance – FG);
  • O Copom avaliou que o regime fiscal não mudou desde a sua última reunião e entende que a inflação “ainda deve se mostrar elevada”, mas mantém o diagnóstico de que os “choques atuais são temporários”;
  • Entendemos que o comunicado é consistente com nosso cenário de que a política monetária começará a se normalizar gradualmente ano que vem, mas aponta que o processo pode se iniciar antes do esperado. Esperamos a retirada do FG possivelmente já na próxima reunião do Copom, em janeiro. Mas, como o choque de inflação tende a ser temporário, o desemprego se manterá elevado e a política monetária exercerá um papel maior para sustentar a retomada da economia com a retirada dos programas fiscais, continuamos acreditando que a taxa Selic ficará estável no curto prazo;
  • Continuamos com a expectativa – que mantemos desde junho – de elevação da Selic a partir do segundo semestre de 2021, até 3% no final do ano. Clique aqui para conferir mais detalhes.

Internacional

Política internacional: Câmara dos EUA vota projeto para evitar shutdown e Brexit tem data-limite

  • A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira (9) um projeto de lei de gastos com validade de uma semana para de evitar uma paralisação do governo que começaria no sábado (12). A proposta foi enviada ao Senado onde deve ser aprovada nos próximos dias;
  • Apesar de esforços de moderados, não houve progresso no lado do pacote de estímulo. Sem negociações entre Mitch McConnell e Nancy Pelosi, parlamentares acreditam que será difícil a aprovação de um projeto;
  • As negociações pelo Brexit continuarão até domingo. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, estão reunidos em Bruxelas, mas ainda existem diferenças relevantes entre os dois lados.

Petróleo: Aumento no estoque dos EUA acima do esperado pelo mercado

  • Ontem a Agência de Informação de Energia dos EUA (EIA) divulgou, em seu relatório oficial de fornecimento, um aumento no estoque de +15,189 milhões de barris contra expectativa de -1,424 milhões de barris, o que foi visto como negativo por indicar uma maior oferta em relação à demanda. Apesar disso, ontem a commodity encerrou o pregão de maneira estável em +0,04% em US$48,86/barril;
  • Ainda no viés negativo, os estoques de gasolina nos EUA cresceram +4,222 milhões de barris, acima das expectativas de mercado de um aumento de +2,271 milhões de barris;
  • Nessa manhã de quinta-feira, o petróleo tipo Brent opera em território positivo, em alta de +1,08% em US$49,39/barril (Brent).

Empresas

Renovando o Guarda-Roupa: O que esperar do setor de vestuário/joias e nossas recomendações

  • Iniciamos cobertura do Grupo Soma, com recomendação de Compra e preço alvo de R$17,0; C&A com Compra e preço alvo de R$18,0; Lojas Renner com recomendação Neutra e preço alvo de R$53,0 e Vivara com Compra e preço alvo de R$33,0/ação, sendo C&A e Grupo Soma nossas preferências do setor;
  • Estamos construtivos com o setor de vestuário e joias, pois acreditamos que será um dos principais beneficiários da recuperação econômica em 2021, além de vermos espaço para consolidação e acreditarmos que as iniciativas multicanais devem destravar muito valor para o setor;
  • Em nosso relatório, discutimos os seis principais temas a serem monitorados no setor: (i) Recuperação da Economia; (ii) Consolidação / M&A; (iii) Ecossistema Digital; (iv) Novas tendências de moda; (v) Oportunidades de Localização; e (vi) ESG. Clique aqui para ler o relatório completo.

Quando somar é multiplicar – Iniciando Cobertura do Grupo Soma com Compra

  • Iniciamos cobertura das ações do Grupo Soma (SOMA3) com recomendação de Compra e preço alvo de R$17,0 para o fim de 2021;
  • Nós vemos a empresa bem posicionada para consolidar o mercado de vestuário de luxo, há muito potencial de crescimento orgânico através da expansão de lojas, do atacado e penetração do digital e esperamos que a expansão da margem EBITDA seja sustentada por ganhos de sinergias, alavancagem operacional, aumento da penetração multicanal, integração de estoques e eficiência de logística;
  • Por fim, fizemos uma análise de sensibilidade sobre quanto valor pode ser destravado através de M&A e estimamos que pode chegar até R$ 4,9/ação, embora consideremos apenas R$ 1,0/ação em nosso modelo. Clique aqui para ler o relatório completo.

Vale (VALE3): Nova audiência entre a Vale e autoridades termina sem acordo

  • O dia de ontem (9) foi marcado por duas notícias relevantes em relação à Vale: venda de ações da VLI e audiência de conciliação com o governo de Minas Gerais acerca do caso Brumadinho;
  • Com relação à venda das ações, a Vale anunciou que o BNDES Participações (BNDESPar) exerceu a opção contida no Contrato de Opção de Compra de Ações de emissão da VLI. Sendo assim, a companhia receberá R$ 1.223 milhões em 11 de dezembro, pela venda de 8% de participação na VLI. Segundo a Vale, esse contrato decorre do acordo firmado entre as duas entidades que resultaram no aditamento de emissões de debêntures para financiar o projeto de expansão da Ferrovia Norte Sul, operada pela VLI;
  • Além disso, a Vale participou de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais para debater sobre o acordo referente aos danos causados em Brumadinho. No entanto, a audiência foi encerrada sem acordo, pela terceira vez. O valor solicitado pelas autoridades gira em torno de R$ 54,6 bilhões, longe do valor calculado pela Vale, de R$ 19 bilhões. Uma nova audiência foi marcada para o 17 de dezembro;
  • Mantemos nossa recomendação de Compra para Vale, com preço-alvo de R$ 86 por ação.

Sabesp (SBSP3): Regulador posterga novamente cronograma para revisão da estrutura tarifária

  • Ontem a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo – ARSESP divulgou a Deliberação n° 1.080 que altera o cronograma de eventos para a revisão da Estrutura Tarifária da Sabesp;
  • A análise pela agência, da proposta de estrutura tarifária apresentada pela Sabesp em novembro de 2019, foi alterada do dia 1º de dezembro de 2020 para 07 de janeiro de 2021. Em outubro de 2020 o regulador já havia feito uma postergação das datas;
  • O prazo de análise das contribuições recebidas, publicação da Nota Técnica Final, do Relatório Circunstanciado e da Deliberação sobre a estrutura tarifária aprovada pela Arsesp passou de 6 de março de 2021 para 9 de abril de 2021.

MRV (MRVE3) – MRV Engenharia anuncia o lançamento de sua subsidiária de média renda

  • Ontem, a MRV anunciou o lançamento da Sensia Incorporadora, a sua nova subsidiária de média renda, que irá focar em famílias com renda média entre R$7-11 mil financiadas pelo SBPE;
  • De acordo com o Valor Econômico, a nova companhia possui a meta de lançar R$1bilhão em VGV (com um preço médio de R$350 mil/unidade) em 2023. Adicionalmente, a companhia prevê cinco projetos da Sensia para 2021, 7 para 2022 e 15 para 2023 e irá começar seus projetos por Belo Horizonte, Campinas, Maceió e Lauro de Freitas (Bahia);
  • Em nossa opinião, o anúncio está em linha com a estratégia da MRV de lançar 40-50% do seu VGV fora do programa habitacional Casa Verde e Amarela (antiga Minha Casa, Minha Vida). Assim, não acreditamos que o anúncio seja um catalisador para o papel e mantemos nossa recomendação neutra e preço-alvo de R$23,0/ação.

Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção

  • Para as empresas do setor de vestuário e joias, vemos a frente Social como a mais importante das três, seguida pelos pilares de Governança e Meio Ambiente, respectivamente;
  • Vemos a Vivara bem posicionada nos fatores Social e Governança, enquanto no pilar Ambiental, como fabricante e varejista de joias, a empresa está exposta ao risco de reputação decorrente do uso de minerais adquiridos de forma insustentável. Já para as empresas de vestuário, vemos a Lojas Renner com robustas políticas de gestão da cadeia de suprimentos, aliadas à ótima governança e cultura, enquanto a C&A se destaca no pilar Ambiental. Por fim, para o Grupo Soma, embora a empresa pareça estar mais engajada com o tema recentemente e ainda não tenha um relatório de sustentabilidade, vemos de forma positiva a divulgação recente em relação à estratégia da empresa para o futuro no tema ESG, com alinhamento aos ODS da ONU;
  • Fizemos um relatório completo destacando os fatores ESG que vemos como os mais importantes para o setor e analisamos como as empresas brasileiras que fazem parte do universo de cobertura da XP (VIVA3, LREN3, CEAB3 e SOMA3) se posicionam quando o tema é ESG. Clique aqui para ler o relatório completo.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.