XP Expert

Mercados à espera de dados de inflação e PIB nos EUA; Klabin e Microsoft divulgam resultados hoje

Os números do PIB dos EUA para o primeiro trimestre estão entre os temas de maior destaque nesta quinta-feira, 25/04/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Ouça no Spreaker

IBOVESPA -0,33% | 124.741 Pontos

CÂMBIO +0,31% | 5,15/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa terminou o pregão de ontem com queda de 0,3%, aos 124.741 pontos. Os principais índices globais operaram próximos da estabilidade, ao passo que os investidores aguardam dados de inflação nos EUA.

Na Bolsa brasileira, Petrorecôncavo (RECV3; +4,7%) teve a maior alta do dia, após notícias de uma possível fusão da companhia com a Eneva (ENEV3; +0,4%). Vale (VALE3; +1,2%) também foi destaque positivo, impulsionado pela alta do minério de ferro. Por outro lado, Petz (PETZ3; -9,5%) apresentou o pior desempenho da sessão, em um movimento de realização de lucros.

Na agenda de quinta-feira, o mercado acompanha de perto a divulgação do PIB americano do primeiro trimestre de 2024 (1T24). Na temporada de resultados, Klabin e Multiplan divulgam seus balanços no Brasil.

Renda Fixa

Os juros futuros encerraram a sessão da quarta-feira em alta por toda a extensão da curva, com maior intensidade nos vencimentos longos, ganhando inclinação. Os ativos locais acompanharam as Treasuries – títulos soberanos americanos-, que apresentaram elevação na remuneração dos papéis de 2 e 10 anos para 4,89% (+3,0 bps) e 4,65% (+4,0 bps), respectivamente, após a divulgação dos dados de encomendas de bens duráveis acima do esperado. DI jan/25 fechou em 10,35% (alta de 5,5bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 10,635% (alta de 13,5bps); DI jan/27 em 10,96% (alta de 15bps); DI jan/29 em 11,42% (alta de 15bps).

Mercados globais

Nesta quinta-feira, os mercados operam em queda nos Estados Unidos (S&P 500: -0,5%; Nasdaq 100: -0,9%). Ontem, o resultando de Meta veio acima das expectativas, mas as sinalizações que a companhia pretende ampliar capex e despesas com a temática de Inteligência Artificial e um guidance de receita abaixo do esperado para o segundo trimestre fazem com que as ações da companhia caiam cerca de 13% nas negociações pré-mercado. 

Hoje, uma série de empresas reporta resultados: Merck, Caterpillar, Comcast e Newmont são os destaques antes da abertura do mercado, enquanto Microsoft, Alphabet (empresa por trás de Google), T-Mobile e Intel divulgam seus balanços após o fechamento. Confira todos os resultados aqui.

Na Europa, o índice pan-europeu opera em queda (Stoxx 600: -0,2%), mas o destaque é a alta na Bolsa britânica (FTSE: 0,6%) após a mineradora BHP realizar oferta para a aquisição da Anglo American, cujas ações disparam mais de 12% nessa manhã. Na China, as bolsas de Xangai e de Hong Kong fecharam o dia positivas (CSI 300: 0,3%; HSI: 0,5%).

Economia

Os números do PIB dos EUA para o primeiro trimestre serão divulgados hoje. O consenso de mercado é de que a atividade econômica desacelerou para 2,5% nos primeiros três meses do ano, ante 3,4% no quarto trimestre – um ritmo ainda sólido graças, em grande parte, a um mercado de trabalho resiliente e a fortes despesas de consumo. Talvez ainda mais importantes do que o PIB serão os números do deflator do PIB, em particular o Deflator Pessoal do Consumidor (PCE), a medida de inflação favorita da Fed (banco central). Um novo resultado forte de inflação tende a eliminar definitivamente as expectativas de corte nas taxas de juros ainda no primeiro semestre.

No Brasil, o diretor do banco central Gabriel Galípolo afirmou que a política monetária deve ser cautelosa e não necessariamente reagir à volatilidade de curto prazo. Em nossa opinião, foi um sinal de que, para ele, parece cedo para antecipar uma desaceleração no ritmo de corte de juros na próxima reunião do Copom.

No lado fiscal, o governo enviou ao Congresso o projeto de lei que regulamenta a reforma tributária constitucional aprovada no ano passado.

Veja todos os detalhes

Economia

Atenções voltadas para o PIB dos EUA

  • – Os números do PIB dos EUA para o primeiro trimestre serão divulgados hoje. O consenso de mercado é de que a atividade econômica desacelerou para 2,5% nos primeiros três meses do ano, ante 3,4% no quarto trimestre – um ritmo ainda sólido graças, em grande parte, a um mercado de trabalho resiliente e a fortes despesas de consumo. Talvez ainda mais importantes do que o PIB serão os números do deflator do PIB, em particular o Deflator Pessoal do Consumidor (PCE), a medida de inflação favorita da Fed (banco central). Um novo resultado forte de inflação tende a eliminar definitivamente as expectativas de corte nas taxas de juros ainda no primeiro semestre;
  • – Os preços do petróleo sobem ligeiramente nesta quinta-feira, com o mercado digerindo sinais mistos dos dados dos estoques dos EUA e das tensões geopolíticas no Oriente Médio. Os futuros do petróleo Brent com vencimento em junho subiram 0,2% pela manhã, cotados a US$ 88,16 o barril. Os futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate avançavam 0,1%, para US$ 82,92 o barril.
  • – No Brasil, o diretor do banco central Gabriel Galipolo afirmou que a política monetária deve ser cautelosa e não necessariamente reagir à volatilidade de curto prazo. Em nossa opinião, foi um sinal de que, para ele, parece cedo para antecipar uma desaceleração no ritmo de corte de juros na próxima reunião do Copom. Na semana passada, durante as reuniões de primavera do FMI, o presidente Roberto Campos sinalizou que a sinalização de corte de 0,50 p.p. na próxima reunião não era mais apropriada considerando o aumento da incerteza, embora tenha enfatizado que isso não significa que um corte menor seja mais provável, mas sim que a decisão está mais aberta.
  • – O governo enviou ao Congresso o projeto de lei que regulamenta a reforma tributária constitucional aprovada no ano passado. A discussão mais importante será quais os setores que deverão ser incluídos nas categorias de alíquotas reduzidas e nos regimes especiais – tais como os segmentos que estarão sob o regime de “imposto do pecado”. As discussões no parlamento devem durar o restante do ano.

Empresas

Varejo XP: Clima novamente será um inimigo?

  • Neste relatório, analisamos mais de perto a dinâmica do clima e das temperaturas, uma vez que essas assumiram um papel central no desempenho das varejistas de vestuário. Os dados apontam para um abril mais quente, com temperaturas acima da média de 4 anos em 75% das cidades acompanhadas, enquanto a probabilidade do fenômeno La Niña ocorrer vem diminuindo, o que pode indicar uma estação fria mais amena pela frente;
  • Também fizemos uma rodada de visitas para ver os layouts das lojas das varejistas, bem como a percepção de vendas dos vendedores até agora e observamos que a maioria das lojas já apresenta a coleção outono/inverno e que um maio/junho mais frio é fundamental para atingir suas metas de vendas;
  • No geral, embora maio/junho sejam os determinantes para o desempenho do 2º trimestre, as tendências climáticas são um ponto de atenção e, portanto, devem ser acompanhadas de perto;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Assaí (ASAI3): Resultados sólidos no 1T 

  • O Assai divulgou resultados sólidos no 1T, com melhoria da dinâmica de vendas nas mesmas lojas, expansão de margem e geração de caixa operacional;
  • As vendas líquidas cresceram +14% a/a, suportadas pelo plano de expansão da empresa (+28 lojas LTM, sendo 14 conversões do Extra), enquanto as vendas nas mesmas lojas vieram em +3,4% (vs. Atacadão em +1,8%), dada a recuperação dos volumes (+0,4% a/a) e à contribuição positiva das conversões;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Bens de Capital: Uma palavra sobre as mudanças nas condições macro

  • Este é o nosso Resumo Semanal de Bens de Capital, onde discutimos temas fundamentais para o setor. Nesta semana, destacamos:
    • Uma recapitulação dos eventos macroeconômicos recentes que levaram nossa equipe Macro a revisar para cima suas previsões cambiais e Selic para 2024-25 – e implicações para os nomes de Bens de Capital do Brasil, com potencial maior atenção a ações mais adversas ao risco e dolarizadas;
    • A publicação do EV Outlook 2024 pela Agência Internacional de Energia (link), com a associação prevendo 30% de participação dos ônibus elétricos nas vendas até 2035E; e
    • Aumento de short interest para Randon (+2,6p.p. S/S;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

LOG CP (LOGG3): Fortes dados operacionais compensados por um P&L moderado

  • A LOG CP reportou resultados neutros no 1T24;
  • Do lado positivo, os dados operacionais foram sólidos com:
    • Entregas em linha em 57 mil m² (100% pré-locados);
    • Vacância estabilizada caiu para 0,91% (-52 bps A/A);
    • Crescimento positivo do ticket médio para R$ 20,62/m² (+2,5% A/A);
    • Vendas de ativos atingiram R$ 510 milhões no trimestre, o que deve continuar apoiando o plano de expansão da LOG;
  • Do lado negativo, ainda vemos um resultado pressionado (embora em linha) dado:
    • Queda da receita líquida (-20% A/A) dada uma menor ABL;
    • Compressão do EBITDA das operações de locação (-27% A/A) afetado por maior G&A;
    • FFO das operações de locação diminuindo para R$10 milhões (-68% A/A);
  • Temos uma avaliação neutra dos resultados da LOG, mantendo nossa recomendação neutra e preço alvo de R$ 26,5/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Vale (VALE3): Resultados do 1T’24 – Resultados em linha apesar dos obstáculos macroeconômicos no 1T

  • A Vale reportou resultados do 1T24 em linha com expectativas, com EBITDA pró-forma ajustado de US$ 3,3 bilhões +3% vs. XPe e praticamente em linha com o consenso;
    • Com os números operacionais já divulgados, vemos os resultados fracos de hoje desproporcionalmente afetados por ventos contrários relacionados ao cenário macro, com (a) a queda dos preços do minério de ferro ao longo do 1T levando a uma realização de preço mais fraca do que o normal e (b) a valorização do BRL tendo um efeito negativo nos custos (C1/t de US$ 23,5/t ou ~US$ 22,8/t excluindo efeitos cambiais), ambos já apresentando melhorias no 2T;
    • Numa nota positiva, o fluxo de caixa livre (FCF) atingiu um forte nível de US$ 2 bilhões (parcialmente impulsionado pelo alívio pontual de capital de giro), enquanto a revisão para cima de investimentos de Serra Sul pode ser vista como um destaque negativo (para US$ 2,8 bilhões de US$ 1,5 bilhão, embora o guidance consolidada de investimentos para 2024E foi mantido inalterado em US$ 6,5 bilhões). 
    • Reiteramos nossa recomendação de Compra;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Teto de juro do consignado do INSS cai de 1,72% para 1,68% ao mês (Valor);
    • Bancos veem desafios no Desenrola para MPE e em crédito para MEI (Valor);
    • Estrangeiros sacam R$ 805,5 milhões na bolsa de valores em 22 de abril (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Plano quer que Brasil seja referência mundial em transformação digital (Valor);
    • Biden sanciona lei que obriga venda (ou banimento) do TikTok nos EUA (Pipeline);
    • Brisanet, iez! e Unifique querem 6 GHz para rede móvel e leilão regional (Teletime);
    • Anatel: venda da Oi Móvel reduziu competição e PGMC deve interferir (Teletime);
    • Clique Aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Assaí tem SSS acima da inflação e melhora guidance de alavancagem (Brazil Journal);
    • Lira avalia incluir taxação de comércio eletrônico no projeto de lei do Mover (Valor Econômico);
    • Estimativa de alíquota do IVA está entre 25,7% e 27,3%; a média é de 26,5%, diz Bernard Appy  (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • Will genetic breeding be hoppy ending beer brands are looking for? (Just Drinks);
      • Heineken tem alta de 7,2% na receita e de 4,7% na venda de cerveja no 1ºtrimestre (Guia da Cerveja).
    • Alimentos
      • US requires bird flu tests for dairy cattle moving between states (Reuters);
      • Properly Prepared Beef Remains Safe (Drovers).
    • Agro
      • El Niño está perto do fim e já surgem sinais de La Niña (Globo Rural);
      • Lucro da Bunge cai no trimestre, enquanto empresa tenta tirar fusão com Viterra do papel (AgFeed).
    • Biocombustíveis
      • India lets oil firms procure extra ethanol from sugar mills, source says (Reuters);
      • Mais de um a cada cinco carros vendidos em 2024 será elétrico, estima IEA (epbr).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Marco de pesquisas com humanos atrai R$ 5 bi em investimentos (Folha);
    • Reforma Tributária: mais de 380 medicamentos e vacinas terão isenção total de imposto (O Globo);
    • CCT vai debater ensino médico e financiamento de universidades (Senado);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • ‘Saque-aniversário destrói pilares do FGTS e prejudica trabalhador’, afirma CBIC em audiência na Câmara (CBIC);
    • Governo aciona STF contra desoneração a empresas e municípios aprovada pelo Congresso (Infomoney);
    • Regulamentado plano urbanístico para incentivar empreendimentos no centro de São Paulo (Sinduscon);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Processo de caducidade pode barrar renovação para distribuidoras de energia (Valor Econômico);
    • Reforma tributária: governo propõe devolver 50% de tributos sobre água e esgoto a mais pobres (Estadão);
    • Lula é intransigente a alta de tarifa de Itaipu pedida por Paraguai, diz ministro (Folha de S. Paulo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Treasury yields dip ahead of gross domestic product, inflation data (CNBC);
  • Temporada deve ser melhor, mas mudança de cenário preocupa (Valor);
  • Tributária: governo quer imposto maior para carro e refrigerante, mas poupa alimento ultraprocessado (Estadão);
  • Moody’s Local afirma rating do Estado do Paraná em ‘AAA.br’; perspectiva estável (Moody’s Local);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • FII paga maior dividendo em 12 meses e é destaque entre principais retornos de abril (InfoMoney);
    • Fundo imobiliário quer “dobrar de tamanho” com nova oferta; valor máximo é de R$ 600 milhões (FIIs);
    • BRCO11: FII anuncia quanto já captou em sua 5ª oferta de cotas; veja o valor (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

O que escutamos do Diretor da Toyota em reunião sobre eletrificação com investidores? Veja os destaques

  • O time de Research ESG da XP, junto com as células de Bens de Capital, Transportes e Agro, realizou uma reunião com o Sr. Roger Armellini, Diretor Regional de Mobilidade, DCX e Cadeia de Valor no Brasil e América Latina da Toyota;
  • Dentre os destaques, vale mencionar: (i) os carros híbridos como um intermediário no caminho até os elétricos puros; (ii) um mergulho no mercado dos EUA; (iii) capacidade de redução das emissões de carbono é maior nos híbridos; (iv) o impacto da competição chinesa no mercado automotivo local; e (v) após efeitos negativos do COVID-19 na indústria, a perspectiva adiante é de estabilização;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Parlamento Europeu aprova Diretiva de Diligência Devida em Sustentabilidade Corporativa| Café com ESG, 25/04

  • O mercado encerrou o pregão de quarta-feira em território negativo, com o IBOV e ISE recuando 0,32% e 0,61%, respectivamente.
  • Do lado das empresas, os principais frigoríficos brasileiros aderiram a uma iniciativa voluntária que acaba de ser lançada para padronizar práticas e exigências de conformidade ambiental para os fornecedores de carne do Cerrado, um dos focos de desmatamento por atividade pecuária no país – a iniciativa é conhecida como o Protocolo Voluntário de Fornecedores de Gado do Cerrado e coordenado pelas organizações Proforest, Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) e National Wildlife Federation (NWF);
  • Na política, (i) a regulamentação da reforma tributária prevê que, nas alíquotas específicas por unidade de medida do IBS e da CBS, que os biocombustíveis “consumidos na sua forma pura” e o hidrogênio de baixa emissão de carbono deverão ter tributação inferior a dos combustíveis fósseis – segundo o Valor Econômico, o texto lista 11 tipos de combustíveis e ainda prevê outros tipos definidos pela ANP relacionados na legislação; e (ii) na União Europeia, a Diretiva de Due Diligence de Sustentabilidade Corporativa foi aprovada pelo Parlamento Europeu nesta quarta-feira (24), sinalizando um passo significativo em direção a práticas empresariais mais responsáveis e sustentáveis em escala global – a Diretiva vem atraindo grande interesse no mercado frente ao seu potencial de impactar as operações de negócios em todo o mundo;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.