XP Expert

Mercado repercute manutenção da Selic em 10,50% a.a.

Divulgação de indicadores de atividade econômica nos EUA é um dos temas de maior destaque nesta quinta-feira, 20/06/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Ouça no Spreaker


IBOVESPA +0,53% | 120.26′ Pontos

CÂMBIO +0,17% | 5,44/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

Na quarta-feira, o Ibovespa fechou em alta de 0,5%, aos 120.261 pontos, retornando ao patamar acima dos 120 mil pontos em uma sessão com liquidez reduzida pelo feriado de Juneteenth nos EUA, que deixou os mercados americanos fechados. Os investidores aguardaram a decisão do Copom, divulgada pós-fechamento, que veio como esperado – manutenção da Selic em 10,5% ao ano, com unanimidade.

O principal destaque positivo da sessão foi a BRF (BRFS3, +4,3%), após decisão da China de iniciar uma investigação antidumping sobre importações de carne suína da União Europeia, e beneficiada pela alta do dólar de 0,1%, cotado em R$ 5,44. Já o principal destaque negativo foi a Azul (AZUL4, -4,6%), após alta do dólar, avanço do preço do Brent (+0,1%), e a preocupação de juros mais altos à espera da decisão do Copom.

Para o pregão de quinta-feira, teremos a decisão de juros pelo Banco da Inglaterra no Reino Unido, e o dado de transações correntes do primeiro trimestre nos EUA.

Renda Fixa

Os juros futuros encerraram a sessão de quarta-feira (19) com abertura nos vértices curtos e intermediários, enquanto os vértices longos se mantiveram estáveis. Com o mercado americano fechado em razão de feriado, as atenções dos investidores se voltaram para a decisão do Copom que ocorreu após o pregão. Em razão disso, as críticas do presidente Lula ao Banco Central feitas na terça-feira (18), ainda reverberaram no mercado, trazendo aumento dos prêmios de risco na sessão. DI jan/25 fechou em 10,7% (alta de 3bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 11,32% (alta de 4bps); DI jan/27 em 11,64% (alta de 1bps); DI jan/29 em 12% (estável, 0bps).

Mercados globais

Nesta quinta-feira, os futuros nos Estados Unidos abrem positivos (S&P 500: 0,4%; Nasdaq 100: 0,7%). Hoje, o mercado espera uma série de dados de atividade econômica. Na Europa, as bolsas operam em alta (Stoxx 600: 0,5%). O banco central da Suíça cortou sua taxa de juros, e no Reino Unido, o mercado espera uma manutenção dos juros mesmo após a inflação ao consumidor ter atingido a meta de 2% na região. Na China, as bolsas fecharam em queda (CSI 300: -0,7%; HSI: -0,5%), após manutenção das taxas de juros pelo banco central chinês.

Economia

Conforme anunciado ontem à noite, o Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (Copom) interrompeu o ciclo de corte de juros, em linha com as expectativas. A decisão de manter a taxa Selic em 10,50% foi unânime, reforçando, em nossa opinião, o compromisso do Comitê em atingir a meta de inflação. Com relação aos próximos passos, o Copom afirmou que “a política monetária deve se manter contracionista por tempo suficiente”. Consideramos que a decisão e a comunicação do Copom são consistentes com o nosso cenário de taxa Selic em 10,50% até o final de 2025.     

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) anunciará sua decisão de política monetária esta manhã. Esperamos manutenção da taxa básica de juros em 5,25%. Olhando adiante, acreditamos que o banco central iniciará o ciclo de redução de juros em agosto ou setembro, tendo em vista a expectativa de alívio na inflação corrente.   

Veja todos os detalhes

Economia

Copom mantém taxa Selic em 10,50%, com decisão unânime; Banco da Inglaterra anuncia decisão de juros hoje

  • Conforme anunciado ontem à noite, o Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (Copom) interrompeu o ciclo de corte de juros, em linha com as expectativas. A decisão de manter a taxa Selic em 10,50% foi unânime, reforçando, em nossa opinião, o compromisso do Comitê em atingir a meta de inflação. O comunicado pós-decisão trouxe elementos adicionais para apoiar essa interpretação. O Copom justificou a pausa argumentando que “o cenário global incerto e o cenário doméstico marcado por resiliência na atividade, elevação das projeções de inflação e expectativas desancoradas demandam maior cautela.” Com relação aos próximos passos, o Copom afirmou que “a política monetária deve se manter contracionista por tempo suficiente”, reforçando a necessidade de consolidar “não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas”. Para o Copom, isso provavelmente significa manter a taxa Selic no patamar atual por bastante tempo. A propósito, o comunicado apresentou um cenário alternativo com a taxa de juros constante em 10,50% ao longo do horizonte relevante (até o final de 2025). Neste caso, o modelo do Copom projeta a inflação em 3,1% no final do ano que vem, ou seja, perto da meta. Portanto, consideramos que a decisão e a comunicação do Copom são consistentes com nosso cenário de taxa Selic em 10,50% até o final de 2025. No entanto, como temos destacado em nossas publicações, o grau de incertezas no ambiente macroeconômico está acima do usual, tanto por razões domésticas quanto globais. Para uma análise detalhada sobre a decisão do Copom, clique aqui;
  • De acordo com a sondagem pós-Copom conduzida pelo time de Estratégia Macro da XP, o comunicado pós-decisão foi lido como neutro por 56% dos respondentes, enquanto 21% o leram como hawkish (duro) e 23% como dovish (suave). Em relação às expectativas para a política monetária adiante, praticamente todos os investidores esperam que o Copom mantenha a taxa Selic (em 10,50%) nas próximas duas reuniões, que serão realizadas em julho e setembro. A pesquisa foi realizada com quase 80 investidores institucionais;
  • No exterior, o Banco Popular da China (PBoC, na sigla em inglês) deixou inalteradas suas taxas de juros de referência, em linha com as expectativas. A taxa de empréstimo de 1 ano (LPR) permaneceu em 3,45%, enquanto a taxa de 5 anos foi mantida em 3,95%. A maioria dos empréstimos baseia-se na referência de 1 ano, ao passo que os juros de 5 anos influenciam a concessão de hipotecas. Em linhas gerais, a economia chinesa ainda encontra dificuldades para acelerar o ritmo de recuperação;
  • No Reino Unido, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) anunciará sua decisão de política monetária esta manhã. Embora o banco central tenha sinalizado, em sua última reunião, a disposição de reduzir os juros em breve, os últimos dados de inflação de serviços resistente devem levar à manutenção da taxa de referência em 5,25%. Isto posto, projetamos que o BoE iniciará o ciclo de corte de juros em agosto ou setembro, tendo em vista a expectativa de alívio nas próximas divulgações de inflação;
  • Ainda sobre a agenda internacional desta quinta-feira, destaque para a divulgação de indicadores de atividade econômica nos EUA: novas construções residenciais e concessões de alvarás referentes a maio; sondagem industrial do Fed Filadélfia relativa a junho; e pedidos de auxílio desemprego na semana passada.

Empresas

CBA (CBAV3):  Feedback da Reunião com CFO- Mercado de alumínio apertado impulsionando melhor momento operacional

  • Nesta semana tivemos uma reunião com a CFO da CBA, Camila Abel, a gerente de RI Amabile Silva e a consultora de RI Rhaissa Magalhães. As principais conclusões foram:
    • Perspectivas positivas de curto prazo para os preços do alumínio devido a uma melhora no sentimento de recuperação econômica e um mercado mais apertado do que o esperado, apesar de algumas retomadas de capacidade em Yunnan;
    • Custos de produção da indústria devem permanecer estruturalmente mais altos, impactando os preços de longo prazo do alumínio (impulsionados por custos de energia mais altos, preços mais altos do coque e piche de alcatrão de carvão e inflação de capex);
    • A conclusão dos projetos em andamento é uma prioridade, incluindo a atualização da tecnologia da sala de vasos, a atualização da produção de alumínio e a retomada da sala forno #1, e
    • Um ambiente de custos melhor em relação às máximas de 2023, com preços de insumos mais baixos parcialmente compensados por custos de energia mais altos. Mantemos nossa postura positiva e recomendação de Compra na CBA.
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Itaú Unibanco (ITUB4): Transformação digital do Itaú visa fortalecer a liderança em vários segmentos; Feedback sobre o Itaú Day

  • O Itaú realizou hoje (19/06) seu Investor Day virtual com a participação de conselheiros, executivos C-level e alta administração;
  • Embora o evento não tenha fornecido insights significativos sobre as expectativas do Itaú para os resultados financeiros de 2024, ele esclareceu iniciativas importantes. Entre elas, o Super App “Itaú One”, que migrará 15 milhões de clientes e deverá impulsionar o aumento das vendas e do engajamento. O projeto Atlas, que deu origem à Unidade de Negócios “Itaú Emps”, tem como foco atender empresas com faturamento anual entre R$ 200 mil e R$ 5 milhões. Além disso, o banco destacou o uso crescente de Inteligência Artificial (IA) para aumentar a eficiência e a geração de receita;
  • O CEO Milton Maluhy expressou sua preferência pelo pagamento de dividendos extraordinários em vez de aumentar o pagamento mínimo, pois isso permite que o banco aproveite as oportunidades de crescimento e enfrente eventuais desafios que apareçam;
  • Como resultado, mantemos uma perspectiva positiva sobre a capacidade do Itaú de se adaptar às mudanças no cenário competitivo e permanecer como um dos participantes mais eficientes do setor financeiro. Além disso, reafirmamos nossa recomendação de Compra e o Itaú como nossa preferência no setor;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Randoncorp (RAPT4): Feedback do Investor Day 2024 – Construindo uma empresa diversificada (e mais resiliente)

  • A Randocorp sediou seu Investor Day com a presença de vários executivos importantes das divisões da Randoncorp.
    • Observamos esforços contínuos para reduzir a exposição aos ciclos econômicos do Brasil, com a diversificação e a internacionalização no centro das diretrizes estratégicas da empresa (e potencialmente proporcionando algum alívio em meio ao cenário macro atual).
    • Durante o evento, a empresa discutiu diversas avenidas de crescimento, com destaque para as oportunidades no mercado norte-americano tanto de implementos rodoviários quanto de autopeças (e sua contraciclicidade em relação ao mercado doméstico).
    • Vemos com bons olhos as iniciativas inovadoras da Randon para aumentar a produtividade fabril, bem como a alocação disciplinada de capital para segmentos agregadores de margem.
    • Em suma, reiteramos nossa visão construtiva em relação à Randon, com os níveis atuais de valuation precificando um desconto excessivo, em nossa visão (Randon excl. Frasle negociado a 1,5x P/L ’25).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Este é o nosso Resumo Semanal de Bens de Capital, onde discutimos temas fundamentais para o setor. Nesta semana, destacamos:

  • Dinâmica divergente para vendas vs produção de ônibus ao analisar os dados das associações para maio’24, e por que acreditamos que é muito cedo para chamar uma deterioração na demanda;
  • Diversas notícias especulando novos pedidos/parcerias para a Embraer, incluindo jatos E2 para companhias aéreas brasileiras, jatos executivos para a Índia e uma potencial parceria com a Defesa dos EUA;
  • A aprovação pelo BNDES do plano de investimentos de R$ 58 milhões da WEG para inovação e soluções eficientes em Drives e Controls; e
  • Relatório do nosso time de ESG  sobre os eventos de Energy Securities da Shell, com a empresa prevendo uma participação de ~14-30% da frota global de caminhões e vans elétricos ou a hidrogênio até 2040E.
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Itaú vai para o ataque na baixa renda (Valor);
    • Monte Bravo Corretora oficializa início das operações na B3 (Valor);
    • Pedidos de indenizações de seguros no Rio Grande do Sul alcançam R$ 3,855 bilhões, diz CNseg (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Vulcabras investe R$ 30 milhões em ampliação de fábrica (Exclusivo);
    • Sinal verde: Justiça homologa recuperação da Casas Bahia (Neofeed)
    • Líder do governo admite impacto menor para desoneração da folha e fala em R$ 17 bilhões (Folha de São Paulo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Dasa faz acordo na Justiça para manter marca Delboni (Folha);
    • Piso para dentistas é tema de audiência na Câmara nesta quinta-feira (Câmara);
    • Uma fatura de R$ 6 bi: “Operadoras transferiram seus problemas para os hospitais”, diz Anahp (Exame);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • China Eyes Trade War Targets Across Europe for Retaliation – Bloomberg;
      • Ambev recebe licença de instituição de pagamento – Valor;
    • Alimentos
      • China’s dumping probe to test resilience of Spain’s pig farmers – Reuters;
      • Gripe Aviária: Austrália confirma surto da doença em segundo Estado – AviSite;
    • Agro
      • India raises crop prices as Modi tries to win over farmers – Reuters;
      • Corteva obtém liberação de fixador biológico para a soja – GloboRural;
    • Açúcar e Biocombustíveis
      • Copersucar fecha safra “especial” com menos receita, mas mantém resultado bilionário – AgFeed;
      • Com prêmio “super bom” , Raízen faz primeira exportação de E2G a partir de nova planta – AgFeed;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • Construtoras ganham com novas regras em SP (Valor);
    • Copom decide manter a Selic em 10,50%, em decisão unânime (Infomoney);
    • Shopping Tijuca terá expansão e novo espaço gastronômico (O Globo);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Governo descarta uso de ativos para reduzir estoque da dívida dos Estados, diz Padilha (Valor Econômico);
    • MP provoca corrida por subsídios com quase 2 mil pedidos de enquadramento à Aneel (Valor Econômico);
    • Grandes usinas de energia solar já equivalem a uma Itaipu em potência instalada (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

Pesquisa com assessores XP: Apetite por risco diminui e sentimento com a Bolsa piora

  • Nesta edição da nossa pesquisa com assessores filiados à XP, vimos mais um aumento no sentimento de cautela em relação à Bolsa. Os principais pontos da pesquisa foram:
  • O apetite por investimento em Renda Variável caiu, com 19% (-8 p.p. M/M) indicando que seus clientes planejam aumentar a exposição, enquanto 21% planejam reduzir exposição, valor mais elevado desde Maio-23;
  • O sentimento dos assessores deteriorou de 6,2 para 5,6 (numa escala de 0 a 10);
  • O interesse por Renda Fixa continua crescendo, com Fundos de Renda Fixa ultrapassando Fundos Imobiliários e obtendo a 2ª colocação como a classe de ativo de maior interesse;
  • A política fiscal continua sendo visto como principal risco;
  • Clientes preferem setores de Elétricas & Saneamento e Financeiro, evitando os mais sensíveis a juros como Educação e Transportes.
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Treasury yields rise as investors await jobless claims and housing data (CNBC);
  • Manutenção da Selic reforça apelo de renda fixa atrelada à inflação (Valor Econômico);
  • Americanas tem melhor ciclo de caixa desde o início da crise (Valor Econômico);
  • Fitch Eleva Rating da J. Macêdo para ‘AA(bra)’; Perspectiva Estável (Fitch);
  • Clique aqui para acessar o clipping.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • O que tem atraído as grandes fortunas para os fundos imobiliários (NeoFeed);
    • Volume de galpões dobra em uma década (Valor Econômico);
    • Selic a 10,5%: o que vai acontecer com os fundos imobiliários? (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Em cerimônia de posse, nova presidente da Petrobras (PETR4) reforça transição energética | Café com ESG, 20/06

  • O mercado encerrou o pregão de quarta-feira em alta, com o IBOV e o ISE subindo 0,52% e 0,32%, respectivamente.
  • No lado das empresas, (i) em cerimônia de posse, a presidente da Petrobras, Magda Chambriard, disse ontem que não se pode falar em transição energética sem dizer quem vai pagar a conta, que, segundo ela, será financiada pelo setor de petróleo – ela defendeu também o desenvolvimento de fronteiras exploratórias como Margem Equatorial, e reforçou que a empresa tem meta de alcançar a meta net zero em 2050; e (ii) o presidente da Eletronuclear, Raul Lycurgo, acredita na licitação para a conclusão das obras de Angra 3 para o primeiro semestre de 2025 – questionado pelos deputados durante audiência pública conjunta entre as comissões de Minas e Energia e de Transição Energética ontem, Lycurgo destacou que a aceleração da linha crítica do empreendimento carece de estudo independente BNDES.
  • Na política, o Senado aprovou ontem o projeto de lei que estabelece o marco legal para a exploração de hidrogênio de baixo carbono no país – em termos de próximos passos, como o texto sofreu alterações, após finalizar a deliberação, a proposta retornará à Câmara dos Deputados.
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.