XP Expert

Ibovespa tem mais um mês positivo; Lá fora, destaque para o relatório de empregos americano

Os mercados amanhecem em leve alta, com investidores aguardando a divulgação dos dado de mercado de trabalho dos EUA. No Brasil, destaque para a produção industrial de fevereiro.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,2% | 119.999 Pontos

CÂMBIO -0,6% | 4,74/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Os mercados amanhecem em leve alta, com investidores aguardando a divulgação dos dado de mercado de trabalho dos EUA. No Brasil, destaque para a produção industrial de fevereiro.

Brasil

O Ibovespa encerrou o último dia do primeiro trimestre de 2021 com uma queda de -0,2%, acompanhando os principais índices nos EUA. O índice terminou o mês com uma alta de +6,1% aos 199.999 pontos em reais, e, em dólares, subiu +15,9% como uma das melhores Bolsas globais novamente. Enquanto isso, dólar também recuou -0,6% e fechou cotado em R$ 4,74, acumulando uma queda de -8,8% no mês, e de -17,4% no ano.

No mercado de juros, os juros futuros tiveram um movimento de queda influenciado pelo recuo nos preços das commodities, principalmente o petróleo, que reagiu ao anúncio de ampliação da produção pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (OPEP+). DI jan/23 fechou em 12,71%; DI jan/24 foi para 12,055%; DI jan/25 encerrou em 11,385%; e DI jan/29 fechou em 11,35%.

Mundo

As Bolsas internacionais amanhecem positivas (EUA +0,5% e Europa +0,6%) enquanto investidores seguem avaliando os riscos econômicos atuais e monitoram o avanço da inflação global. Nos EUA, o foco ficará por conta dos dados do mercado de trabalho americano, o consenso do Dow Jones aponta para a criação de 490 mil novos postos de trabalho e uma queda na taxa de desemprego para 3,7%. Um dado mais forte que o esperado poderá dar suporte para um aperto monetário mais agressivo do Federal Reserve. Na China (1,3%), o mercado encerrou em alta, demonstrando certa resiliência, mesmo com o país enfrentando o seu pior surto de casos da Covid-19 desde o início da pandemia. Por fim, o petróleo (+0,4%) amanhece sem movimentos expressivos enquanto o mercado aguarda a reunião dos membros da International Energy Agency (IEA) que irá determinar se outros países, assim como os EUA, também realizarão a liberação de reservas de emergência da commodity.

Inflação em alta pelo mundo

A inflação nos Estados Unidos, medida pelo deflator do PCE, atingiu 6,4% em março, o maior valor desde 1982, enquanto seu núcleo chegou a 5,4%. Segundo analistas, a elevação pode dar suporte a uma alta maior da taxa de juros básica na reunião de maio do FOMC, o comitê de política monetária americano. Na Zona do Euro, a inflação atingiu seu maior nível desde a criação da moeda, subindo 2,5% apenas em março, refletindo a uma combinação de política fiscal e monetária expansionistas, restrições da cadeia de suprimentos e aumento dos preços da energia.

Desemprego no Brasil

No Brasil, a taxa de desemprego ficou em 11,2% nos três meses até fevereiro, o menor nível para o período em seis anos em meio a uma queda no número de pessoas procurando emprego. Apesar da recuperação do emprego, o salário médio efetivo real continua a encolher e está cerca de 8,5% abaixo dos níveis observados pouco antes do surto de COVID-19.

Raio XP

Por fim, publicamos o nosso Raio XP de abril. Discutimos dois temas importantes para o mercado: 1) os dois mercados de ações no Brasil e a grande discrepância entre as Large e Small Caps, e 2) a inversão da curva de juros nos EUA e se isso é um sinal de possível recessão à frente por lá. Veja mais no relatório completo.

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

Calendário do 4T21

Temporada de resultados do 4º trimestre 2021 – o que esperar?

Economia

O deflator do PCE dos EUA atingiu em março seu nível mais alto desde 1982, dando suporte a uma alta de meio ponto na taxa de juros em maio. Na Zona do Euro, a inflação atinge seu nível mais alto desde a criação da moeda única. No Brasil, a taxa de desemprego caiu para 11,2% nos três meses até fevereiro, o menor nível para o período em seis anos

  • Nos EUA, principal medida de inflação, o núcleo do índice de gastos com consumo pessoal (excluindo alimentação e energia) subiu de 5,2% em janeiro para 5,4% no mês passado, mas ficou abaixo da previsão de 5,5%. Incluindo os custos de alimentação e energia, o índice saltou de 6% para 6,4%, embora em linha com as expectativas. Este é o nível mais alto desde 1982, o que deve apoiar o caso de um aumento de meio ponto na taxa de juros na reunião de maio do Fomc;
  • A inflação na zona do euro atingiu seu nível mais alto desde a criação da moeda única em março, graças a uma combinação de política fiscal e monetária expansionistas, restrições da cadeia de suprimentos e aumento dos preços da energia. O índice de preços ao consumidor subiu 7,5% no ano, de 5,9%, após saltar 2,5% apenas no mês de março. A alta nos preços básicos, que exclui elementos mais voláteis, como combustíveis e energia, foi ainda mais acentuada e chegou a 3,0%. Economistas esperavam que a taxa anual principal subisse apenas para 6,6%. Os dados vão pressionar o Banco Central Europeu para apertar a política monetária mais rápido do que pretende fazer atualmente;
  • O crescimento manufatureiro da zona do euro desacelerou acentuadamente no mês passado, com a invasão da Ucrânia pela Rússia ampliando os gargalos da cadeia de suprimentos, diminuindo a demanda e reduzindo a confiança, mostrou uma pesquisa, com a alta nos custos de energia impulsionando um aumento mais amplo nos preços. O Índice de Gerentes de Compras (PMI) de manufatura final da S&P Global caiu para 56,5 em março, a mínima de 14 meses, de 58,2 em fevereiro, abaixo de uma estimativa inicial de 57,0, mas ainda bem acima da marca de 50 que separa crescimento de contração;
  • A agenda de hoje inclui a divulgação de estatísticas do mercado de trabalho dos EUA, como mudança nas folhas de pagamento não agrícolas e taxa de desemprego. O consenso do mercado espera um aumento de 480 mil no primeiro e de 3,7% no segundo. Como dito, um mercado de trabalho mais apertado poderia sustentar uma alta de juros mais alta em maio;
  • A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,2% nos três meses até fevereiro, o menor nível para o período em seis anos, em meio a uma queda no número de pessoas procurando emprego, segundo divulgado pelo IBGE nesta quinta-feira. O resultado ficou um pouco abaixo da nossa estimativa (11,3%) e do consenso de mercado (11,4%). Apesar da recuperação do emprego, o salário médio efetivo real continua a encolher. O indicador caiu 0,2% MoM em fevereiro conforme nossos cálculos (chegando a ~R$ 2.525/mês) e está cerca de 8,5% abaixo dos níveis observados pouco antes do surto de COVID-19;
  • Nesta sexta-feira, o IBGE divulgará as estatísticas da produção industrial de fevereiro no Brasil. O consenso do mercado espera um aumento de 0,4% MoM, já que estimamos um aumento de 0,6%. Analistas dizem que a manufatura continua sofrendo com interrupções persistentes na cadeia de suprimentos, portanto, as perspectivas para o ano permanecem incertas.

Empresas

Kora Saúde (KRSA3): Resultados do 4T21 – Esperando as sinergias fazerem efeito

  • A Kora apresentou resultados mistos no 4T21, com prejuízo líquido ajustado de R$16,5M;
    • A receita foi fortemente impulsionada por aquisições (+128% A/A);
    • Por outro lado, as aquisições pressionaram a margem EBITDA ajustada (+1,5 p.p. A/A);
    • O prejuízo ajustado totalizou R$16,5M, impactado por (i) despesas não-caixa com stock options de R$55M, e (ii) despesas financeiras líquidas de R$45M;
    • Em nossa visão, as perspectivas são positivas para o EBITDA, com integrações e mix promovendo expansão de margem.
  • Independentemente da preocupação de curto prazo com a alavancagem, mantemos nossa visão positiva para as ações com base nas perspectivas de crescimento e rentabilidade;
  • Acesse o relatório completo aqui.

MRV (MRVE3): Venda do projeto Coral Reef da AHS em um cap rate atrativo de 4,2%

  • MRV divulgou fato relevante destacando a venda de mais um projeto da AHS nos EUA (Coral Reef), atingindo US$ 50,4 milhões em VGV, representando lucro bruto de US$ 19,2 milhões, implicando em cap rate atrativo de 4,2% e yield on cost de 6,8%;
  • A venda do Coral Reef já era esperada, pois a MRV mencionou a negociação da venda do projeto em seu release do 4T21. Dito isso, consideramos o negócio como atrativo devido (i) ao impacto positivo no resultado do 1T22; (ii) a demanda por projetos de AHS continua sólida;
  • Com a venda do Coral Reef, a AHS passa a ter 9 projetos em desenvolvimento totalizando 3.069 unidades e U$ 864 milhões em VGV;
  • Assim, reiteramos nossa recomendação de compra e TP de R$19,00/ação.

Data Expert | Carrinho XP: Tributação de plataformas internacionais à vista

  • À medida que varejistas, associações e indústrias locais pressionam por uma tributação mais elevada para as plataformas internacionais, analisamos mais de perto o panorama regulatório atual, as atualizações sendo discutidas e as possíveis implicações para segmento de e-commerce brasileiro;
  • Frente à maior relevância dessas plataformas e diante do contexto macroeconômico mais desafiador do país, acreditamos que mudanças na isenção de impostos para produtos importados abaixo de US$50 podem ocorrer, o que, com base na experiência recente da União Europeia (UE), desaceleraria o ritmo de expansão das mesmas;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Aura Minerals (AURA33): Aura atualiza suas reservas; positivo

  • Ontem (31), a Aura divulgou seu relatório AIF, atualizando o número de reservas e recursos de ouro;
  • Olhando para os números de reservas (o que usamos em nossos modelos), a empresa conseguiu repor 56% das reservas exauridas em 2021. A Mina de Aranzazu foi o destaque repondo 108% de sua exaustão de 2021, enquanto San Andrés e EPP reabasteceram 19 % e 32%, respectivamente;
  • As reservas no final de 2021 estão estimadas em 2.234 mil onças equivalentes de ouro (kGEO), e se contabilizarmos os recursos mineráveis ​​em Matupá, esse número chega a 2.549kGEO;
  • Embora a menor adição de reservas reduza a vida útil da mina, vemos esta notícia como ligeiramente positiva, pois o total de ouro a ser extraído aumenta, agregando valor à empresa. Mantemos nossa recomendação neutra no nome.

CCR (CCRO3): CCR Assina Acordo Definitivo para Reequilíbrio Financeiro e Fim de Disputa Judicial; Positivo

  • A CCR anunciou por meio de fato relevante que firmou acordo definitivo com o Governo do Estado de São Paulo para resolver: (i) reequilíbrios financeiros pendentes; e (ii) disputa judicial de longa data em torno dos aditivos de 2006.
  • Adicionalmente ao acordo preliminar assinado em 30 de junho de 2021 (link para o relatório ), a CCR conseguiu: (ii) adicionar mais um ano de extensão ao contrato da AutoBAn (estimamos um incremento de R$ 598 milhões ao VPL de CCR); e (ii) assinar um aditivo contratual na concessão da ViaOeste (~R$ 650 milhões em novos investimentos remunerados a 8,9% de TIR real).
  • Vemos o anúncio como uma notícia positiva, pois ele (i) encerra questões regulatórias e judiciais pendentes, (ii) adiciona ~R$ 600 milhões de criação de valor (~2% do valor de mercado da CCR) e (iii) reforça a capacidade da empresa de assinar aditivos contratuais nas concessões atuais (uma importante via de crescimento).
  • Reiteramos nossa visão positiva para a CCR.
  • Clique aqui para o relatório completo.

Mills (MILS3): visitamos a filial de Cotia – confira aqui o que aprendemos

  • Na última terça-feira, visitamos a filial da Mills em Cotia, localizada nos arredores da cidade de São Paulo. No geral, ficamos positivamente impressionadas com a visita, conforme detalhamos no relatório – clique aqui para acessá-lo;
  • Hoje, a Mills tem 44 filiais espalhadas pelo Brasil todo, e espera terminar 2022 com 50 unidades. Nós visitamos a filial de Cotia, que é considerada uma unidade grande, devido à sua capacidade de gerir até 400 máquinas e empregar cerca de 30 funcionários;
  • Durante a visita, tivemos a oportunidade de verificar em primeira mão as transformações pelas quais a Mills passou nos últimos anos. Destacamos especialmente a implementação da metodologia de “gestão enxuta”, ou lean management em inglês;
  • Tal metodologia é importante porque ela estimula a padronização dos processos de inspeção e manutenção das máquinas, o que, por sua vez, ajuda a alavancar as vendas da companhia, uma vez que os gerentes de venda passam a saber exatamente quando cada máquina estará disponível;
  • Ressaltamos que temos recomendação de compra para MILS3, com preço-alvo de R$ 10 por ação.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Citi venderá operação de varejo na Índia para o Axis Bank por US$ 1,6 bi (Valor);
    • SoftBank desacelera investimentos em meio à queda de ações (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Entrega ao cliente fica ainda mais cara. (Valor);
    • Casas Bahia lança programa de fidelidade, mas garante que não vai ‘rasgar dinheiro’. (Estado);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Commodities: USDA surpreende, e soja recua em Chicago (Valor);
    • Rússia planeja aumentar costas de exportações de adubos (Valor);
    • Geadas ameaçam causar mais perdas na soja e milho da Argentina, diz bolsa (Notícias Agrícolas);
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Biden libera estoque para reduzir o preço do petróleo. (Valor Econômico);
    • Petróleo fecha sessão em queda, mas encerra trimestre com ganhos de mais de 30%. (Valor Econômico);
    • Eólicas offshore projetadas para o Brasil chegam a 106 GW. (epbr);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Raio-XP: Duas Bolsas em uma só, em qual delas vale a pena investir?

  • Durante o mês de março, vimos a Bolsa brasileira continuar a subir, com Ibovespa fechando o mês com uma alta de +6,1%. Devido à forte valorização do Real durante o mês, em dólares o índice subiu +16%, levando o Brasil à pole position das ações globais no acumulado do ano, subindo +35% em 2022 até agora, em dólares. Nesse Raio XP, discutimos dois temas importantes para o mercado: 1) os dois mercados de ações no Brasil e a grande discrepância entre as Large e Small Caps, e 2) a inversão da curva de juros nos EUA e se isso é um sinal de possível recessão à frente por lá;
  • Dois mercados de ações no Brasil? Enquanto os setores de commodities e bancos subiram mais de +20,1% no acumulado do ano, os setores restantes subiram apenas +6,7%. As Small Caps também estão com baixo desempenho, com um retorno de +6,7% até agora. Essa grande discrepância começou a diminuir recentemente, e a questão principal a se discutir é: está na hora de rotacionar para os setores domésticos? Acreditamos que um sinal claro de um pico de inflação no Brasil e taxas de juros mais baixas à frente são os principais catalisadores para que essa rotação continue a acontecer;
  • Inversão da curva de juros dos EUA, recessão à frente? Outro evento ocorrido no mês foi a inversão da curva de juros nos EUA, que é vista como um potencial sinal de recessão à frente. A diferença entre o rendimento do Tesouro de 10 anos e o rendimento de 2 anos atingiu o nível mais baixo desde o início da pandemia, e toda recessão nos EUA desde 1955 foi precedida por uma inversão da curva de juros. No entanto, não é hora de entrar em pânico, pois o mercado geralmente ainda tem um bom desempenho logo após uma inversão de curva, e as recessões não começaram menos de 12 meses após essas inversões;
  • Forte ingresso de fluxo estrangeiro para o Brasil continua. Nos reunimos com vários investidores estrangeiros recentemente, a fim de avaliar suas percepções sobre o Brasil. Vemos um otimismo crescente em relação ao país – o que também é evidenciado pelas fortes entradas de dinheiro estrangeiro na B3 nos últimos 18 meses. As visões otimistas se devem à falta de alternativas sólidas entre outros grandes Mercados Emergentes, à forte exposição a bancos e commodities da Bolsa brasileira, o valuation barato e ao Real mais forte em relação ao Dólar. O alto nível das taxas de juros locais atua como um amortecedor para a moeda brasileira, melhorando o retorno em dólares para os investidores estrangeiros. Dessa forma, esperamos que os fluxos externos continuem nos próximos meses;
  • Atualizamos o nosso preço-alvo do Ibovespa para 130.000 pontos. Atualizamos o nosso valor justo para o Ibovespa, e a elevamos para 130.000 de 123.000 para o ano de 2022, devido a estimativas de LPA (Lucro por Ação) mais altas. Nosso valor justo para o Ibovespa é calculado como uma média de três metodologias: 1) um modelo de Fluxo de Caixa Descontado, que atualmente assume um Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) de 11,3%, 2) um modelo P/L alvo, que assume um múltiplo de 9x, ainda abaixo da média histórica de 11x, e 3) modelo de EV/EBITDA de 6,0x, também abaixo da média histórica de 6,5x;
  • Por fim, para o mês de abril, estamos fazendo alterações nas nossas carteiras Top 10 XP, Top Small Caps XP, Top Dividendos XP e a Carteira ESG XP;
  • Acesse o relatório completo aqui.

Sentimento em relação à Bolsa brasileira e ativos internacionais continua cauteloso: Pesquisa com assessores XP

  • Nos últimos dias, realizamos uma nova edição da nossa pesquisa com os assessores da XP e assessores de investimento de escritórios autônomos filiados à XP Investimentos. Temos como objetivo obter a visão dos assessores e, principalmente, dos seus clientes sobre a Bolsa brasileira. Nesta edição, obtivemos 251 respostas únicas;
  • Alocação em Renda Variável continua em baixa, mesmo com a alta recente. O percentual dos assessores que disseram que seus clientes visam diminuir a alocação em Renda Variável aumentou em +4p.p. M/M atingindo um patamar de 32%. Enquanto isso, os investidores interessados em manter seus investimentos em nessa classe de ativos ficou em 56%, -3p.p. M/M, e 12% dos clientes pretendem aumentar seus investimentos na classe de ativos, -1p.p M/M;
  • Interesse em Renda Fixa ainda em alta, enquanto interesse em Investimentos em Internacionais continua a cair. Além de Renda Variável, as classes de ativos que os assessores e seus clientes se mostraram mais interessados foram: 1) Tesouro Direto e Renda Fixa (79%, +5p.p. M/M); 2) Fundos de Renda Fixa (60%, +1p.p. M/M); 3) Fundos Imobiliários (47%, +1p.p. M/M); 4) Investimentos Internacionais (39%, -10p.p. M/M); 5) Fundos Multimercado (36%, +8p.p. M/M ); 6) Criptoativos (26%, -9p.p M/M); 7) Fundos de Renda Variável (16%, +1p.p. M/M); e 8) Ouro (8%, +1p.p. M/M). O interesse em commodities também está em alta, com 70% dos assessores mostrando interesse nessa classe de ativos;
  • Perspectivas quanto ao Ibovespa melhoram. Segundo a pesquisa desse mês, 41% dos assessores acreditam que o Ibovespa ficará entre os 120.000 e 130.000 pontos ao final de 2022, uma queda de -3p.p. com relação a última pesquisa realizada em fevereiro. Em seguida, 34% acreditam que o índice deve fechar o ano entre 130.000 e 140.000 pontos, um aumento de +13p.p M/M. A média de palpites calculada foi de 128.812 pontos, um aumento de +3,7% em relação a fevereiro (124.267 pontos na pesquisa passada);
  • Foco no cenário econômico global e riscos políticos domésticos Em relação aos riscos, o destaque continuou sendo as eleições presidenciais, chegando a 33%, uma queda de -1p.p. M/M. Riscos fiscais foram vistos como o segundo maior risco em 18% (-14p.p. M/M), seguido por desaceleração econômica global 16% (+8p.p. M/M) e alta de juros nos Estados Unidos em 15% (+4p.p. M/M);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | TSMC (TSMC34) aponta que novos lockdowns na China estão prejudicando demanda por eletrônicos

  • Apple anuncia novos serviços por assinatura;
  • GameStop solicita desdobramento de ações;
  • TSMC aponta que lockdowns na China estão prejudicando demanda por eletrônicos;
  • Setor de saúde americano segue descontado e com bons fundamentos para o cenário atual;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
  • BLMG11, HCTR11: Veja os 5 fundos imobiliários que mais caíram em março (Suno);
  • Fundos imobiliários: Veja 3 sugestões para 2022 de gestoras com histórico consistente (MoneyTimes);
  • ETF de Fundos Imobiliários (FIIs): o que é e como investir? (InfoMoney);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

ONU cria grupo para examinar as promessas das companhias de atingir emissões líquidas zero | Café com ESG, 01/04

  • Após um mês de forte performance, o Ibovespa e o ISE encerraram o último pregão de março em leve queda de -0,2% e -0,3%, respectivamente;
  • No internacional, do lado das empresas, (i) a ONU anunciou ontem a criação de um grupo de especialistas que examinará as promessas das companhias de atingir emissões líquidas zero, um esforço para evitar greenwashing à medida que os planos climáticos do setor privado proliferam; e (ii) segundo estudo do TheCityUK e do BNP Paribas, o financiamento verde global, destinado a projetos ecologicamente corretos em todo o mundo, cresceu mais de 100x na última década, chegando a US$540,6bn em 2021, vs. US$5,2bn em 2012;
  • Além disso, a principal província produtora de petróleo do Canadá, Alberta, selecionou nesta quinta-feira 6 propostas para avançar com o desenvolvimento dos primeiros centros de armazenamento de carbono (CCS) no país, destinados a ajudar a reduzir as emissões do gás, sequestrando-os permanentemente no subsolo – estratégia que a Agência Internacional de Energia (AIE) diz ser fundamental para que o mundo atinja emissões líquidas zero até 2050. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.