Em semana de Copom, riscos fiscais voltam a ficar no radar

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Clique para ouvir

IBOVESPA -3,1% | 121.801 Pontos

CÂMBIO 2,6% | 5,21/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou a última sessão de julho (30) com queda de 3,08%, atingindo 121.801 pontos, o patamar mais baixo desde a segunda semana de maio. Este movimento refletiu, em grande medida, temores com eventual flexibilização do teto de gastos constitucional no próximo ano, que aumentam a percepção de risco fiscal. Com isso, o principal índice acionário brasileiro exibiu contração de 3,94% em julho, o primeiro mês de perdas acumuladas desde fevereiro. Enquanto isso, a cotação do dólar subiu 2,59% na última sexta-feira, fechando a R$ 5,21.  

Hoje, as principais bolsas internacionais amanhecem positivas (EUA: +0,6%; Europa +0,5%). Investidores parecem menos apreensivos com o avanço da variante Delta do coronavírus, e as ações mais beneficiadas pela reabertura econômica lideram as altas no período pré-mercado. Na China, o bom desempenho dos mercados foi impulsionado por dados sólidos de atividade industrial e o anúncio de que a comissão reguladora de valores mobiliários do país irá cooperar com sua contraparte dos Estados Unidos para dar suporte a empresas chinesas listadas nas bolsas americanas.

No lado da política internacional, segue a corrida no Senado dos Estados Unidos para aprovação da agenda econômica do Presidente Joe Biden antes do recesso parlamentar, que começa no fim da semana que vem. Após semanas de negociações, os senadores finalizaram na noite de ontem as 2.700 páginas do texto do pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão (US$ 550 bilhões em novos gastos + US$ 450 bilhões em gastos já aprovados). O material deve ser debatido já nesta segunda-feira (2) e, segundo o líder democrata Chuck Schumer, seria avaliado pela Câmara no final da semana.

Em seguida, o Senado deve tornar as atenções à resolução orçamentária que atua como base para o Plano das Famílias Americanas. Sob pressão da ala mais à esquerda do partido, lideranças prometem a aprovação da inciativa antes do recesso, mas existem divergências relevantes a serem resolvidas entre democratas que podem complicar o calendário. De toda forma, o andamento da resolução é considerado chave para agenda de Joe Biden. A líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi, por exemplo, afirmou que não pautaria o pacote de infraestrutura até que a resolução fosse aprovada. 

Em relação ao cenário econômico global, o deflator dos gastos do consumo nos Estados Unidos, indicador de inflação favorito do Federal Reserve (Fed, banco central americano), apresentou elevação de 0,49% em junho, abaixo das expectativas do mercado que apontavam alta de 0,60%. O resultado, publicado na sexta-feira passada, reforça a visão de que o Fed não terá pressa para reduzir os estímulos monetários. Na China, as sondagens com gerentes de compras (PMIs) de julho confirmaram que a economia segue em desaceleração. As restrições de oferta de insumos são obviamente um problema para a expansão dos negócios, mas a demanda parece estar esfriando também.     

No Brasil, os mercados tiveram desempenho ruim na última sexta-feira, com rumores de que os pagamentos de sentenças judiciais (precatórios) para 2022 ficarão em torno de R$ 90 bilhões, muito acima do montante de 2021 (R$ 57 bilhões). Caso isso seja confirmado, os precatórios ocuparão todo o espaço extra previsto no teto de gastos no ano que vem, inviabilizando a expansão do programa Bolsa Família. O foco desta semana volta-se para a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), na quarta-feira. Esperamos que o Copom aumente a taxa Selic em 1,0 pp, para 5,25%, dado que a economia se recupera melhor do que o esperado e a inflação corrente segue pressionada.   

No cenário político local, o Congresso retorna do recesso com o desafio de fazer avançar a agenda econômica, em meio à volta das tensões da CPI da Pandemia e das discussões promovidas pelo governo sobre a implementação do voto impresso. Os dois temas da agenda econômica que devem concentrar maior atenção são a reforma tributária, com expectativa de apresentação de novo relatório e promessa de Arthur Lira de tentar pautá-la no plenário da Câmara dos Deputados ainda esta semana, e o novo desenho do programa de transferência de renda. Neste segundo item, a previsão de crescimento de gastos do governo com precatórios reduziu a possibilidade de ampliação do programa e acabou dando força à discussão sobre uma proposta de emenda à Constituição para limitar despesas do Executivo para o pagamento de dívidas judiciais.      

Tópicos do dia

Agenda de resultados

BB Seguridade (BBSE3): Antes da abertura
Cielo (CIEL3): Após o fechamento
Itaú Unibanco (ITUB4): Após o fechamento
Copasa (CSMG3): Após o fechamento
Calendário do 2T21
Temporada de resultados do 2º trimestre 2021 – o que esperar?

Economia

  1. Inflação dos EUA melhor do que o esperado na sexta-feira passada. China julho PMI reforça desaceleração econômica. No Brasil, risco fiscal volta a assustar, em semana de Copom
  2. Boletim FOCUS

Política

  1. Congresso retoma atividades com reforma tributária e discussão sobre precatórios para criar novo programa de transferência de renda
  2. Política internacional: Senado americano finaliza texto de pacote de infraestrurura e deve iniciar debate nesta segunda-feira

Empresas

  1. Raio-XP da Bolsa: Entrando em outra fase do ciclo
  2. Data Expert | Carrinho XP: Analisando resultados internacionais para entender o que está à espera das empresas brasileiras
  3. BB Seguridade (BBSE3): resultado fraco com guidance revisado para baixo | Revisão 2T21
  4. Irani (RANI3): Resultados acima do esperado no 2T21 com margens mais altas. Mantemos Compra
  5. Carrefour Brasil (CRFB3): Notícias indicam potencial fusão global com Auchan
  6. Notícias Diárias do Setor Financeiro
  7. Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional
  8. Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias de hoje do setor

Internacional

  1. Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | O novo SuperApp

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 02/08

Veja todos os detalhes

Economia

Inflação dos EUA melhor do que o esperado na sexta-feira passada. China julho PMI reforça desaceleração econômica. No Brasil, risco fiscal volta a assustar, em semana de Copom

  • O deflator dos gastos do consumo nos EUA, o indicador de inflação favorito do banco central (Fed), ficou em 0,49% em junho, abaixo das expectativas do mercado de 0,6% (3,5% ano a ano). O resultado, publicado na sexta-feira passada, reforça a visão de que o Fed não terá pressa para reduzir o estímulo monetário;
  • O destaque hoje é a publicação da pesquisa ISM do setor manufatureiro de julho. O mercado espera 60,9, um pouco melhor do que o resultado de junho (60,3). Leituras acima de 50 indicam expansão;
  • As pesquisas com gerentes de compras (PMIs) de julho na China ficaram bem abaixo das expectativas do mercado no mês passado. As restrições de oferta de insumos são obviamente um problema para a expansão dos negócios, mas a demanda parece estar esfriando também. Novas encomendas caíram em julho e índice de exportação ficou abaixo de 50 no mês passado (indicando contração);
  • No Brasil, o foco desta semana volta-se para a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), na quarta-feira. Esperamos que o Copom aumente a taxa Selic de 1,0 pp, para 5,25%, dado que a economia se recuperando melhor do que o esperado e a inflação corrente segue pressionada;
  • Os mercados brasileiros tiveram um desempenho ruim na última sexta-feira, com rumores de que os pagamentos de sentenças judiciais (precatórios) para 2022 ficarão em torno de R $ 90 bilhões, muito acima deste ano (R $ 57 bilhões). Se isso se confirmar, os precatórios ocuparão todo o espaço extra previsto no teto de gastos para o próximo ano, não deixando espaço para expansão do programa Bolsa Família;
  • A taxa de desemprego brasileira atingiu 14,6% no trimestre móvel encerrado em maio de 2021, um pouco acima da nossa expectativa e do consenso de mercado (ambos em 14,5%). Em termos dessazonalizados, estimamos que a taxa de desemprego permaneceu em 14,3% de abril para maio. De acordo com nossas estimativas, tanto a população ocupada total quanto a população economicamente ativa cresceram 0,6% MoM em maio (atingindo 87,1 e 101,6 milhões de pessoas, respectivamente);
  • O setor público consolidado registrou déficit primário de R $ 65,5 bilhões em junho, reduzindo o acumulado em 12 meses para 3,8% do PIB, de 5,41% do PIB em maio. A dívida bruta caiu para 84% do PIB em junho, uma redução de 0,6 pp em relação ao mês anterior.

Boletim FOCUS

  • Destaque: Revisão para cima nas expectativas de inflação em 2021, com acomodação das expectativas para 2022.
  • A mediana das projeções do mercado para a variação do IPCA em 2021 subiu de 6,56% para 6,79% (estava em 6,07% há quatro semanas). Já o consenso para o IPCA de 2022 subiu de 3,80 para 3,81% (3,77% há 1 mês). Com base em atualizações nos últimos 5 dias úteis, a previsão para o IPCA de 2021 ascendeu de 6,67% para 6,88%, enquanto a mediana para 2022 passou de 3,80% para 3,81%.
  • Em relação à política monetária, as medianas de expectativas para a taxa Selic no final de 2021 e 2022 seguiram estáveis em 7,00%;
  • A previsão do mercado para o crescimento real do PIB este ano variou ligeiramente de 5,29% na última semana para 5,30% na leitura de hoje (estava em 5,18% há 4 semanas). Para o PIB de 2022, o consenso ficou estável em 2,10%.
  • Por fim, as expectativas para a taxa de câmbio no final de 2021 subiu ligeiramente de R$/US$ 5,09 para R$/US$ 5,10 e no final de 2022 permaneceu em R$/US$ 5,20.

Política

Congresso retoma atividades com reforma tributária e discussão sobre precatórios para criar novo programa de transferência de renda

  • O Congresso retorna do recesso com o desafio de fazer avançar a agenda econômica, em meio ao retorno das tensões da CPI da Pandemia e das discussões promovidas pelo governo sobre a implementação do voto impresso. Os dois temas da agenda econômica que devem concentrar maior atenção são a reforma tributária, com expectativa de apresentação de novo relatório e promessa de Arthur Lira de tentar pautá-la no plenário da Câmara ainda esta semana, e o novo desenho do programa de transferência de renda. Nesse segundo item, a previsão de crescimento de gastos do governo com precatórios reduziu a possibilidade de ampliação do programa e acabou dando força à discussão sobre uma proposta de emenda á Constituição para limitar despesas do Executivo para o pagamento de dívidas judiciais.

Política internacional: Senado americano finaliza texto de pacote de infraestrurura e deve iniciar debate nesta segunda-feira

  • Na seara internacional, segue a corrida no Senado americano para aprovar a agenda econômica de Joe Biden antes do recesso parlamentar no fim da semana que vem. Após semanas de negociações, os senadores finalizaram na noite de domingo as 2.700 páginas do texto do pacote de infraestrutura de USD 1 tri (USD 550 bi em novos gastos + USD 450 em gastos já aprovados). O mesmo deve ser debatido já nesta segunda-feira (2) e, segundo o líder democrata Chuck Schumer, seria a Câmara no final da semana;
  • Em seguida, o Senado deve tornar as atenções à resolução orçamentária que atua como base para o Plano das Famílias Americanas. Sob pressão da ala mais à esquerda do partido, lideranças prometem a aprovação da inciativa antes do recesso parlamentar,  no entanto, existem divergências relevantes a serem resolvidas entre democratas que podem complicar o calendário. Em especial, os USD 3.5 trilhões continuam gerando resistência entre moderados como Krysten Sienema e Joe Manchin;
  • De toda forma, o andamento da resolução é considerado chave para agenda de Biden. A líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi, por exemplo, afirmou que não pautaria o pacote de infraestrutura até que a resolução fosse aprovada.

Empresas

Raio-XP da Bolsa: Entrando em outra fase do ciclo

  • Acreditamos que estamos entrando em um novo período do ciclo econômico global, chamado de meio de ciclo. Nesse período, o ritmo de crescimento começa a desacelerar, enquanto a inflação permanece alta e os bancos centrais começam a subir as taxas de juros;
  • Assim, a liderança nos mercados vai continuar mudando. Achamos válido começar a reduzir as grandes posições em commodities e aumentar em empresas domésticas, de qualidade e de crescimento. Além disso, gostamos mais de Small Caps, que são mais expostos ao cenário doméstico do que os setores mais cíclicos. E, recentemente, nós ficamos mais cautelosos com relação a bancos;
  • Continuamos otimistas com a reabertura econômica. O maior risco é surgimento da variante Delta do coronavírus. Mas diferentemente de 2020, a vacinação está ganhando força globalmente e não acreditamos que haja apetite para lockdowns severos que possam reverter a recuperação econômica, apesar da variante Delta poder levar a uma desaceleração maior;
  • A segunda versão da reforma tributária é positiva para ações, mas negativa para as contas fiscais. A proposta ajustada corrigiu boa parte dos problemas anteriores, com um corte maior no IRPJ para 12.5% de 5%. Olhando para todas as empresas sob nossa cobertura, isso teria um impacto positivo de 6% no resultado agregado, mesmo com o fim do Juros sobre Capital Próprio. Apesar do impacto líquido positivo para as empresas, a proposta traz um risco fiscal maior para o país. Enfatizamos novamente de que a reforma continua a ser debatida e mais mudanças devem ser feitas;
  • Por fim, estamos mantendo o target para o Ibovespa em 145.000 pontos para o final de 2021 e realizamos mudanças nas nossas Carteiras Top 10 Ações XP e Top Small Caps;
  • Clique aqui para ler o relatório completo.

Data Expert | Carrinho XP: Analisando resultados internacionais para entender o que está à espera das empresas brasileiras

  • Nessa edição do Carrinho XP, onde trazemos os principais indicadores a serem monitorados nos diferentes segmentos da nossa cobertura assim como nossa visão sobre um tema em voga no setor, nós olhamos alguns resultados de empresas de varejo globais para mapear as principais tendências no setor com a aceleração da vacinação e reabertura da economia.
  • O segmento de vestuário/calçados/joias é o destaque, com um momento muito forte sustentado pelo fenômeno de ‘compra por vingança’ e demanda reprimida, mas empresas de ecommerce continuam a crescer apesar da base de comparação difícil. Finalmente, os supermercados tem apresentado tendências mistas, mas com uma performance digital se mantendo sólida.
  • Nesse sentido, nós reiteramos Arezzo, Vivara e Assaí como nossas preferências no setor;
  • Clique aqui para ver o relatório completo.

BB Seguridade (BBSE3): resultado fraco com guidance revisado para baixo | Revisão 2T21

  • O BB Seg acaba de publicar resultados fracos no 2T21 com lucro de R$753 milhões (vs. R$944 milhões de consenso, com 6 estimativas, R$977 milhões no 1T21 e R$982 milhões no 2T20). O resultado foi impactado principalmente por: i) a operação de seguros, que ficou 50% abaixo numa comparação trimestral e 55% abaixo versus o mesmo período do ano anterior atingindo R$235 milhões, impulsionada por maiores sinistros de seguro de vida impactados pela pandemia Covid-19; e ii) pelo segmento de previdência, que apresentou resultado 80% inferior ao trimestre anterior e 82% a/a chegando a R$39 milhões, justificado pela diferença entre os índices de ativos e passivos que impactou o resultado financeiro do trimestre.
  • Impulsionada pela segunda onda Covid-19, a seguradora revisou para baixo sua orientação para 2021, com resultados operacionais revisados de entre 8% a 13% para entre 1% a 6% de crescimento. A revisão implica em um índice de sinistralidade maior, uma vez que os prêmios devem crescer acima das expectativas.
  • No geral, esperamos uma reação negativa do mercado, no entanto, mantemos nossa classificação de compra e R$35 de preço-alvo, pois vemos as ações como subvalorizadas e com um rendimento de dividendos atraente.

Irani (RANI3): Resultados acima do esperado no 2T21 com margens mais altas. Mantemos Compra

  • A Irani reportou resultado operacional mais forte do que o esperado no 2T, com EBITDA de R$119 milhões, 13% acima do nosso (alta de 19% na comparação trimestral). O principal motivo para o resultado acima do esperado foi o preço realizado mais forte compensando a alta no preço das aparas;
  • No segmento de papelão ondulado (PO), os volumes de vendas vieram 4% acima das nossas expectativas (41 mil toneladas, estáveis T/T), acima do mercado (Empapel, 985kt, -2% T/T);
  • Já a produção total da Irani foi de 73,4 mil toneladas (queda de 2,3% no trimestre e alta de 2,6% na comparação anual) e as vendas tiveram redução para 30,6kt (-4% vs. XPe, -2% T/T e -18% A/A), com maiores transferências para as unidades de embalagens no trimestre;
  • Esperamos uma reação positiva e mantemos nossa recomendação de Compra (preço-alvo de R$8,5/ação);
  • Clique aqui para ler o relatório completo.

Carrefour Brasil (CRFB3): Notícias indicam potencial fusão global com Auchan

  • De acordo com notícias, o grupo controlador do Carrefour está analisando uma fusão com Auchan, o segunda maior varejista de alimentos da França. Auchan tem 4 mil lojas em 13 países, mas não possui operações no Brasil;
  • As conversas são ainda iniciais, de acordo com fontes, enquanto a estrurura societária complexa da Auchan pode ser um desafio;
  • Nós vemos a notícia como neutral para Carrefour Brasil uma vez que, apesar ela pode motivar uma reavaliação das ações a depender do valuation, parece ser pouco provável que ela se materialize no curto prazo enquanto o foco do grupo com a potencial transação é acelerar o crescimento e consolidação do mercado europeu. Mantemos nosso Neutro e preço alvo de R$28,0 por ação.

Notícias Diárias do Setor Financeiro

  • Acesse este relatório com notícias do setor financeiro que complementam nossos comentários publicados no Morning Call, mas que não consideramos relevantes o suficiente para serem analisadas. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

  • Nesta publicação diária, trazemos as principais notícias do setor de varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) nacional e internacional, complementando nossa visão sobre as tendências e acontecimentos mais importantes do dia. Além disso, o relatório contém um resumo dos múltiplos e recomendações para as empresas de nossa cobertura;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias de hoje do setor

  • Quais tópicos costumamos abordar? Notícias relevantes para os segmentos de proteínas (bovina, suína e frango); açúcar & etanol; milho e soja; exportações brasileiras; dentre outras. Confira os destaques de hoje:
    • Na Holanda, Heineken divulga resultados do 1S21 e mantém tom de precaução em relação a custos (Reuters);
    • Em Chicago, mercado de milho segue calmo enquanto fundos aguardam relatório do USDA de Agosto (Reuters);
    • No Brasil, CerradinhoBio anuncia investimento de R$ 1 bi em nova usina de etanol de milho (Valor)
  • Clique aqui para acessar o relatório completo: Clipping XP Agro, Alimentos e Bebidas.

Internacional

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | O novo SuperApp

  • Gigantes de tecnologia como o Snap, Facebook e Youtube investem recursos para aprimorar as suas plataformas de e-commerce;
  • Tesla Model 3 ganha espaço na Europa e se torna o segundo carro mais vendido do continente;
  • O Paypal anunciou uma nova versão de seu aplicativo incluindo novas funcionalidades como investimentos e mensagens instantâneas;
  • Dados do J.P. Morgan apontam que investimentos em infraestrutura por parte das empresas de petróleo e gás podem não ser suficientes para suprir a demanda até 2030;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 02/08

  • Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo falam sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança;
  • Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance histórica do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP;
  • Por que essas informações são importantes? Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.