Destaques da semana são as reuniões de política monetária nos EUA e no Brasil

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Clique para ouvir

IBOVESPA -2,1% | 111.439 Pontos

CÂMBIO +0,7% | 5,29/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou a semana passada em queda de -2,5%, aos 111.439 pontos, após semana negativa para mercados globais. Domesticamente, riscos fiscais continuaram no radar, devido sobretudo à indefinição sobre os pagamentos de precatórios de 2022. Além disso, a queda na Bolsa local foi acelerada na sexta-feira após o governo elevar a alíquota do Imposto sobre Operações Financeira (IOF) para viabilizar as despesas com o novo programa Auxílio Brasil, que deverá substituir o Bolsa Família. No exterior, receios com a desaceleração economia chinesa, impactada pela variante delta do coronavírus, e o vencimento de opções na sexta-feira contribuíram para a volatilidade nos mercados.

Hoje, os Mercados Globais amanhecem negativos (EUA -1,4% e Europa -1,9%), enquanto investidores aguardam a decisão do Federal Reserve sobre a taxa de juros americana, que será anunciada nesta quarta-feira. Na China (+1,0%), a construtora Evergrande (-8,0%) continua causando preocupações ao não possuir liquidez suficiente para cobrir suas dívidas no curto prazo, o que pode acabar contaminando outros setores da economia. O Bitcoin (-4,2%) amanhece em queda, como resultado do movimento de risk-off dos investidores globais, e os preços das commodities recuam de forma generalizada, liderados por outra queda acentuada no minério de ferro.

No campo da Economia, destaques desta semana são as reuniões de política monetária nos Estados Unidos e Brasil, ambas na quarta-feira. Nos EUA, não esperamos que o FOMC – Comitê de Mercado Aberto do Fed – forneça um roteiro para redução gradual de estímulos esta semana; isso provavelmente acontecerá apenas em sua reunião de novembro. No Brasil, o Copom provavelmente fará mais um aumento de 1pp, mantendo um tom duro no comunicado pós-reunião. Ainda no cenário doméstico, o mercado acompanhará de perto as discussões do orçamento para 2022 no Congresso esta semana. Na quinta-feira passada o governo aumentou temporariamente o IOF para financiar a expansão do programa Bolsa Família neste ano, mas ainda falta uma fonte de financiamento para o programa em 2022.

Já o time de Política destaca que, mais uma vez, a semana começa com o governo em busca da solução para o impasse sobre o pagamento de precatórios, com diversas opções apresentadas. Mesmo sem consenso sobre o texto, há espaço para avanço na tramitação da proposta. Com a aprovação da admissibilidade do texto na CCJ da Câmara, na última quinta-feira, o caminho fica livre para a criação da comissão especial, para que já corram os prazos necessários. Vale lembrar que existem dois projetos de emenda constitucional sobre o assunto no Congresso: um permitindo ao governo adiar parte dos pagamentos e outro retirando os precatórios do teto de gastos.

Por fim, na Política Internacional, os holofotes estão sobre a agenda legislativa nos EUA – que deve centrar sobre teto da dívida e o orçamento público. Apesar de indicações de lideranças sobre votação na Câmara para elevar o teto da dívida nos próximos dias, não há indícios de acordo entre os partidos: as lideranças Republicanas afirmaram que entendem a urgência da iniciativa, mas dizem também não quererem facilitar o caminho para o Plano das Famílias Americanas de USD 3.5 trilhões. Portanto, se esperam ruídos a frente. Vale lembrar que as medidas podem ser aprovadas sem apoio republicano na Câmara, mas, os mecanismos de aprovação tradicionais do Senado requerem 60 votos (ou seja, 10 republicanos).

Tópicos do dia

Economia

  1. Os mercados começam a semana do FOMC em tom negativo, temendo riscos econômicos na China e nos EUA. Os preços das commodities recuam de forma generalizada, liderados por outra queda acentuada no minério de ferro. No Brasil, o foco desta semana será a reunião do Copom e as discussões orçamentárias no Congresso
  2. Boletim FOCUS

Política

  1. Teto da dívida e o orçamento público dos EUA em destaque

Empresas

  1. Copel (CPLE6): Companhia não exercerá direito de preferência na aquisição da participação acionária da Gaspetro
  2. CESP (CESP6): Usina Hidrelétrica Porto Primavera ganha extensão de concessão por 7 anos
  3. AES Brasil (AESB3): AES anuncia potencial follow-on de R$1,8 bilhão
  4. Principais notícias dos setores

Mercados

  1. Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Walmart + ganha tração

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 20/09

Veja todos os detalhes

Economia

Os mercados começam a semana do FOMC em tom negativo, temendo riscos econômicos na China e nos EUA. Os preços das commodities recuam de forma generalizada, liderados por outra queda acentuada no minério de ferro. No Brasil, o foco desta semana será a reunião do Copom e as discussões orçamentárias no Congresso

  • As perspectivas da economia chinesa tornaram-se um risco para os mercados globais. Dados de atividade divulgados na semana passada mostraram que o gigante asiático está desacelerando mais do que o esperado. Além disso, os problemas de dívida do Grupo Evergrande podem se espalhar para outras empresas asiáticas do setor. A Evergrande é uma das maiores imobiliárias da região. Nesse contexto, os preços das commodities estão em baixa generalizadamente, liderados por outra queda acentuada do minério de ferro. O minério também foi afetado por restrições às atividades industriais na China;
  • A economia dos EUA também é motivo de preocupação. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, escreveu um artigo pedindo ao Congresso que aumente o teto da dívida. De acordo com Yellen, o governo dos EUA ficará sem recursos para pagar as contas em outubro. Se os congressistas não agirem, uma “catástrofe econômica” acontecerá;
  • O destaque desta semana são as reuniões de política monetária dos EUA e Brasil, ambas na quarta-feira. Nos EUA, não esperamos que o FOMC – Comitê de Mercado Aberto do Fed – forneça um roteiro para redução gradual de estímulos esta semana. Isso provavelmente acontecerá apenas em sua reunião de novembro. No Brasil, o Copom provavelmente fará mais um aumento de 1pp, mantendo um tom duro no comunicado pós-reunião;
  • O mercado acompanhará de perto as discussões do orçamento para 2022 no Congresso esta semana. Na quinta-feira passada o governo aumentou temporariamente o imposto sobre crédito (IOF) para financiar a expansão do programa Bolsa Família neste ano. Mas ainda falta uma fonte de financiamento para o programa em 2022. Outra questão importante é como lidar com o aumento acentuado dos precatórios. Existem dois projetos de emenda constitucional sobre o assunto no Congresso. Um permitindo ao governo adiar parte dos pagamentos; e outra retirando os precatórios do teto de gastos.

Boletim FOCUS – 17/09/2021

  • Destaque: Expectativas para Inflação e Taxa Selic seguem em elevação, enquanto as projeções para o crescimento do PIB em 2022 recuam mais uma vez;
  • A mediana das projeções do mercado para a variação do IPCA em 2021 segue em trajetória de alta, variando de 8,00% na semana passada para 8,35% na divulgação de hoje (estava em 7,11% há quatro semanas). No mesmo sentido, o consenso para o IPCA de 2022 registrou elevação de 4,03% para 4,10% (3,93% há 1 mês), ficando ainda mais distante da meta estabelecida para o próximo ano (3,50%). Com base em atualizações nos últimos 5 dias úteis, a previsão para o IPCA de 2021 também continuou em tendência ascendente, ao passar de 8,20% para 8,40%, enquanto a mediana para 2022 ficou estável em 4,10%;
  • Por sua vez, a expectativa do mercado para o crescimento real do PIB em 2021 permaneceu em 5,04%. Para o PIB de 2022, por sua vez, a previsão recuou mais uma vez, de 1,72% para 1,63% (estava em 2,00% há 1 mês);
  • As medianas das expectativas para a taxa Selic permaneceram em tendência altista. Para o final de 2021, elevação de 8,00% para 8,25% (7,50% há 4 semanas); para o final de 2022, aumento de 8,00% a.a. para 8,50% a.a. (estava em 7,50% a.a. há 4 semanas);
  • Por fim, a projeção do mercado para a taxa de câmbio no final de 2021 continuou em R$/US$ 5,20. Para o final de 2022, a mediana das expectativas subiu suavemente de R$/US$ 5,20 para R$/US$5,23.

Política

Teto da dívida e o orçamento público dos EUA em destaque

  • Na política internacional os holofotes estã sobre a agenda legislativa nos EUA – que deve centrar sobre teto da dívida e o orçamento público. Apesar de indicações de lideranças sobre votação na Câmara para elevar o teto da dívida nos próximos dias, não há indícios de acordo entre os partidos;
  • Apesar de lideranças Republicanas afirmaram que entendem a urgência da iniciativa, dizem também não querem facilitar o caminho para o Plano das Famílias Americanas de USD 3.5 trilhões. Portanto, se esperam ruídos a frente;
  • Vale lembrar que as medidas podem ser aprovadas sem apoio republicano na Câmara, mas, os mecanismos de aprovacão tradicionais do Senado requerem 60 votos (ou seja, 10 republicanos);
  • Não fica claro também se a iniciativa seria anexada ao orçamento para o governo e entes públicos (que evitaria um shutdown).

Empresas

Copel (CPLE6): Companhia não exercerá direito de preferência na aquisição da participação acionária da Gaspetro

  • Na última sexta-feira (17) a Copel informou, via fato relevante, que não exercerá direito de preferência na aquisição da participação acionária da Gaspetro na Compagas;
  • A Compagas é a concessionária responsável pela distribuição de gás natural canalizado no Estado do Paraná, tendo como acionistas a Copel, com 51% das ações, a Gaspetro, com 24,5%, e a Mitsui, com 24,5%;
  • Adicionalmente a companhia divulgou o pagamento de proventos, no montante de R$1,4 bilhão, a serem pagos em 30/11/2021, sendo (i) R$1,1 bilhão em dividendos intercalares e (ii) R$239 mi em juros sobre capital próprio (“JCP”), totalizando um dividend yield de 8,1%. Ressaltamos que a Copel pertence à nossa carteira recomendada Top Dividendos XP. Estimamos um dividend yield de 14% em 2021;
  • Vemos a notícia como positiva dado que está em linha com a estratégia da companhia de desinvestir de ativos non-core e manter o o foco no seu core business de energia elétrica. Mantemos nossa recomendação de compra para Copel com um preço alvo de R$ 7,5/ ação para CPLE6.

CESP (CESP6): Usina Hidrelétrica Porto Primavera ganha extensão de concessão por 7 anos.

  • Na sexta-feira (17), a CESP divulgou um comunicado ao mercado informando que acatou a proposta da ANEEL de encerrar a disputa relacionada ao GSF ao prorrogar em sete anos a concessão da Usina Hidrelétrica de Porto Primavera, o máximo permitido pela lei 14.052/2020;
  • Como não há outorga associada a esta prorrogação, estimamos um aumento de R$732 milhões no valor para o acionista, o que adicionaria R$2,00/ação ao nosso preço alvo, ou 8% do atual valor de mercado da CESP;
  • Mantemos a CESP como uma de nossas top picks no setor elétrico, com um preço-alvo de R$34/ação.

AES Brasil (AESB3): AES anuncia potencial follow-on de R$1,8 bilhão

  • Na sexta-feira (17), foi divulgado um fato relevante lançando da oferta subsequente com esforços restritos de 132,5 milhões de ações. Sendo 93 milhões de oferta primária e 29,5 milhões de oferta secundária do BNDES;
  • A oferta primária dilui os atuais acionistas em 18,9% e totalizaria R$ 1,26bi considerando o último preço de fechamento. As ações do BNDES serão oferecidas como ações adicionais, o valor a ser vendido durante a bookbuilding ficará a critério do BNDES. A oferta adicional corresponde à totalidade da participação atual do BNDES na AES Brasil. A oferta total seria de R$ 1,8bi;
  • O oferta primária traria o indicador Dívida Líquida/EBITDA da AES Brasil dos atuais 2,1 para 1,6. No entanto, os recursos serão destinados aos planos de expansão da empresa;
  • Mantemos nossa recomendação de compra na AES Brasil, com um preço alvo de R$ 17/ação.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Febraban: Aumento do IOF dificulta recuperação da economia. Segundo a entidade, o resultado é o desestímulo aos investimentos e mais custos para empresas e famílias que precisam de crédito. (Valor);
    • XP convoca assembleia para votar fusão com Xpart e eleger membros do conselho. A XP convocou assembleia geral de acionistas para 1º de outubro, para votar 17 itens, incluindo a fusão com a XPart, empresa resultante da cisão da fatia do Itaú na XP. (Valor);
  • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Na Arezzo, a união com a Reserva vai de vento em popa — e os planos para o futuro são ambiciosos. (SeuDinheiro);
    • Magazine Luiza chega à marca de 100 mil lojistas virtuais. (Estadão);
  • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Surging Fertilizer Costs Risk Making Food Even Pricier Next Year (Bloomberg);
    • Sauditas derrubam veto a frigoríficos suspensos após ‘vaca louca’ (Valor);
  • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Apagão no Sudeste não tem relação com crise hídrica, diz ONS. (Valor Econômico);
    • Alta de preços da gasolina e diesel na bomba chega a 35,5% no ano, diz ANP. (Valor Econômico);
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Walmart + ganha tração

  • O serviço de assinatura do Walmart acelerou seu crescimento e atingiu 32 milhões de usuários;
  • A Mastercard concordou em adquirir a CipherTrace, uma startup desenvolvedora de ferramentas para combater transações ilícitas de moedas digitais;
  • A Ford anunciou que encerrará suas fábricas de automóveis na Índia após 25 anos de investimento no país;
  • Fundamentos permanecem fortes nos EUA e o efeito da pandemia parece não ter afetado a lucratividade das companhias na tendência de longo prazo;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 20/09

  • Na sexta-feira o mercado seguiu em território negativo, com o Ibov e o ISE encerrando o pregão em queda de -2,1% e -1,8%, respectivamente. Na semana, o Ibov recuou -4,3%, enquanto o ISE segurou parte das perdas, caindo -3,7%;
  • No Brasil, o tema “inflação verde” começa a ganhar visibilidade nas discussões do Banco Central, uma vez que o agravamento da crise do clima nos últimos anos e a transição para uma economia sustentável são temas cada vez mais demandados pela sociedade e por investidores de todo o mundo. O processo, no entanto, gera custos, distorce preços de matérias-primas e provoca a chamada “inflação verde”;
  • No internacional, (i) dados do Ecosystem Marketplace mostram que no acumulado de 2021, o valor transacionado nos mercados de carbono voluntário já cresceu 60% em relação a todo o ano de 2020 e deve superar a barreira de US$1bn em 2021, marcando um recorde em meio à crescente demanda corporativa para cumprir metas de descarbonização; e (ii) um estudo do Fórum Econômico Mundial mostrou que as pessoas físicas estão interessadas em sustentabilidade, ou ESG, mas poucas investem o seu dinheiro com isso em mente, tendo como principais barreiras de entrada a falta de simplicidade e de padronização da indústria. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.