Selic a 2,75%: quais ações se beneficiam e pagam dividendos acima da taxa básica de juros?

Conheça os papéis que têm boas perspectivas com a alta na Selic e saiba quais empresas pagam proventos acima do atual patamar dos juros brasileiros


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O Banco Central, em mais uma reunião de seu Comitê de Política Monetária (Copom), pôs fim, após quase seis anos, ao ciclo de baixa da taxa Selic. Em decisão anunciada na tarde desta quarta-feira, os juros básicos brasileiros foram de 2,00% para 2,75% ao ano, subindo pela primeira vez desde julho de 2015, quando a taxa estava em 14,25% ao ano.

Assista à Live sobre o Copom com as análises dos nossos especialistas
e leia a opinião do economista-chefe da XP sobre a reunião

Com a atividade econômica arrefecida por conta da pandemia e dos seus efeitos prolongados, principalmente pela piora na taxa de ocupação de leitos nos hospitais pelo Brasil e pela morosidade na vacinação de forma geral, mais estímulos econômicos virão por aí, confirmados pela aprovação da PEC Emergencial no Congresso Nacional.

foto da sede do bacen
Sede do Banco Central do Brasil, em Brasília

Considerando esse cenário de altos gastos públicos, que acabam causando uma alta na inflação, confirmaram-se as expectativas do mercado sobre o aumento na taxa Selic. Além disso, com o aumento de incertezas políticas no Brasil e com a contínua alta no preço de commodities, as expectativas tanto da nossa equipe de Economia quanto do mercado em geral é de que o BC continue esse ciclo de alta em um ritmo mais acelerado do que o previsto inicialmente.

Segundo as projeções atualizadas pela equipe de Economia da XP, comandada pelo economista-chefe Caio Megale, ao longo do ano mais cinco altas devem acontecer, fechando o ano com a taxa Selic em 5,0%.

Mas o que isso implica para as ações brasileiras? A resposta varia muito de cada setor, mas, de forma geral, quanto mais baixo forem os juros brasileiros mais as companhias são beneficiadas pela migração de investidores para a Bolsa, a fim de buscar rentabilidades maiores.

No entanto, a alta da Selic beneficia algumas das empresas listadas que cobrimos diariamente, mostrando-se mais um fator oportuno para os investidores brasileiros. Além disso, de que forma a decisão do Banco Central impacta nos ganhos relacionados aos dividendos? Será que ainda vale a pena investir com esse foco? Preparamos um relatório para explicar todas essas questões.

Selic em alta: quais ações se beneficiam?

Neste cenário de subida de juros, há alguns setores ganhadores na Bolsa. Pensando nisso, montamos uma carteira de ações que podem se beneficiar dessa alta. A princípio, os seguintes setores são automaticamente influenciados positivamente por uma elevação nos juros:

Setor financeiro: Bancos e Seguradoras

Os Bancos são diretamente beneficiados por uma elevação da taxa Selic devido à diferença entre o custo de captação e os juros cobrados dos clientes, diretamente atrelado ao spread bancário.

Com uma alta na taxa básica de juros, bancos tendem a aplicar uma taxa maior em empréstimos, porém o reajuste nos custos de captação é mais lento. Em outras palavras, a diferença entre o que os bancos recebem e pagam fica maior.

Além da receita operacional que vem da venda de seguros, as Seguradoras têm como outra fonte relevante de receita as aplicações feitas no mercado financeiro.  Como uma grande parte dessas aplicações são em renda fixa com rendimentos atrelados à Selic, uma alta na taxa básica de juros leva a maiores retornos sobre o capital investido.

Empresas importadoras

Com a alta na Selic, o dólar tende a cair, o que beneficia empresas importadoras. Esse movimento acontece pela diferença dos juros entre o Brasil e outros países.

Os juros mais altos por aqui atraem investidores estrangeiros em busca de rentabilidade, o que leva à maior entrada de dólares na nossa economia e, como resultado, o real se aprecia. Além disso, empresas logísticas portuárias se beneficiam da armazenagem da produtos importados enquanto estes permanecem no porto.

Com isso em mente, fizemos um estudo quantitativo de ações da Bolsa olhando para relação entre os retornos de preço e a alta de juros no passado. Também analisamos cada ação que teve correlação positiva com uma perspectiva fundamentalista, entendendo a dinâmica de cada empresa quanto a sua fonte de receita, dívida, entre outros fatores, para assim, filtrar as relações espúrias, isto é, movimentos de alta no preço que provavelmente não foram relacionados com uma subida de juros.

Abaixo, confira no detalhe as empresas que se beneficiam da alta na Taxa Selic:

Ações que podem ser impactadas negativamente

Por outro lado, empresas que podem ser impactadas negativamente por juros mais baixos são principalmente as que têm maior endividamento. Setores que operam com capital intensivo e que precisam financiar seus projetos, tendem a ver a sua dívida aumentar ainda mais com a alta da Selic. Além disso, a subida na taxa de juros tende a desestimular o consumo.

Portanto, empresas de setores como varejo, elétrica e locação de veículos tendem a ser as mais afetadas pela subida de juros.

Nossa visão: continuamos construtivos em relação à Bolsa

Para a Bolsa, vários investidores nos perguntam se a alta da taxa de juros impactará a trajetória do Ibovespa e, principalmente, se afetará o fluxo de renda fixa para ações.

Achamos que não, pois os juros reais (juros nominais subtraído da inflação) devem continuar próximos de zero. Levando em consideração que a nossa expectativa de inflação é em 4,9% e da Selic em 5,0% para final de 2021, taxas reais continuarão muito baixas, prevendo ainda um baixo retorno real para investidores em renda fixa.

Além disso, conforme mencionamos no Raio XP de fevereiro, analisando ciclos de alta de juros no passado, o Ibovespa apresentou movimentos tanto de recuperação quanto de queda. Ou seja, não há uma relação clara e direta entre o Ibovespa e a taxa de juros. Nosso estudo também mostrou que, na média, para cada +1% na taxa Selic, o Ibovespa caiu apenas -0,07%. Portanto, a taxa Selic não é a única – ou a mais importante – determinante dos rumos para o índice.

Com a vacinação contra a covid-19 e eventual recuperação da economia, ainda há espaço para a Bolsa subir, principalmente os nomes que foram severamente impactados pela pandemia. E para os que buscam continuar a crescer seu patrimônio, investir em ações vai continuar sendo a opção mais atrativa.

Ações pagadoras de dividendos ainda superam taxa de juros; saiba quais são elas

Apesar da alta na taxa Selic, de 2% para 2,75% ao ano, as ações conhecidas por distribuir bons e recorrentes dividendos ainda superam a taxa básica de juros. E por que isso é importante?

Investir em ações com foco em dividendos neste cenário é uma grande oportunidade porque os investidores possuem uma “garantia” de retorno porque as companhias têm a obrigatoriedade, por lei, de remanejar pelo menos 25% seus proventos para os acionistas.

Então, além de ganhar com os dividendos, que são anunciados pelas companhias antecipadamente, é possível ter rentabilidade com o desempenho das ações. Ou seja, além da possibilidade de lucro, o investidor conta também com uma rentabilidade adicional na forma de dividendos pagos de forma recorrente, variando de empresa para empresa.

Apesar de as projeções colocarem a Selic em um patamar de 5% até o fim deste ano, os rendimentos de dividendos ainda estão acima da taxa de juros para algumas empresas.

Dessa forma, listamos as 30 ações da nossa cobertura que podem pagar um dividend yield  (rendimento dos dividendos) acima dos 3% ao ano em relação à taxa Selic. Confira:

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

Entenda melhor as 10 maiores pagadoras de dividendos da nossa cobertura:

Copel (CPLE6) – Compra

Setor de atuação: Elétrico
A companhia divulgou uma nova e robusta política de dividendos em janeiro de 2021. De acordo com a nova política as propostas de dividendos regulares serão calculadas conforme os critérios: (i) alavancagem abaixo de 1,5x = 65% do Lucro Líquido Ajustado, (ii) alavancagem entre 1,5x e 2,7x = 50% do Lucro Líquido Ajustado e (iii) alavancagem acima de 2,7x = 25% do Lucro Líquido Ajustado. Com isso, estimamos um dividend yield de 11,1% em 2021-22 para CPLE6. Mantemos nossa recomendação de Compra nas ações da Copel, com um preço-alvo de R$ 7,5/ação (destacamos que a companhia realizou uma destrobramento de ações na proporção 1:10 em 12 de março de 2021).

Engie (EGIE3) – Neutro

Setor de atuação: Geração de energia elétrica
A Engie Brasil se destaca por sua capacidade diferenciada de se proteger de efeitos hidrológicos adversos, somada a sua diversificação de portifólio com a entrada nos setores de transmissão de energia e transporte de gás. Acreditamos que a companhia deverá manter uma prática de distribuição de 100% do Lucro Líquido aos acionistas em 2021, assim como ocorreu em 2020. Estimamos um dividend yield de 9,7% em 2021. Temos recomendação neutra em EGIE3 com preço-alvo de R$ 44/ação.

Banco do Brasil (BBAS3) – Compra

Setor de atuação: Financeiro
O banco combina: i) preço atrativo, pela sua carteira de crédito defendida e pela soma das partes atraente; e ii) uma frente digital competitiva. Desta forma, acreditamos que haja poucas avenidas de crescimento de valor ao banco, tornando a distribuição de dividendos uma alternativa atrativa. Devido ao limite de distribuição de dividendos imposto pelo Banco Central em 2020, estimamos um payout de 50% em 2021 e vemos um dividend yield de 8,6%. Temos recomendação de Compra para Banco do Brasil e preço-alvo de R$ 43/ação.

Vale (VALE3) – Compra

Setor de atuação: Mineração
Seguimos otimistas com Vale, considerando um cenário de demanda saudável de minério de ferro na China, após incentivos do governo, e um cenário mais desafiador para a oferta. Acreditamos que um cenário de aumento de produção de aço em 2021 na China deva intensificar a demanda pela commodity, apesar de reconhecermos que um eventual aumento nas restrições às siderúrgicas chinesas possa impactar os preços do minério e, consequentemente, a performance das ações. Esperamos um retorno com dividendos mínimo de 7,1% em 2021, considerando um preço de minério de ferro médio em US$135/t (vs. US$166/t atualmente). Nós estimamos os dividendos aplicando a política retomada recentemente pela companhia: 30% da diferença entre o EBITDA e os investimentos em manutenção. Em termos de valuation, vemos as ações em patamares atrativos, negociando a 2,1x (vs. média do setor em 5.5x), abaixo de sua média histórica. Reiteramos nossa recomendação de Compra para a Vale, com preço-alvo de R$122/ação.

AES Tietê (TIET11) – Compra

Setor de atuação: Geração de energia elétrica
A AES Tietê usualmente apresenta lucros consistentes, embora possa haver um certo grau de volatilidade dependendo da incidência de chuvas. Em 2020 a companhia apresentou um payout de 88% que se traduz em um dividend yield de 5,4% no ano, o que reforça nossa visão de que a AES Tietê é uma das nossas preferidas como pagadora de dividendos. Estimamos um dividend yield de 7,0% em 2021-22 para as ações. Temos recomendação de compra em TIET11 com preço-alvo de R$ 18/ação.

BB Seguridade (BBSE3) – Compra

Setor de atuação: Seguros
Esperamos que a seguradora se beneficie principalmente de: i) crescimento de prêmios impulsionado pela retomada da atividade econômica; e ii) da capacidade de distribuição pelas agências do Banco do Brasil. Desta forma, dada a baixa necessidade de capital, a BB Corretora apresenta margens altas impulsionando os retornos da companhia. Portanto, vemos um dividend yield de 6,9% para 2021 e temos recomendação de Compra para a BB Seguridade com preço-alvo de R$ 35/ação.

Cemig (CMIG4) – Neutro

Setor de atuação: Elétrico
A política de dividendos do estatuto da CEMIG prevê a distribuição de 50% do lucro da empresa aos acionistas.  Adicionalmente, as ações preferenciais da companhia (CMIG4) tem preferência no recebimento de proventos com dividendo de, pelo menos, 10% do seu valor nominal de R$ 5 por ação ou de 3% do valor do patrimônio líquido das ações. Estimamos um dividend yield de 6,7% em 2021. Mantemos nossa recomendação Neutra para as ações, com preço-alvo de R$ 11/ação.

CESP (CESP6) – Compra

Setor de atuação: Geração de energia elétrica
A companhia vem reforçando sua sólida geração de caixa nos últimos trimestres. Com isso, acreditamos que a companhia deve continuar a distribuir pelo menos o dividendo mínimo de R$1,85/ação previsto pelo seu estatuto. Em 2020 a companhia atingiu uma distribuição de 49% sobre o lucro líquido, reforçando a nossa visão de que a CESP é uma das nossas preferidas como pagadora de dividendos. Estimamos um dividend yield de 6,7% entre 2021 e 2022. Reiteramos nossa recomendação de Compra na CESP, com um preço-alvo de R$ 36/ação.

Santander (SANB11) – Neutro

Setor de Atuação: Financeiro
Apesar de o Santander ser o banco com menor diversificação de receita entre os incumbentes, apresenta uma combinação de: i) alta exposição ao crédito de varejo; e ii) níveis de inadimplência relativamente abaixo da média. Acreditamos que, enquanto não haja boas oportunidades para o banco empregar grandes quantidades de capital incremental com taxas de retorno altas, a distribuição de dividendos pode ser uma alternativa atrativa. Devido ao limite de distribuição de dividendos imposto pelo Banco Central em 2020, estimamos um payout de 75% em 2021 e vemos um dividend yield de 6,3%.

Itaú (ITUB4) – Neutro

Setor de atuação: Financeiro
O banco combina: i) um investimento de qualidade, com boa gestão e governança que se traduzem em menor beta; e ii) um payout historicamente acima da média do setor. Acreditamos que, enquanto não haja boas oportunidades para o banco empregar grandes quantidades de capital incremental com taxas de retorno altas, a distribuição de dividendos pode ser uma alternativa atrativa. Devido ao limite de distribuição de dividendos imposto pelo Banco Central em 2020, estimamos um payout de 65% em 2021 e vemos um dividend yield de 6,2%. Temos recomendação Neutra para Itaú e preço-alvo de R$ 29/ação.

Entenda mais sobre os dividendos:

O que são dividendos?

Dividendos são uma parte do lucro de uma determinada empresa que é distribuído aos seus acionistas.

De acordo com a Lei das S.A., as empresas de capital aberto têm que distribuir no mínimo 25% dos seus lucros a acionistas.

Tal lucro também pode ser distribuído na forma de Juros Sobre Capital Próprio (JCP). Esta é uma forma diferente de distribuir os lucros de uma empresa entre os seus acionistas.

Qual é a diferença entre dividendos e Juros sobre Capital Próprio?

O JCP é tributado em 15% pela Receita Federal na data do depósito, enquanto dividendos são isentos de tributação.

Como funciona a distribuição de dividendos?

Primeiro, o Conselho de Administração da companhia verifica se a empresa obteve lucro ao longo do exercício para distribuir uma parte aos acionistas.

Em afirmativo, a empresa deve deliberar sobre os dividendos a distribuir, e informar publicamente os valores e datas de pagamento.

A periodicidade de pagamento de dividendos varia de empresa para empresa, podendo ser mensal, trimestral ou anual.

O que é dividend yield?

O cálculo do dividend yield é feito com base na divisão do valor esperado em dividendos pelo preço das ações.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.