Dividendos na Bolsa: o que são, como funcionam e melhores estratégias

Entenda o que são dividendos, categorias, dividend yield, como resgatar e reinvestir. Saiba mais neste guia completo.

Dividendos são partes dos lucros obtidos por uma empresa de capital aberto. Esses dividendos são distribuídos entre todos os acionistas da empresa, de acordo com o volume de investimento de cada um.

Você pode viver de dividendos se escolher as empresas certas para investir.

Empresas que estão mais estabelecidas no mercado conseguem distribuir mais dividendos entre seus acionistas. Elas estão mais focadas no lucro que em crescimento. Assim, passam a investir menos na expansão, pesquisa e outros projetos.

Dividendos passaram a ser uma ótima opção para investidores que tem o com o objetivo de viver somente de renda, ou talvez adquirir maiores rendimentos com suas aplicações.

Quem investe em uma ação, está adquirindo uma parte dae uma empresa. Com isso, caso esta cresça, o lucro do investidor também aumenta. No entanto, essa não é a única rentabilidade que você recebe ao adquirir um papel corporativo.

Aproveite este Guia completo sobre Dividendos para aprender:

Vamos lá!

O que são Dividendos?

Os dividendos são parte do lucro que uma empresa de capital aberto tem. Eles são ótimos para o perfil de investidores conservadores, mas que têm interesse e curiosidade em ingressar no mercado de compra de ações.

É um termo bastante conhecido na Bolsa de Valores (B3). Fazem parte dos lucros de uma empresa e o objetivo de sua distribuição é remunerar seus acionistas.

Eles podem ser pagos em ações ou dinheiro. Dependendo da empresa, esse pagamento pode ser mensal, trimestral, semestral ou anual. Além disso, o investidor recebe um valor referente e proporcional ao número de ações que ele tem da empresa.

As organizações da B3 devem pagar aos acionistas um mínimo de 25% do seu lucro líquido. Apesar de este ser o patamar mínimo, algumas instituições conseguem pagar percentuais ainda maiores.

Assim, os valores que cada acionista recebe dependem exclusivamente da quantidade de ações que ele detém.

Características de uma empresa que entrega bons dividendos

Para obter rentabilidade de uma empresa boa pagadora, é importante saber identificar suas características.

Busque companhias consolidadas e com ótima reputação no mercado. Procure identificar aquelas que apresentam um bom fluxo de caixa.

Analise também o Dividend Yield da companhia. Ele é o termômetro dos dividendos nas empresas. Vamos explicar isso mais adiante.

Identificando essas características, a chance de obter ótimos resultados é muito maior.

Tipos de Dividendos

Existem algumas categorias de dividendos pagos pelas empresas de capital aberto para seus acionistas. Conheça as principais a seguir:

Bonificação

A bonificação ocorre no momento em que um valor extraordinário é pago aos acionistas – um bônus.

No entanto, essa bonificação é paga em forma de ações e de acordo com o número de papéis que o investidor adquiriu.

Dividendo especial extraordinário

Normalmente, esse dividendo é distribuído com base em acontecimentos inesperados, como a venda de algum ativo que fez aumentar o caixa da empresa.

Juros Sobre Capital Próprio (JSCP)

A diferença entre o JSCP e um dividendo comum é que ele é tributado em 15%, enquanto dividendos são isentos de impostos. Uma empresa distribuí JSCP por otimização tributária, uma vez que tais valores são dedutíveis do imposto de renda da companhia.

O que é Dividend Yield e como calcular?

Dividend Yield (DY) é um indicador que mostra quais empresas são as melhores pagadoras de dividendos e é fundamental entendê-lo na hora de investir.

Esse indicador é calculado assim: divide-se o valor da ação pela cotação atual dessa ação.

O cálculo se baseia na seguinte equação:

Dividend Yield = Dividendos anuais (pagos por ação) / Cotação atual da ação

No caso das ações de uma companhia valerem R$ 80, por exemplo, e dividendos anuais (pagos por ação)  R$ 5, o Dividend Yield dessa empresa seria:

R$ 5 ÷ R$ 80 (preço da ação) = 6,25%

Neste caso, se a ação estivesse valendo R$ 120, o DY seria menor. Confira o cálculo:

R$ 5 ÷ R$ 120 (preço da ação) = 4,16%

Assim, esse percentual pode ser um alerta para o mau andamento das finanças organizacionais.

Para escolher as empresas mais rentáveis para se investir, é importante contar com um profissional.  Ao investir com a XP, você conta com a ajuda de um assessor na escolha dos melhores investimentos para o seu perfil.

Vale a pena sair da renda fixa para receber dividendos?

Nossa dica: diversifique seus investimentos e mantenha aplicações distribuídas em variados tipos de ativo, como os de renda fixa, por exemplo.

Outra característica importante na hora de investir em dividendos é ter um perfil de investidor arrojado, pois você deve estar preparado para possíveis e eventuais oscilações no mercado de ações.

No entanto, se você busca maiores chances de lucro a longo prazo, receber dividendos pode ser uma ótima opção.

Como viver somente de dividendos

Você não precisa ser um trader para viver com rendimentos da Bolsa de Valores. Para que seja possível viver de dividendos, é importante saber como montar uma ótima carteira de investimentos.

Assim, apesar de contar com a ajuda de um assessor de investimentos ou de uma carteira recomendada, é fundamental que você saiba exatamente onde está investindo e como esse processo funciona.

Confira abaixo os principais passos para alavancar seus resultados:

1.   Faça uma análise da empresa

O primeiro passo para montar uma carteira de dividendos lucrativa é analisar com bastante atenção a companhia em que se está pensando em investir.

Ao investir em ações, você se torna um sócio da empresa. Assim, é importante ter acesso ao valor do Dividend Yield, à governança e ao fluxo de caixa, por exemplo.

2.   Conheça o histórico de pagamento

É fundamental conhecer o histórico de pagamento de dividendos da companhia em questão. É possível acessar os resultados dos últimos anos das empresas de mercado aberto e analisá-los.

Então, caso uma empresa apresente um histórico inconsistente ao longo dos anos, pode ser um sinal de que ela não deva estar em sua carteira de dividendos.

3.   Conheça as datas de pagamento

Você precisa também conhecer as datas de pagamento de dividendos das organizações.

Isso facilita a escolha de papéis que se enquadrem em suas necessidades e objetivos financeiros.

4.   Planeje a longo prazo

Todas as carteiras de dividendos precisam ser planejadas a longo prazo. Isso é importante para que acionistas não se preocupem com variações de preço no curto prazo.

Porém, para isso, é preciso que você analise sempre dois indicadores importantes:

  • Dividend Yield: mede qual é a rentabilidade do dividendo por ação;
  • Dividend Payout: identifica qual é a porcentagem do lucro que os acionistas receberão.

5.   Diversifique suas aplicações

Diversificar suas aplicações é fundamental para reduzir os riscos dos seus investimentos. É recomendável estudar as opções escolhidas e entender como elas funcionam.

6.   Opte por empresas sólidas

É essencial optar por empresas sólidas e com um bom potencial de geração de caixa. Isso porque essas empresas costumam ser boas pagadoras de dividendos.

7.   Abra uma conta na XP Investimentos

Para começar a investir com segurança e inteligência, abra uma conta na XP. É 100% gratuito e digital.

Caso você possua mais de R$ 50 mil para investir, nós podemos ajudá-lo com a nossa assessoria.

Um de nossos assessores entrará em contato, para entender seus objetivos financeiros e montar uma carteira personalizada para você.

Glossário para entender dividendos

Algumas empresas aumentam os valores de seus dividendos com o passar do tempo. Dessa forma, elas conseguem distribuir 25% de seu lucro inicialmente e aumentam esse valor para 30% no próximo ano, por exemplo.

Geralmente, companhias que possuem fama de pagadoras de dividendos crescentes não decepcionam seus investidores.

Então, é fundamental conhecer os principais termos envolvidos nessa operação para se beneficiar ao máximo desse modelo de investimento.

Data de registro

É o dia em que as companhias definem quem são seus investidores.

A data de registro precisa estar presente na contabilidade organizacional. Assim, seus acionistas são capazes de receber seus dividendos.

Nesta data também é determinado quem receberá informações importantes para a distribuição dos lucros, como relatórios financeiros e procurações.

Data de declaração

Neste dia é anunciado o valor, a data de pagamento e a data de registro dos dividendos pelo Conselho de Administração da empresa.

O objetivo é determinar uma data limite, pois depois desse dia a empresa possui a obrigação de realizar a distribuição de seus lucros.

Data ex-dividendo

O ex-dividendo é um termo utilizado para se referir aos investidores que não têm mais direito de receber os dividendos que foram anunciados.

Esse anúncio ocorre na data ex-dividendo. Assim, caso um acionista adquira um papel depois desse dia, o vendedor de tal ação é quem recebe a porcentagem dos dividendos.

Geralmente, esta data ocorre dois dias úteis antes da data de registro quando os pagamentos são feitos em dinheiro.

Índice de Cobertura de Dividendos

O índice de cobertura de dividendos é o resultado da divisão entre o lucro líquido de uma empresa e o valor de dividendos pago aos acionistas.

Dessa maneira, é possível identificar qual é a real capacidade que uma companhia possui de pagar os dividendos planejados.

O cálculo desse índice é baseado na divisão do lucro total sobre o valor do dividendo de um papel.

Planos de Reinvestimento dos Dividendos (PRD)

O plano de reinvestimento dos dividendos é um planejamento que permite que investidores reinvistam seus dividendos automaticamente.

Esta operação é definida por cada empresa e acontece no dia em que o lucro é dividido.

Caso você entenda que existe certo potencial de capitalização da empresa em questão, essa pode ser uma boa oportunidade.

Isso acontece porque esse reinvestimento costuma ser feito sem descontos ou cobranças de comissões.

[Extra] Dividendos: reinvestir ou resgatar?

Aqui, separamos um assunto muito demandado pelos nossos leitores: afinal, vale mais a pena reinvestir ou resgatar os dividendos?

Como tudo o que envolve o mundo dos investimentos, essa pergunta depende muito do seu perfil e objetivo.

A primeira coisa que você precisa fazer é se questionar. “Eu quero aumentar cada vez mais meu patrimônio a longo prazo? Ou prefiro resgatar os dividendos de forma periódica para ter o dinheiro na mão e usar como quiser?”

Faça essa reflexão e entenda qual é o seu momento. Feito isso, é hora de entender cada estratégia e como cada uma se encaixa para você.

Por que muitas pessoas reinvestem os dividendos?

Ao reinvestir dividendos através da compra de novas ações, é possível aumentar seu patrimônio líquido mais rapidamente.

Através do reinvestimento de dividendos, você acelera seus rendimentos e tem a chance de alcançar seus objetivos financeiros mais rapidamente.

Quando resgatar os dividendos?

Então, você prefere ter o dinheiro na mão para fazer outras coisas? Resgatar, nesse caso, certamente é a melhor opção. Depende muito do seu momento de vida também.

Como os dividendos são uma divisão dos lucros para todos os acionistas, essa parcela não é muito relevante se o montante de dinheiro que você tiver naquela determinada ação for baixo. Portanto, resgatar pode não fazer tanta diferença nesse caso.

É preciso muita maturação na Bolsa de valores e um bom volume de recursos em ações para obter dividendos que fazem você largar o emprego. Como já dissemos, demanda tempo e paciência. Por isso, o resgate de dividendos talvez valha mais a pena quando já há um patrimônio expressivo.

O poder dos juros compostos ao reinvestir

A lógica dos juros compostos é um conceito básico e importante para qualquer investidor. Esse conceito significa que você estará recebendo juros sobre juros, potencializando os seus ganhos.

Portanto, esses juros serão sempre acrescidos no montante total acumulado com os juros passados. É uma ferramenta extremamente interessante para acumular patrimônio. E os dividendos entram na jogada justamente quando você tem a oportunidade de reinvesti-los.

Para quem procura ganhos a longo prazo e está disposto a esperar, reinvestir os dividendos pode ser um bom caminho, considerando a lógica dos juros compostos.

Exemplo simples: entenda a lógica de reinvestir dividendos

Vamos a uma situação hipotética para entender na prática. Pense que você já tem uma ação preferida e quer investir a longo prazo nesse papel porque acredita em sua valorização.

Digamos, por exemplo, que você tenha um dinheiro extra apenas para investir na Bolsa, arriscando um pouco mais na diversificação de sua carteira.

Você, então, investe R$ 5.000, comprando 5 lotes-padrão, com 100 ações, e cada uma valendo o preço de R$ 10.

Vamos supor que a empresa da qual você se tornou acionista anuncie que pagará dividendos todos os meses e que, baseado em um preço predeterminado pela companhia, isso resultaria, na média, num total de cerca de 8% no ano, isto é, aproximadamente 0,6% ao mês.

Nesse cenário, reinvestindo os 0,6% em novas ações dessa empresa, a cada mês o valor dos dividendos aumentaria porque a quantidade de ações total seria maior.

Essa mesma porcentagem seria, então, sobre uma base maior a cada mês, o que tornaria o reinvestimento algo bastante vantajoso.

Mas não para por aí. Além do acúmulo dos dividendos, se a ação acabar se valorizando durante esse período você poderá ter um ganho ainda maior.

E fica ainda mais benéfico considerando que os dividendos são isentos de Imposto de Renda. Então, é uma combinação de fatores que podem, a longo prazo, ser ótimos aliados do seu bolso.

Mas tenha atenção: estamos aqui considerando um cenário hipotético muito positivo, com dividendos recorrentes, pagando acima da taxa Selic e com a companhia em questão crescendo e se valorizando.

No entanto, saiba se o seu perfil de investidor é compatível com esse tipo de risco e avalie a oportunidade. Outra coisa muito importante ao reinvestir os dividendos é olhar a cobrança da corretagem, que é o valor pago para cada ordem enviada à corretora na Bolsa.

ATENÇÃO:

É importante ter em mente que essa não é uma prática tão simples. Para diminuir os riscos da volatilidade é preciso diversificar e estudar muito bem cada empresa.

#Dica: Aportes mensais podem maximizar ainda mais os ganhos

Se você julga que a empresa que você escolheu é uma boa oportunidade a longo prazo, talvez possa fazer aportes periódicos, somados à possível valorização da ação e ao pagamento de dividendos. Essa equação, caso esses três pontos consigam desempenhar bem, pode ser a chave para o acúmulo de patrimônio a longo prazo.

Contudo, é preciso avaliar muito bem antes de decidir fazer os aportes mensais. Se a empresa ou o setor em que ela está inserida caírem muito de rendimento, os aportes mensais podem não ser eficientes e virar, assim, uma verdadeira dor de cabeça.

Como receber dividendos ou reinvesti-los?

Os dividendos são pagos de acordo com a estratégia de cada empresa. Assim que as companhias definirem, elas informarão o mercado sobre a forma e a periodicidade desse pagamento.

E para reinvestir ou resgatar é muito simples. Basta esperar a data de pagamento do dividendo para deixar a quantia cair na conta da corretora.

Ao comprar uma ação com foco em dividendos, fique atento à chamada “Data Ex”, referente ao prazo final para ganhar dividendos. A partir da Data Ex, os acionistas que adquirirem a ação não terão mais direitos sobre os dividendos declarados.

Conclusão

Pronto para investir e receber dividendos?

Investir em dividendos pode ser uma ótima opção para alavancar seus rendimentos. Assim, você recebe parte do lucro líquido de uma determinada empresa.

Para isso, é importante conhecer as remunerações existentes e se essa operação faz parte do seu perfil de investidor.

É importante conhecer o histórico de pagamento da empresa, seu Dividend Yield, fluxo de caixa e a atuação da gerência. Esses são fatores essenciais para nortear seus investimentos.

Com a XP, você conta com profissionais especializados para assessorá-lo em seus investimentos. Dessa maneira, você consegue atingir seus objetivos financeiros mais rapidamente, minimizando seus riscos e maximizando seus rendimentos.

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

Compartilhar:


Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM