XP Expert

Taxa de câmbio segue em trajetória de queda e atinge o menor patamar em mais de um ano

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 0,9% | 129.514 Pontos

CÂMBIO -1,1% | 4,91/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa registrou elevação de 0,85% no pregão de ontem, atingindo 129.514 pontos, em linha com o bom humor nos mercados internacionais. As principais bolsas americanas tiveram ganhos entre 0,5% e 1,0%. Enquanto isso, a cotação do dólar apresentou recuo de 1,06% e encerrou a quinta-feira a R$ 4,91, o menor patamar desde junho do ano passado.  

As taxas futuras de juros encerraram a sessão de ontem em queda, direcionadas pela divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central, que apresentou tom menos hawkish frente à ata e ao comunicado do Copom referentes à última decisão de política monetária, e também pelo cenário externo mais positivo para moedas emergentes. DI jan/22 fechou em 5,735%; DI jan/24 foi para 7,825%; DI jan/26 encerrou em 8,33%; e DI jan/28 fechou em 8,68%.

No cenário internacional, após meses de embate, o Presidente dos Estados Unidos Joe Biden anunciou acordo para um pacote de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão em oito anos. O acordo é considerado uma vitória também para os políticos moderados, que buscam aprovar um projeto com menor custo e sem grandes elevações de impostos. Porém, para ser efetivamente aprovado, o projeto precisa receber apoio da ala mais à esquerda do partido democrata, que defende gastos mais amplos, ou de um maior número de senadores republicanos, que tendem a ser mais resistentes às despesas.

No lado econômico, destaque hoje para a publicação do deflator das despesas com consumo pessoal nos Estados Unidos referente a maio, o indicador de inflação favorito do Federal Reserve (banco central americano). O mercado espera elevação mensal de 0,5% para a medida de núcleo do indicador.  

No Brasil, o destaque fica por conta do IPCA-15 de junho, a ser divulgado no início da manhã (mercado: 0,85%; XP: 0,82%). Na publicação do Relatório Trimestral de Inflação, o Banco Central reforçou os riscos de alta da inflação advindos dos custos de produção e das perspectivas fiscais. O mercado discute se o atual ciclo de aperto monetário levará a taxa Selic para além do nível considerado neutro (estimado em 6,5%).

Além disso, o Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou ontem a meta de inflação para 2024. Ela foi fixada em 3,00%, com uma faixa de tolerância de 1,5 ponto percentual em torno da meta (1,50% a 4,50%). A mediana das expectativas de mercado, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central, é de 3,25%. Será interessante ver se essas expectativas convergirão para a nova meta nas próximas semanas. Por fim, o governo federal enviará hoje a segunda fase de sua Reforma Tributária ao Congresso. O projeto deverá trazer ajustes no Imposto de Renda para pessoas físicas e na tributação sobre dividendos.

Tópicos do dia

Acesse aqui o relatório internacional

Economia

  1. Destaque hoje para o deflator dos gastos com consumo pessoal dos EUA de maio (o indicador de inflação favorito do Fed). Os mercados esperam 0,5% no mês a mês, na medida de núcleo do indicar. No plano fiscal, a Casa Branca e senadores de ambos os partidos chegaram a um acordo sobre o plano de infraestrutura. No Brasil, o destaque fica por conta do IPCA-15 de junho, a ser divulgado no início da manhã (mercado 0,85%, XP 0,82%). O Banco Central divulgou ontem o Relatório Trimestral de Inflação, reforçando os riscos de alta da inflação advindos dos custos de produção e das perspectivas fiscais

Política

  1. Política internacional: Biden anuncia acordo para pacote de infraestrutura de USD 1,2 trilhão
  2. Governo entrega hoje ao Congresso proposta de reforma na tributação sobre renda
  3. CPI da Pandemia escuta deputado e servidor da Saúde sobre suspeitas em compra da Covaxin
  4. Decisão do STF sobre autonomia do Banco Central vai ao plenário presencial e deve ficar para o segundo semestre

Empresas

  1. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): reiteramos Compra para JBS e Marfrig; reduzimos BRF para Neutro
  2. Méliuz (CASH3): Ebit reavalia tamanho do e-commerce brasileiro
  3. JHSF (JHSF3): Aprovação da Internacionalização do Aeroporto Executivo Catarina
  4. Notícias Diárias do Setor Financeiro
  5. Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 25/06

Veja todos os detalhes

Economia

Destaque hoje para o deflator dos gastos com consumo pessoal dos EUA de maio (o indicador de inflação favorito do Fed). Os mercados esperam 0,5% no mês a mês, na medida de núcleo do indicar. No plano fiscal, a Casa Branca e senadores de ambos os partidos chegaram a um acordo sobre o plano de infraestrutura. No Brasil, o destaque fica por conta do IPCA-15 de junho, a ser divulgado no início da manhã (mercado 0,85%, XP 0,82%). O Banco Central divulgou ontem o Relatório Trimestral de Inflação, reforçando os riscos de alta da inflação advindos dos custos de produção e das perspectivas fiscais

  • Os gastos com consumo pessoal (PCE) dos EUA de maio serão divulgados hoje. O mercado espera alguma queda (2,5%), mas o resultado não deve ser visto como fraco, uma vez que o nível de consumo segue bem acima dos níveis pré-pandêmicos. Mais importantes serão os números do deflator do PCE, o indicador de inflação favorito do Fed. Os mercados esperam 0,5% mês a mês para a medida de núcleo do indicador;
  • O presidente Biden e um grupo de senadores centristas chegaram em um  acordo para aprovar um plano de infraestrutura de cerca de US$1trilhão. O plano inclui gastos com transporte, água e banda larga e faz parte da agenda econômica de US$4trilhões do presidente Biden;
  • No Brasil, o destaque fica por conta do IPCA-15 de junho, a ser divulgado no início da manhã (mercado 0,85%, XP 0,82%). O Banco Central divulgou ontem o Relatório Trimestral de Inflação, reforçando os riscos de alta da inflação advindos dos custos de produção e das perspectivas fiscais. O mercado discute se o atual ciclo de aperto vai levar a Selic para além do nível considerado neutro (estimado em 6,5%);
  • O Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou a meta de inflação para 2024. Ela foi fixada em 3,00%, com uma faixa de tolerância de 1,5 pp em torno da meta (1,50% a 4,50%). A mediana das expectativas de mercado, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central, é de 3,25%. Será interessante ver se essas expectativas convergirão para a nova meta nas próximas semanas. De qualquer forma, não vemos impacto sobre a política monetária de curto prazo decorrente dessa decisão, uma vez que o horizonte relevante está 18 meses à frente, segundo o Banco Central;
  • Governo enviará hoje a segunda fase de sua Reforma Tributária ao Congresso. O projeto trará ajustes no Imposto de Renda para pessoas físicas e no imposto sobre dividendos.

Política

Política internacional: Biden anuncia acordo para pacote de infraestrutura de USD 1,2 trilhão

  • Após meses de embate, Joe Biden, anunciou acordo para um pacote de infraestrutura de USD 1,2 trilhão em oito anos. O projeto deve dar ênfase a infraestrutura tradicional (ex. pontes e estradas), infraestrutura para veículos elétricos, banda larga, entre outos. No total, deve contemplar cerca de USD 550 trilhões em novos gastos – o que representa por volta de um quarto do projeto original de USD 2,3 trilhões;
  • O acordo é considerado uma vitória tanto para o presidente, quanto para moderados, que buscam aprovar projeto com menor custo e sem grandes aumentos de impostos. Porém, para ser aprovado, precisa receber o apoio do Caucus Progressista democrata (ala mais à esquerda), que defende gasto mais amplos, ou maior número de senadores republicanos, que tendem a ser mais resistentes aos gastos, para somar os 60 votos requeridos;
  • No entanto, diante da vinculação da sanção e aprovação da proposta a um projeto paralelo de cunho social e ambiental, fica claro que o processo de negociações não chegou ao fim.

Governo entrega hoje ao Congresso proposta de reforma na tributação sobre renda

  • O governo encerra hoje um longo processo de discussão ao apresentar ao Congresso, às 9h30, sua proposta para as mudanças na tributação sobre renda, depois de cobranças públicas do comando do Congresso, principalmente do presidente da Câmara, Arthur Lira. O texto será entregue nas mãos do deputado pelos ministros Paulo Guedes e Flávia Arruda. Em linhas gerais, o texto traz a ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda para pessoa física para R$ 2.500 e redução da alíquota para pessoa jurídica (de 25% para 20% em dois anos), compensadas pela taxação de dividendos, pelo fim do JCP e por outras medidas como a tributação de fundos exclusivos. As isenções para produtos como LCI e LCA devem ser mantidas. Lira sinalizou que pretende votar o texto direto em plenário, sem passar por comissões.

CPI da Pandemia escuta deputado e servidor da Saúde sobre suspeitas em compra da Covaxin

  • CPI da Pandemia escuta hoje à tarde os depoimentos do deputado Luís Miranda e de seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde que diz ter recebido pressão atípica dentro do governo para a compra da Covaxin, em uma transação com suspeitas de irregularidade.

Decisão do STF sobre autonomia do Banco Central vai ao plenário presencial e deve ficar para o segundo semestre

  • Depois do voto de Luís Roberto Barroso pela manutenção da lei da autonomia do Banco Central, o ministro Dias Toffoli levou a decisão ao plenário presencial do STF, o que, na prática, significa um novo adiamento diante da perspectiva de placar apertado. A expectativa é de decisão apenas depois do recesso.

Empresas

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): reiteramos Compra para JBS e Marfrig; reduzimos BRF para Neutro

  • Acreditamos que as empresas de proteínas com operações nos Estados Unidos devem desfrutar de um 2021 particularmente robusto, impulsionadas sobretudo pelo lado da demanda. Já a América do Sul segue enfrentando alguns desafios, principalmente pelo lado da oferta;
  • Entre as opções de proteína animal, continuamos otimistas com a carne bovina, enquanto a carne suína pode perder força no curto prazo, mas a carne de frango segue defasada e pode ensaiar uma recuperação mais estrutural;
  • Sendo o mais diversificado em proteínas e também em geografias, acreditamos que a JBS deverá ser o player melhor posicionado para capturar essas tendências e, portanto, o elegemos como nossa principal escolha para o setor, reiniciando nossa cobertura com recomendação de Compra e preço-alvo de R$ 40, oferecendo 37% de potencial de alta;
  • Para a Marfrig, diante do cenário favorável de EUA e perspectiva de menor volatilidade para a carne bovina, mantemos nossa recomendação de Compra e preço-alvo de R$ 24, com 29% de potencial de alta;
  • Estamos rebaixando a BRF para Neutro mantendo o preço-alvo de R$ 30, com baixo potencial de alta em um ambiente mais volátil. Embora os fundamentos da empresa permaneçam fortes, acreditamos que outros nomes oferecem uma maior margem de segurança em termos de avaliação;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Méliuz (CASH3): Ebit reavalia tamanho do e-commerce brasileiro

  • A Ebit Nielsen, empresa de amplo reconhecimento que analisa e mensura o e-commerce brasileiro, reavaliou positivamente sua estimativa do tamanho do e-commerce em 10%, de acordo com a mídia;
  • A reavaliação teria sido promovida pelo fato de que a Via (VVAR3) passou a contribuir com os dados da Ebit. Lembramos que a Via é um dos grandes players do mercado de e-commerce no Brasil e, com a reavaliação, sua participação do mercado poderia representar cerca de 20%;
  • Em nossa visão, a notícia é positiva para Méliuz devido a visibilidade de um mercado endereçável maior do que o estimado, o que poderia destravar mais valor para seu principal negócio, o cashback.

JHSF (JHSF3): Aprovação da Internacionalização do Aeroporto Executivo Catarina

  • Ontem (24/06), a JHSF comunicou que recebeu a autorização para operar voos internacionais no Aeroporto Executivo Catarina. Assim, ele se torna o primeiro aeroporto internacional dedicado exclusivamente à aviação executiva no país;
  • Vemos o anúncio como positivo dado que a internacionalização deve aumentar a atratividade do aeroporto para potenciais clientes. Com isso, reiteramos nossa recomendação de compra e preço-alvo de R$9,70/ação;
  • Para mais detalhes da tese de investimento, acesse o relatório de início de cobertura.

Notícias Diárias do Setor Financeiro

  • Acesse este relatório com notícias do setor financeiro que complementam nossos comentários publicados no Morning Call, mas que não consideramos relevantes o suficiente para serem analisadas. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

  • Nesta publicação diária, trazemos as principais notícias do setor de varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) nacional e internacional, complementando nossa visão sobre as tendências e acontecimentos mais importantes do dia. Além disso, o relatório contém um resumo dos múltiplos e recomendações para as empresas de nossa cobertura;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 25/06

  • Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo falam sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança;
  • Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance histórica do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP;
  • Por que essas informações são importantes? Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.