XP Expert

No Brasil, reunião do Copom em foco nesta semana

Mercados Globais amanhecem positivos enquanto a bolsa americana encaminha-se para encerrar o seu pior mês desde março de 2020

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,6% | 111.910 Pontos

CÂMBIO -0,7% | 5,37/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque da Semana

No campo de Estratégia, o time de Research XP atualizou as carteiras Top 10, Dividendos, Small Caps e e BDRs para o mês de fevereiro. Mudanças foram feitas para proteger as carteiras tanto do cenário macroeconômico doméstico mais desafiador quanto da alta nas taxas de juros nos Estados Unidos. Além disso,  também houve uma mudanças na Carteira ESG XP para fevereiro: um nome cujo cenário adiante é menos atrativo foi trocado em prol de uma companhia que vemos como uma opção muito interessante de investimento no setor de energia no Brasil. Já no campo da Economia, nesta semana os destaques incluem a publicação de dados de emprego nos Estados Unidos (dezembro), dos resultados do PIB (4º trimestre) e dos índices de inflação (janeiro) na Zona do Euro. No cenário doméstico, a decisão de juros do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) assume o protagonismo – esperamos elevação da taxa Selic para 10,75% a.a.. 

Mundo

Hoje, Mercados Globais amanhecem positivos (EUA +0,1% e Europa +0,9%) enquanto a bolsa americana encaminha-se para encerrar o seu pior mês desde março de 2020. Em relação à temporada de resultados, nesta semana reportam cerca de 1/4 das empresas do índice S&P 500 em valor de mercado, incluindo nomes de peso, como Amazon, Google e Meta (Facebook). Até o momento, das 169 empresas presentes no índice que divulgaram seus balanços, 77% superaram as expectativas de lucro, segundo o FactSet. Na China, a bolsa local permanecerá fechada até a sexta-feira, mas a bolsa de Hong Kong ainda operou hoje em horário reduzido e o índice de Hang Seng (+1,0%) fechou em alta, impulsionado pelas expectativas de maior afrouxamento monetário no país, após dados do PMI indicarem desaceleração econômica vs. o mês anterior. Por fim, o petróleo (+0,9%) amanhece negociando próximo aos US$ 91 por barril.

Economia nos EUA

Membros do Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, estão adotando um discurso de fazer o que for necessário na política monetária americana. Na semana passada, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse em entrevista coletiva que não descartaria aumento em todas as reuniões em 2022 para combater a inflação. No fim de semana, Raphael Bostic, presidente do Fed de Atlanta, disse em entrevista ao jornal Financial Times que um aumento de 0.50 p.p. é possível se justificado pelos dados econômicos. A sinalização impulsionou os juros dos títulos do governo, sendo que as taxas dos títulos do Tesouro americano de 2 anos estão sendo negociados acima de 1,2% esta manhã, o nível mais alto em dois anos.

Decisão do COPOM

No Brasil, nesta semana, as atenções devem se voltar para a reunião do Comitê de Política Monetária do banco central (Copom). O Copom deve elevar a taxa Selic em 1,5 p.p. na quarta-feira (2), conforme amplamente sinalizado. Analistas de mercado devem acompanhar de perto o comunicado que acompanha a decisão, principalmente se a autoridade monetária indicar “outra alta da mesma magnitude” em sua próxima reunião, em março. Já no campo político doméstico, destaque para o fato de que o Congresso volta hoje após o recesso de fim de ano.

Política Internacional

No campo da Política Internacional, a crise na fronteira na fronteira da Ucrânia e da Rússia segue em destaque. Segundo o governo americano, o número de tropas russas na região aumentou no fim de semana. Na tentativa de persuadir o governo russo a não entrar em conflito, Boris Johnson deve realizar ligação com Vladimir Putin nesta semana. Já no lado da política doméstica dos EUA, parlamentares estão focados no Orçamento do ano, que precisa ser aprovado até o dia 18 de fevereiro. Apesar do risco de shutdown não ser considerado relevante, democratas relatam temores de não chegar a um acordo e ter que estender uma medida provisória até o ano que vem – quando não há certeza de que o partido terá maioria no Congresso.

Veja todos os detalhes

Economia

Membros do Fed estão adotando um discurso de fazer o que for necessário na política monetária. Os mercados começam a discutir um aumento de 0.50pp em março

  • Membros do Fed estão adotando um discurso de fazer o que for necessário na política monetária. Na semana passada, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse em entrevista coletiva que não descartaria aumento em todas as reuniões em 2022 para combater a inflação. No fim de semana, Raphael Bostic, presidente do Fed de Atlanta, disse em entrevista ao jornal Financial Times que um aumento de 0.50 pp é possível se justificado pelos dados econômicos. A sinalização impulsionou os juros dos títulos do governo. Os juros dos títulos do Tesouro americano de 2 anos estão sendo negociados acima de 1,2% esta manhã, a taxa mais alta em dois anos;
  • Apesar do risco de uma política monetária mais agressiva nos EUA, os mercados acionários estão positivos hoje impulsionados pelas expectativas de bons resultados das empresas;
  • Os preços do petróleo estão atingindo novas máximas esta manhã. O petróleo Brent está se aproximando de 91 dólares por barril, o nível mais alto desde 2014. No fim de semana, Moscou incrementou ainda mais os níveis de tropas ao redor da fronteira ucraniana, aumentando a tensão na região. Por outro lado, a Administração de Informações sobre Energia dos EUA (EIA) informou na sexta-feira que a produção de petróleo da OPEP crescerá em 2022, mesmo com as recentes interrupções na Líbia. A produção da OPEP deverá aumentar quase 2,7 milhões de barris por dia, o maior aumento anual desde 2004;
  • No Brasil, as atenções esta semana se voltam para a reunião do Comitê de Política Monetária do banco central (Copom). O Copom deve elevar a taxa Selic em 1,5 pp, conforme amplamente sinalizado. Analistas de mercado vão acompanhar de perto o comunicado que acompanha a decisão, principalmente se a autoridade monetária indicar “outra alta da mesma magnitude” em sua próxima reunião, em março.
  • O Congresso volta hoje após o recesso de fim de ano.

Boletim FOCUS – data de referência: 28 de janeiro

  • Destaques: Expectativas de Inflação em 2022 e 2023 seguem em alta;
  • No campo da inflação, a mediana das expectativas do mercado para a variação do IPCA em 2022 subiu de 5,15% para 5,38% (5,03% há 1 mês). Assim como, a projeção para o IPCA de 2023 , de 3,40% para 3,50% (3,41% há 1 mês), se mantendo em 3,00% em 2024 e 3,00% (meta inflacionária oficial), respectivamente;
  • Em relação à política monetária, as projeções para a taxa Selic continuaram em 11,75% para o final de 2022 (11,50% há 1 mês), 8,00% para o final de 2023 e 7,00% para o final de 2024;
  • No que diz respeito à atividade econômica, a previsão do mercado para o crescimento real do PIB em 2022 ascendeu sutilmente de 0,29% para 0,30% (0,36% há 4 semanas). Enquanto isso, o consenso para a elevação do PIB em 2023 recuou de 1,69% para 1,55%. A mediana das expectativas para o crescimento econômico em 2024 segue em 2,00% como na semana anterior;
  • Por fim, o consenso para a taxa de câmbio no final de 2022 permaneceu em R$/US$ 5,60 pela quinta semana consecutiva. E se manteve também em 2023 com R$/US$ 5,50.

Política

A crise na fronteira na fronteira da Ucrânia e Rússia segue em destaque

  • Segundo o governo americano, o número de tropas russas na região aumentou no fim de semana. Na tentativa de persuadir o russo a evitar um conflito, Boris Johnson deve realizar ligação com Vladimir Putin nesta semana.

No lado da política doméstica dos EUA, parlamentares estão focados no Orçamento do ano, que tem até o dia 18 de fevereiro para ser aprovado

  • Apesar do risco de shutdown não ser considerado relevante, democratas relatam temores de não chegar a um acordo e ter que estender uma medida provisória até o ano que vem – quando não há certeza de que o partido terá maioria no Congresso.

Estratégia

Carteiras XP: Top 10, Dividendos, Small Caps e BDRs

  • Para o mês de fevereiro, dado o atual cenário macroeconômico mais desafiador no Brasil e no mundo, fizemos mudanças nas nossas carteiras recomendadas;
  • Na Carteira Top 10 XP: estamos realizando três mudanças, para dar espaço a novas ações sobre as quais temos perspectivas mais otimistas (veja link);
  • Na Carteira Top BDR XP, realizamos uma mudança, que vemos como um bom nome nesse cenário desafiador de perspectivas de juros mais altos (veja link);
  • Na Carteira Top Small Caps XP, realizamos uma alteração, retirando um nome do setor de Saúde, e colocando um papel do setor de educação. Além disso estamos adicionando uma ação do setor de Saneamento (veja link);
  • E por fim, na Carteira Top Dividendos XP, não realizamos nenhuma alteração (veja link).

Empresas

Dados mensais de crédito (Dez/21) – Concluindo o ano com dados positivos, mas atenções devem permanecer sobre a inadimplência em 2022

  • 2021 mostrou forte resiliência em termos de crédito. No geral, as linhas de crédito apresentaram crescimento robusto, enquanto a inadimplência permaneceu sob controle. Embora possamos observar um crescimento ligeiramente menor ao longo de 2022 devido ao cenário macro mais desafiador, acreditamos que a inadimplência seja o principal tema, com o mercado atento ao seu ponto de inflexão;
  • Por isso, mantemos nossa preferência pelo Banco do Brasil, devido ao perfil mais defensivo de sua carteira e ao maior índice de cobertura entre os pares;
  • Clique aqui para conferir os principais destaques dos dados referentes a dezembro/2021.

Petrobras: Novidades sobre Planos de Desinvestimentos + Reservas Provadas para 2021

  • Na sexta-feira (28 de janeiro) a Petrobras divulgou diversos comunicados ao mercado sobre seus planos de desinvestimentos;
  • Foi adiada a oferta com a Novonor (antiga Odebretch) pelas ações PN da Braskem. Desde o anúncio do follow on até 27 de janeiro, as ações da BRKM5 caíram 18%, o que provavelmente motivou o adiamento. No dia 28, as ações da BRKM5 subiram 7%;
  • A Petrobras também confirmou a venda do Pólo Potiguar para a 3R. O valor total da venda é de US$ 1,38 bilhão, sendo (a) US$ 110 milhões pagos na data da assinatura do contrato de compra e venda; (b) US$ 1,04 bilhão no fechamento da operação, e ;(c) US$ 235 milhões que serão pagos em 4 parcelas anuais de US$ 58,75 milhões, a partir de março/24;
  • Em relação ao Pólo Urucu, a Petrobras informou que concluiu sem sucesso as negociações com a Eneva para a venda da totalidade de sua participação em um conjunto de sete concessões de produção terrestre. A empresa disse que avaliará as melhores alternativas para essas concessões;
  • Por fim, a Petrobras informou suas reservas provadas de óleo, condensado e gás natural para 2021, conforme regras da SEC. As reservas provadas aumentaram ~1 bilhão de barris de óleo equivalente – “boe” (+12%), encerrando o ano em 9,88 bilhões de boe. A produção de 2021 foi de 0,9 bilhão de boe, e o R/P (razão entre reservas provadas e produção corrente) aumentou para 11 anos.

Mineração: Produção na Austrália mais forte no quarto trimestre, mas a preocupação com a oferta permanece

  • Nas últimas semanas, as três principais mineradoras australianas, responsáveis por cerca de 52% da oferta transoceânica da commodity, reportaram a sua produção referente ao quarto trimestre de 2021. No geral, a produção veio ligeiramente mais forte e em linha com o consenso de mercado;
  • Em 19 de janeiro, a BHP reportou um aumento na produção de minério de ferro para 73,9 milhões de toneladas (+5% na comparação anual e +5% no trimestre) para o 4T, impulsionado pelo forte desempenho em sua mina Jimblebar e aumento da produção em South Flank na Austrália Ocidental. A produção trimestral da BHP ficou ligeiramente acima do consenso da Visible Alpha de 72,8 milhões de toneladas. O guidance de produção de minério de ferro para 2022 permaneceu inalterada, em 278 a 288 milhões de toneladas;
  • Na semana passada, Fortescue, a quarta maior mineradora de minério de ferro do mundo, também registrou um aumento nos embarques do 4T para 47,5 milhões de toneladas (+2% na comparação anual e +4% no trimestre), abaixo do consenso da Visible Alpha de 49,3 milhões de toneladas. Por outro lado, Fortescue sinalizaram pressões da forte demanda por mão de obra e recursos, bem como restrições da cadeia de suprimentos devido à pandemia. A mineradora também manteve seu guidance para a produção de 2022 em 180 a 185 milhões de toneladas;
  • Por fim, a Rio Tinto registrou uma menor produção de minério de ferro de 84,1 milhões de toneladas (-2% na comparação anual e +1% no trimestre), em linha com o consenso da Visible Alpha de 84,7 milhões de toneladas. A Rio Tinto também anunciou seu novo guidance de produção de minério de ferro para 2022 de 320 a 335 milhões de toneladas (de 320 a 325, anteriormente), embora permaneça sujeito às condições climáticas e de mercado;
  • Vale a pena notar que a BHP, Fortescue e a Rio Tinto alertaram para interrupções devido à escassez de mão de obra, pois a Austrália enfrenta um aumento de casos variantes do coronavírus Omicron.

Americanas (AMER3): Anúncio de programa de recompra

  • A Americanas publicou um fato relevante na noite de sexta-feira (28/01) com um anúncio de um programa de recompra de até 17,5 milhões de ações (2,8% das ações em circulação) até 21/07/2023;
  • Acreditamos que as ações podem reagir positivamente ao anúncio, porém seguimos com uma visão cautelosa para o setor frente ao aumento de competição e macro desafiador;
  • Mantemos nosso Neutro e preço alvo de R$45,0 por ação.

Iguatemi (IGTI11) – 4T21: Excelentes dados pré-operacionais de ponta a ponta

  • O Iguatemi reportou fortes dados operacionais no 4T21, impulsionados pelo aumento do aluguel líquido das mesmas lojas (SSR) de +28% em relação ao 4T19, beneficiado pelo portfolio operando 100% do horário de funcionamento no 4T21. Além disso, as vendas da mesma loja aumentaram 15% no 4T21 vs. 4T19, em grande parte impulsionada pela redução das restrições, o que levou a uma recuperação significativa nos segmentos mais afetados pela pandemia, como vestuário que subiu (+26,8%);
  • Além disso, as vendas mesmas lojas aumentaram 11,8% no 4T21 vs. 4T19. Dito isso, o custo de ocupação atingiu 11,3% no trimestre (vs. 13,0% no 4T20), com uma taxa líquida de inadimplência de 1,4% (vs. 9,3% no 4T20) e uma taxa de ocupação que aumentou para 92,0% (+100p.p T/T);
  • Vemos IGTI11 negociando a múltiplo de 11x P/FFO para 2022, o que vemos como atrativo. Portanto, reiteramos nossa recomendação de compra e TP de R$28,0/ação, e podemos ver uma reação positiva das ações.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Abertura ao compartilhamento de dados deve acirrar a concorrência no setor;
    • Nova regulação turbina o investimento em insurtech;
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Setor de beleza e higiene pessoal fecha 2021 com inflação 7 pontos abaixo do IPCA;
    • Raia Drogasil atinge 2.500 farmácias no País e mantém ritmo de 260 novas lojas por ano;
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Marfrig decide não aumentar participação acionária em follow-on da BRF;
    • ANÁLISE: Brasileiros já enfrentam problemas para comprar potássio de Belarus;
    • Arroba do boi gordo recua nas principais praças de comercialização;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Gasolina ultrapassa barreira dos R$ 8 pela primeira vez;
    • Em ano de muitas incertezas, elétricas superaram Ibovespa;
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | O setor mais barato do S&P 500

  • Ações da Chevron caem após resultados aquém das expectativas;
  • Caterpillar supera o consenso e projeta forte demanda para 2022, mesmo com a desaceleração do setor imobiliário chinês;
  • Toyota se torna a maior montadora de veículos do mundo pelo segundo ano consecutivo;
  • Empresas do setor de energia negociam com o seu maior desconto vs. S&P 500 desde 1990;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para fevereiro

  • Com o objetivo de ajudar os investidores no processo de alocação de recursos, lançamos em setembro/21 nossa carteira recomendada ESG, combinando 10 nomes que gostamos sob uma perspectiva fundamentalista e que possuem altos padrões ESG;
  • Para fevereiro, realizamos uma mudança para o mês, trocamos um nome cujo cenário adiante é menos atrativo e adicionamos uma companhia que vemos como uma opção muito interessante de investimento no setor de energia no Brasil, juntamente com  forte posição ESG da empresa como líder em energia renovável;
  • Clique aqui para acessar o conteúdo completo.

B3 publica o ranking de pontuação do ISE pela primeira vez | Café com ESG, 31/01

  • Na sexta-feira, o mercado fechou em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -0,6% e -0,2%, respectivamente. Na semana, o Ibov encerrou em alta de +2,7% e o ISE subindo +3,1%;
  • No Brasil, (i) a B3 publicou na sexta-feira, pela primeira vez, o ranking de pontuação ESG das empresas que integram a carteira do seu Índice de Sustentabilidade Empresarial, o ISE, sendo que as dez primeiras posições foram ocupadas por: EDP Energias do Brasil, Lojas Renner, Telefônica do Brasil, CPFL Energias, Natura &Co, Klabin, Itaú Unibanco Holding, Ambipar, Suzano e Engie; e (ii) a transição para uma economia verde tem ganhado apoio do mundo corporativo, mas a necessidade de financiamento para projetos complexos joga luz sobre os grandes financiadores de longo prazo no Brasil, os bancos de desenvolvimento, que têm reforçado suas agendas sustentáveis, vinculando o crédito a critérios ESG;
  • No internacional, de acordo com levantamento do Bank of America, para cada US$ 3 investidos em fundos em todo o mundo em 2021, US$ 1 foi destinado aos chamados fundos ESG, que focam as aplicações em empresas com boas práticas ESG, com os depósitos nesses fundos subindo 73% em média em 2021 vs. 2020;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.