XP Expert

Mercados internacionais recuperam-se após pior pregão desde 1987

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -14,8% | 72.582 Pontos

CÂMBIO 0,4% | 4,80/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa caiu 14,76% ontem a 72.582 pontos, em um pregão com dois circuit breakers, que marcou sua pior queda desde 10 de setembro de 1998, quando o índice brasileiro caiu 15,83% em meio à crise da moratória da Rússia.

Durante a tarde, os EUA atacaram milícias apoiadas pelo Irã no Iraque após série de ataques a bases que abrigam soldados americanos no país. O incidente renova tensões entre os países, entretanto, dado o contexto da crise pelo coronavírus no Iraque, não se esperam grandes represálias no momento. Mesmo assim, a tensão geopolítica reflete na alta do petróleo Brent de 5,4% aos US$35/barril hoje.

Nesta manhã, futuros do S&P 500 recuperam e sobem 4%, após indicar queda ontem a noite. Bolsas europeias também sobem 4,5%, e na Ásia, Japão caiu 6% enquanto China teve queda de 1,5%.

Dando sequência a semana dramática nos mercados, ontem o S&P 500 caiu 9,5% na maior queda diária desde 1987 (quando caiu 20,5% na Black Monday) e a quinta maior da história, acumulando queda de 16,5% na semana, a pior desde 2008. O índice cai 26% do topo, entrando em territóro de bear market (caracterizado por mais de 20% de queda).

Bancos centrais de todo o mundo seguem agindo para conter a crise global atual. O Fed anunciou a recompra de US$ 1,5 trilhões de títulos do governo, garantindo a liquidez no mercado americano. O Banco Central do Japão e o Europeu seguem na mesma linha, apesar de terem comunicado que não haverá corte de juros, o que frustrou as expectativas do mercado. O Banco central da China, por fim, acaba de anunciar um corte de 0,5 ponto percentual na taxa de compulsório. 

No Brasil, em uma tentativa de fazer face aos efeitos do coronavirus sobre a economia, o governo decidiu ontem antecipar a primeira metade do 13º de aposentados do INSS. Além disso, irá propor a redução dos juros e a ampliação de prazo para empréstimos consignados desses beneficiários. 

O governo negou que avalia a possibilidade de realizar uma nova liberação imediata do FGTS aos trabalhadores, apesar do secretário especial da fazenda, Waldery Rodrigues, ter confirmado que a equipe estudava a medida.

De acordo com o secretário executivo, Marcelo Guaranys, o governo poderá conversar com bancos públicos para traçar outra frente de ação. Em entrevista, afirmou que uma linha de crédito para companhias aéreas “precisa ser estudada” pelo governo e que o BNDES poderia atuar como principal veículo, uma vez que possui liquidez de R$100 bilhões.

Em entrevista, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, afirmou que a pauta dos próximos 45 dias na Casa será voltada para o combate aos efeitos econômicos do coronavírus e criticou fortemente a agenda do ministro Paulo Guedes por não ter medidas de curto para enfrentar as consequências da pandemia. O foco anunciado por Maia turva ainda mais o ambiente para avanço da agenda estrutural do Ministério da Economia.

Paulo Guedes anunciou que irá ao Supremo Tribunal Federal e ao Tribunal de Contas da União contra a derrubada do veto do presidente Jair Bolsonaro, que ampliou a faixa de renda de acesso ao BPC, com custo estimado em R$ 217 bilhões em 10 anos. O TCU sinalizou ao Legislativo que há espaço para impedir a implementação da medida.

Na agenda do dia, o Banco Central dará continuidade na intervenção no mercado de câmbio com leilões de linha no total de R$2 bilhões.

Tópicos do dia

Coronavírus

A crise do coronavírus aos olhos da História
Visão dos gestores multimercados
Visão dos gestores de ações
Fundos de crédito

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Temporada de resultados do 4º trimestre

Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados

Brasil

  1. Pacote de medidas é estudado para conter impacto do coronavírus na economia

Internacional

  1. Petróleo: Brent opera em alta de 5,4% possivelmente reflexo das tensões no Oriente Médio

Empresas

  1. brMalls (BRML3) 4T19: Um trimestre saudável, levemente abaixo de nossas estimativas mas acima do consenso
  2. Unidas (LCAM3) 4T19: Alavancagem operacional no segmento de aluguel de carros parcialmente compensada por Seminovos
  3. TAESA (TAEE11): 4T19 abaixo esperado, mas não do ponto de vista caixa
  4. AES Tietê (TIET11): Eneva adquire 0,5% do capital social da AES Tietê

Veja todos os detalhes

Brasil

Pacote de medidas é estudado para conter impacto do coronavírus na economia

  • Em uma tentativa de fazer face aos efeitos do coronavírus sobre a economia, o governo decidiu ontem antecipar a primeira metade do 13º de aposentados do INSS. Além disso, irá propor a redução dos juros e a ampliação de prazo para empréstimos consignados desses beneficiários. A primeira parcela do 13º será paga entre o fim de março e o início de abril e a expectativa é de que um total de R$ 23 bilhões seja disponibilizado aos aposentados e pensionistas do INSS com a medida;
  • O governo negou, entretanto, que a possibilidade de realizar uma nova liberação imediata do FGTS aos trabalhadores esteja sendo analisada, apesar do secretário especial da fazenda, Waldery Rodrigues, ter confirmado que a equipe estudava a medida. De acordo com o secretário executivo, Marcelo Guaranys, o governo poderá conversar com bancos públicos para traçar outra frente de ação. Em entrevista, afirmou que uma linha de crédito para companhias aéreas “precisa ser estudada” pelo governo e que o BNDES poderia atuar como principal veículo, uma vez que possui liquidez de R$100 bilhões;
  • Por fim, de acordo com uma fonte do governo, a equipe econômica poderá reavaliar a meta de resultado primário de 2020, que prevê déficit de R$124 bilhões, caso ainda seja necessário. O teto de gastos, entretanto, não deve ser flexibilizado. Diante das incertezas quanto ao tamanho do impacto do coronavírus na economia, a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia reduziu a projeção de crescimento do PIB do Brasil em 2020 de 2,4% em janeiro para 2,1%.

Internacional

Petróleo: Brent opera em alta de 5,4% possivelmente reflexo das tensões no Oriente Médio

  • Os preços do petróleo Brent operam em alta de 5,4% nesta manhã, aos US$35/barril, em uma modesta recuperação das perdas significativas desta semana;
  • A recuperação está provavelmente relacionado ao aumento das tensões geopolíticas no Oriente Médio, após foguetes atingirem uma base militar em Bagdá, no Iraque, vitimando dois soldados britânicos e um americano. Outros 12 soldados que fazem parte da coalizão militar na região liderada pelos EUA foram feridos;
  • Até o momento, não se sabe quem foram os responsáveis pelo ataque, mas o incidente remonta às tensões do início deste ano, quando um ataque no Iraque desencadeou uma escalada de tensões significativas entre EUA e Irâ. Ainda é preliminar para se avaliar o real impacto para preços de petróleo, principalmente tendo em vista que a (i) deterioração de demanda pelo coronavírus e a (ii) perspectiva de aumento da oferta com o fim da colaboração dos países da OPEP+ continuam a se fazer presentes.

Empresas

brMalls (BRML3) 4T19: Um trimestre saudável, levemente abaixo de nossas estimativas mas acima do consenso

  • Os resultados do 4T19 da brMalls vieram ligeiramente abaixo de nossas estimativas, mas acima do consenso. A diferença para os nossos números refletiu principalmente receitas de aluguel mais fracas (3% abaixo) e receitas de serviços (11% abaixo), o que impactou as linhas seguintes do resultado. Mesmo assim, os indicadores operacionais continuaram mostrando evolução sequencial. O indicador Aluguel Mesmas Lojas (SSR) foi de ~7%, a taxa de ocupação média dos shoppings aumentou em 0,6 p.p. a/a (atingindo 97,3%) e a inadimplência líquida foi negativa em 0,5% a/a. A receita líquida foi de R$ 350 milhões, o EBITDA ajustado foi de R$ 268 milhões, o NOI (resultado operacional líquido) excluindo os ativos vendidos ao longo de 2019 (sete ativos foram alienados em agosto de 2019 e o Shopping Sete Lagoas em fevereiro) aumentou 7% a/a, para R$ 318 milhões, uma margem 88,5%. Por fim, o lucro líquido ajustado foi de R$ 171 milhões, 7% abaixo da nossa estimativa;
  • Em geral, apesar dos resultados um pouco abaixo dos nossos números, o 4T19 foi mais um trimestre de evoluções sequenciais nos principais indicadores operacionais e financeiros. Embora nossa visão construtiva de longo prazo para o setor esteja mantida, as incertezas relativas ao desenvolvimento do COVID-19 e a consequencia disso para o consumo e o tráfego nos shoppings devem ditar o desempenho das ações no curto/médio prazo;
  • Destaques positivos: Do lado da receita, (i) as receitas de mall & mídia cresceram 12% a/a excluindo as vendas dos ativos, (ii) o aluguel percentual cresceu 10% a/a, impulsionado pelo crescimento das vendas e pela safra forte de filmes nos cinemas (impactando positivamente o tráfego de pessoas), (iii) e as receitas de estacionamento aumentaram 9% a/a, refletindo o aumento nas tarifas de estacionamento e um aumento de ~5% a/a no tráfego. Em relação aos custos e despesas, (i) custos condominiais (excluindo os ativos vendidos) aumentaram 5,8% a/a, crescimento inferior ao das receitas e (ii) as provisões para devedores duvidosos reduziram em 76% a/a, refletindo a maior qualidade do mix de lojistas. Por fim, a brMalls encerrou o trimestre com um balanço saudável, com alavancagem de 1,9x Dívida Líquida/EBITDA ajustado;
  • Destaques negativos: as Vendas Mesmas Lojas no 4T19 atingiram 3,7%, mostrando uma recuperação ainda gradual. Tanto o lucro líquido ajustado quanto o FFO ficaram ligeiramente abaixo de nossos números, refletindo, além da receita menor, um resultado das participações minoritárias maior que o projetado (as participações minoritárias são retiradas do resultado final). Por fim, a receita consolidada de aluguel ficou levemente abaixo do previsto, refletindo principalmente o aluguel mínimo mais baixo. Essa linha foi parcialmente compensada pelas receitas com aluguel percentual e mall & mídia, mencionadas acima. Clique aqui para acessar o relatório completo.

Unidas (LCAM3) 4T19: Alavancagem operacional no segmento de aluguel de carros parcialmente compensada por Seminovos

  • Os resultados da Unidas no 4T19 vieram em linha com nossas estimativas e também com o consenso de forma geral, com um lucro líquido de R$ 96 milhões (um crescimento de quase 40% a/a). O bom desempenho nos segmentos de aluguel (aluguel de carros – RAC – e gestão de frotas) foi parcialmente compensado por indicadores um pouco mais fracos do que o esperado na unidade de vendas de carros usados (Seminovos), tanto em termos de margem quanto de volumes. A depreciação de veículos no segmento de gestão de frotas nos surpreendeu positivamente, o que, combinado com resultados financeiros também melhores que o esperado, levou a um lucro líquido ligeiramente melhor (3% acima da nossa estimativa e em linha com o consenso);
  • Apesar da nossa perspectiva positiva de longo prazo permanecer em relação ao potencial de crescimento da Unidas, as incertezas relacionadas ao desenvolvimento do coronavírus no Brasil provavelmente desempenharão um papel importante na performance do setor no curto/médio prazo. Temos recomendação de compra para as ações.
  • Do lado positivo, os volumes em RAC cresceram 57% a/a (2% abaixo da nossa projeção, mas levemente acima do consenso), enquanto as tarifas cresceram marginalmente na comparação com o 3T19, atingindo R$ 70,5. A margem EBITDA em RAC foi de 47,1%, ~250 acima da nossa, refletindo principalmente a forte alavancagem operacional. No segmento de gestão de frotas, a tarifa média mensal veio em linha com a nossa expectativa e levemente acima do consenso, em R$ 1.613,1, apesar do ambiente de menor taxa de juros, que vinha resultando em tarifas sequencialmente menores. Isso foi parcialmente compensado por um volume ligeiramente menor (crescimento de 12% a/a, 2% abaixo da nossa estimativa). Por fim, a depreciação de veículos no 4T19 foi menor que nossa expectativa no segmento de GF, refletindo principalmente o mix de carros;
  • Por outro lado, o volume de carros vendidos no segmento Seminovos alcançou 16,7 mil (~10% abaixo da nossa estimativa) e a margem EBITDA foi mais baixa que a esperada, ficando em 0,7% (vs. nossa estimativa de 1,6%). A margem mais baixa reflete principalmente a linha de despesas, uma vez que a margem bruta ficou em linha com a nossa. A receita líquida consolidada ficou cerca de 8% abaixo da nossa estimativa, refletindo principalmente o desempenho do segmento de Seminovos. Clique aqui para acessar o relatório completo.

TAESA (TAEE11): 4T19 abaixo esperado, mas não do ponto de vista caixa

  • A TAESA reportou Lucro Líquido de R$ 177,5 milhões, abaixo da nossa estimativa de R$ 227 milhões, refletindo principalmente (i) a reversão de R$ 80,6 MM no 4T19 da receita de construção das melhorias, dado que tais obras ainda estão em curso (ii) redução da receita de correção monetária e (iii) aumento da despesa financeira líquida. O EBITDA reportado foi de R$ 180,5 milhões, abaixo à primeira vista dos nossos R$281 milhões e principalmente explicados pelo efeito não caixa da reversão de R$80,6 milhões em receita de construção. O EBITDA regulatório da companhia (que ignora efeitos não caixa e melhor reflete as operações da empresa) foi de R$258,2 milhões, estável em uma base de comparação anual;
  • A empresa anunciou dividendos adicionais de R$ 61,8 milhões (R$ 0,18 / Unit ou 0,6% yield). A Taesa convocará a Assembleia para aprovar a distribuição de dividendos para o exercício fiscal de 2019. Se aprovado pela Assembleia, o total de dividendos e juros sobre capital próprio distribuídos para o exercício fiscal de 2019 será de R$ 655,9 milhões, representando um pagamento de dividendos de 92,3 % sobre o lucro líquido ajustado;
  • Apesar de acreditarmos que as ações da TAESA estão adequadamente precificadas, consideramos que a companhia e suas pares em transmissão de energia oferecem oportunidades interessantes de proteção em épocas de volatilidade, dada a estabilidade operacional desse segmento. Mantemos recomendação Neutra na TAESA, com preço-alvo de R$33/unit.

AES Tietê (TIET11): Eneva adquire 0,5% do capital social da AES Tietê 

  • Em fato relevante divulgado ontem, a Eneva (ENEV3) anunciou que adquiriu 2 milhões de units da AES Tietê (ou 0,5% do capital social da companhia) a mercado, ao preço de R$16,94/unit;
  • O intuito da Eneva na aquisição é poder exercer direitos de acionista e participar de assembleias gerais da AES Tietê, no contexto atual de proposta de fusão das duas companhias proposto pela geradora termelétrica;
  • Notamos que o conselho da AES Tietê deverá se reunir hoje (13) para definir a contratação dos assessores financeiros para conduzir os próximos passos relacionados à oferta de fusão.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.