XP Expert

Mercados globais ensaiam recuperação com potenciais estímulos econômicos

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 1,15% | 104.172 Pontos

CÂMBIO 0,4% | 4,47/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Após a pior semana desde 2008 para as bolsas globais na semana passada, mercados internacionais ensaiam recuperação leve nesta manhã na expectativa de que Bancos Centrais atuem com medidas para estimular a economia em meio aos potenciais impactos negativos do coronavírus.

Na sexta-feira, o Banco Central americano (Fed) disse em comunicado que o coronavírus apresenta riscos crescentes para a atividade econômica e que agirão para sustentar a economia. O Banco do Japão e da Inglaterra também estão atentos aos desenvolvimentos recentes para garantir que todas as medidas necessárias sejam tomadas para proteger estabilidade financeira e monetária. Investidores esperam que o Banco Central Europeu reduza as taxas de juros em 10 pontos base em Abril e que o Fed reduza em 50 pontos-base na próxima reunião em 18 de março.

Essa manhã, a OCDE reduziu previsão de crescimento do PIB global em 2020 de 2,9% para 2,4%, o pior nível desde 2009. No entanto, a instituição prevê que o PIB global se recupere em 2021 e cresça 3,3% (ante previsão anterior de 3,0%). A projeção de 2020 foi afetada principalmente pela desaceleração de economias asiáticas, e por ora, a OCDE não vê grandes impactos nas economias ocidentais.

Além disso, o PMI industrial da China medido pela IHS Markit/Caixin caiu de 51,1 em janeiro para 40,3 fevereiro, confirmando o impacto negativo da economia chinesa em virtude do coronavírus.

O rendimento dos Títulos do Tesouro americano de 10 anos atingiu o menor nível histórico de 1,07% e o ouro sobe mais 1,5% hoje a US$ 1.608 /onça-peso, à medida que os investidores continuam em busca de ativos seguros. Por outro lado, futuros de minério de ferro em Singapura sobem  5% na expectativa por mais estímulos do governo chinês.

Nos EUA, a vitória contundente em primária na Carolina do Sul reanimou candidatura do ex-vice-presidente de Obama, Joe Biden. Após o resultado, aumentaram as chances do candidato disputar a indicação com Bernie Sanders. Destacamos também a desistência de dois candidatos: Pete Buttigieg, que venceu em Iowa, e o empresário Tom Steyer. Amanhã, na Super Terça-Feira, serão realizadas primárias em 14 estados e um território, alocando 34% dos delegados democratas. Após esta data podemos ver a corrida se afunilar ainda mais.

Do lado das empresas, iniciamos cobertura das ações da Raia Drogasil com recomendação Neutra e preço-alvo de R$ 112,0/ação ao final de 2020. Com as ações negociando a 46x P/L para 2021 (vs. 25x na média do setor de varejo), acreditamos que o crescimento acelerado já esteja incorporado no preço atual.

A geradora termelétrica Eneva S.A. (ENEV3) anunciou uma proposta de fusão com a AES Tietê. Se a proposta for aprovada pela AES e os órgãos competentes, a nova empresa resultante da fusão seria a segunda maior geradora privada do Brasil, com 6,1 mil MW.

Além disso, publicamos nosso panorama de mercado para Março. Comentamos sobre o grande aumento da aversão a risco no mundo e o que fazer para se proteger. Nós seguimos otimistas com a Bolsa brasileira, mas esperamos continua volatilidade em Março. Por isso, fizemos duas alterações na carteira Top 10 Ações XP visando reduzir o risco da carteira: 1) Aumentamos exposição ao setor elétrico via as ações da Copel, que entram no lugar de Petrobras, e 2) substituímos Vivara por Lojas Renner.

Por fim, o wrap da temporada de resultados no Brasil mostra que até o momento, as divulgações foram mistas. 50% dos resultados reportados até agora no Brasil vieram em linha com as expectativas do mercado, 23% abaixo do esperado e 28% acima das expectativas. Essa semana, várias empresas irão reportar resultados.

Tópicos do dia

Coronavírus

Veja aqui a nossa visão sobre os impactos nos mercados
Veja aqui a opinião de gestores de Fundos Multimercados
Veja aqui a opinião dos gestores de Fundos de Ações
Veja aqui nossa visão sobre os impactos nos FIIs

Temporada de resultados do 4º trimestre

Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados

Brasil

  1. Política Brasil: possível votação dos vetos do presidente na Lei Orçamentária
  2. Coronavírus continua no centro das atenções do mercado e das autoridades monetárias

Internacional

  1. Política Internacional: Vitória contundente em primária reanima candidatura de Biden
  2. Petróleo: OPEP avalia maiores cortes na produção de petróleo nas reuniões extraordinárias de 5 e 6 de março

Empresas

  1. Panorama de Mercado XP: Aversão a risco em alta – o que fazer?
  2. RD – Raia Drogasil (RADL3): iniciamos cobertura com recomendação Neutra
  3. AES Tietê (TIET11): Eneva S.A. anuncia proposta de fusão com AES Tietê, positivo
  4. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): China afirma que potencial vacina para Peste Suína Africana teria se provado eficiente em testes laboratoriais
  5. IRB Brasil Re (IRBR3): Márcia Cicarelli pode ser a substituta de Ivan Monteiro no conselho
  6. Banco do Brasil (BBAS3): O Banco do Brasil anuncia JCP
  7. BTG Pactual (BPAC11): Pactual pode ser acusado de manipulação de mercado pela CVM
  8. Seguradoras: SUSEP inicia ranking de reclamações

Fundos de Investimentos

  1. Carteira Recomendada de Fundos Imobiliários: atualização de março
  2. Resumo mensal das Carteiras Recomendadas

Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: possível votação dos vetos do presidente na Lei Orçamentária

  • A semana se inicia com a expectativa de votação dos vetos do presidente Jair Bolsonaro ao trecho da lei orçamentária que torna obrigatória a execução das emendas do relator do Orçamento. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, marcou para amanhã a sessão que deve discutir o assunto, mas ainda não há uma solução definitiva;
  • O noticiário dá conta de que foi congelado o acordo para a divisão da responsabilidade sobre os recursos, firmado antes do Carnaval. O presidente conta com um grupo de senadores para manter os vetos. Haverá, no entanto, conversas entre hoje e amanhã para buscar algum entendimento.

Coronavírus continua no centro das atenções do mercado e das autoridades monetárias

  • Diante do alastramento da epidemia de coronavírus pelo mundo, o Banco Central americano (Fed) disse em comunicado que o coronavírus apresenta riscos crescentes para a atividade econômica e que, por isso, a autoridade monetária poderá agir para sustentar a economia se julgar necessário. Os Bancos Centrais do Japão e da Inglaterra também se pronunciaram, afirmando que estão atentos aos desenvolvimentos recentes e que se empenharão em prover ampla liquidez e garantir estabilidade financeira e monetária. Investidores já esperam que o Banco Central Europeu reduza as taxas de juros em 10 pontos base em Abril;
  • Na esteira do pessimismo com as condições econômicas em virtude do alastramento do coronavírus, a OCDE reduziu previsão de crescimento do PIB global em 2020 de 2,9% para 2,5%. No entanto, a instituição prevê que o PIB global se recupere em 2021 e cresça 3,3% (ante previsão anterior de 3,0%). A projeção de 2020 foi afetada principalmente pela desaceleração de economias asiáticas. A OCDE, por ora, não vê grandes impactos nas economias ocidentais;
  • Por fim, o PMI industrial da China, medido pela IHS Markit/Caixin, caiu de 51,1 em janeiro para 40,3 fevereiro, confirmando o impacto negativo da economia chinesa em virtude do coronavírus. Diante da incerteza de qual será o tamanho do impacto do alastramento da epidemia, o mercado reduziu novamente sua projeção de crescimento do PIB do Brasil em 2020 de 2,20% ao ano na última semana para 2,17%. A expectativa de taxa Selic para 2021 também sofreu alterações, passando de 6,00% ao ano na última semana para 5,75%.

Internacional

Política Internacional: Vitória contundente em primária reanima candidatura de Biden

  • Nos EUA, vitória contundente em primária na Carolina do Sul reanimou candidatura do ex-vice-presidente de Obama, Joe Biden. Após sofrer derrota nos primeiros três estados do calendário eleitoral, Biden superou expectativas ao vencer 48,4% dos votos no estado e se reposicionou como líder do espaço moderado. Após o resultado, aumentaram as chances do candidato disputar a indicação com Bernie Sanders;
  • Destacamos também a desistência de dois candidatos: Pete Buttigieg, que venceu em Iowa, e o empresário Tom Steyer. Amanhã, na Super Terça-Feira, serão realizadas primárias em 14 estados e um território, alocando 34% dos delegados democratas. Após esta data podemos ver a corrida se afunilar ainda mais.

Petróleo: OPEP avalia maiores cortes na produção de petróleo nas reuniões extraordinárias de 5 e 6 de março

  • Segundo a Reuters, membros importantes da OPEP estão inclinados a um corte na produção de petróleo maior do que o esperado, dado que os preços do petróleo atingiram o patamar de US$ 50/barril devido a temores de que o surto de coronavírus atinja a demanda de petróleo. Nesse contexto, a OPEP+ se reúne nesta quinta e sexta-feira (5 e 6 de março) para decidir sobre políticas de corte;
  • Segundo o Financial Times, a Arábia Saudita e alguns outros membros da OPEP estão considerando um corte de produção de 1 milhão de barris por dia (bpd) para o segundo trimestre de 2020, acima do corte de 600 mil barris por dia inicialmente recomendado pelo comitê técnico da OPEP há algumas semanas;
  • Nessa manhã de segunda-feira, a commodity opera em território levemente positivo, em alta de +0,3% em US$50,70/barril, após uma queda de -13,6% na semana anterior.

Empresas

Panorama de Mercado XP: Aversão a risco em alta – o que fazer?

  • Neste final de semana publicamos nosso Panorama de Mercado XP com o tema “Aversão a risco em alta – o que fazer?”. Para saber o que aconteceu na Bolsa em fevereiro, além das nossas expectativas para o mercado de ações em março, clique aqui;
  • Enquanto em Janeiro já havia claros sinais de preocupação com relação ao surto de Coronavírus na China, essa preocupação se elevou fortemente em Fevereiro. Dessa forma, assistimos durante o último mês, e principalmente durante o feriado do Carnaval no Brasil, a grandes correções em quase todos os ativos de risco;
  • Apesar do cenário mais desafiador das Bolsas internacionais, nossa visão segue otimista com a Bolsa brasileira. Nossa projeção de Ibovespa de 140,000 pontos até o final do ano não se alterou. Confira aqui a carteira Top 10 Ações XP: desde o início de 2019, acumulamos alta de 35,2% contra 18,5% do Ibovespa.

RD – Raia Drogasil (RADL3): iniciamos cobertura com recomendação Neutra

  • Iniciamos cobertura das ações da Raia Drogasil (RADL3) com recomendação Neutra e preço-alvo de R$ 112,0/ação ao final de 2020. Com base no fechamento de mercado de 28 de fevereiro, vemos um potencial de queda das ações de 6%.Estimamosum crescimento médio anual robusto de +16% nas vendas, +22% de EBITDA e +29% de lucro líquido para os próximos três anos. Entretanto, com as ações negociando a 46x P/L para 2021 (vs. 25x na média do setor), acreditamos que boa parte desse crescimento já esteja incorporado no preço atual;
  • O que tornaria nossa visão mais positiva? Vemos duas principais oportunidades de valorização para as ações da RD: (i) aceleração do crescimento orgânico, via aumento do número de aberturas ou do crescimento de vendas no conceito mesmas lojas, e (ii) uma continuidade da tendência de consolidação do setor poderia apresentar potenciais oportunidades de crescimento inorgânico para a companhia;
  • O que tornaria nossa visão mais negativa? Um retorno da tendência de abertura acelerada de lojas por parte dos competidores ou de avanço mais agressivo por parte das redes associativistas poderia representar um risco para as nossas estimativas de crescimento e rentabilidade. Além disso, dado o foco crescente da companhia em lojas de formato popular, acreditamos que exista um potencial risco de execução em relação à produtividade dessas unidades;
  • Comentário sobre o Coronavírus: Estamos cautelosos. Apesar do desempenho relativamente positivo das ações até o momento (-2,3% vs. -8,4 para o IBOV), temos preocupações em relação às potenciais implicações do vírus na cadeia de abastecimento da indústria farmacêutica. Veja abaixo mais detalhes sobre a nossa visão na seção dedicada ao tema;
  • Veja mais detalhes no link.

AES Tietê (TIET11): Eneva S.A. anuncia proposta de fusão com AES Tietê, positivo

  • Em fato relevante divulgado ontem à noite, a geradora termelétrica Eneva S.A. (ENEV3) anunciou uma proposta de fusão com a AES Tietê, na qual temos recomendação de Compra. A proposta prevê uma troca de ações de 0,2305 ações de ENEV3 para cada unit de TIET11 e um pagamento em caixa de R$2.750 bilhões aos acionistas da AES Tietê, ou um valor implícito de R$6,89 por unit;
  • O valor implícito total da transação é de de R$16,74/unit (baseado no preço de fechamento de ENEV3 de R$42,75/ação no último pregão), próximo a nosso preço-alvo de R$17,0/unit. Se a proposta for aprovada pelos acionistas da AES e os órgãos competentes (ANEEL e CADE), a nova empresa resultante da fusão seria a segunda maior geradora privada do Brasil, com 6,1 mil MW;
  • Vemos a notícia como um fator positivo adicional às ações da AES Tietê, dado que não monitorávamos uma possibilidade da empresa ser alvo de alguma aquisição. Além disso, notamos que a nova empresa resultante da fusão poderia extrair benefícios da complementariedade entre as unidades termelétricas e hidrelétricas. O motivo é que o despacho destas fontes tem correlação praticamente assimétrica entre si, dado que as térmicas são convidadas à despachar quando há menor incidência de chuvas. Além disso, há oportunidades de ganhos adicionais com as usinas eólicas e solares no portfólio da AES Tietê. Mantemos recomendação de Compra nas ações da AES Tietê, com preço-alvo de R$17/unit.

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): China afirma que potencial vacina para Peste Suína Africana teria se provado eficiente em testes laboratoriais

  •  De acordo com a Bloomberg, o Instituto de Pesquisa Veterinária Harbin da China, o principal órgão de pesquisa em doenças animais do país, disse que desenvolveu uma vacina contra a peste suína africana que se provou segura e eficaz em testes de laboratório; 
  • “A vacina atualmente é a mais promissora para produção comercial e fornecerá meios técnicos importantes para a prevenção e controle eficazes da peste suína africana na China e em outros países relacionados”, afirmou o instituto Harbin. O órgão não deu uma perspectiva de quando a vacina será colocada em produção; 
  • No início deste ano, a Sociedade Americana de Microbiologia disse que especialistas do governo e acadêmicos dos Estados Unidos desenvolveram uma vacina contra a peste suína que se mostrou eficaz. Embora promissora, a vacina americana só estará disponível daqui alguns anos para os agricultores, disseram especialistas em janeiro;
  • Vale ressaltar que, apesar dessa potencial vacina, desde 2018, o rebanho de suínos da China, maior consumidor e produtor mundial de carne suína, caiu quase pela metade, quando a Peste eclodiu pela primeira vez na China. Como consequência, poderia levar pelo menos dois anos para que o rebanho chinês fosse reconstituído devido ao ciclo do animal, mesmo diante do advento dessa potencial vacina.

IRB Brasil Re (IRBR3): Márcia Cicarelli pode ser a substituta de Ivan Monteiro no conselho

  • Ivan Monteiro, o respeitado veterano de Banco do Brasil (VP) e Petrobras (CEO), deixou o IRB na última sexta. A saída vem após a resseguradora negar que Ivan tenha pedido afastamento. Lembrando que o mesmo já havia solicitado, também no último mês, afastamento do conselho da Light por motivos de saúde, embora dessa vez o executivo não tenha deixado claro os motivos da saída;
  • De acordo com a mídia, Márcia Cicarelli foi convidada para ocupar o local do veterano. Márcia é sócia de um respeitado escritório de advocacia em São Paulo e possui mais de 25 anos como profissional e professora na área de seguros e resseguros, além de representar a Berkshire Hathaway no Brasil. O mesmo veículo apontou que a Berkshire teria adquirido aproximadamente 200 milhões de dólares em ações da resseguradora, embora não seja claro se a nomeação tenha sido uma indicação da mesma;
  • A perda de Ivan é significativa, principalmente pelo curriculum e reputação do mesmo. Porém a entrada de uma experiente advogada vem em bom momento, uma vez que a resseguradora está no meio de uma disputa (e processo) contra a carioca Squadra Investimentos, em temas relacionados a manipulação de mercado e contabilidade agressiva. Não obstante, seria valioso para o IRB ter a Berkshire no conselho, se confirmado, principalmente se considerarmos a experiência do fundo em seguros e resseguros.

Banco do Brasil (BBAS3): O Banco do Brasil anuncia JCP

  • O Banco do Brasil anunciou na última sexta a data de pagamento de dois juros sob capital próprio (JCP). Ambos já haviam sido anunciados anteriormente, mas sem data de pagamento até então;
  • O primeiro, no valor de 517 milhões, deve ser pago no dia 11 de março. Já o segundo, no valor de R$ 1,25 bilhão, deve ser pago no dia 5 de março. Somados, os dois resultam em um total de R$ 1,8 bilhão a ser distribuído para os acionistas no primeiro trimestre;
  • O valor anualizado implica em um dividend yield de 5,3%, em linha com o histórico de 2019, mas ainda um pouco abaixo do que esperamos para 2020. Lembrando que o banco costuma pagar uma maior quantia em dividendos na segunda metade do ano. Mantemos nossa recomendação de Banco do Brasil para nossa carteira de dividendos.

BTG Pactual (BPAC11): Pactual pode ser acusado de manipulação de mercado pela CVM

  • De acordo com a mídia, o Banco BTG Pactual pode ser acusado pela CVM de ter manipulado o mercado entre novembro de 2015 e janeiro de 2016;
  • A manipulação teria ocorrido para ajudar a conter a queda nos papéis do banco após a prisão do então CEO e controlador, André Esteves, que havia sido preso pela Operação Lava Jato. O inquérito sobre o caso só foi concluído em dezembro e pode ir agora para julgamento;
  • Embora pouco visíveis, possíveis impactos ao banco podem incluir multas e a perda de licenças de operação.

Seguradoras: SUSEP inicia ranking de reclamações

  • A SUSEP anunciou ontem seu ranking de reclamações das seguradoras autorizadas a funcionar pelo órgão autorregulador, um ranking similar ao realizado pelo Banco Central. O objetivo é melhor a experiência dos clientes, uma vez estes vão ter agora o ranking para avaliar o atendimento prestado pelas seguradoras;
  • A metodologia vai considerar tanto o número de reclamações, bem como a participação de mercado da mesma (reclamações proporcionais ao tamanho). Já está disponível tanto um ranking para 2018, bem como para 2019, com 114 seguradoras cobertas pelo estudo;
  • Entre as seguradoras que cobrimos, o destaque negativo vai para Porto Seguro, que figurou em sexto com 4.529 reclamações, enquanto SulAmerica figurou em 17 com apenas 1.157 e seguradoras de auto desempenharam ainda melhor. Já o destaque positivo vai para o Bradesco, que possui a maior seguradora do Brasil e teve apenas 4.113 reclamações, o que colocou o banco na colocação de 41 com um índice de 0,10 (que se compara a 0,24 da SulAmerica e 0,45 da Porto), o que pode ser reflexo de bom atendimento ao consumidor.

Fundos de Investimentos

Carteira Recomendada de Fundos Imobiliários: atualização de março

  • Publicamos na sexta-feira a atualização mensal da nossa carteira recomendada de fundos imobiliários. Retiramos o fundo Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11) da carteira recomendada de março e aumentamos exposição para os fundos HSI Malls (HSML11) e Mall Brasil Plural (MALL11), clique aqui;
  • Apesar da performance abaixo do esperado em fevereiro, a carteira acumula performance de 43,3% nos últimos doze meses contra 22,2% do IFIX (índice de fundos imobiliários da Bolsa);
  • Seguimos construtivos em relação às perspectivas para o segmento imobiliário, visto que o setor deve se beneficiar da recuperação econômica, inflação controlada e juros baixos.

Resumo mensal das Carteiras Recomendadas

  • Mês difícil para as carteiras. Posições de renda fixa e alta dos gestores de ações amorteceram queda. Mantivemos as posições em renda variável, o que implica um leve aumento, dado que mercados já descontam muita coisa e estímulos devem compensar desaceleração;
  • Carteira conservadora teve mês tranquilo e permanece acima do CDI no ano, com a curva de juros aqui fechando;
  • Carteira moderada perto de zero no acumulado do ano;
  • Carteira agressiva negativa entre 1 e 2%.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.