XP Expert

Medidas de reabertura econômica e desenvolvimento de vacinas animam mercados

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 4,25% | 85.664 Pontos

CÂMBIO 1,60% | 5,45/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou em forte alta de 4,25% ontem, a 85.663 pontos, seguindo alívio político no Brasil e otimismo nos mercados globais com medidas de reabertura econômica e desenvolvimentos de vacinas, apesar da guerra comercial em curso entre EUA e China.

Nesta manhã, mercados internacionais seguem o movimento positivo. Futuros do S&P 500 nos EUA sobem 2% e bolsas na Europa tem alta de 0,7%. Na Ásia, tivemos fechamento positivo, com destaque para o Japão (2,6%), que deve aprovar novo pacote de US$ 930 bi de estímulos, após os US$ 1,1 tri já aprovados em abril.

No Brasil, de acordo com o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o pagamento das duas primeiras parcelas do auxílio emergencial já totalizou cerca de R$ 65,5 bilhões. Depois de ter sido contratada com exclusividade pelo Ministério da Cidadania para fazer o pagamento do benefício, a Caixa deve anunciar ainda nesta semana parcerias com as maquininhas de cartão para conceder empréstimos a micro e pequenas empresas no novo programa de crédito com garantia do Tesouro Nacional (Pronamp). O lançamento está previsto para a próxima quinta-feira.

Como forma de evitar que o Senado aprove um tabelamento das taxas para bancos e instituições financeiras durante a pandemia, o Banco Central do Brasil estuda a possibilidade de estabelecer uma trava para os juros do cartão de crédito no país, a exemplo do que já foi feito com o cheque especial. Além disso, a equipe econômica estuda a possibilidade de pedir a transferência do lucro do Banco Central obtido no primeiro semestre de 2020 para reforçar o caixa do Tesouro Nacional.

Já a Câmara dos Deputados deve votar ainda hoje a proposta de prorrogar por dois anos a desoneração da folha de pagamento de setores intensivos em mão de obra, como uma medida para estimular a manutenção de empregos após a pandemia.

Na política, seguem os desdobramentos da divulgação da gravação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, apontada por Sergio Moro como prova de que houve tentativa de interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal. Com a repercussão, Bolsonaro decidiu fazer uma visita ao procurador-geral da República, Augusto Aras, que é o responsável por investigá-lo no caso. A visita não foi bem recebida por integrantes do Supremo Tribunal Federal e do Congresso Nacional. No fim do dia, o presidente soltou nota pública em que afirma acreditar no arquivamento da investigação.

Nesta manhã, a Polícia Federal realiza operação no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador do Rio, Wilson Witzel. O objetivo é apurar indícios de desvios de recursos públicos destinados ao atendimento do estado de emergência em decorrência da pandemia de Covid-19. 

No corporativo, a companhia aérea Latam pediu recuperação judicial nos EUA. Argentina, Brasil e Paraguai não estão incluídos no processo de reorganização. Embora não tenhamos uma opinião sobre o resultado final do processo e se as operações brasileiras serão ajustadas futuramente, notamos que (i) a LATAM (não coberta) já está operando com capacidade reduzida no Brasil em meio às políticas atuais de distanciamento social e (ii) as rotas domésticas da companhia no Brasil têm uma alta sobreposição com as rotas da Gol. Em um cenário em que as rotas domésticas no Brasil sejam reajustadas futuramente, esperaríamos um impacto mais direto para a Gol. Mantemos uma visão cautelosa para o setor no curto prazo.

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China tiveram queda na semana (-US$1,2/t), para US$469,8/t. Mantemos nossa visão positiva no longo prazo com recomposição de margens dos produtores de papel na China. Esperamos uma reação negativa das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje.

Por fim, o Magalu reportou resultados do 1T20 que foram negativamente impactados pelo fechamento temporário das lojas no final do mês de março, conforme esperado. Entretanto, a operação online (~50% das vendas) cresceu de maneira exponencial no 2T20 até o momento. Com isso, mantemos nossa recomendação de Compra e atualizamos o nosso preço-alvo para R$ 71,0 ao final de 2020 (R$ 58,0 anteriormente).

Tópicos do dia

Coronavírus

Tempos de guerra – revisando o target da Bolsa
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Agenda de resultados

Iguatemi (IGTA3): após o fechamento
Temporada de resultados 1° tri 2020: o que esperar?
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados
Clique aqui para acessar o calendário de resultados do 1T20

Estratégia

O caso para se comprar Brasil – Fizemos uma série de reuniões com investidores estrangeiros na última semana, e vimos que o sentimento com Brasil está primordialmente negativo. Ao invés de desespero, vemos esse grande consenso como potencialmente positivo para preços de ativos daqui para frente.
Clique aqui para acessar nosso último relatório de estratégia.

Internacional

  1. Política: Internacional: Noticiário internacional reflete tensões entre EUA e China

    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Magazine Luiza (MGLU3): Surpresa negativa no 1T20, mas online cresce exponencialmente no 2T20; Compra
  2. Papel & Celulose: Queda no preço da celulose de fibra curta na China
  3. Setor Elétrico: ANEEL define teto do empréstimo para socorrer setor elétrico em R$15,6 bilhões
  4. Companhias aéreas (AZUL4, GOLL4): LATAM adere ao “Chapter 11” nos EUA, afiliada brasileira não está inclusa
  5. Multiplan (MULT3): Reabertura do ParkShopping Barigui
  6. Vale (VALE3): Vale entra em negociação exclusiva para a venda da Vale Nova Caledônia (VNC)


Veja todos os detalhes


Internacional

Política: Internacional: Noticiário internacional reflete tensões entre EUA e China

  • Após falar em “nova guerra fria”, o governo chinês afirmou que tomará “todas as medidas necessárias” se os “EUA insistirem em ferir os interesses da China”. As declarações foram resposta a ameaça dos EUA de impor sanções a Hong Kong e China caso nova lei de segurança que amplia o controle de Pequim sobre o território seja aprovada. Beijing explicou que a independência do judiciário de Hong Kong não será afetada;
  • O ministro das relações exteriores do país repudiou sanções impostas a empresas chinesas pelos EUA por violações aos direitos humanos.

Empresas

Magazine Luiza (MGLU3): Surpresa negativa no 1T20, mas online cresce exponencialmente no 2T20; Compra

  • O Magalu reportou resultados do 1T20 que foram negativamente impactados pelo fechamento temporário das lojas no final do mês de março, conforme esperado. A receita no período veio em linha com as nossas expectativas, com a operação física apresentando uma queda de vendas no conceito mesmas lojas de -4,5% A/A (+8,0% ex-COVID), enquanto o e-commerce reportou um crescimento de vendas de +72,6% na comparação anual. Por outro lado, o EBITDA reportado ficou 22% abaixo da nossa projeção, com uma pressão de -3,9 p.p em relação ao 1T19;
  • Entretanto, a operação online do Magalu (~50% das vendas) cresceu de maneira exponencial no 2T20 até o momento (+138% A/A em abril e +203% em maio até o dia 20). Na nossa visão, o ritmo da aceleração é uma surpresa positiva e mostra como a companhia está bem posicionada não só para atravessar os desafios impostos pela crise atual, mas também para continuar acelerando os seus esforços de ganho de participação de mercado e de aumento da monetização da plataforma;
  • Neste relatório estamos incorporando os resultados reportados pela companhia no 1T20 e atualizando as nossas projeções para refletir principalmente (i) uma maior aceleração de vendas (GMV) no curto prazo, combinada com (ii) uma maior pressão de margem, tanto em função da maior participação do e-commerce quanto pelos investimentos em crescimento realizados pela companhia;
  • Com isso, atualizamos o nosso preço-alvo para R$ 71,0 por ação ao final de 2020 (R$58,0 anteriormente). Aumentamos as nossas estimativas de receita entre 2020-2022 em 6%, em média. Por outro lado, revisamos negativamente as nossas estimativas de EBITDA no mesmo período em -20%, em média. Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Papel & Celulose: Queda no preço da celulose de fibra curta na China

  • Os preços de celulose de fibra curta na China tiveram queda na semana (-US$1,2/t), para US$469,8/t. Mantemos nossa visão positiva no longo prazo com recomposição de margens dos produtores de papel na China;
  • Esperamos uma reação negativa das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje. Temos recomendação de Compra para ambos os nomes, com preço-alvo de R$47 e R$22/ação para Suzano e Klabin, respectivamente.

Setor Elétrico: ANEEL define teto do empréstimo para socorrer setor elétrico em R$15,6 bilhões

  • Segundo a Reuters, a ANEEL definiu que a operação de socorro ao setor elétrico devido ao aumento de inadimplência e queda da carga de energia (Conta-COVID) terá um teto de R$15,6 bilhões. Não foram apresentados maiores detalhes sobre a operação, a ser coordenada por um sindicato de bancos liderados pelo BNDES;
  • Segundo o Valor Econômico, o Ministério de Minas e Energia afirmou que inadimplência no setor de distribuição de energia como resultado da pandemia da COVID-19 foi de 10,16% no período entre 18 de março e 17 de maio de 2020, o que se compara à média de 2,4% no primeiro semestre de 2019. O impacto financeiro estimado para as distribuidoras foi de R$5,56 bilhões, R$3,27 bilhões dos quais se referem à inadimplência;
  • Conforme afirmação do Diretor-Geral da Agência, André Pepitone, o empréstimo da Conta-COVID será amortizado em 60 meses a partir de 2021. Sem a operação, haveria um reajuste de 11,5% nas contas de luz para compensar os efeitos da pandemia. O próximo passo é a edição de uma resolução pela ANEEL na qual constará o valor teto da operação e a divisão por companhia do segmento de distribuição de energia. Após a apresentação, o texto ficará em consulta pública pelo prazo de uma semana. A relatora do processo na ANEEL é a diretora Elisa Bastos;
  • O Sr. Pepitone ainda afirmou que os acionistas das empresas de distribuição terão que arcar com parte dos custos do financiamento da Conta-COVID. Isso se dará na inclusão pela ANEEL do benefício financeiro do empréstimo nos reajustes tarifários futuros das concessionárias, que deverão ressarcir consumidores. Apesar da reação positiva das ações de distribuidoras de energia na bolsa aos anúncios preliminares, pode haver um movimento subsequente de realização conforme ficarem claros a magnitude dos valores a serem repassados às distribuidoras e a parcela que as companhias terão que retornar a consumidores em reajustes futuros. Mantemos nossa visão cautelosa com respeito ao segmento no futuro em vista dos impactos negativos da deterioração da economia sobre o setor.

Companhias aéreas (AZUL4, GOLL4): LATAM adere ao “Chapter 11” nos EUA, afiliada brasileira não está inclusa

  • De acordo com um fato relevante divulgado ontem, o grupo LATAM (não coberto) e suas afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e Estados Unidos iniciaram uma reestruturação voluntária de suas dívidas sob a proteção do Chapter 11 nos EUA, arcabouço similar ao da recuperação judicial no Brasil, com o apoio de seus maiores acionistas, as famílias Cueto e Amaro e a Qatar Airways. Os acionistas deverão fornecer até US$ 900 milhões em empréstimo de acordo com a companhia. As afiliadas da LATAM na Argentina, Brasil e Paraguai não estão incluídas no procedimento. As operações domésticas no Brasil representaram ~30% da oferta (ASK) da LATAM;
  • Chapter 11 é um arcabouço legal sob o qual a LATAM e suas afiliadas terão a oportunidade de redimensionar suas operações para o novo ambiente de demanda e reorganizar seus balanços. De acordo com o fato relevante, (i) a LATAM e suas afiliadas continuarão a voar conforme as condições permitirem durante o processo, (ii) espera-se que todos os bilhetes atuais e futuros sejam honrados e (iii) as agências de viagens e outros parceiros comerciais não terão interrupção em suas interações com o grupo LATAM;
  • Embora não tenhamos uma opinião sobre o resultado final do processo e se as operações brasileiras serão ajustadas futuramente, notamos que (i) a LATAM já está operando com capacidade reduzida no Brasil em meio às políticas atuais de distanciamento social e (ii) as rotas domésticas da companhia no Brasil têm uma alta sobreposição com as rotas da Gol. Em um cenário em que as rotas domésticas no Brasil sejam reajustadas, esperaríamos um impacto mais direto para a Gol. Mantemos uma visão cautelosa para o setor no curto prazo.

Multiplan (MULT3): Reabertura do ParkShopping Barigui

  • A Multiplan anunciou ontem, via Fato Relevante, que retomou as atividades do ParkShopping Barigui, localizado na cidade de Curitiba/PR, ontem (dia 25 de maio), em horário reduzido, das 12h às 20h. O shopping estava fechado desde o dia 20 de março, e representou cerca de 6% da receita de aluguel total de 2019 da companhia;
  • Desde meados de março, a maioria dos shoppings brasileiros, além de outros estabelecimentos comerciais não considerados como essenciais, teve suas atividades suspensas por tempo indeterminado, seguindo políticas restritivas de distanciamento social. Essas políticas têm sido gradualmente flexibilizadas em algumas cidades brasileiras, apesar de ainda operarem com horários reduzidos e seguindo protocolos rígidos de higiene;
  • O afrouxamento das políticas de distanciamento social é positivo para as operadoras de shoppings. No entanto, vale relembrar que as empresas de forma geral têm flexibilizado suas políticas de aluguel de forma a prover liquidez para os lojistas em meio à paralisação de suas atividades. Para frente, será importante monitorar (i) a evolução do tráfego e das vendas nesses ativos após a reabertura, e (ii) a evolução da taxa de vacância e inadimplência de lojistas. Clique aqui para acessar nosso monitoramento sobre os shoppings que já tiveram suas atividades retomadas.

Vale (VALE3): Vale entra em negociação exclusiva para a venda da Vale Nova Caledônia (VNC)

  • A Vale anunciou o início da negociação da venda de sua participação na VNC com a New Century Resources. Segundo a Vale, as negociações incluem um plano de transição para a continuidade das operações e suporte para financiamento, com busca pelo engajamento do Estado francês;
  • Como a Vale registrará como ativo mantido para venda, deve reconhecer uma perda por redução ao valor recuperável (impairment) de US$400 milhões no 2T20. Vemos uma potencial venda de VNC como positiva para a Vale, uma vez que aumenta o foco da companhia em seus ativos mais rentáveis. Reiteramos nossa recomendação de Compra.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.