Ibovespa bate novo recorde na esteira do otimismo dos mercados globais com a recuperação econômica

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Clique para ouvir

IBOVESPA 1,00% | 125.561 Pontos

CÂMBIO -0,26% | 5,23/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Na semana passada, o Ibovespa bateu um novo recorde histórico ao atingir os 125.561 pontos. O índice acumulou uma alta de +2,4% durante a semana, na esteira do otimismo dos mercados globais com a recuperação econômica que permanece em curso, superando preocupações com a inflação. Domesticamente, a Bolsa foi impulsionada também por melhores perspectivas de crescimento econômico, melhora nos números fiscais, e alguns avanços nas discussões das reformas.

Hoje, mercados globais amanhecem sem movimentos expressivos, com bolsas nos Estados Unidos e na Europa praticamente estáveis (-0,1% e 0%, respectivamente) na falta de catalisadores de preços. Na China, as bolsas registram ligeira alta de +0,2%; destaque para a atividade industrial de maio, que segue em expansão, mas desacelera contra período anterior – as medidas de aperto do governo local, a desaceleração das exportações e o aumento de custos das matérias primas estariam afetando a produção industrial no País.

Do lado da Economia, a inflação segue sendo o grande destaque. Nos EUA, a inflação acima das expectativas não parece levar o Fed a repensar, por ora, sua estratégia de política monetária. Globalmente, os mercados de ações permanecem próximos aos recordes, na medida em que os bancos centrais  seguem indicando que devem aceitar um nível mais alto de inflação no curto prazo para garantir a recuperação econômica. No Brasil, os números do PIB do primeiro trimestre são o destaque desta semana, em meio a pressões inflacionárias e discussão sobre risco de racionamento de energia.

No campo político brasileiro, o Congresso Nacional tem sessão marcada para esta terça-feira (1) em que está prevista a votação dos projetos de lei que recompõem despesas obrigatórias e permitem remanejamento de recursos do Orçamento de 2021. Há também na pauta os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao próprio Orçamento e a temas anteriores, como a concessão de cota dobrada de auxilio emergencial em 2020 a famílias monoparentais chefiadas por homens e o programa de recuperação fiscal de estados e municípios. Uma reunião hoje às 16h deve servir para uma tentativa de acordo entre deputados, senadores e o governo envolvendo os projetos e os vetos.

No campo político internacional, o presidente dos EUA, Joe Biden, apresentou nesta sexta-feira (28) um projeto de Orçamento de USD 6 trilhões para o ano fiscal de 2022. Vale lembrar que a proposta do presidente é apenas um guia para o Congresso, o responsável por desenvolver e aprovar o Orçamento. Apesar de resistência republicana, a maioria democrata nas duas Casas significa que o projeto pode ser aprovado via reconciliation; no entanto, para isso, a Casa Branca precisaria do apoio de 100% dos parlamentares democratas. Diante das divergências entre as alas do partido, as negociações podem levar meses e devem resultar numa versão reduzida da proposta.

Do lado das empresas, revisamos nossas recomendações para as companhias de shopping centers: brMalls (BRML3), Iguatemi (IGTA3) e Multiplan (MULT3). Continuamos com recomendação de compra (preço-alvo de R$29,50/ação) para a Multiplan (nossa preferida no setor), elevamos nossa recomendação de brMalls de neutro para compra (preço-alvo de R$13,00/ação) e rebaixamos a recomendação de Iguatemi de compra para neutro (preço-alvo de R$48,00/ação). Para mais detalhes, acesse nosso relatório completo.

Além disso, publicamos uma nota sobre a Méliuz, incluindo análise ESG. Na nossa visão, a Méliuz deverá enfrentar diversos desafios à medida que cresce via aquisições, dentre outras vias; para avaliar a capacidade da sua gestão de enfrenta-los, analisamos o seu histórico no comando da empresa em um relatório completo. Além disso, após incorporar os resultados do 1T21 no modelo, elevamos o preço-alvo para R$48 por ação. Finalmente, também trazemos uma análise ESG da empresa: por um lado, sentimos falta de uma divulgação detalhada; por outro, apreciamos as iniciativas atuais da empresa nesta agenda, com destaque para o pilar Social, ao mesmo tempo em que vemos espaço para melhorias na diversidade de gênero na liderança. Em nossa visão, a forte cultura da empresa é um fator-chave para a agenda ESG e esperamos ver mais avanços em todas as três frentes adiante.

Tópicos do dia

Acesse aqui o relatório internacional

Economia

  1. A inflação acima das expectativas nos EUA não parece levar o Fed a repensar, por ora, sua estratégia de política monetária. Os mercados de ações permanecem próximos aos recordes, na medida em que os bancos centrais seguem indicando que devem aceitar um nível mais alto de inflação no curto prazo para garantir a recuperação econômica. Na China, o setor de serviços passou a liderar a recuperação, como mostram os PMIs de maio. No Brasil, os números do PIB do primeiro trimestre são os destaque desta semana, em meio a pressões inflacionárias e discussão sobre risco de racionamento de energia.

Política

  1. Semana tem previsão de sessão do Congresso para superar impasse sobre Orçamento
  2. Política internacional: Biden apresenta Orçamento de USD 6 tri

Empresas

  1. Setor Elétrico: Como a deterioração do cenário hidrológico afeta as ações do setor elétrico?
  2. Shopping Centers | Uma Estratégia de Reabertura
  3. Irani (RANI3): Aprovação de novo financiamento para destravar projetos de expansão
  4. Méliuz (CASH3): Análise de execução e ESG
  5. Notícias Diárias do Setor Financeiro
  6. Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 31/05
  2. Radar ESG | Méliuz (CASH3): Cultura forte como fator-chave para a evolução adiante

Veja todos os detalhes

Economia


A inflação acima das expectativas nos EUA não parece levar o Fed a repensar, por ora, sua estratégia de política monetária. Os mercados de ações permanecem próximos aos recordes, na medida em que os bancos centrais seguem indicando que devem aceitar um nível mais alto de inflação no curto prazo para garantir a recuperação econômica. Na China, o setor de serviços passou a liderar a recuperação, como mostram os PMIs de maio. No Brasil, os números do PIB do primeiro trimestre são os destaque desta semana, em meio a pressões inflacionárias e discussão sobre risco de racionamento de energia.

  • Sexta-feira passada, o deflator dos gastos do consumo nos EUA – a medida de inflação preferida do Fed –  subiu 0,7% em maio, acima das expectativas do mercado (0,6%). A taxa anual aumentou de 1,9% para 3,1%, a maior desde maio de 1992. No entanto, o Fed provavelmente continuará a ver isso como um choque transitório e não deve ajustar a política monetária tão cedo. Esperamos que este seja o pico da trajetória da inflação anual. Projetamos 2,67% ao final deste ano e 1,6% até o final de 2022;
  • O PMI de manufatura da China caiu para 51,0 em maio, de 51,1 em abril, um pouco abaixo dos 51,1 esperados. O PMI de serviços subiu de 54,9 para 55,2. As medidas de aperto do governo, a desaceleração das exportações e o aumento de custos das matérias  primas estão afetando a produção industrial. Por outro lado, a recuperação do consumo segue acelerando. O índice PMI composto aumentou de 53,8 para 54,2, sugerindo que a recuperação econômica continua;
  • No Brasil, a imprensa chama atenção para o risco de racionamento de energia e água, causado pela pior temporada de chuvas em 91 anos. A maioria dos especialistas acredita que a oferta potencial hoje é suficiente para evitar um racionamento amplo, como ocorreu em 2001. Mesmo assim, racionamentos pontuais, em horários de pico, parecem possíveis. De qualquer forma, com a ativação das plantas térmicos, os custos com energia aumentarão nos próximos meses. O estabelecimento de bandeira tarifária “vermelha 2” para o consumidor em junho, anunciada no final da semana passada, aponta nesta direção;
  • A inflação dos preços ao produtor continua subindo. O IGP-M de maio, divulgado na última sexta-feira, atingiu 37% na variação anual. Junto com o problema de energia, o aumento da matérias primas revelado pelo IGP-M traz um risco de alta para nossa projeção de 5,4% para o IPCA de 2021;
  • No calendário econômico, o Governo publica hoje os números fiscais do governo geral de abril. Mas o principal destaque desta semana são os números do PIB do primeiro trimestre, a serem publicados amanhã.

Política

Semana tem previsão de sessão do Congresso para superar impasse sobre Orçamento

  • O Congresso Nacional tem sessão marcada para esta terça-feira em que está prevista a votação dos projetos de lei que recompõem despesas obrigatórias e permitem remanejamento de recursos do Orçamento de 2021 – últimas etapas para que o impasse seja superado. Há também na pauta os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao próprio Orçamento e a temas anteriores, como a concessão de cota dobrada de auxilio emergencial em 2020 a famílias monoparentais chefiadas por homens e o programa de recuperação fiscal de estados e municípios. Uma reunião hoje às 16h deve servir para uma tentativa de acordo entre deputados, senadores e o governo envolvendo os projetos e os vetos.

Política internacional: Biden apresenta Orçamento de USD 6 tri

  • O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apresentou nesta sexta-feira (28) um projeto de Orçamento de USD 6 trilhões para o ano fiscal de 2022.  Confira a proposta na íntegra aqui;
  • Vale lembrar que a proposta do presidente é apenas um guia para o Congresso, o responsável por desenvolver e aprovar o Orçamento. Apesar de resistência republicana, a maioria democrata nas duas Casas significa que os democratas podem aprovar o projeto via reconciliation (manobra que permite esquivar o filibuster no Senado). No entanto, para utilizar essa manobra a Casa Branca precisara do apoio de 100% dos parlamentares democratas. Diante das divergências entre as diferentes alas do partido, as negociações podem levar meses e devem resultar numa versão reduzida da proposta;
  • No lado das negociações pelo pacote de infraestrutura do governo Biden, autoridades indicam que negociações com republicanos devem ser finalizadas – com ou sem resolução – até a segunda semana de junho. Se não houver acordo com o partido de oposição, o governo deve buscar avançar via reconciliation;
  • Na Alemanha, o partido de Angela Merkel, o CDU/CSU, retomou a liderança nas pesquisas eleitorais após declínio do partido Verde por duas semanas consecutivas. Os partidos registram 25% e 23%, respectivamente; 
  • E a China anunciou que deve permitir que famílias tenham 3 filhos para combater crise demográfica.  

Empresas

Setor Elétrico: Como a deterioração do cenário hidrológico afeta as ações do setor elétrico?

  • Publicamos um relatório sobre os impactos do cenário hidrológico mais adverso nas ações do setor elétrico. Sem dúvidas dentro do setor elétrico o segmento de geração é o mais afetado pelo cenário hidrológico adverso, especialmente os nomes que possuem maior participação hídrica no seu portifólio;
  • Com o declínio dos níveis dos reservatórios, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) autoriza o despacho de usinas termelétricas para garantir a segurança energética do país. Como consequência, a geração das usinas hidrelétricas é reduzida com objetivo de desacelerar o esgotamento dos reservatórios durante o período seco. Com isso, as geradoras podem precisar comprar energia no mercado de curto prazo, para honrar com seus contratos. No entanto, a compra dessa energia ocorre em um momento em que a mesma tem preços elevados como resultado do acionamento das usinas termelétricas, que, por sua vez, são mais caras;
  • Apesar de esperarmos uma pressão nos resultados de curto prazo das geradoras com maior exposição ao risco hídrico (AES Brasil e Cesp), mantemos inalterada nossa recomendação de Compra e preços alvos de R$36/ação para CESP6 e R$18/ação para AESB3, por duas razões: (i) baixa visibilidade do risco se prolongar no logo prazo, dado que o nível total de contratação do portfólio das empresas diminui ao longo dos anos; e (ii) continuamos enxergando um risco-retorno atrativo nos preços atuais, lembrando que parte do risco de curto prazo parece ter sido precificado pelo mercado (AESB -14,1% e CESP6 -9,4% YTD vs. +5,5% IBOV);
  • Por fim, trazermos nesse relatório uma análise que ilustra a sensibilidade de valuation (preço-alvo) relativamente limitada em função do risco hidrológico de curto prazo. Em nossa visão, o principal risco de fundamento para as empresas do setor está concentrado na probabilidade de manutenção do cenário atual nos próximos anos, estendendo o déficit hídrico no longo prazo. Clique aqui para acessar o relatório completo.

Shopping Centers | Uma Estratégia de Reabertura

  • Continuamos preferindo companhias com portfólio de shopping centers de alta qualidade e dominantes, pois acreditamos que esses devem recuperar mais rapidamente do que média do setor após a recente reabertura dos shoppings;
  • Multiplan é nosso nome favorito do setor. Preferimos a Multiplan dado a combinação de: i) um portfólio premium e dominante e valuation atrativo dado que a ação está negociando a FFO Yield de 5,7% para 2022E, deixando cerca de 1,6 p.p de prêmio para a NTN-B 2035;
  • Revisando a recomendação para compra de brMalls dado o valuation descontado. Apesar da forte performance recente da ação (19% no mês), continuamos vendo um atrativo ponto de entrada para a ação dado que ela está negociando a um FFO Yield de 6,1% para 2022E;
  • Os fundamentos da Iguatemi permanecem intactos, mas vemos potencial limitado após a recente alta. Apesar da Iguatemi possuir ativos de alta qualidade, estamos rebaixando nossa recomendação de compra para neutro dado que vemos o valuation já refletindo parcialmente a perspectiva positiva após a performance de +21% em maio e ela está agora negociando a um FFO Yield de 5,4% para 2022E. Para mais detalhes, acesse nosso relatório completo.

Irani (RANI3): Aprovação de novo financiamento para destravar projetos de expansão

  • De acordo com Fato Relevante publicado na sexta-feira (28), a Irani anunciou a aprovação da contração de financiamento com a Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame), subsidiária do BNDES, pelo seu conselho de administração. O valor do financiamento é no valor de R$ 484 milhões e os recursos serão destinados à execução dos investimentos previstos na Plataforma Gaia;
  • Segundo a nota, a Irani terá um prazo de dois anos para utilização dos recursos, contados da data da formalização jurídica da operação. Esse prazo pode ser prorrogado, a critério da Finame, por até 12 meses. Além disso, a companhia terá um prazo de carência é de até 36 meses contados a partir do 15º dia após o pedido de liberação de recursos ser protocolado;
  • Temos recomendação de Compra para Irani, com preço-alvo de R$ 8,50 por ação.

Méliuz (CASH3): Análise de execução e ESG

  • Decidimos compartilhar nossas notas sobre o livro recém-lançado (2021/05/10) contando a história da gestão da Méliuz, suas conquistas, fracassos e o que aprenderam com essas experiências;
  • Diante de novos desafios que colocam à prova a capacidade da administração de executar novos projetos, vemos o livro como positivo para a nossa tese de investimento, pois corrobora nossa visão favorável sobre a capacidade da administração de ter um bom desempenho em novos empreendimentos comerciais;
  • No geral, estamos otimistas com a Méliuz e reafirmamos nosso rating de compra com um novo preço alvo de R$ 48 (vs. R$ 41 anteriormente) implicando em um upside de 21%, à medida que incorporamos os resultados do 1T21 ao nosso modelo. Além disso, acreditamos que o livro serviu bem ao reduzir os riscos de execução percebidos;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Notícias Diárias do Setor Financeiro

  • Acesse este relatório com notícias do setor financeiro que complementam nossos comentários publicados no Morning Call, mas que não consideramos relevantes o suficiente para serem analisadas. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

  • Nesta publicação diária, trazemos as principais notícias do setor de varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) nacional e internacional, complementando nossa visão sobre as tendências e acontecimentos mais importantes do dia. Além disso, o relatório contém um resumo dos múltiplos e recomendações para as empresas de nossa cobertura;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 31/05

  • Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo falam sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança;
  • Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance histórica do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP;
  • Por que essas informações são importantes? Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

Radar ESG | Méliuz (CASH3): Cultura forte como fator-chave para a evolução adiante

  • Dado o recente IPO da empresa, era de se esperar que a Méliuz não contasse com informações detalhadas no que se refere aos dados ESG. Mesmo assim, apreciamos as iniciativas atuais da empresa nesta agenda, com destaque para o pilar Social, ao mesmo tempo em que vemos espaço para melhorias na diversidade de gênero na liderança;
  • Em nossa visão, a forte cultura da empresa é um fator-chave para a agenda ESG e esperamos ver mais avanços em todas as três frentes (ambiental, social e governança) adiante;
  • Neste relatório, destacamos os tópicos ESG que vemos como os mais importantes para a Méliuz, que acaba de lançar um livro com a história da companhia. Clique aqui para ler o conteúdo completo.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.