XP Expert

Eficácia da vacina contra a Covid-19 e eleição de Joe Biden nos Estados Unidos animam os mercados

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 2,6% | 103.515 Pontos

CÂMBIO 0,06% | 5,38/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Após a eleição do democrata Joe Biden como o novo presidente dos Estados Unidos e a notícia de que uma das vacinas para a Covid-19 possui 90% de efetividade, o Ibovespa fechou em alta de 2,57%, aos 103.515 pontos. O dólar comercial ficou praticamente estável aos R$ 5,38, após chegar a cair 3%.

Mercados internacionais diminuem o ritmo, mas seguem levemente positivos nesta manhã. Nos EUA (+0,1%), o entusiasmo com a vacina ainda compensa as incertezas do litígio eleitoral em curso. Na Europa (+0,5%), setores da velha economia, como bancos e linhas aéreas, foram os mais beneficiados com a notícia.

As notícias positivas para o mercado fizeram com que as taxas futuras de juros apresentassem queda ontem. DI jan/21 fechou em 1,92%; DI jan/23 encerrou em 4,81%; DI jan/25 foi para 6,44%; e DI jan/27 fechou em 7,16%.

Com a eleição americana ainda em destaque, Joe Biden tomou os primeiros passos após a confirmação de sua vitória. O democrata anunciou ontem os 13 especialistas que devem fazer parte de seu conselho consultivo contra a Covid-19 e, em seu primeiro discurso após a comemoração no fim de semana, enfatizou a importância de tomar precauções e alertou que um duro inverno vem pela frente.  

Na Casa Branca, Donald Trump continua sem reconhecer a derrota e demanda recontagem dos votos por meio de processos no Judiciário. No entanto, com apuração dos últimos votos ampliando a vantagem de Biden, a expectativa é de que os processos não alterem o cenário. Irritado com falta de apoio de alguns membros de seu partido e governo, o presidente demitiu ontem o secretário de defesa, Mark Esper. E no Congresso, o foco se volta ao pacote de estímulo. Ontem, líderes democratas e republicanos no Senado discutiram sobre o tamanho do projeto, evidenciando posições distintas e reduzindo expectativas de um rápido processo de aprovação após a eleição.

Do lado de economia, as perspectivas de crescimento global melhoram com o fim das eleições americanas e a melhor perspectiva da vacina para a Covid-19. Os riscos, no entanto, continuam. A sondagem alemã de expectativas ZEW caiu de 56,1 em outubro para 39,0 em novembro, refletindo o impacto da segunda onda da Covid na Europa. Nos EUA, o Fed divulgou seu relatório semestral de estabilidade financeira, alertando que os mercados podem voltar a sentir se a segunda onda afetar significativamente a economia.

No Brasil, o dia amanhece sem indicadores ou notícias econômicas relevantes. O mercado segue na expectativa das reformas fiscais, mas detalhes devem ser indicados apenas após a eleição municipal neste domingo. Na política, as atenções seguem voltadas para as disputas eleitorais – as municipais, de domingo, e a presidencial, de 2022. Jair Bolsonaro estreou seu “próprio horário eleitoral” pedindo voto a candidatos aliados a prefeito e vereador em diversas cidades, enquanto atores de centro e de direita, como Sergio Moro, Luciano Huck, João Doria e Rodrigo Maia discutem, com divergências, a melhor saída para enfrentar o presidente em 2022. Com o clima eleitoral, não estão previstas sessões na Câmara nem no Senado. Destaque também para a decisão da Anvisa de suspender os testes com a vacina Coronavac, que será produzida pelo governo de São Paulo, depois da morte de um participante do estudo. O diretor do Instituto Butantan se disse surpreso com a decisão porque, segundo ele, a morte não teve relação com os testes.

Do lado das empresas, publicamos um relatório explicando os motivos da forte alta das ações da Petrobras (+9,4% para PETR4 e +10,2% para PETR3). A alta seguiu o movimento dos preços de petróleo que dispararam após o anúncio de avanços na vacina do COVID-19, visto que com uma maior visibilidade a respeito de uma forma de imunização contra o vírus, há também maior visibilidade a respeito de uma recuperação da demanda de petróleo devido à normalização esperada do fluxo de bens, serviços e pessoas. Por fim, em um contexto de retomada de demanda global de petróleo a níveis anteriores aos da pandemia da COVID-19, acreditamos em uma recuperação dos preços de petróleo para o patamar de US$55-60/bbl (Brent).

A BRF reportou resultados melhores do que o esperado para o 3º trimestre, com EBITDA ajustado de R$ 1,3bi 5% acima da nossa estimativa e 9% acima do consenso. Estamos mais cautelosos com o papel devido ao cenário desafiador para frango em 2020 mas, diante do resultado acima das expectativas, esperamos reação positiva das ações e mantemos a recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 30 para o final de 2021.

Ainda do lado das empresas, a Magazine Luiza publicou um forte resultado de terceiro trimestre, acima das nossas estimativas e do consenso. Destaque para a performance do varejo físico, com vendas mesmas lojas subindo 7% A/A e crescimento ainda sólido do e-commerce, em +148% A/A, além de uma boa diluição de despesas por conta das iniciativas de omnicanalidade. No entanto, mantemos nossa recomendação Neutra porque vemos o valuation como justo nos níveis atuais, com a ação negociando a um múltiplo de 3,4x EV/GMV para 2021.

Por fim, estamos retomando cobertura do setor de farmácias, com Pague Menos sendo nossa preferência no setor, com recomendação de Compra e preço alvo de R$13,0/ação, Raia Drogasil com recomendação Neutra e preço alvo de R$27,0/ação e d1000 com recomendação de Compra e preço alvo de R$16,0/ação. Publicamos quatro relatórios: (i) overview setorial, discutindo os seis principais temas a serem monitorados no setor; (ii) início de cobertura de Pague Menos; (iii) retomada de cobertura de Raia Drogasil com análise do potencial de agregação de valor das iniciativas da companhia em se tornar uma plataforma de saúde; e (iv) Radar ESG, com uma análise tanto do setor farmacêutico, quanto de como cada uma das farmácias brasileiras dentro do nosso universo de cobertura (PGMN3, RADL3 e DMVF3) estão posicionadas quando o tema é ESG.

Tópicos do dia

Agenda de Resultados

Banrisul (BRSR6): após o fechamento
Grupo Carrefour (CRFB3): após o fechamento
Temporada de resultados do 3º trimestre – o que esperar?
Calendário de resultados do 3T20

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Internacional

  1. Política internacional: Biden toma primeiros passos como presidente eleito, Trump não reconhece derrota
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Nossa prescrição para o setor farmacêutico: o que monitorar em 2021 e nossas recomendações
  2. Quando ficar doente é o melhor remédio – Iniciando Cobertura de Pague Menos com Compra
  3. Tentando colocar um preço em Saúde – Retomando Cobertura de Raia Drogasil com recomendação Neutra
  4. Magazine Luiza (MGLU3): Sem palavras…
  5. BRF (BRFS3): 3T20 com resultados melhores do que o esperado em ambiente desafiador
  6. Positivo (POSI3): Forte performance de receita no 3T20, mas custos pressionam resultado
  7. Petrobras (PETR4): Forte alta dos preços de petróleo e das ações nesta segunda feira
  8. Petrobras (PETR4): Mitsui avalia vender a fatia de 49% na Gaspetro
  9. Copel (CPLE6): Copel Telecom é leiloada por quase R$ 2,395 bilhões para fundo Bordeaux
  10. Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição à ESG


Veja todos os detalhes

Internacional

Política internacional: Biden toma primeiros passos como presidente eleito, Trump não reconhece derrota

  • Com a eleição americana ainda em destaque, Joe Biden tomou os primeiros passos após a confirmação de sua vitória. O democrata anunciou ontem os 13 especialistas que devem fazer parte de seu conselho consultivo contra Covid-19. Em seu primeiro discurso após comemoração no fim de semana, enfatizou a importância de tomar precauções e alertou que um duro inverno vem pela frente;
  • Na Casa Branca, Donald Trump continua sem reconhecer a derrota e demanda recontagem dos votos por meio de processos no Judiciário. No entanto, com apuração dos últimos votos ampliando a vantagem de Biden, a expectativa é que os processos não alterem o cenário. Irritado com falta de apoio de alguns membros de seu partido e governo, o presidente demitiu ontem o secretário de defesa, Mark Esper;
  • E, no Congresso, o foco se volta ao pacote de estímulo. Nesta segunda-feira (9) líderes democratas e republicanos no Senado discutiram sobre o tamanho do projeto, evidenciando posições distintas e reduzindo expectativas de um rápido processo de aprovação após a eleição.

Empresas

Nossa prescrição para o setor farmacêutico: o que monitorar em 2021 e nossas recomendações

  • Iniciamos cobertura da Pague Menos, nossa preferência no setor, com recomendação de Compra e preço alvo de R$13,0; Raia Drogasil com recomendação Neutra e preço alvo de R$27,0 e d1000 com recomendação de Compra e preço alvo de R$16,0;
  • Estamos com uma visão construtiva para o setor farmacêutico brasileiro dadas as suas perspectivas de crescimento, oportunidades de consolidação e resiliência, enquanto acreditamos que a Covid-19 fortaleceu o foco dos consumidores em saúde e bem-estar e acelerou as tendências de digitalização do setor;
  • Em nosso relatório, discutimos os seis principais temas a serem monitorados no setor: (i) Consolidação e Competição; (ii) Omnicanalidade e Digital; (iii) Genéricos; (iv) A Nova Farmácia; (v) Saúde e Bem Estar no foco; e (vi) ESG. Clique aqui para ler o relatório completo.

Quando ficar doente é o melhor remédio – Iniciando Cobertura de Pague Menos com Compra

  • Iniciamos cobertura das ações da Pague Menos (PGMN3) com recomendação de Compra e preço alvo de R$13,0 para o fim de 2021;
  • Nós vemos a Pague Menos mais fortalecida e mais bem preparada para retomar seu crescimento, ao mesmo tempo em que vemos espaço para a ação se valorizar com a captura de diversos ganhos de eficiência no curto prazo;
  • Por fim, exploramos o potencial adicional do Clinic Farma (serviços de saúde na farmácia) – nós estimamos que a iniciativa pode adicionar pelo menos R$1,4 por ação no nosso preço alvo. Clique aqui para ler o relatório completo.

Tentando colocar um preço em Saúde – Retomando Cobertura de Raia Drogasil com recomendação Neutra

  • Nós retomamos cobertura de Raia Drogasil com recomendação Neutra e um preço alvo de R$27,0 para o fim de 2021;
  • Apesar de vermos a empresa bem posicionada para se beneficiar do potencial de crescimento do setor e oportunidades de consolidação, nosso preço alvo implica em uma valorização limitada enquanto as ações já estão negociando a um prêmio de 14% do múltiplo histórico;
  • Nós exploramos o potencial adicional das lojas da RD se tornarem centros de saúde e do lançamento do marketplace de saúde e estimamos que eles podem adicionar pelo menos R$2,5 por ação no nosso preço alvo. Porém, não incluímos esse ganho no nosso modelo devido à falta de informações e visibilidade. Clique aqui para ler o relatório completo.

Magazine Luiza (MGLU3): Sem palavras…

  • Companhia reportou forte resultado, com EBITDA ajustado de R$561 milhões, crescendo 45% A/A, quase 50% acima do nosso e 33% acima do consenso;
  • Crescimento de 18% A/A das vendas do varejo físico, com vendas mesmas lojas crescendo 7,2% e “vendas mesmas lojas, mesmos dias” crescendo 18% A/A, enquanto o e-commerce seguiu sólido em +148%A/A;
  • Nós esperamos uma reação positiva do mercado, mas mantemos nossa recomendação Neutra e preço-alvo de R$20,0/ação para final de 2020, porque vemos o valuation como justo nos níveis atuais, com a ação negociando a um múltiplo de 3,4x EV/GMV para 2021. Clique aqui para ler o relatório completo.

BRF (BRFS3): 3T20 com resultados melhores do que o esperado em ambiente desafiador

  • A BRF reportou resultados melhores do que o esperado para o 3º trimestre (3T20), com EBITDA ajustado de R$ 1,317bi, portanto 5% acima da nossa estimativa de R$ 1,25bi e 9% acima do consenso. A margem EBITDA consolidada de 13,2% veio em linha com a nossa estimativa (XPe 13,3%), mas muito abaixo do 3º trimestre de 2019 (3T19). Tal queda já era esperada pelo mercado devido à forte pressão na margem diante de preços recordes para os grãos;
  • Do lado positivo, vale ressaltar a estratégia da empresa de aumentar a capacidade de armazenamento, manter eficiência operacional e níveis de ocupação ideais, além de usar de insumos alternativos no processo produtivo. Tal estratégia nos surpreendeu positivamente, permitindo que a empresa alcançasse uma margem bruta de 23,6% no trimestre, 603 pontos base acima da nossa estimativa de 17,5%. Destaque especificamente para o segmento Brasil, que foi uma surpresa positiva sobretudo em função da melhora no mix de produtos;
  • Estamos mais cautelosos com BRF devido ao cenário desafiador para o frango em 2020, como comentamos no nosso relatório semanal, o Expresso Alimentos & Bebidas. Ainda assim, diante do resultado acima das expectativas do mercado, esperamos reação positiva das ações da BRF e mantemos a recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 30 para o final de 2021. Para conferir o relatório completo sobre o resultado do 3T20 da BRF, clique aqui.

Positivo (POSI3): Forte performance de receita no 3T20, mas custos pressionam resultado

  • C A receita líquida de R$ 521,7 milhões veio 8% acima das nossas estimativas e cresceu 13,1% na comparação anual, puxada por forte vendas de PC no varejo e de tablet;
  • A margem bruta teve queda de 3,3 p.p A/A por conta de uma pressão de custos de matéria prima, enquanto o EBITDA ajustado foi R$21,1 milhões com uma margem de 4% (-3,5p.p.) excluindo o impacto positivo de R$48mn principalmente decorrente do reconhecimento de créditos fiscais de IPI na Zona Franca de Manaus;
  • Nós esperamos uma reação mista do mercado, e mantemos nossa recomendação Neutra e preço-alvo de R$6,0/ação para final de 2020. Clique aqui para ler o relatório completo.

Petrobras (PETR4): Forte alta dos preços de petróleo e das ações nesta segunda feira

  • Ontem, publicamos um relatório explicando os motivos da forte alta de +9,4% para PETR4 e +10,2% para PETR3. A alta seguiu o movimento dos preços de petróleo, que dispararam após o anúncio pela Pfizer e BioNTech de que sua vacina experimental desenvolvida de forma conjunta preveniu mais de 90% das infecções de COVID-19 em um estudo com dezenas de milhares de voluntários;
  • A recuperação dos preços de petróleo se baseia no fato de que, com maior visibilidade a respeito de uma forma de imunização contra o vírus causador da COVID-19, há também maior visibilidade a respeito de uma recuperação da demanda de petróleo devido à normalização esperada do fluxo de bens, serviços e pessoas;
  • Conforme afirmamos em nosso início de cobertura de Petrobras, em um contexto de retomada de demanda global de petróleo a níveis anteriores aos da pandemia da COVID-19,  acreditamos em uma recuperação dos preços de petróleo para o patamar de US$55-60/bbl (Brent), nível de preços em que a produção de petróleo de xisto nos EUA (que enxergamos como o produtor marginal global) é rentável economicamente. Confira nosso relatório completo.

Petrobras (PETR4): Mitsui avalia vender a fatia de 49% na Gaspetro

  • Segundo o Valor Econômico, o grupo japonês Mitsui, dono de 49% da Gaspetro, avalia colocar à venda sua participação na companhia de distribuição de gás canalizado que é controlada pela Petrobras. A petroleira brasileira está em processo formal de venda do controle da Gaspetro e já recebeu propostas pela sua participação;
  • A possível venda da participação da Mitsui vai ocorrer em processo separado ao da Petrobras, de acordo com o Valor. A vantagem é que o grupo japonês encontraria menos entraves burocráticos que a petroleira enfrenta, uma vez que a venda de ativos da estatal brasileira tem de seguir um rito, como a aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU), por exemplo;
  • Com a contratação de um banco por parte da Mitsui, o processo de venda da fatia da Gaspetro também gera incertezas. Pelos trâmites da Petrobras, a companhia ainda tem de definir qual a melhor proposta que recebeu e começar as discussões de contratos. O processo, se for levado adiante, ocorreria a longo de 2021.

Copel (CPLE6): Copel Telecom é leiloada por quase R$ 2,395 bilhões para fundo Bordeaux

  • Ontem a Copel Telecom, subsidiária da estatal Copel, foi vendida por R$ 2,395 bilhões para o fundo de investimentos Bordeaux em leilão na B3. Quatro empresas apresentaram propostas pela estatal. A proposta vencedora apresentou ágio de 70% em relação a proposta mínima, que era de R$ 1,4 bilhão;
  • Foram vendidas 100% das ações da empresa, que é líder no mercado de fibra ótica no Paraná. O contrato prevê que transferência dos ativos deve acontecer em seis meses, podendo ser prorrogado pelo mesmo período;
  • Em entrevista coletiva, o governador do estado do Paraná Ratinho Junior, destacou que valor arrecadado pela venda da Copel Telecom será investido em geração e transmissão de energia no estado. Além disso, o governador também afirmou que o bem-sucedido desinvestimento da Copel Telecom abre espaço para outras privatizações no Estado do Paraná, como a Compagás, pátios do Detran, lotes de rodovias e aeroportos;
  • Vemos a venda da Copel Telecom como positiva para a Copel do ponto de vista estratégico. Isso porque telecomunicação não é a atividade principal do grupo e a venda da subsidiária pode acelerar a redução do endividamento da companhia. Reforçamos nossa recomendação de Compra para CPLE6, com preço alvo de R$70/ação.

Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição à ESG

  • Para as empresas farmacêuticas, vemos a frente Social como a mais importante dentre as três, seguida pelos pilares de Governança e Meio Ambiente, respectivamente. Conforme as farmácias brasileiras evoluem para o “novo normal” e os consumidores se preocupam mais com Saúde & Bem-Estar, acreditamos que as empresas farmacêuticas têm um papel crescente e significativo a desempenhar quando o tema é saúde na sociedade brasileira;
  • Vemos a Raia Drogasil se destacando vs. Pague Menos e d1000, principalmente frente às robustas iniciativas relacionadas ao pilar ambiental, com destaque para os esforços da empresa para medir e reduzir sua pegada de carbono, aliada a uma ótima governança corporativa, enquanto vemos a Pague Menos como uma clara vencedora quando o tema é diversidade de gênero;
  • Neste relatório, destacamos os fatores ESG que vemos como os mais importantes para o setor farmacêutico e analisamos como as empresas brasileiras desse setor que fazem parte do universo de cobertura da XP (RADL3, PGMN3 e DMVF3) se posicionam quando o tema é ESG. Clique aqui para ler o conteúdo completo.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.