XP Expert

Bolsas hoje: mercado acompanha dados de atividade dos Estados Unidos

Mercados em alta e MP dos fundos exclusivos no Brasil são alguns dos temas de maior destaque nesta terça-feira, 29/08/2023

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +1,11% | 117.121  Pontos

CÂMBIO 0,00% | 4,87/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa abriu a semana no positivo, fechando o dia com ganhos de 1,1% aos 117.121 pontos. Ativos brasileiros do setor de commodities, como Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4), foram beneficiados por novos estímulos na China, com o anúncio da nova política chinesa de corte de impostos em transações de ações. Outro destaque foi o setor de bancos, que reagiu positivamente aos dados de crédito divulgados pelo Banco Central.

Renda Fixa

As taxas futuras de juros fecharam próximas aos ajustes do último pregão, em um dia marcado pela baixa liquidez de negócios. DI Jan/24 oscilou de 12,405% para 12,41%; DI Jan/25 passou de 10,505% para 10,525%; DI Jan/26 subiu de 10,06% para 10,07%; e DI Jan/27 oscilou de 10,23% para 10,21%.

Mercados globais

Nos Estados Unidos, os futuros negociam em alta nesta terça-feira (S&P 500: 0,1%; Nasdaq 100: 0,1%), dando continuidade ao resultado positivo do dia anterior. O mercado aguarda dados de emprego da pesquisa JOLTS, indicador de confiança do consumidor e preços de moradia que serão divulgados hoje.

Na China, os mercados fecharam em alta (HSI: 2,0%; CSI 300: 1,0%), após o anúncio de medidas de suporte ao mercado de ações, incluindo redução de impostos e expectativa de redução da taxa de hipotecas. As acões da incorporadora chinesa Evergrande, primeira a sofrer com crise imobiliária no país, caíram por dois pregões seguidos após voltarem a ser negociadas.

Na Europa, os mercados operam com ganhos (Stoxx 600: 0,7%), puxados pelo setor de mineração e pela alta em Londres após a volta do feriado.

Economia

No Brasil, o governo publicou, em edição extra do Diário Oficial da União, a Medida Provisória (MP) que dispõe sobre a tributação de aplicações em fundos de investimentos exclusivos. Com a MP, os fundos ficam submetidos à tributação periódica, com uma alíquota de 15%. A taxa sobe para 20% no caso dos fundos de curto prazo. Além disso, há possibilidade de alíquota de 10% para quem optar por iniciar a arrecadação em 2023.

Ainda ontem à noite, o Palácio do Planalto encaminhou ao Congresso o Projeto de Lei (PL) dos fundos offshore. Segundo o texto, as pessoas físicas com renda no exterior entre R$ 6 mil e R$ 50 mil por ano ficarão sujeitas à tributação pela alíquota de 15%, enquanto aquelas com renda superior a R$ 50 mil terão uma alíquota de 22,5%.  

No exterior, a confiança do consumidor da Alemanha surpreendeu negativamente. O índice GfK recuou de -24,6 em agosto para -25,5 em setembro (leitura preliminar), abaixo da expectativa do mercado de -23,0. O enfraquecimento da atividade econômica alemã tende a continuar nos próximos meses. Na agenda econômica desta terça-feira, destaque para a publicação de indicadores de atividade nos EUA: relatório JOLTS, com as vagas abertas e a rotatividade da mão de obra em julho, e o índice de confiança do consumidor (The Conference Board) referente a agosto. No Brasil, o Tesouro Nacional divulgará o Relatório da Dívida Pública de julho.

XPInc CTA

Veja todos os resultados do 2º trimestre de 2023

Veja todos os detalhes

Economia

Confiança do consumidor na Alemanha surpreende negativamente; no Brasil, governo encaminha MP dos fundos exclusivos e PL dos fundos offshore                    

  • No Brasil, o governo publicou, em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), a Medida Provisória (MP) 1.184, que dispõe sobre a tributação de aplicações em fundos de investimentos exclusivos. Segundo as estimativas do governo, a medida levará a uma arrecadação de R$ 13,3 bilhões em 2024 (e de R$ 24 bilhões entre 2023 e 2026). Para o ano corrente, há expectativa de receitas de R$ 3,2 bilhões, que serviria como fonte de compensação para o aumento da faixa de isenção do IRPF. Com a MP, os fundos de investimentos fechados ficam submetidos à tributação periódica, com alíquota de 15%. A taxa sobe para 20% no caso dos fundos de curto prazo. Além disso, há possibilidade de alíquota de 10% para quem optar por iniciar a arrecadação em 2023. Ainda ontem à noite, o Palácio do Planalto encaminhou ao Congresso o Projeto de Lei (PL) dos fundos offshore. Segundo o texto, as pessoas físicas com renda no exterior entre R$ 6 mil e R$ 50 mil por ano ficarão sujeitas à tributação pela alíquota de 15%, enquanto aquelas com renda superior a R$ 50 mil terão uma alíquota de 22,5%. A matéria também traz o conceito de tributação de Trusts, algo não tratado na legislação brasileira;   
  • No exterior, a confiança do consumidor da Alemanha surpreendeu negativamente. O índice GfK recuou de -24,6 em agosto para -25,5 em setembro (leitura preliminar), abaixo da projeção do mercado de -23,0. O componente de expectativas econômicas despencou 9,9 pontos para o patamar de -6,2, ao passo que a medida de expectativas de renda recuou 6,4 pontos, atingindo o nível de -11,5. O enfraquecimento da atividade econômica alemã tende a continuar nos próximos meses;  
  • Na agenda econômica desta terça-feira, destaque para a publicação de indicadores de atividade nos EUA: relatório JOLTS (sigla em inglês), com as vagas abertas e a rotatividade da mão de obra em julho, e o índice de confiança do consumidor (The Conference Board) referente a agosto. No Brasil, o Tesouro Nacional divulgará o Relatório da Dívida Pública de julho.

Commodities

Comentário Semanal Agro | Agências atualizam estatísticas

  • Grãos. A soja foi impulsionada pelos resultados do Pro Farmer Tour e a recente seca nos EUA nas últimas 2 semanas. Esse efeito do clima tem menos impacto em trigo e milho, que seguem movimento de queda;
  • Carnes. Apesar de mais uma semana de queda no boi gordo, com prazos de pagamento mais longos e frigoríficos abastecidos, suíno e frango estão estáveis;
  • Açúcar e Etanol. O açúcar foi impactado por autoridades indianas declarando que as exportações do país serão banidas na safra 23/24, a medida vem após restrições nos mercados de arroz e trigo para limitar a inflação de alimentos no país;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Empresas

Frigoríficos: divergência nos valuations – comprando barato ou vendendo caro?

  • A Minerva anunciou a compra de 16 plantas da Marfrig por R$ 7,5 bi, transação que levará a Minerva ao 2º lugar em abate de bovinos no Brasil, atrás apenas da JBS. A Minerva garantirá sua posição como principal exportadora da América do Sul, mas também prejudicará seus resultados com uma alavancagem de ~2,7 ND/EBITDA se aceitarmos o guidance para 2024 de R$ 1,5 bi nas fábricas da Marfrig, embora o EBITDA implícito de 2022 das operações da Marfrig é menor considerando o fato relevante da empresa (de R$ 738 milhões), mesmo ajustando por maiores margens e volumes;
  • A Marfrig, caminhando na direção oposta, vendeu todas as plantas com perfil de commodity e tornou-se player com perfil mais próximo da BRF;
  • Temos pouca visibilidade sobre o que será a nova Marfrig, mas esperamos que as ações da Marfrig reajam positivamente refletindo o alívio da alavancagem e considerando os o short interest do papel de 20%, enquanto as ações da Minerva deverão ser afetadas negativamente com a visão negativa dos investidores sobre maior alavancagem;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Data Expert | Tracking Semanal de Mineração e Siderurgia da XP

  • Os temas principais da semana foram as medidas chinesas para impulsionar a economia e o setor imobiliário, e outra tentativa de defender o yuan.
    • (i) As autoridades chinesas tomaram medidas para impulsionar os mercados, reduzindo o imposto para trading de ações e margens;
    • (ii) A proposta da China para remover uma regra hipotecária visa reconhecer mais compradores pela primeira vez;
    • (iii) A China intensificou as medidas para combater a fraqueza do yuan, aumentando os custos de financiamento no mercado offshore e estabelecendo uma nova taxa de referência para a moeda;
    • (iv) Por fim, nossa análise de valuation mostra que a Vale está precificando minério de ferro a US$ 93/t (-18% vs. preços spot de US$ 118/t, queda de 7 p.p. S/S);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Natura&Co. (NTCO3): Focando nas unidades principais

  • A Natura&Co (NTCO3) divulgou fato relevante informando ao mercado que o Conselho de administração autorizou a diretoria da companhia a buscar alternativas estratégicas para a TBS. Na nossa opinião, a venda seria positiva, uma vez que a TBS vem enfrentando muitos desafios na operação, enquanto a NTCO não tem um histórico comprovado em histórias de reestruturação/gestão de operações de varejo;
  • Além disso, a venda permitiria que a NTCO focasse totalmente na integração de Avon e Natura, ao mesmo tempo que melhoraria a dinâmica de geração de caixa. Finalmente, se a venda ocorrer, estimamos que o P/L da Natura para 2024 pode cair para níveis abaixo de 20x (vs. média dos pares em 25x e P/L histórico da NTCO em 30x);
  • Mantemos nossa recomendação de compra, em uma visão construtiva;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • XP entra na disputa de contas globais (Neofeed);
    • Bradesco seguros lança cobertura de seguro para carros elétricos (Estadão);
    • Procura por empréstimos cai 14% nos últimos 12 meses (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Itália aprovará acordo com KKR para participação na Telecom Italia (Valor);
    • Vivo renova frequências de 900 e 1.800 MHz em Minas Gerais por nove anos (telesintese);
    • FWA pode gerar até R$ 6,2 bi em receitas em 2027, diz Bain (mobiletime);
    • Valid: Rafael Ziggiatti é nomeado diretor financeiro e de relações com investidores (Valor);
    • Clique Aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Os desafios da Natura na venda da The Body Shop (Exame);
    • Petz diz que não há documento preliminar ou definitivo assinado com Cobasi (Valor);
    • GPA avança em negociação de sua sede (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Isa Cteep recebe aval para executar projeto na BA e em MG pelo Lote 1 do Leilão de Transmissão (Valor Econômico);
    • EPE projeta investimentos de R$ 77,3 bilhões associados à expansão do SIN (Mega What);
    • Cemig avalia IPO da distribuidora de gás canalizando Gasmig, mas sem perder controle da estatal (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Combustível XP: As principais notícias que movem o setor de Óleo & Gás
    • Investimento chinês desaba em 2022, mas aposta no país segue firme (Valor Econômico);
    • Diesel deve subir mais R$ 0,10 com volta de tributos federais (Folha de S.Paulo);
    • PRIO inicia mais uma perfuração no prospecto Maracanã (Petróleo Hoje);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

XP Short Scout: Monitor de short selling no Brasil – 25/08/2023

  • Nas últimas duas semanas, o short interest médio (SI) das ações do Ibovespa ficou relativamente estável, apresentando uma leve diminuição de 0,4 pontos percentuais, chegando a 4,1%. O índice parece estar gradualmente reduzindo seus níveis máximos de SI observados desde janeiro de 2023;
  • Nesta semana, destacamos duas ações com movimentos significativas em seus níveis de short interestVia Varejo (VIIA3) Tenda (TEND3). VIIA3 se destaca com uma alta taxa de aluguel (67%) e SI (21%), juntamente com um aumento acentuado no SI, que normalmente se correlaciona com retornos futuros negativos. Da mesma forma, TEND3 também apresentou um salto significativo em seu SI, atingindo 18%. Isso a coloca como o segundo maior short interest do setor imobiliário;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • ‘Vamos olhar para o conjunto da obra’, diz Campos Neto sobre a possibilidade de acelerar ritmo de cortes da Selic (Valor Econômico);
  • Tesouro Direto tem emissão líquida de R$ 982,8 milhões em julho (Valor Econômico);
  • Renda fixa e variável atrativas nos EUA podem enxugar liquidez global, diz Absolute (Valor Econômico);
  • Fitch Afirma Ratings ‘AAA(bra)’/’F1+(bra)’ do Credit Suisse Brasil; Perspectiva Estável (Fitch);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Com o início do ciclo de cortes, é de fato esperado que a rentabilidade dos fundos de recebíveis apresente potencial redução.

  • Elencamos 4 motivos para manter os FIIs de papel na sua carteira:
    • (i). Resiliência: Esse segmento pode trazer proteção para a sua carteira;
    • (ii). Volatilidade: FIIs de Papel mantêm valor de mercado próximo ao patrimonial;
    • (iii). Rentabilidade: Fundos de papel oferecem maiores spreads em relação a NTN-B;
    • (iv). Total Return: Performance dos fundos de papel x indicadores macro.
  • Clique aqui para acessar relatório completo.

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • FII reduz aluguel cobrado da Americanas em troca de dívida e ‘bom relacionamento entre as partes’ (InfoMoney);
    • Fundo imobiliário da XP surfa na onda de ofertas e quer levantar bolada para comprar mais ativos (Money Times);
    • Crédito imobiliário bate recorde e supera R$ 2 trilhões no País; veja de onde vem o dinheiro (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Banco do Brasil lança hoje novo plano de sustentabilidade | Café com ESG, 29/08

  • O mercado encerrou o pregão de segunda-feira em território positivo, com o IBOV e o ISE em alta de +1,11% e +0,65%, respectivamente;
  • No Brasil, o Banco do Brasil lança hoje a Agenda 30 BB 2023-2025, seu novo Plano de Sustentabilidade visando atualizar os compromissos para 2030 – um dos compromissos assumidos é atingir R$ 200 bilhões de saldo em crédito para a agricultura sustentável e R$ 500 bilhões de saldo em carteira sustentável até 2030;
  • No internacional, (i) um número crescente de companhias “blue chips” dos Estados Unidos está usando fatores ambientais e sociais para definir as bonificações para seus altos executivos – três quartos das empresas do índice de ações S&P 500 anunciaram que os critérios ESG contribuíram para a remuneração de seus executivos no ano passado, número que em 2021 foi de dois terços, segundo dados levantados pela Conference Board e a Esgauge; e (ii) de acordo com a Exxon Mobil, o petróleo e o gás natural ainda deverão satisfazer mais de metade (54%) das necessidades energéticas mundiais em 2050 – o maior produtor de petróleo dos Estados Unidos prevê que o mundo atingirá 25 bilhões de toneladas de emissões de CO2 relacionadas à energia em 2050;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.