XP Expert

Atenções voltadas para desfecho da PEC Emergencial; iniciamos cobertura de Hapvida e GNDI

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -2,00% | 110.035 Pontos

CÂMBIO 1,49% | 5,60/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa registrou queda de 7% na semana passada, encerrando o pregão de sexta-feira na casa dos 110 mil pontos, e o real desvalorizou 4% frente ao dólar, chegando em R$ 5,60. Os mercados brasileiros teriam sido impactados por uma combinação de fatores externos e internos, dentre eles: (i) incertezas ao redor da Petrobras com a troca na liderança da estatal indicada pelo governo, (ii) preocupações fiscais ao redor da nova PEC do Auxílio Emergencial, cuja votação deve ocorrer esta semana, (iii) do lado internacional, disparada de juros de longo prazo – o Tesouro americano de dez anos chegou a atingir 1,6%, a maior alta em um ano. 

Na política, as atenções seguem voltadas para o desfecho das discussões sobre a PEC Emergencial, que permitirá o pagamento de nova rodada auxílio com medidas de ajustes fiscais para o futuro. Depois de resistências na semana passada, há expectativa sobre a apresentação de um novo relatório pelo senador Márcio Bittar sem algumas das medidas originalmente previstas – a principal delas é a desvinculação de recursos para a saúde e educação, que ficará fora do texto. O governo age para evitar novas desidratações e, no limite, para que senadores não decidam votar apenas a parte que permite a implementação do benefício, sem as contrapartidas fiscais. O presidente Jair Bolsonaro se encontrou ontem à noite com Arthur Lira e Rodrigo Pacheco para acertar os detalhes da votação, que deve acontecer no Senado até quarta-feira. Depois disso, ainda há necessidade de votação do texto pelos deputados.

Do lado internacional, após ser aprovado na Câmara dos EUA neste sábado (27), o pacote de estímulos à economia americana segue para debates e votação no Senado. Apesar da assessora parlamentar da Câmara Alta definir que o aumento do salário mínimo não pode ser aprovado via reconciliation – manobra que democratas usariam para aprovar o pacote sem apoio republicano – divergências sobre o tema permanecem entre as diferentes alas do partido de Joe Biden. A ala considerada mais radical busca implementar impostos sobre empresas cujos funcionários não recebam ao menos USD 15 por hora. No entanto, há forte resistência à ideia entre moderados, razão por qual ela deve ser deixada de lado. Reiteramos que as negociações devem acontecer de forma célere para poder aprovar o pacote até meados de março, quando vence uma série de programas sociais.

Na economia, a alta dos juros dos títulos públicos nos países centrais fez uma pausa nesta segunda, abrindo espaço para recuperação dos índices de ações e dos preços das commodities. Bancos Centrais nos EUA, Europa e Ásia vem reforçando que não pretendem reverter os estímulos monetários tão cedo. Os fundamentos para os juros mais elevados, contudo, continuam valendo, especialmente nos EUA, onde o Presidente Biden segue pressionando por seu pacote de U$ 1,9 tri, mesmo com a economia recuperando e as boas notícias da vacina, incluindo a recente aprovação da vacina da Johnson & Johnson’s no país. Na mesma linha, os PMIs de manufaturas de fevereiro divulgados esta manhã surpreenderam para cima na Italia, Alemanha, França e Reino Unido; mais tarde serão divulgados EUA e Canadá. Do lado nacional, destacamos a divulgação do PIB brasileiro do quarto trimestre na quarta-feira, e produção industrial de janeiro na sexta-feira.

Do lado das empresas, estamos iniciando a cobertura das operadoras verticalizadas de saúde com recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço alvo: R$21/ação) e GNDI (GNDI3 – preço alvo: R$117/ação). Acreditamos que, separadamente, as empresas estão bem posicionadas para capturar uma oportunidade de crescimento orgânico, consolidando ainda mais os mercados em que já estão presentes. Entretanto, juntas elas criam uma rede complementar única de abrangência nacional com espaço adicional para uma consolidação inorgânica e sinergias relevantes – estimamos impacto de até R$1,1 bilhão.

Além disso, publicamos também um relatório com uma análise ESG do setor de saúde e das empresas sob o universo de cobertura da XP. Para este setor, vemos o pilar Social como o mais importante, seguido pelo de Governança e Meio Ambiente, respectivamente. Em relação às companhias, vemos a NotreDame bem posicionada na agenda ESG, enquanto para a Hapvida entendemos que ainda há espaço para melhorias, principalmente no pilar Social e, por fim, para Rede D’Or, vemos a empresa se destacando em relação aos pares tanto no pilar Social, quanto no de Governança.

Por fim, também publicamos o relatório “Raio-XP da Bolsa: Os dois ‘I’s’ para ficar de olho… Inflação e Interferência”. Um ano após o início da pandemia, estamos finalmente começando a virar a página com a vacinação em todo o mundo. Com isso, uma fase de Recuperação nos mercados se iniciou em janeiro. Porém, riscos com a inflação e, aqui no Brasil, riscos políticos estão deixando os investidores mais cautelosos.

Tópicos do dia

Agenda de resultados

Temporada de Resultados do 4° Trimestre – O que esperar?
Calendário do 4T20
Resumo dos resultados do 4º tri de 2020: Superando nossas estimativas até o momento

Clique aqui para saber mais

Brasil

  1. Projeção de mercado para o Câmbio de 2021 passou de 5,05 para 5,10

Internacional

  1. Política internacional: pacote de estímulos avança no Congresso americano
  2. Petróleo: Expectativas de reversão de cortes de produção pela OPEP+ devido à alta dos preços e queda dos estoques
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Estamos iniciando a cobertura das operadoras verticalizadas de saúde com recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço alvo: R$21/ação) e GNDI (GNDI3 – preço alvo: R$117/ação)
  2. Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera?
  3. Raio-XP da Bolsa: Os dois “I’s” para ficar de olho… Inflação e Interferência
  4. Irani (RANI3): Receita forte no 4T, mas alta nos preços das aparas mantém margens estáveis
  5. Banco do Brasil (BBAS3): Possível saída do CEO


Veja todos os detalhes

Brasil

Projeção de mercado para o Câmbio de 2021 passou de 5,05 para 5,10

  • Na esteira das pressões inflacionárias de curto prazo, a projeção de IPCA para 2021 passou de 3,82% para 3,87%. Para 2022, as projeções passaram de 3,49% para 3,50%;
  • A projeção de PIB permaneceu em 3,29% para 2021 e em 2,50% para 2022;
  • A projeção de taxa de câmbio para 2021 subiu de 5,05 para 5,10 reais por dólar. Para 2022, a projeção passou de 5,00 para 5,03;
  • A projeção de Selic para 2021 permaneceu em 4,00% e em 5,00% ao final de 2022. Clique aqui para ler o relatório completo.

Internacional

Política internacional: pacote de estímulos avança no Congresso americano

  • Após ser aprovado na Câmara dos EUA neste sábado (27), o pacote de estímulos à economia americana segue para debates e votação no Senado. Apesar da assessora parlamentar da Câmara Alta definir que o aumento do salário mínimo não pode ser aprovado via reconciliation – manobra que democratas usariam para aprovar o pacote sem apoio republicano – divergências sobre o tema permanecem entre as diferentes alas do partido de Joe Biden;
  • A ala considerada mais radical busca implementar impostos sobre empresas cujos funcionários não recebam ao menos USD 15 por hora. No entanto, há forte resistência à ideia entre moderados, razão por qual ela deve ser deixada de lado. Reiteramos que as negociações devem acontecer de forma célere para poder aprovar o pacote até meados de março, quando vence uma série de programas sociais;
  • Ainda na seara da política americana, Donald Trump fez seu primeiro discurso após saída do governo. O ex-presidente rejeitou a ideia de formar um novo partido e indicou que poderia voltar a se candidatar em 2024;
  • No lado das relações internacionais, destacamos que Janet Yellen anunciou desistência dos EUA sobre uma cláusula promovida pelo governo Trump que havia impedido o andamento de negociações entre países do G20 por impostos digitais globais, abrindo o caminho para avanços;
  • E o Irã rejeitou uma oferta de conversas nucleares com os EUA, aquecendo a temperatura entre os países. Por sua vez, Biden lançou ataques aéreos contra milícia apoiada pelo Irã na Síria. No entanto, o alcance limitado dos ataques reduz chances de escalada das tensões.  

Petróleo: Expectativas de reversão de cortes de produção pela OPEP+ devido à alta dos preços e queda dos estoques

  • Os países da OPEP+ (grupo dos maiores produtores de petróleo do mundo e aliados como a Rússia) devem se reunir em 4 de março para definir os rumos dos acordos conjuntos de restrições de produção de abril de 2021 em diante;
  • Durante as últimas semanas o mercado de petróleo testemunhou os estoques globais caírem, os preços de petróleo subiram para níveis pré-pandemia da COVID-19, ao mesmo tempo em que produção dos EUA foi atingida por tempestades de inverno. Com isso, está cada vez mais evidente a necessidade de uma maior oferta de petróleo;
  • Com a necessidade de mais oferta evidente, o mercado espera que a OPEP+, liderada pela Arábia Saudita e Rússia, concorde em aumentar a produção quando se reunir em 4 de março, revendo alguns dos cortes de produção feitos no ano passado. Se a aliança concordar com um aumento na produção que fique abaixo das expectativas, poderia haver uma elevação maior de preços de petróleo;
  • A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados tiveram importante papel na recuperação da indústria global de petróleo de uma recessão sem precedentes no ano passado, reduzindo a produção quando a crise do coronavírus reduziu a demanda. A estratégia deu suporte para o petróleo Brent atingir US$ 67/barril, aumentando as receitas dos produtores prejudicados com a crise;
  • A organização continua a praticar cortes de cerca de 7 milhões de barris ao dia (mbpd) – cerca de 7% da oferta global – e na quinta-feira decidirá pelo retorno de 500.000 barris ao dia de abril em diante. Além disso, o mercado monitora com atenção se a Arábia Saudita vai cessar seus cortes voluntários de produção e fora das cotas da OPEP+ de 1 milhão de barris ao dia a partir de abril, conforme previamente acordado.

Empresas

Estamos iniciando a cobertura das operadoras verticalizadas de saúde com recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço alvo: R$21/ação) e GNDI (GNDI3 – preço alvo: R$117/ação)

  • Acreditamos que, separadamente, as empresas estão bem posicionadas para capturar uma oportunidade de crescimento orgânico, consolidando ainda mais os mercados em que já estão presentes;
  • Entretanto, juntas elas criam uma rede complementar única de abrangência nacional com espaço adicional para uma consolidação inorgânica e sinergias relevantes – estimamos impacto de até R$1,1 bilhão;
  • Em 27 de fevereiro as empresas chegaram a um acordo no qual os acionistas do HAPV3 teriam 53,6% da nova empresa e a GNDI3 os 46,4% restantes;
  • Além disso, os acionistas da GNDI receberão um dividendo extraordinário de R$4,0 bilhões se a transação for confirmada;
  • Com maior eficiência e menores preços acreditamos que Hapvida e GNDI irão continuar a ganhar participação do mercado sendo uma melhor opção em relação à planos mais caros do lado corporativo e um “upgrade” em relação ao SUS para os planos individuais;
  • Com a fusão se aproximando e maiores potenciais de valorização, favorecemos as operadoras verticalizados vs Rede D’Or (Compra, R$ 85/ação). Considerando o preço de fechamento de sexta-feira, as ações estão sendo negociadas em linha com sua respectiva participação na Nova Empresa e o dividendo a ser distribuído, por isso é indiferente comprar qualquer uma das ações. Clique aqui para ler o relatório completo.

Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera?

  • As empresas de saúde operam na vanguarda de um dos maiores desafios de longo prazo de todo o mundo – a busca por uma vida mais longa e melhor. Na nossa opinião, o setor de saúde oferece uma combinação interessante de desafios e oportunidades na perspectiva ESG. Para este setor, vemos o pilar Social como o mais importante dos três, seguido pelo de Governança e Meio Ambiente, respectivamente;
  • Vemos a NotreDame bem posicionada na agenda ESG, com o compromisso da empresa com essa agenda desempenhando um papel importante na sua estratégia, além da companhia estar à frente de seus pares quando se trata da divulgação de dados ESG. Já em relação à Hapvida, vemos com bons olhos os esforços da empresa na agenda ESG, no entanto, entendemos que ainda há espaço para melhorias, principalmente no pilar Social, enquanto no caso de Rede D’Or, vemos a empresa se destacando em relação aos seus pares tanto no pilar Social, quanto no de Governança;
  • Neste relatório, destacamos os tópicos ESG que vemos como os mais importantes para o setor e analisamos como as empresas sob o universo de cobertura da XP (GNDI3, HAPV3 e RDOR3) se posicionam quando o tema é ESG. Clique aqui para ler o conteúdo completo.

Raio-XP da Bolsa: Os dois “I’s” para ficar de olho… Inflação e Interferência

  • Um ano após o início da pandemia, estamos finalmente começando a virar a página com a vacinação em todo o mundo. Com isso, uma fase de Recuperação nos mercados se iniciou em janeiro;
  • Porém, a confiança na recuperação econômica e a continuidade dos estímulos fiscais e monetários têm sido refletidos na rápida subida nas taxas de juros de longo prazo e aumento das expectativas de inflação no mundo. Por enquanto, ainda vemos os movimentos como benignos, mas isso pode mudar rapidamente. A inflação é um dos principais riscos a se monitorar à frente;
  • Fevereiro também foi marcado pelo Ano Novo chinês, que traz a esperança de um novo super ciclo de commodities, que continuam a fazer novas altas de preços. No Brasil, destacou-se o aumento dos riscos políticos novamente, com o aumento de interferência nas empresas estatais, como a Petrobras. Por enquanto, ainda é cedo para dizer se houve uma mudança na política econômica. Porém, a queda do Ibovespa abre oportunidades de compra para empresas de alta qualidade;
  • Nesse mês fizemos uma mudança de empresas e duas mudanças de pesos na nossa Carteira Top 10 Ações XP e nenhuma mudança na nossa Carteira Top Dividendos XP. Clique aqui para ler o relatório completo.

Irani (RANI3): Receita forte no 4T, mas alta nos preços das aparas mantém margens estáveis

  • Na sexta-feira (26), a Irani reportou resultado operacional um pouco mais forte do que o esperado no quarto trimestre, com EBITDA de R$62,5 milhões. O principal motivo para o resultado acima do nosso foi o preço realizado mais forte compensando parcialmente a alta no preço das aparas, além do volume de papelão ondulado de 42 mil toneladas;
  • No segmento de papelão ondulado, os volumes de vendas foram 2% abaixo das nossas expectativas e, como resultado, a receita líquida do segmento ficou 2% acima da nossa, em R$154 milhões. Já no segmento de papéis para embalagem, os preços realizados aumentaram cerca de 30% na comparação anual, enquanto a receita foi de R$113 milhões, alta de 28%, no mesmo período;
  • Vemos a Irani sendo negociada a 8,6x EV/EBITDA 2021E, em linha com seus pares (que negociam acima de 8,0x). Acreditamos que a empresa está bem posicionada para aproveitar os benefícios de seu plano de expansão. Mantemos nossa recomendação de Compra para Irani (preço-alvo de R$8,5/ação). Clique aqui para ler o relatório completo.

Banco do Brasil (BBAS3): Possível saída do CEO

  • No último pregão, o mercado reagiu negativamente à possível saída do CEO André Brandão. Segundo a mídia, Brandão estaria insatisfeito com a interferência política e próximo de pedir demissão, o que gerou um aumento na percepção de risco político pelo mercado em relação ao banco, o que fez com que as ações do banco caíssem 5% na última sexta-feira;
  • O episódio ocorre após o plano de redimensionamento organizacional do banco, que desagradou o planalto pelas demissões voluntárias e fechamento de agências, além do anúncio de demissão do CEO da Petrobras e a fala do Presidente Bolsonaro de que outras mudanças poderiam ocorrer;
  • Por fim, nossa visão seria negativa em caso de saída do Sr. Brandão, devido a: i) o CEO deu sinalizações positivas para o mercado de que seu mandato seria voltado para o ganho de eficiência por meio de uma reestruturação organizacional; ii) o sr. Brandão também é um veterano respeitado com mais de 30 anos de experiência em bancos privados, como Citi e HSBC, incluindo uma posição de CEO na operação local do HSBC; e iii) pode ser visto como interferência política do governo (acionista controlador) em detrimento dos acionistas minoritários.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.