Hapvida (HAPV3) e GNDI (GNDI3): Um olho no crescimento e o outro na fusão. Iniciando com Compra

Estamos iniciando a cobertura das operadoras verticalizadas de saúde com recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço alvo: R$21/ação) e GNDI (GNDI3 – preço alvo: R$117/ação). Acreditamos que, separadamente, as empresas estão bem posicionadas para capturar uma oportunidade de crescimento orgânico, consolidando ainda mais os mercados em que já estão presentes. Entretanto, juntas elas criam uma rede complementar única de abrangência nacional com espaço adicional para uma consolidação inorgânica e sinergias relevantes – estimamos impacto de até R$1,1 bilhão.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Estamos iniciando a cobertura das operadoras verticalizadas de saúde com recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço alvo¹: R$21/ação) e GNDI (GNDI3 – preço alvo¹: R$117/ação). Acreditamos que, separadamente, as empresas estão bem posicionadas para capturar uma oportunidade de crescimento orgânico, consolidando ainda mais os mercados em que já estão presentes. Entretanto, juntas elas criam uma rede complementar única de abrangência nacional com espaço adicional para uma consolidação inorgânica e sinergias relevantes – estimamos impacto de até R$1,1 bilhão.

Com a fusão se aproximando e maiores potenciais de valorização, favorecemos as operadoras verticalizados vs. Rede D’Or (Compra, R$ 85/ação). Considerando o preço de fechamento de sexta-feira, as ações estão sendo negociadas em linha com a sua respectiva participação na Nova Empresa (GNDI + Hapvida) e o dividendo a ser distribuído, por isso é indiferente comprar qualquer uma das ações.

Depois que a Hapvida apresentou uma proposta de fusão ao conselho da GNDI em janeiro, em 27 de fevereiro as empresas chegaram a um acordo no qual os acionistas do HAPV3 teriam 53,6% da nova empresa e a GNDI3 os 46,4% restantes, com base no preço médio ponderado pelo volume de ambas as ações e um prêmio de 15% para a GNDI. Além disso, os acionistas da GNDI receberão um dividendo extraordinário de R$4,0 bilhões se a transação for confirmada.

Como a transação está aguardando a aprovação dos acionistas, da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e da autoridade antitruste (CADE), iremos analisar os efeitos gerais da fusão no mercado e o impacto em cada empresa para, em seguida, discutir as potenciais sinergias a serem capturadas: vendas complementares, compras, sinistralidades e despesas gerais e administrativas e alavancagem de rede própria. Acreditamos que a transação seja aprovada pelo CADE e pelos acionistas devido à positiva do mercado ao tema (GNDI3 subiu 20% enquanto HAPV3 9% desde o anúncio vs. -10% do Ibov, essa diferença em relação ao Ibov é a razão pela qual acreditamos que as ações têm estado sob pressão ultimamente).

Nota: (1) o preço-alvo considera o target Equity Value de cada companhia, a relação de troca estabelecida e o dividendo extraordinário

Tese de Investimento: É tudo uma questão de eficiência e crescimento

Altamente correlacionado com o PIB (uma vez que a maioria dos beneficiários são de planos corporativos), o número de beneficiários de planos de saúde tem se mantido praticamente estável desde 2016 (CAGR ’16-20: -0,3%), enquanto Hapvida e GNDI cresceram organicamente 36% (ou um CAGR 16 -20: +8%) e 41% (ou um CAGR’16-20: +9%), respectivamente.

Com um modelo verticalizado eficiente em que grande parte de seus beneficiários utiliza sua rede própria de atendimento (hospitais, clínicas, prontos-socorros, laboratórios clínicos e de imagem) Hapvida e GNDI têm conseguido oferecer planos com ticket médio inferior ao dos seus pares e ainda apresente uma sinistralidade menor que seus pares. Estes combinados permitem que ambas companhias cresçam com alta rentabilidade.

A penetração de planos de saúde privados no Brasil é muito baixa (22% da população) se comparada à dos EUA (68%). No entanto, o mercado brasileiro é extremamente fragmentado: pouco mais de 700 operadoras em comparação aos EUA com 350. Conforma a economia retoma e considerando que o Brasil tem um crescimento e um envelhecimento de sua população nos próximos anos, acreditamos que a demanda por planos privados deverá aumentar. Se o número de beneficiários crescer no mesmo ritmo que de 2000 à 2014, estimamos que em 2030 a penetração de planos privados poderá alcançar os 30%, um total de 67,5 milhões de pessoas (CAGR ’20-30: +4,0%).

Com maior eficiência e menores preços acreditamos que Hapvida e GNDI irão continuar a ganhar participação do mercado sendo uma melhor opção em relação à planos mais caros do lado corporativo e um “upgrade” em relação ao SUS para os planos individuais. Nós esperamos que o número de beneficiários da GNDI cresça 5% ao ano organicamente até 2030, enquanto a base da Hapvida cresça 5,6% ao ano no mesmo período (dos quais 6% serão planos corporativos e 4% planos individuais). Fusões e aquisições ainda deverão ser uma parte relevante da estratégia das companhias (apesar de não serem consideradas no nosso cenário base) dado que existem regiões onde as empresas ainda possuem participações muito pequenas, que representam cerca de 28% do mercado ou 13 milhões de beneficiários.

Fontes: Bloomberg; XP Investimentos

Tabela de Múltiplos

Valuation elevado (mas merecido), por ativos de forte crescimento e prováveis sinergias positivas a serem capturadas pela fusão

Fontes: Bloomberg; XP Investimentos

Dinâmicas do Mercado de Saúde Suplementar

Em um mercado com número de beneficiários praticamente igual desde 2016, planos verticalizados têm se destacado no Brasil

Quase 70% dos beneficiários de planos de saúde privados brasileiros são de empresas, portanto, seu crescimento está altamente correlacionado com o PIB, que desde 2014 não cresceu muito e, consequentemente, o número de beneficiários de planos de saúde caiu de 51 para 41,1 milhões entre 2014 e 2017 e vem se mantendo estável desde então. Antes disso, o crescimento médio anual era de 3,6% entre 2000 e 2014.

Beneficiários de Planos de Saúde (milhões) e Penetração (%)

Fontes: IBGE; ANS; XP Investimentos

No entanto, as operadoras verticalizadas têm conseguido crescer: a Hapvida cresceu organicamente o número de beneficiários no período em 36% (ou um CAGR 16-20: +8%) e a GNDI em 41% (CAGR 16-20: +9%), comparado a um CAGR de +3% da SulAmérica, +1% da Unimed, -4% da Bradesco Saúde e -8% da Amil.

Crescimento Orgânico – CAGR de 2016-2020

Fontes: ANS; XP Investimentos

Com um modelo verticalizado eficiente em que grande parte de seus beneficiários está utilizando sua própria rede de atendimento (hospitais, clínicas, prontos-socorros, laboratórios clínicos e de imagem) Hapvida e GNDI têm conseguido ter tickets médios menores (R$182/mês e R$220/mês, respectivamente em 2019) do que seus pares:

Ticket Médio dos Planos de Saúde em 2019¹ (R$)

Fontes: ANS; Companhias; XP Investimentos

… e ainda apresentam um índice de sinistralidade (Medical Loss Ratio ou “MLR”) menor (61% e 72%, respectivamente em 2019) do que seus pares:

Sinistralidade (2019)²

Fontes: ANS; Companhias; XP Investimentos

Crescimento do mercado: uma combinação positiva que envolve um cenário econômico positivo e uma mudança demográfica secular

A penetração de planos de saúde privados no Brasil é de 22% da população, muito baixa quando comparado com os 68% dos EUA. Com a recuperação da economia e considerando que o Brasil tem uma população que cresce e que envelhecerá muito rápido, acreditamos que a demanda por planos privados de saúde deve aumentar, levando a um aumento da penetração.

Número de anos para a população com mais de 65 anos ir de 7% à 14%

Fontes: IBGE; XP Investimentos

Se o número de beneficiários crescer no mesmo ritmo que cresceu entre 2000-2014, estimamos que até 2030 a penetração dos planos de saúde chegue a 30%, ou 67,5 milhões de beneficiários (um CAGR 20-30: +3,7%).

Beneficiários de Planos de Saúde (milhões) e Penetração (%)

Fontes: IBGE; ANS; XP Investimentos

Com maior eficiência e ticket médio quase 50% menor na comparação com o plano concorrente mais barato, acreditamos que a Hapvida e a GNDI estão bem posicionadas para continuar ganhando participação de mercado à medida que oferecem planos mais baratos tanto pela perspectiva corporativa, quanto para os indivíduos que desejam ter uma melhoria em relação ao sistema público de saúde para pessoas de baixa renda (o “SUS”).

Esperamos que os beneficiários da GNDI cresçam a um CAGR 21-30 de 5% atingindo, organicamente, 10,1% de participação de mercado em 2030, enquanto Hapvida em 5,6% (dos quais 6% para planos corporativos e 4% para pessoas físicas), atingindo uma participação de mercado de 10,3% em 2030.

Evolução da Participação de Mercado

Fontes: IBGE; ANS; XP Investimentos

Mercado sub penetrado, mas fragmentado, favorece consolidação e crescimento

Fontes: IBGE; ANS; XP Investimentos

Como acabamos de mencionar, o mercado brasileiro é pouco penetrado e extremamente fragmentado com mais de 700 operadoras – vs menos da metade desse número nos EUA – o que representa uma grande oportunidade para empresas consolidadoras como Hapvida e GNDI – os dois combinados fizeram 30 aquisições desde 2018, adicionando quase 2,8 milhões de beneficiários às suas carteiras.

Apesar disso e de cresceram mais rápido do que todo o mercado, existem apenas cinco estados em que os dois combinados têm uma concentração de mercado superior a 30%, o que sugere uma oportunidade de crescimento orgânico relevante e movimentos de aquisição estratégicos.

E sobre a possibilidade de crescimento orgânico, existem seis mercados muito importantes (Paraná, Mato Grosso, Rio, DF, Rio Grande do Sul e Espírito Santo) quase inexplorados (menos de 10% de concentração combinados) e que juntos representam cerca de 28% do mercado total ou mais de 13 milhões de beneficiários, que em nossa opinião são os mercados-alvo mais prováveis ​​para aquisições. Nosso cenário base para ambas as empresas não contempla aquisições.

Uma observação sobre a concentração de mercado em relação à fusão: acreditamos que as questões concorrenciais não serão um problema para a fusão da Hapvida e da GNDI. Mesmo no Estado de São Paulo, onde ambas são relevantes, as duas juntas teriam uma concentração de mercado acima de 20% – até então, a Hapvida concentrou seu crescimento no interior de SP, enquanto a GNDI focou na capital e região metropolitana.

Distribuição dos municípios de influência de cada operadora

Fontes: Companhias

1 + 1 = ?

Fusões são como casamentos, e esta deve ser uma combinação com final feliz

No dia 27 de fevereiro, os conselhos de administração da Hapvida e GNDI chegaram a um acordo para fundir as empresas, no qual os acionistas do HAPV3 terão 53,6% da nova empresa e a GNDI3 os 46,4% restantes, com base no preço médio ponderado pelo volume de ambas as ações e um prêmio de 15% para a GNDI. Os acionistas da GNDI receberão para cada ação 5,25 ações da Hapvida. Além disso, os acionistas da GNDI receberão um dividendo extraordinário de R$4,0 bilhões se a transação for confirmada.

Estrutura Societária Antes da Fusão

Fontes: Companhias

Estrutura Societária Após a Fusão

Fontes: Companhias; XP Investimentos

Desde então, as empresas vêm discutindo os termos da proposta (relação de troca, governança, entre outros) e acreditamos que um acordo deve ser fechado em breve. Em termos de governança, a proposta estabelece que o conselho de administração terá 5 membros indicados pela Hapvida, 2 membros da GNDI e 2 membros independentes. A Hapvida também anunciou a intenção de manter o Sr. Irleu Machado Filho (atual CEO da GNDI) como o Co-CEO da “Nova Companhia”.

Composição do Conselho de Administração da Empresa Após a Fusão

Fontes: Companhias

Em nossa visão, manter Irlau Machado como “Co-CEO” da Nova Companhia é positiva, pois indica que o processo de integração deve ser tranquilo além de permitir que a Nova Companhia maximize o potencial de sinergias sem atrapalhar as operações do dia a dia, incluindo a agenda de M&A para ambas as empresas.

Com relação às sinergias, elas devem vir de cinco principais alavancas:

I. Venda cruzadas (“cross-selling”) de planos atuais oferecidos apenas por uma das empresas em qualquer localidade;
II. Compra de materiais: compra centralizada e maior escala, reduzindo custos com medicamentos e materiais médicos;
III. Redução de sinistralidade devido aos protocolos aprimorados e combinando as melhores práticas entre elas;
IV. Expandir a oferta de rede própria a terceiros;
V. Otimização de despesas gerais e administrativas ao eliminar estruturas redundantes.

A seguir estimamos o impacto potencial de cada alavanca e o impacto potencial consolidado nos resultados.

Quantificando as sinergias

I. Venda cruzada (“cross-selling”) de planos atuais oferecidos apenas por uma das empresas em qualquer localidade

Conforme abordamos anteriormente, existem poucos mercados em que ambas as empresas têm participação de mercado relevante, consequentemente, haveria oportunidades de vendas cruzadas interessantes. No entanto, geralmente é difícil quantificar essas oportunidades, então, para resolver esse problema, adotamos duas abordagens diferentes:

a) Nos mercados¹ onde a concentração é inferior a 30% (o que a nosso ver indica que há um espaço “mais fácil” para ganhos de participação), a empresa com menor participação teria 35% de participação daquela com maior abrangência de mercado, incluindo sua exposição de mercado atual. O resultado, como podemos ver na tabela abaixo, seria de 730 mil novos beneficiários:

Fontes: IBGE; ANS; Companhias; XP Investimentos

b) A outra abordagem, que apresenta resultados semelhantes, seria assumir o mesmo nível de planos individuais vs o total de Hapvida (26%) para GNDI (12%), resultando em 696 mil novos beneficiários, conforme demonstramos na tabela abaixo:

Fontes: IBGE; ANS; Companhias; XP Investimentos

Como os resultados das duas abordagens diferentes são bastante semelhantes, estamos assumindo um valor intermediário: 700 mil novos beneficiários. Considerando a média do ticket médio de 2020 das duas empresas, sinistralidade², despesas gerais e administrativas e uma alíquota de 34% de imposto de renda; os beneficiários adicionais teriam um impacto de R$350 milhões no lucro líquido da Nova Companhia.

II. Compra de materiais: logística e maior escala, reduzindo custos com medicamentos e materiais médicos

Os materiais médicos e medicamentos tendem a representar entre 20-30% dos custos totais dos hospitais. Se assumirmos o limite inferior da faixa e considerando a sinistralidade para ambas as empresas, os materiais representariam R$2,4 bilhões em custos. Com maior escala e compras centralizadas, acreditamos que a Nova Companhia poderia ter um desconto de 5% sobre essas despesas, levando a um impacto de R$80 milhões no lucro líquido da Nova Companhia – considerando também uma alíquota de 34% de IR.

III. Redução da sinistralidade devido aos protocolos aprimorados e combinando as melhores práticas entre eles

Apesar de ter um ticket médio inferior, a Hapvida se destaca em termos de sinistralidade²: 57% vs 71% da GNDI. Existem algumas diferenças estruturais entre as duas operações, tal qual a localização/regiões das empresas que não permitiria uma conversão total na sinistralidade entre elas. No entanto, acreditamos que melhores protocolos e procedimentos devem reduzir os custos de sinistralidade da GNDI (a companhia visa atingir 68% até 2022, vs 71% pré-pandemia e 67% em 2020). Considerando a expectativa de receita de 2020 para a GNDI “sozinha” (e uma taxa de imposto de 34%), estimamos um impacto de R$70 milhões no lucro líquido para cada redução de 1 ponto percentual na sinistralidade da GNDI. Estamos presumindo uma redução de 6 pontos percentuais para 62% vs a meta de 68%, ou um impacto de R$ 422 milhões ao resultado da Nova Companhia.

IV. Expandir a oferta de rede própria de serviços a terceiros

A GNDI tem a expertise de oferecer rede própria para terceiros, algo que a Hapvida não faz. Considerando o mesmo ticket médio (R$/cama/mês), mesma taxa de ocupação da GNDI e o número atual de leitos da Hapvida, estimamos um impacto de aproximadamente R$845 milhões na receita e R$85 milhões de lucro líquido (considerando a atual margem líquida de ~10%) da Nova Companhia.

V. Otimização de despesas gerais e administrativas ao eliminar estruturas redundantes

Considerando apenas as despesas de pessoal, as duas empresas gastaram R$870 milhões em 2020. Considerando uma alíquota de 34% e uma redução geral de 25% nas despesas, estimamos um impacto de R$144 milhões no resultado da Nova Companhia.

Agora, considerando todas as sinergias estimadas combinadas, o impacto total no resultado final da Nova Companhia seria de cerca de R$1,08 bilhões, em comparação com o lucro líquido esperado da Hapvida para 2021 de R$1,10 bilhões e R$1,17 bilhões da GNDI; o que representa um aumento de 48% no lucro por ação (“LPA”) da Nova Companhia, 52% para os acionistas da Hapvida – considerando a participação de 53,6% na nova empresa e consequentemente nas sinergias; e 43% para os acionistas da GNDI – também considerando sua participação proporcional nas sinergias.

Portanto, o negócio é altamente positivo para os acionistas de ambas as empresas. Considerando que existem muitas variáveis – e premissas – apresentamos a seguir uma análise de sensibilidade do impacto do LPA das sinergias estimadas variando de 20% a 100% do caso-base de R$1,08B. Mesmo considerando o piso da faixa, há um acréscimo de 10% para o LPA. Vale lembrar que não estamos considerando as sinergias no nosso caso base.

Fontes: IBGE; ANS; Companhias; XP Investimentos
Nota: (1) Considera que a Hapvida irá incorporar a GNDI e o número de ações resultante para a nova companhia ajustado para a relação de troca

Fontes: IBGE; ANS; Companhias; XP Investimentos

Nova Companhia: Grandes Números!

Fontes: Companhias; XP Investimentos

Considerando que os termos da transação (relação de troca e pagamentos caixa) foram estabelecidos e acreditamos que a transação será aprovada, o cálculo de preço-alvo de cada companhia irá considerar o seguinte:

i) O Valor Patrimonial alvo (target Equity Value) de cada companhia considerando suas respectivas premissas e sem considerar quaisquer sinergias;
ii) Os dividendos extraordinários de R$4,0 bilhões a serem distribuídos aos acionistas de GNDI se a transação for confirmada; e
iii) A participação resultante de cada companhia considerando a relação de troca acordada, conforme descrito abaixo:

Fontes: Companhias; XP Investimentos

O ESG ainda está na sala de espera?

Por Marcella Ungaretti

As empresas de saúde operam na vanguarda de um dos maiores desafios de longo prazo de todo o mundo – a busca por uma vida mais longa e melhor. Na nossa opinião, o setor de saúde oferece uma combinação interessante de desafios e oportunidades na perspectiva ESG. Para este setor, vemos o pilar Social como o mais importante dos três, seguido pelo de Governança e Meio Ambiente, respectivamente.

Vemos a NotreDame bem posicionada na agenda ESG, com o compromisso da empresa com essa agenda desempenhando um papel importante na sua estratégia, além da companhia estar à frente de seus pares quando se trata da divulgação de dados ESG. Já em relação à Hapvida, vemos com bons olhos os esforços da empresa na agenda ESG, no entanto, entendemos que ainda há espaço para melhorias, principalmente no pilar Social, enquanto no caso de Rede D’Or, vemos a empresa se destacando em relação aos seus pares tanto no pilar Social, principalmente no que diz respeito à qualidade do serviço, quanto no de Governança, com a Família Moll possuindo um forte conhecimento e know-how no setor e sendo a principal acionista da empresa.

Escrevemos um relatório destacando os principais tópicos ESG que vemos como os mais importantes para o setor e analisamos como as empresas sob o universo de cobertura da XP (GNDI3, HAPV3 e RDOR3) se posicionam quando o tema é ESG.

Clique aqui para ler a análise ESG completa

Hapvida (HAPV3) – Compra

É tudo uma questão de crescimento

Estamos iniciando a cobertura de Hapvida (HAPV3) com recomendação de Compra e preço alvo para o final de 2021 de R$21,0/ação, um potencial de alta de 35% pegando como base o preço de fechamento de sexta-feira. O nosso target Equity Value é calculado pelo método de Fluxo de Caixa Livre Descontado (utilizando-se o Fluxo de Caixa Livre para a Firma), com um crescimento de 4,5% na perpetuidade e Custo Médio Ponderado de Capital (WACC, na sigla em inglês) de 8,8%.

Nossa tese de investimento é baseada em dois elementos-chave:

i) crescimento: impulsionado pelo número de beneficiários, devido à nossa expectativa de ganho de participação de mercado combinado com a expansão geral do mercado; também esperamos que a empresa continue melhorando o ticket médio acima da inflação;
ii) recuperação de margem como resultado da integração de ativos recentemente adquiridos combinada com diluição de despesas de pessoal.

Não consideramos aquisições não divulgadas em nossos números, muito embora seja parte da estratégia da empresa e um cenário muito provável para os próximos anos. Nós deixamos como uma opcionalidade adicional à nossa tese.

Com relação aos múltiplos, a empresa está negociando a um P/L de 41,9 vezes para 2022o que, em nossa opinião, é justificável não apenas pela perspectiva de crescimento a qual ela deve alcançar, mas também devido a prováveis sinergias que ainda não estão totalmente no preço.

Fontes: Bloomberg; Companhia; XP Investimentos

Performance vs. IBOV (Base 100)

Fontes: Bloomberg; XP Investimentos

P/L 12 meses à frente histórico

Fontes: Bloomberg; XP Investimentos

Destaques Operacionais e Financeiros

Melhoria de resultados impulsionada principalmente por novos beneficiários e diluição de despesas de pessoal

Com base nos ganhos de participação de mercado (excluindo novas aquisições), esperamos que o número de beneficiários atinja 4,7 milhões em 2023, o que representa uma participação de mercado de 8,5% (vs 7,5% em 2020) ou um CAGR 20-23 de 8,3%. Este número é impactado por cerca de 300 mil novos beneficiários de aquisições já divulgados, mas ainda não “fechadas”.

Beneficiários de Planos de Saúde

Fontes: ANS; Companhias; XP Investimentos

Como não estamos prevendo grandes variações na relação entre beneficiários de planos odontológicos e planos de saúde, os números odontológicos devem ter tendência de crescimento semelhante, atingindo 3,7 milhões de beneficiários em 2023.

Beneficiários de Planos Odontológicos

Fontes: ANS; Companhia; XP Investimentos

Com relação ao ticket médio dos planos de saúde, esperamos que cresça na casa de um dígito, ou quase 2x a inflação esperada no período: ~7%/ano.

Ticket Médio

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Consequentemente, esperamos que a receita líquida atinja R$13,4 bilhões em 2023, o que representa um CAGR 20-23 de 15,9%.

Receita Líquida

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Em relação à margem, esperamos uma pressão de curto prazo devido à integração dos ativos recentemente adquiridos, que devem reduzir as margens de um modo geral: 38,8% de margem bruta em 2021 vs 40,1% em 2020, com a sinistralidade chegando a 58,4%. Porém, no médio prazo e após a integração e captura de sinergias, a sinistralidade deve voltar aos níveis normais de 57%, levando a margem bruta para o nível de 41% ou mais.

Sinistralidade – Caixa

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Lucro Bruto e Margem Bruta

Fontes: Companhia; XP Investimentos

A diluição das despesas gerais e administrativas deve levar a margem EBITDA ao patamar de 23% em 2023 e quase 25% no longo prazo.

EBITDA e Margem EBITDA

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Esses efeitos, combinados com menores despesas financeiras à medida que a empresa se desalavanca gradualmente, devem levar a margem líquida para o patamar de aproximadamente 13% em 2020.

Lucro Líquido e Margem Líquida

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Melhoria de resultados impulsionada principalmente por novos beneficiários e diluição de despesas de pessoal

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Balanço Patrimonial e Fluxo de Caixa

A alta taxa de conversão de EBITDA em Caixa deve ser mais do que suficiente para financiar compromissos de curto prazo (Capex, Fusões e Aquisições a pagar e dívida), ao mesmo tempo que garante uma distribuição de dividendos sólida. Devemos observar também que a empresa tem um balanço patrimonial bastante forte, permitindo que ela prossiga a consolidação por meio de aquisições – não considerada em nosso cenário base.

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Valuation e Análise de Sensibilidade

O nosso target Equity Value é calculado pelo método de Fluxo de Caixa Livre Descontado para a firma (FCFF), com um crescimento de 4,5% na perpetuidade, Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) de 8,8% e um Custo de Capital (Ke) de 10,7%.

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Destaques da modelagem e valuation

No longo prazo, esperamos que a empresa aumente seu número de beneficiários para 7,0 milhões em 2030, quase dobrando em relação ao seu número atual (CAGR 20-30 de 6,5%).

Esperamos que o ticket médio cresça a um CAGR 20-30 de 6,8%.

Consequentemente, as receitas devem ter um CAGR 20-30 de 13,7% com uma ligeira melhora na margem quando comparado a 2020, uma vez que a empresa foi impactada positivamente pela pandemia e, consequente, queda da sinistralidade. O EBITDA deve mostrar um CAGR ’20-30 de 13,8%.

Estamos assumindo uma alíquota de imposto efetiva de 30% no longo prazo, pois a empresa deve se beneficiar da distribuição de juros sobre o capital, juntamente com benefícios fiscais de ágio.

Com relação ao Capex, esperamos que seja de ~4,5% das vendas no longo prazo.

Sendo assim, considerando um WACC de 8,8% e uma taxa de crescimento de longo prazo de 4,5%, alcançamos um valor patrimonial alvo de R$78 bilhões, o que representa um múltiplo P/L para 2022 implícito de 57x (em comparação com os atuais 42x).

Considerando que os termos da transação (relação de troca e pagamentos caixa) foram estabelecidos e acreditamos que a transação será aprovada, o cálculo de preço-alvo de cada companhia irá considerar o seguinte:

i) O Valor Patrimonial alvo (target Equity Value) de cada companhia considerando suas respectivas premissas e sem considerar quaisquer sinergias;
ii) Os dividendos extraordinários de R$4,0 bilhões a serem distribuídos aos acionistas de GNDI se a transação for confirmada; e
iii) A participação resultante de cada companhia considerando a relação de troca acordada, conforme descrito abaixo:

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Intermédica (GNDI3) – Compra

Crescendo e aprimorando a sinistralidade

Estamos iniciando a cobertura de GNDI (GNDI3) com recomendação de Compra e preço alvo para o final de 2021 de R$117/ação, um potencial de alta de 35% pegando como base o preço de fechamento de sexta-feira. O nosso target Equity Value é calculado pelo método de Fluxo de Caixa Livre Descontado (utilizando-se o Fluxo de Caixa Livre para a Firma), com um crescimento de 4,5% na perpetuidade e Custo Médio Ponderado de Capital (WACC, na sigla em inglês) de 8,8%.

Nossa tese de investimento é baseada em dois elementos-chave:

i) crescimento: impulsionado pelo número de beneficiários, devido à nossa expectativa de ganho de participação de mercado combinado com a expansão geral do mercado; também esperamos que a empresa continue melhorando o ticket médio acima da inflação;
ii) recuperação de margem como resultado melhora da sinistralidade (em comparação com os níveis pré-pandêmia) para 68%, combinada com a diluição de despesas de pessoal.

Assim como fizemos para Hapvida, não consideramos aquisições não divulgadas em nossos números. Nós deixamos como uma opcionalidade adicional à tese.

Com relação aos múltiplos, a empresa está negociando a um P/L de 37,1 vezes para 2022o que, em nossa opinião, é justificável não apenas pela perspectiva de crescimento a qual ela deve alcançar, mas também devido a prováveis sinergias que ainda não estão totalmente no preço.

Fontes: Bloomberg; Companhia; XP Investimentos

IBOV vs. GNDI (base 100)

Fontes: Bloomberg; XP Investimentos

P/L 12 meses à frente histórico

Fontes: Bloomberg; XP Investimentos

Destaques Operacionais e Financeiros

Melhoria de resultados impulsionada principalmente por novos beneficiários e diluição de despesas de pessoal

Com base nos ganhos de participação de mercado (excluindo novas aquisições), esperamos que o número de beneficiários atinja 5,1 milhões em 2023, o que representa uma participação de mercado de 9,3% (vs 7,7% em 2020) ou um CAGR 20-23 de 10%. Este número é impactado por cerca de 440 mil novos beneficiários de negócios divulgados, ainda não fechados.

Beneficiários de Planos de Saúde

Fontes: ANS; Companhia; XP Investimentos

Esperamos uma diluição na relação entre beneficiários de planos odontológicos e planos de saúde no curto prazo devido às aquisições recentes e que no longo prazo atinja 80%, fazendo com que os beneficiários de planos odontológicos cresçam a um ritmo médio de 7,7% nos próximos anos.

Beneficiários de Planos Odontológicos

Fontes: ANS; Companhia; XP Investimentos

Com relação ao ticket médio dos planos de saúde, esperamos que cresça na casa de um dígito, ou quase em linha com a inflação esperada no período: ~ 4%/ano.

Ticket Médio

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Consequentemente, esperamos que a receita líquida alcance R$16,7 bilhões em 2023, o que representa um CAGR 20-23 de 19,5%.

Receita Líquida

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Em relação às margens, excluindo o benefício não recorrente da pandemia de 2020 na sinistralidade, esperamos que a empresa melhore seus protocolos e processos, levando a sinistralidade para 68% em 2023 uma melhoria de ~260 pontos-base em relação a 2019, quando esta atingiu 70,6%.

Sinistralidade Caixa

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Essa melhora deve levar as margens brutas ao patamar de 31% vs 29% em 2019.

Lucro Bruto e Margem Bruta

Fontes: Companhia; XP Investimentos

A diluição das despesas gerais e administrativas com pessoal deve compensar as maiores despesas de marketing e, com isso, a margem EBITDA deve atingir 18% em 2023 e quase 19% no longo prazo.

EBITDA and Margem EBITDA

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Esses efeitos, combinados com menores despesas financeiras à medida que a empresa se desalavanca gradualmente, devem conduzir a margem líquida para 10% vs um digito médio no período anterior à pandemia.

Lucro Líquido e Margem Líquida

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Melhoria de resultados impulsionada principalmente por novos beneficiários e diluição de despesas de pessoal

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Balanço Patrimonial e Fluxo de Caixa

O fluxo de caixa e o balanço patrimonial da GNDI não são muito diferentes do que esperamos de Hapvida, com alta taxa de conversão de EBITDA em Caixa que deve ser mais do que suficiente para financiar compromissos de curto prazo (Capex, Fusões e Aquisições a pagar e dívida), ao mesmo tempo que garante uma distribuição de dividendos sólida. Devemos observar também que a empresa tem um balanço patrimonial bastante forte, permitindo que ela prossiga a consolidação por meio de aquisições – não considerada em nosso cenário base. Também esperamos retornos crescentes à medida que a GNDI melhore sua sinistralidade.

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Valuation e Análise de Sensibilidade

O nosso target Equity Value é calculado pelo método de Fluxo de Caixa Livre Descontado para a firma (FCFF), com um crescimento de 4,5% na perpetuidade, Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) de 8,8% e um Custo de Capital (Ke) de 11,4%.

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Destaques da modelagem e valuation

No longo prazo, esperamos que a empresa aumente seu número de beneficiários para 6,8 milhões em 2030, quase dobrando em relação ao seu número atual (CAGR 20-30 de 5,0%).

Esperamos que o ticket médio cresça a um CAGR 20-30 de 5,9%.

Consequentemente, as receitas devem ter um CAGR 20-30 de 13,4% com uma ligeira melhora de margem quando comparado a 2020, que foi positivamente impactado pela pandemia e, consequente, resultou numa queda da sinistralidade. O EBITDA deve mostrar um CAGR ’20-30 de 15,0%.

Estamos assumindo uma alíquota de imposto efetiva de 34% no longo prazo.

Com relação ao Capex, esperamos que seja de ~3,0% das vendas no longo prazo.

Sendo assim, considerando um WACC de 8,8% e uma taxa de crescimento de longo prazo de 4,5%, alcançamos um valor patrimonial alvo de R$71 bilhões, o que representa um múltiplo P/L para 2022 implícito de 50x (em comparação com os atuais 37x).

Considerando que os termos da transação (relação de troca e pagamentos caixa) foram estabelecidos e acreditamos que a transação será aprovada, o cálculo de preço-alvo de cada companhia irá considerar o seguinte:

i) O Valor Patrimonial alvo (target Equity Value) de cada companhia considerando suas respectivas premissas e sem considerar quaisquer sinergias;
ii) Os dividendos extraordinários de R$4,0 bilhões a serem distribuídos aos acionistas de GNDI se a transação for confirmada; e
iii) A participação resultante de cada companhia considerando a relação de troca acordada, conforme descrito abaixo:

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Riscos

Destacamos os dois principais riscos em relação às teses de investimento de ambas as companhias:

i) crescimento: esperamos que ambas as companhias continuem crescendo e ganhando participação de mercado nas regiões que já atuam combinado com um crescimento do mercado como um todo. Se elas não forem capazes de ganhar participação de mercado, ou até perderem, e/ou o mercado como um todo não retome o seu crescimento, os resultados futuros serão impactados; e
ii) Sinistralidade: as companhias são as mais eficientes do setor, com os menores patamares de sinistralidade atualmente e nós esperamos que melhorem ainda mais no médio prazo. Se elas falharem em entregar as suas margens esperadas, consequentemente os retornos serão comprometidos.

A seguir nós temos uma análise de sensibilidade do preço-alvo considerando diferentes cenários do crescimento médio de beneficiários de 2020 até 2030 e da sinistralidade no longo prazo para cada uma das companhias. Assim, combinando os extremos de cada uma, teríamos o pior (“bear case” em inglês) e o melhor (“bull case” em inglês) preços-alvo comparados com o nosso cenário base (“base case” em inglês):

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Fontes: Companhia; XP Investimentos

Gostaríamos de saber o que você achou deste relatório, sua avaliação é muito importante!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.