A nova PEC: bom começo, nada resolvido

Avaliamos que a proposta de PEC que implementa o Auxílio Emergencial é positiva, dadas as condições de contorno. O risco reside na capacidade de aprovação do texto em tela.


Compartilhar:


Avaliamos que a proposta de PEC que implementa o Auxílio Emergencial é positiva, dadas as condições de contorno. O risco reside na capacidade de aprovação do texto em tela.  

A proposta

Nesta terça-feira (23) tornou-se público o relatório do Senador Marcio Bittar, contendo o substitutivo da PEC186/99 que abre caminho para a implementação de mais uma rodada de Auxílio Emergencial (AE). A expectativa de que a proposta de nova rodada do AE viesse acompanhada de uma melhora no arcabouço fiscal brasileiro se confirmou – ainda que as medidas de contrapartida sejam menos ousadas do que no cenário ideal.

A proposta constitui uma versão menos profunda da junção das três PECs do “Pacto Federativo”: PEC Emergencial (186/2019, em sua versão original), PEC dos Fundos (187/2019) e PEC do Pacto Federativo (188/2019). O texto aprimora o teto de gastos, ao tornar efetivos seus gatilhos de redução de gastos após o limite de 95% das despesas obrigatórias primárias em relação às despesas totais, e cria um arcabouço institucional para eventuais novas calamidades. A proposta traz ainda outras melhorias pontuais, como a inclusão dos “pensionistas” no conceito de despesa de pessoal, a vedação de novas vinculações de receitas, o fim da obrigação de financiamento pela União de precatórios de estados, entre outras. Por fim, há avanços importantes para aprimorar a gestão fiscal de estados e municípios.

Algumas medidas como o fim dos mínimos constitucionais para  Educação e Saúde, e o compromisso com reduções dos gastos tributários entendemos ser de difícil aprovação ou implementação.

Do lado negativo, o artigo que estabelece o AE não contém restrições e dá margem a um programa mais longo ou mais abrangente do que o sinalizado até agora. Em nosso cenário base (detalhado em nosso relatório mensal), consideramos um novo AE no valor de R$250 por pessoa, para 32 milhões de beneficiários, por até 4 meses — o que levaria a um impacto fiscal de R$ 30 bilhões para o ano.

Já as contrapartidas poderiam ser mais profundas, mais próximas do inicialmente proposto no “Pacto Federativo”. Além disso, a proposta não traz alterações fiscais para o curto prazo, tampouco inclui mudanças de magnitude suficientes para reverter a trajetória da dívida pública. Os gatilhos provavelmente não serão acionados no ano que vem, dado que o teto subirá substancialmente com a inflação corrente, se distanciando das despesas obrigatórias.

Em suma, a PEC traz contrapartidas relevantes para a gestão fiscal adiante, mas não é suficiente para reverter a trajetória da dívida pública nos próximos anos, que seguirá em nível elevado. Ainda assim, nosso balanço final do texto é positivo. Dadas as incertezas políticas e da pandemia, o pragmatismo recomenda um texto mais enxuto e com medidas mais factíveis. Sua aprovação, em nossa visão, ajudaria no arrefecimento da percepção de risco nos mercados.

A tramitação

A expectativa é que o projeto seja votado nos próximos dias no Senado. De lá, o projeto segue para a Câmara. Veja mais detalhes sobre a tramitação no material da XP Política.

O risco na tramitação é elevado. Haverá a tentação de se aprovar apenas a parte do AE 2021, e deixar os aperfeiçoamentos estruturais – que podem gerar mais discussão, e mais incertezas – para frente. Esse “fatiamento” já vem sendo ventilado na imprensa. Este seria o pior cenário do ponto de vista fiscal. Além do impacto do AE na dívida pública, teríamos o efeito indireto do aumento da percepção de risco nos principais indicadores macroeconômicos, com câmbio depreciado, inflação pressionada e Selic mais alta (em menos tempo), sem a contrapartida para melhorar a gestão fiscal no futuro.

O envolvimento da ala política do governo na tramitação será chave para indicar o compromisso do governo com a sustentabilidade de longo prazo das contas públicas e, com ela, o rumo do cenário econômico no pós pandemia.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.