XP Expert

Economia em destaque: Seu resumo semanal do cenário econômico internacional e doméstico

Comunicado do Copom e posse de Biden foram os grandes destaques da semana.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Cenário internacional

No cenário internacional, o ano começa com dois principais destaques que fecharam o ano de 2020: o cenário político nos EUA e a vacinação contra a covid-19 ao redor do mundo.

A começar pelo cenário político norte-americano, essa semana foi marcada pela posse de Joe Biden como o 46° presidente dos EUA. Em cerimônia sem a presença e seu antecessor, Donald Trump, e medidas de isolamento social devido ao lockdown em Washington, Biden reservou um tom conciliatório a seu discurso, destacando temas prioritários para sua administração: uma maciça campanha de vacinação, programas que visam a recuperação econômica no pós pandemia, a retomada do multilateralismo nas relações comerciais e diplomáticas, a equidade racional e o foco transversal no tema de sustentabilidade.

Em seu primeiro dia de mandato, Biden assinou 17 ordens executivas, incluindo anunciou uma série de medidas de combate à pandemia como o uso obrigatório de máscaras, além de reverter a saída de Organização Mundial da Saúde (OMS) e determinar a volta dos EUA ao Acordo de Paris. Outras medidas incluíram o cancelamento do projeto do oleoduto Keystone XL, provendo um aceno à ala ambientalista da nova administração, e mudanças relativas à política de imigração implementada por Trump.

No lado econômico, o principal destaque foi a sabatina de Janet Yellen no Congresso, diante de sua nomeação como Secretária do Tesouro. Yellen defendeu o plano de estímulos fiscais de US$ 1,9 trilhões anunciado por Biden, destacando que a prioridade agora será recuperar a economia – mesmo diante de considerável elevação do nível de endividamento.

O debate sobre o nível ideal de novos estímulos à economia dos EUA tem crescido, e o receio sobre os efeitos da excessiva liquidez fiscal e monetária na inflação foi sentido nos mercados ao longo das últimas semanas, com a alta dos títulos soberanos de longo prazo.

Por outro lado, o posicionamento de Yellen sobre a não elevação de impostos no curto prazo impulsionou o otimismo nos mercados, especialmente por ser esse um dos maiores temores sobre a materialização da “onda azul” no Congresso dos EUA, com a vitória democrata para as últimas duas vagas no Senado nas eleições no estado da Georgia.

Já no lado das vacinas contra a covid-19, a vacinação já é uma realidade, com alternativas produzidas por diferentes laboratórios sendo aprovadas para uso emergencial ou permanente em diversos países no mundo. Agora, as atenções se voltam à capacidade de vacinação em massa por parte de governos, e aos primeiros sinais da efetividade dos imunizantes já na população. Israel despontou na frente na corrida pela imunização considerando a proporção da população vacinada, e sinais preliminares indicam efeitos positivos. Entretanto, dado o tempo necessário para conclusões materiais, e a necessidade de duas doses em grande parte das vacinas produzidas por ora, ainda é cedo para conclusões finais.

Enquanto isso, a segunda onda segue preocupante. Novas restrições de mobilidade foram impostas em regiões da China, onde apesar de a vacinação já ter começado, as proporções geográficas e o tamanho da população representam um desafio. Porém, isso não tem impedido que o país se recupere aceleradamente da crise econômica, registrando alta do PIB de 2,3% em 2020 – levado principalmente pela produção industrial e exportações, mas também pela retomada do consumo interno.

As medidas de isolamento também avançam na região da Europa, em países como Reino Unido, França e Alemanha. PMIs referentes à atividade na Zona do Euro em janeiro divulgados na sexta-feira ilustram essa realidade, com o índice composto em patamar de contração no mês de janeiro (em 47,5).

Nesse contexto, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, sinalizou que a economia do bloco está caminhando para uma recessão de duplo mergulho (double-dip). Na decisão de política monetária, a autoridade monetária manteve as taxas de juros inalteradas em território negativo, mas a presidente reforçou que o nível atual de estímulo monetário é suficiente por enquanto. Lagarde também disse que “um declínio no quarto trimestre se propagará no primeiro trimestre” e que discussões mais completas devem ocorrer em março, quando novas previsões econômicas estarão disponíveis e houver uma visão mais clara de como a crise se desenvolverá.

Enquanto isso, no Brasil

No Brasil, a vacinação também segue o principal destaque das primeiras semanas do ano. Após a aprovação pela Anvisa do uso emergencial das primeiras doses de vacinas produzidas pela AstraZeneca com Oxford e em parceria com o Instituto FioCruz no Brasil, e pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, tivemos nessa semana o início da vacinação para grupos de risco em diferentes regiões do país. Porém, questões de cunho diplomático e comercial representam um desafio no avanço da produção e distribuição das vacinas no país.

Na sexta-feira, tivemos anúncio da autorização pela Índia da exportação de 2 milhões de doses da vacina da AstraZenenca. Enquanto isso, conversas seguem com o governo chinês para insumos e doses da vacina Coronavac. Porém, o avanço da segunda onda também preocupa, e o Estado de São Paulo decretou fase vermelha para a região em todas as noites e finais de semana.

A materialização de um programa de vacinação amplo e relativamente célere segue essencial para a sustentabilidade da recuperação econômica nesse ano.

Enquanto isso, no cenário macroeconômico, o principal destaque da semana foi a decisão de política monetária do Banco Central. O comitê de política monetária do Banco Central (Copom) manteve a taxa básica de juros, a Selic, em 2,00% ao ano. Porém, o Comitê retirou o “forward guidance”, ferramenta utilizada para fortalecer o grau de estímulos da política monetária.

No comunicado, o Copom manteve o balanço de riscos para inflação, e avaliou que o estímulo monetário “extraordinariamente elevado” segue adequado, mas sinalizando que pode iniciar um ajuste adiante. Ao mesmo tempo, destacou que a elevada incerteza sugere cautela ao reduzir o grau de estímulo. Os dados recentes – atividade melhor no final do ano passado, choque inflacionário se prolongando – e a sinalização do comunicado nos fazem acreditar que o Copom optará por antecipar o ciclo de alta de juros para maio (antes, agosto). Projetamos agora a taxa Selic em 3,50% no final de 2021 (antes 3,00%) e 4,50 em 2022 (antes 4,00%).

Foi também divulgado nessa semana o índice de atividade medido pelo Banco Central, o IBC-Br, referente a novembro. O índice acelerou 0,6% no mês em relação a outubro, mas segue em patamar inferior ao pré crise.

Pela primeira vez desde o início da pandemia, as vendas no varejo pesaram negativamente sobre o resultado, enquanto a indústria e, principalmente, o setor de serviços foram os principais impulsionadores da alta. Olhando para frente, a inflação pressionada, o fim do auxílio emergencial e a piora da pandemia podem pesar sobre a dinâmica da atividade econômica no curto prazo, mas a normalização econômica gradual que deve começar a acontecer após a vacinação continua trazendo perspectivas positivas para 2021.

Finalmente, no cenário político, enquanto a disputa segue no Congresso para os novos presidentes das Casas, o mercado reagiu negativamente às falas de candidatos em relação a uma potencial extensão do auxílio emergencial. Sem a realocação de recursos já existentes, um aumento de gastos nesse ano pressiona ainda mais o orçamento já apertado para esse ano, colocando em risco a manutenação do teto de gastos e a sustentabilidade fiscal. A perspectiva de piora no cenário fiscal já foi sentida no câmbio na semana, com o dólar renovando máximas próximo de R$ 5,50.     

O que esperar?

Dados de inflação referentes a janeiro (IPCA-15 e IGP-M), do mercado de trabalho (taxa de desemprego nacional e criação de empregos formais), de fiscal, a ata do Copom e a nota de crédito do Banco Central para o mês de dezembro serão os principais destaques da agenda econômica doméstica da próxima semana. No cenário internacional, os destaques serão os índices de inflação (CPI e PPI) das principais economias, a decisão de política monetária dos Estados Unidos e a divulgação do PIB de 2020 de alguns países, como França e Espanha.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.