XP Expert

Economia em Destaque: Inflação no Brasil encerra 2023 em 4,6%, dentro do intervalo de tolerância da meta

Seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

Os ataques dos houthis seguem pressionando os preços do petróleo e custos de fretes marítimos. Nos Estados Unidos, a inflação ao consumidor avançou 0,3% em dezembro, reforçando a mensagem de que o Fed deve seguir cauteloso com o início do ciclo de flexibilização monetária. Já a China registrou deflação de 0,3% no ano passado, corroborando o cenário de desaceleração econômica do país.

No Brasil, o IPCA de dezembro subiu 0,56% em relação a novembro, acima das expectativas, com surpresas em alimentos e serviços. A inflação fechou 2023 em 4,6%, acima da meta (3,25%), mas dentro do intervalo de tolerância (até 4,75%).

Cenário internacional

Inflação ainda elevada nos EUA corrobora visão cautelosa para os juros

A inflação ao consumidor nos EUA avançou 0,30% em dezembro ante novembro, e 3,35% em 2023. O núcleo da inflação – que exclui os itens voláteis de alimentos e energia – recuou para 3,93% (de 4,01%) na base anual, reforçando que a inflação segue em queda, mas ainda longe da meta de 2,0% do Fed (banco central local). Assim, o resultado reforça o cenário de cautela na condução da política monetária.  

Em nossa visão, o Fed reduzirá sua taxa de juros de referência em 1,50 p.p. ao longo de 2024, iniciando o ciclo de cortes (de 0,25 p.p. por reunião de política monetária) apenas em maio.

Para detalhes, leia nosso relatório “Revisamos nossa projeção de política monetária dos EUA frente ao discurso otimista do Fed”.

Incidentes no Mar Vermelho pressionam custos de frete marítimo

Os ataques dos houthis a navios no Mar Vermelho seguem pressionando os preços do petróleo (mais detalhes no Economia em Destaque da semana passada) e, nesta semana, impulsionaram os custos de frete (ver seção ‘Gráfico da Semana’ logo abaixo). Pelo menos 18 companhias marítimas – incluindo a gigante dinamarquesa Maersk – já redirecionaram suas rotas através da África do Sul, com o intuito de evitar a passagem pelo Golfo de Aden. Custos de comércio mais elevados, especialmente da China – maior economia exportadora do mundo – representam um risco para o processo de queda da inflação global.

Cenário de desaceleração chinesa explica a inflação em território negativo

O índice de preços ao consumidor na China permaneceu no território deflacionário em dezembro, ao cair 0,3% em termos anuais, ligeiramente abaixo do consenso. O índice de preços ao produtor de dezembro também recuou (2,7%), marcando o 15° mês consecutivo de quedas. A deflação observada é explicada pelo baixo crescimento que o país enfrenta após a reabertura econômica, com destaque à baixa confiança dos consumidores, desaceleração do comércio e contração do setor imobiliário.

Banco Mundial prevê crescimento menor em 2024

O Banco Mundial alertou que o crescimento global em 2024 deverá desacelerar pelo terceiro ano consecutivo, em seu último relatório Perspectivas Econômicas Globais (disponível em inglês). A instituição prevê que o PIB global crescerá 2,4% este ano. A economia dos EUA avançou 2,5% em 2023, segundo estimativa atualizada, 1,4 p.p. acima do número publicado em junho. A previsão é que o crescimento desacelere para 1,6% em 2024, em linha com a política monetária restritiva. O cenário da zona do euro é mais desafiador, com previsão de crescimento de apenas 0,7% este ano. O desempenho da China também está pesando sobre as perspectivas globais, pois seu crescimento deve desacelerar para 4,5%. Isso marcaria o ritmo de expansão mais lento em mais de três décadas, com exceção aos anos afetados pela pandemia (2020 a 2022).

Surpresa baixista na inflação do Chile pode acelerar ritmo de cortes dos juros pelo banco central  

A inflação ao consumidor do Chile ficou em -0,53% em dezembro, consideravelmente abaixo das expectativas de mercado (-0,1%). Com isso, a inflação anual caiu de 4,80% para 3,94%. A queda foi generalizada em todas as principais categorias, diminuindo as pressões sobre o Banco Central do Chile (BCCh). O resultado, combinado com os possíveis cortes de juros pelo Fed dos EUA neste semestre, podem levar o banco central chileno a acelerar o ritmo de afrouxamento monetário.

Gráfico da Semana

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Enquanto isso, no Brasil…

Medida provisória da folha de pagamentos e meta fiscal

Houve discussões em torno da Medida Provisória (MP) 1.202/23 ao longo de toda a semana – o texto trata da reoneração da folha de pagamentos, mudanças no sistema de compensações tributárias e redução de incentivos para o setor de eventos. Segundo veículos da imprensa, a solução para o impasse pode acontecer apenas no início da próxima semana. Algumas das alternativas sob discussão compreendem o envio de nova medida provisória ou de projetos de lei que tratem separadamente dos principais temas do texto original.

O Ministério da Fazenda conta com essa medida para cumprir a meta de déficit estabelecida. O membro do Ministério da Fazenda, Dário Durigan, por exemplo, disse que a meta fiscal de déficit primário zero este ano pode ter que ser alterada se a medida, enviada na última semana de 2023, não for aprovada pelo Congresso. A nosso ver, mesmo com tal iniciativa (que tem pouca probabilidade de ser aprovada sem alterações), a meta não será atingida.

Inflação encerra 2023 dentro do intervalo de tolerância

O IPCA registrou alta de 0,56% em dezembro, encerrando 2023 em 4,6%. Ou seja, acima da meta de inflação do Banco Central (de 3,25%), mas dentro do intervalo de tolerância – até 4,75%. Entre as principais surpresas do período, a inflação de alimentos foi protagonista, já que apresentou forte elevação por conta de eventos climáticos no período – incluindo ondas de calor e chuvas acima do normal.

Olhando para frente, o cenário de inflação comportada deve se manter. A queda recente nos preços das commodities no mercado global (com destaque para alimentos e petróleo), além de uma moeda relativamente valorizada devem ajudar nessa frente. Diante desse cenário, entendemos que o Banco Central terá espaço para continuar reduzindo a taxa Selic. Riscos nos cenários internacional e doméstico, entretanto, limitam uma queda nos juros para além de 9,0% (nossa projeção para o final de 2024).

Para detalhes, leia o nosso relatório “IPCA de dezembro: Inflação encerra 2023 dentro do limite da meta, e preços devem seguir comportados em 2024

Programa “Voa Brasil”

O Ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, anunciou o programa “Voa Brasil”, assegurando passagens aéreas por R$ 200,00 por trecho, para ampliar o acesso ao transporte aéreo e oferecer passagens mais baratas aos aposentados e estudantes de baixa renda.  

Detalhes do benefício terão que ser divulgados para o cálculo do impacto, que no momento ainda é incerto (e pequeno, caso tenha), dada a metodologia de coleta dos preços das passagens aéreas do IBGE. Segundo o instituto, o preço coletado corresponde ao preço total das passagens de ida e volta disponíveis no momento da aferição que atendam aos parâmetros de interesse.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

O que esperar da semana que vem

Na agenda internacional, destaque para dados de atividade na zona do euro de dezembro (2ª-feira), incluindo produção industrial e comércio exterior. Além disso, os mercados irão monitorar os dados de atividade na China (3ª-feira), incluindo produção industrial, vendas no varejo e o relatório de emprego, – todos os indicadores são referentes a novembro. No dia seguinte, atenções voltadas à divulgação do PIB do 4º trimestre de 2023 na China e das vendas no varejo nos EUA referentes a dezembro. Por fim, o Japão publicará os dados de inflação ao consumidor (5ª-feira).   

No Brasil, destaque para a divulgação de indicadores de atividade econômica. Após três meses consecutivos de queda, o IBGE deverá mostrar recuperação do setor de serviços em novembro (3ª-feira), com atenção especial aos segmentos mais ligados à demanda das famílias. Já as vendas no comércio varejista tendem a apresentar sinais mistos no mesmo mês (4ª-feira), com queda no conceito restrito e aumento no conceito ampliado – o último deve refletir as maiores vendas de veículos, conforme indicado pela Fenabrave. Por fim, estimamos ligeira elevação do IBC-Brproxy mensal do PIB calculada pelo Banco Central – em novembro (5ª-feira). Além da agenda de indicadores, há expectativa pela decisão do Congresso quanto à Medida Provisória nº 1202/2023, considerada fundamental pelo governo para o cumprimento da meta fiscal de 2024.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.