XP Expert

Raio-XP: Perspectivas para o segundo semestre de 2022

Nesse Raio-XP da Bolsa, iremos destacar e relembrar os principais acontecimentos do mês que serão relevantes para entender o que virá pela frente. Além disso, destacaremos o Valuation da Bolsa brasileira, que segue barata. Atualizamos nossas carteiras.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O que você vai encontrar nesse relatório:

Junho foi mais um mês volátil para os mercados, marcado pelas preocupações cada vez maiores dos mercados de uma recessão econômica. O Ibovespa sofreu junto com os mercados internacionais, caindo -11,5%, acentuado pela queda forte nas commodities. Além disso, o crescimento da preocupação com o fiscal aumentou a percepção de riscos em relação ao país. Mesmo com a forte queda no mês, o Brasil continua como uma da melhores bolsas quando comparamos com o resto do mundo.

Inflação: quais foram as causas do principal fantasma do semestre? Os principais fatores causadores da inflação são: 1) a rápida retomada econômica após a vacinação contra a Covid-19 que desequilibrou a balança entre oferta e demanda; 2) os choques trazidos pela guerra entre Rússia e Ucrânia; e 3) a adoção da política zero-Covid na China, causando uma nova falta de insumos para a cadeia produtiva.

Política monetária mundial: a volta da postura contracionista. Para conter a inflação, os bancos centrais globais começaram a apertar suas políticas monetárias. Essa inevitável alta nos juros pode levar à contração de demanda, desaceleração econômica e aperto nas condições financeiras. Com isso, as probabilidades de uma recessão aumentaram significativamente.

Brasil no primeiro semestre: um desempenho impulsionado pelas commodities. No início do ano, as ações brasileiras se beneficiaram de uma tríplice combinação de: 1) rotação global de crescimento para valor; 2) forte exposição a commodities e bancos; e 3) múltiplos muito atrativos. Isso levou a um grande fluxo de capital estrangeiro no início do ano
, que se enfraqueceu no segundo trimestre em meio a preocupações com o crescimento econômico global e preços de commodities caíram.

Devemos ver maior volatilidade no segundo semestre com riscos externos e doméstico; atualizamos o preço-alvo do Ibovespa para 120.000 pontos para o final de 2022. Lá fora, mercados devem continuar preocupados com a inflação, juros e riscos de recessão. Por aqui, riscos fiscais e políticos voltam ao radar a medida que as eleições se aproximam. Por outro lado, ainda vemos o Ibovespa ainda bastante barato. Mudamos o nosso preço-alvo do Ibovespa em 120.000 pontos.

Como se posicionar nesse cenário. Seguimos focando nos principais temas: 1) Commodities; 2) Histórico de crescimento secular que pouco dependem do cenário macro e 3) Qualidade a um preço razoável (QARP).

Por fim, para o mês de julho, estamos fazendo alterações nas nossas carteiras Top 10 XP, Top Small Caps XP, Top Dividendos XP e a Carteira ESG XP.

Fonte: Bloomberg, XP Research.

Clique para visualizar e baixar a linha do tempo em pdf

Junho foi mais um mês volátil, marcado pelas preocupações cada vez maiores dos mercados de uma recessão econômica. Desde o início do ano, a principal preocupação de investidores globais era com a inflação em níveis recordes nas principais economias do mundo, mas essas preocupações mudaram rapidamente para focarem em riscos de recessão. Com isso, o S&P 500 entrou em um bear market – quando há uma queda de mais de 20% desde as últimas altas – acumulando perdas de -20,6% no ano. Enquanto isso o Nasdaq aprofundou ainda mais as quedas, e fechou o primeiro semestre com uma forte queda de -29,5%.

No Brasil, o Ibovespa sofreu junto com os mercados internacionais, acentuado pela queda forte nas commodities, causada pelo aumento do risco de recessão. Além disso, o crescimento da preocupação com o fiscal, impactado pelos subsídios que o governo brasileiro vem tentando impor na economia como forma de conter a inflação, aumentou a percepção de risco em relação ao país. Com isso, a Bolsa brasileira também terminou o mês com uma forte queda de -11,5%, zerando os ganhos do ano e fechando a primeira metade do ano com -6,0%.

Apesar da forte correção em junho, o Brasil continua se mantendo como uma das melhores bolsas do mundo. O Ibovespa segue consolidando então sólidos resultados nos primeiros meses do ano no relativo.

A seguir realizamos uma retrospectiva dos principais acontecimentos do semestre, e explicamos o que esperamos para o resto de 2022.

Inflação: quais foram as causas do principal fantasma do semestre?

Desde o início do ano já começamos a apontar a inflação como um ponto de atenção. Essa alta de preços começou a ser observada desde 2021, sendo mais acentuada ainda esse ano e segue como principal pauta nas discussões dos bancos centrais.

1) Retomada econômica e gargalos na cadeia produtiva

Após o início da vacinação contra a Covid-19 em todo mundo, as atividades econômicas foram retomadas rapidamente. Com isso, a demanda por bens disparou e a oferta, com essas atividades interrompidas pela pandemia, não se recuperou na mesma proporção, refletindo no aumento de preço das commodities.

2) A guerra entre Rússia e Ucrânia, e a alta das commodities

No mês de fevereiro, a Rússia anunciou oficialmente a invasão do território ucraniano. De lá para cá, passaram-se mais de 4 meses, e a guerra ainda não demonstra sinais de estar se encaminhando para um fim.

Os preços das commodities já vinham subindo com uma forte demanda em meio à reabertura econômica global. E o conflito no leste europeu trouxe consigo o choque de oferta nas commodities, uma vez que os dois países envolvidos são importantes exportadores de vários tipos de commodities, principalmente energéticas e agrícolas. Essa restrição na oferta culminou numa alta dos preços das commodities, com o barril de petróleo atingindo o valor mais alto dos últimos 14 anos.

Uma vez que o preço das commodities sobe, esse aumento no preço das matérias-primas é repassado ao produto e, portanto, ao consumidor final, impactando a inflação. Como resultado, o mundo começou a enfrentar a inflação em níveis recordes. No Brasil, os preços atingiram seu nível mais alto desde 2015; no Reino Unido e na Alemanha, a inflação é a mais alta em quase 30 anos; e, nos EUA, a inflação ao consumidor atingiu seu ritmo mais rápido desde 1982.

3) A política de zero-Covid na China

A China, nesse semestre, enfrentou seu maior surto de Covid desde o início da pandemia. Como forma de tentar conter o vírus, o país adotou uma “política de zero-Covid”, que consistiu em implementar medidas lockdown em partes do país. Cidades importantes como Shanghai ficaram mais de 60 dias em completa restrição. Essa política sanitária chinesa resultou em uma nova falta de insumos para a cadeia produtiva, já que as fábricas chinesas foram severamente afetadas, e, consequentemente, elevou ainda mais os preços.

Política monetária mundial: a volta da postura contracionista

Nos últimos 15 anos, os bancos centrais e governos mundiais implementaram uma enorme quantidade de estímulos econômicos e liquidez nos mercados em meio à inflação em baixa. Agora estamos passando por uma mudança de regime com inflação em alta, juros subindo, e retirada de estímulos.

1) Aumento dos juros pelos bancos centrais

Para conter a inflação, os bancos centrais globais começaram a apertar suas políticas monetárias. Foi o caso do Brasil, que iniciou 2021 com juros na mínima recorde de 2% e encerrou o ano com juros de 9,25%. O ciclo de alta dos juros brasileiros segue em 2022, com juros já no patamar de 13,25%. Apesar do COPOM ter dados sinais de que está próximo a uma pausa, o nosso time de Economia ainda espera mais uma alta na próxima reunião.

Nos EUA, o Federal Reserve afirmou, durante a maior parte de 2021, que a inflação era apenas algo transitório, mas enfim reconheceu que pode ser mais persistente do que o esperado. No final do ano passado, finalmente anunciou o processo de tapering e subiu juros americano em 75 pontos base em junho, levando a taxa de juros americana em 1,5%-1,75%, com ainda espaço para os 3,0% de taxa terminal esperado para o fim do ciclo

2) A redução do balanço patrimonial do Federal Reserve

Além de subir os juros, o banco central americano anunciou os planos de redução do tamanho do balanço patrimonial, o quantitative tightening, que começou no mês de junho. A autoridade monetária está finalmente revertendo todo o processo que foi feito em 2020, quando foi injetado um volume maciço de estímulos e liquidez na economia norte-americana em meio à crise da pandemia.

3) Recessão da economia americana, o temor dos mercados

Como já mencionamos, os bancos centrais, na tentativa de conter a inflação, terão que deflacionar a economia global, após muitos anos de política monetária de afrouxamento (juros baixos e injeção de liquidez nos mercados), sendo o Federal Reserve o centro das atenções nesse momento. Essa inevitável alta nos juros pode levar à contração de demanda, desaceleração econômica e aperto nas condições financeiras. Com isso, a probabilidade de recessão aumentaram significativamente, o que terá impacto em várias outras classes de ativos, incluindo as bolsas globais, as commodities, o Dólar e mercados emergentes.

Brasil no primeiro semestre: um desempenho impulsionado pelas commodities

Na contramão das grandes economias mundiais, o Brasil iniciou o ano de 2022 sendo uma oportunidade de investimento muito atrativa para os investidores estrangeiros. Marcado pelo grande peso dos setores de commodities e bancos no Ibovespa, o Brasil se beneficiou do cenário mundial de juros altos e brilhou aos olhos do mercado internacional.

1) Por que o Brasil foi uma das melhores Bolsas do semestre?

Após o Fed adotar uma postura mais hawkish, com aumento de juros, uma rotação nos mercados globais começou a ocorrer e o Brasil passou a ser a “bola da vez” do mercado.

Como já abordamos, as ações brasileiras se beneficiaram de uma tríplice combinação de: 1) rotação global de crescimento para valor; 2) forte exposição a commodities e bancos; e 3) múltiplos de entrada muito baixos (Preço por Lucro projetado ao redor das mínimas dos últimos 10 anos).

Nesse ambiente, o Ibovespa encerrou o semestre como um dos melhores desempenhos no ano dentre as principais bolsas globais e, apesar do fortalecimento do dólar frente a outras moedas com o avanço de juros nos EUA, o Brasil continua também como uma das melhores bolsas do mundo com retorno de +0,6% em dólares – superando os principais mercados globais.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 30/6/2022.
Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 30/6/2022.

2) Fluxo estrangeiro para o mercado brasileiro

A alta da Bolsa brasileira no início do ano foi sustentada principalmente por uma entrada significativa de capital estrangeiro em ações brasileiras. Com o otimismo com o Brasil, o Real também foi uma das moedas com o melhor desempenho acumulado vs. o Dólar no ano.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 30/6/2022.
Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 30/6/2022.

Já no segundo trimestre, o dinheiro estrangeiro começou a sair do mercado brasileiro, mostrando o início de um processo de acomodação. Além disso, as incertezas em torno do crescimento econômico global, especialmente com os lockdowns na China, levaram os preços das commodities a cair, o que também impactou o desempenho das ações brasileiras e contribuiu para o fluxo de saída desse capital.

De qualquer maneira, o ano de 2022 foi o ano de maior entrada de capital estrangeiro no mercado de ações brasileiro dos últimos 14 anos, indicando que a Bolsa brasileira segue barata e atrativa aos investidores de fora.

Fonte: B3, XP Research. Dados de 28/6/2022. *Saldo não considera a entrada/saída de capital estrangeiro por IPOs e Follow Ons de junho, pois os dados ainda não foram divulgados pela B3
Fonte: B3, XP Research. Dados de 28/6/2022.

3) Inflação brasileira e os juros, o que esperar daqui pra frente?

(por Tatiana Nogueira, Economista da XP)

O cenário macroeconômico é atualmente caracterizado pela ampliação de incertezas, tanto no ambiente global quanto no doméstico. A pressão inflacionária segue forte e persistente, resultado dos estímulos à demanda e dos choques de ofertas durante a pandemia, que foram acentuados com a guerra na Ucrânia. A alta de preços tem respaldado as expectativas de política monetária mais agressiva em economias avançadas e emergentes, o que intensifica temores de desaceleração acentuada da atividade (talvez recessão) e aumenta a aversão ao risco dos agentes.

No Brasil, a atividade econômica doméstica mostra sinais de resiliência neste primeiro semestre, justificando o movimento de revisões altistas nas projeções para o PIB de 2022. A continuidade dos benefícios da reabertura econômica, a recuperação sólida do emprego e estímulos de curto prazo que ampliam a renda disponível às famílias explicam, em grande medida, a melhoria da atividade local. Dito isso, a economia doméstica deve perder fôlego a partir da segunda metade do ano, tendo em vista o efeito defasado do aperto de política monetária, o menor crescimento econômico global e a dissipação dos efeitos da normalização do padrão de consumo com o aumento da mobilidade.

A inflação permanece alta e disseminada. Em que pese o efeito baixista no curto prazo de algumas medidas legislativas que visam à redução dos preços de combustíveis, energia elétrica e outros bens e serviços, o atual quadro inflacionário exige política monetária em terreno significativamente contracionista por bastante tempo. Projetamos taxa Selic a 13,75% até, no mínimo, o final do primeiro trimestre de 2023. Vemos espaço para cortes de juros posteriormente, mas a materialização deste cenário depende de sinais consistentes de desinflação e ancoragem das expectativas. Em relação ao último, assume protagonismo a existência de um arcabouço fiscal que almeje a sustentabilidade da dívida pública no longo prazo. Embora as contas públicas continuem a surpreender positivamente no curto prazo, dada a forte expansão da arrecadação tributária, muitas dúvidas permanecem a respeito da agenda de consolidação fiscal. As eleições gerais de 2022 e sinalizações sobre a condução de política econômica nos próximos anos são centrais para esta avaliação.

O que esperar adiante?

O segundo semestre do ano deve seguir com os holofotes apontados para a inflação, os juros em alta e os riscos de recessão. Além disso, a volatilidade no preço dos commodities, puxada pelos temores de recessão, é outro ponto de atenção, principalmente para o Brasil, um país fortemente impulsionado pela exportação de commodities.

No cenário doméstico, entramos em período eleitoral, o que acentua a volatilidade dos ativos brasileiros e pode ser um fator determinante para uma menor entrada de fluxos para a Bolsa. Já a economia do país, depois de um primeiro semestre forte, deve desacelerar também impactada por esses fatores.

O lado positivo é que o mercado brasileiro já está extremamente barato e descontado, em níveis que não são vistos desde 2008. Além disso, as empresas apresentam risco baixo, ou seja, com baixos níveis de dívida em relação ao passado, e potencial de bons pagamentos de dividendos.

Atualizamos o nosso preço-alvo do Ibovespa em 120.000 pontos.

Atualizamos o nosso preço-alvo do Ibovespa em 120.000 pontos para o final de 2022. Nosso valor justo para o Ibovespa é calculado como uma média de três metodologias: 1) um modelo de Fluxo de Caixa Descontado, que atualmente assume um Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) de 11,7%, 2) um modelo P/L alvo, que assume um múltiplo de 8,0x, ainda abaixo da média histórica de 11x, e 3) modelo de EV/EBITDA de 5,0x, também abaixo da média histórica de 6,5x.

Embora os lucros do consenso recuperação, notamos também que as taxas de juros reais no Brasil continuaram a subir e atingiram 5,9%. Para ver um potencial de alta no valor justo do Ibovespa, precisaríamos de: 1) estimativas de lucros de consenso subindo mais, e/ou 2) expansão de múltiplos, que poderia vir de uma continuação do forte fluxo de capital externo, bem como de juros reais locais mais baixos.

Fonte: XP Research.

Como se posicionar nesse cenário

Dito isso, não é a hora de ser herói e investir em papéis de empresas e setores muito arriscados apenas porque “as ações caíram demais”. Seguimos focando nos principais temas:

1) Commodities; 2) Histórico de crescimento secular que pouco dependem do cenário macro e 3) Qualidade a um preço razoável (QARP).

Abaixo, mostramos uma lista de ações que continuam com perspectivas positivas de crescimento e múltiplos atrativos, as ações “QARP”: Quality at a Reasonable Price ou Qualidade por um Preço Razoável.

Trazemos ações com as seguintes características:

  • Expectativa de crescimento de receita e EBITDA até o próximo ano;
  • ROE acima do setor;
  • Recomendação de Compra no consenso de mercado;
  • Múltiplos descontados em relação aos pares e ao Ibovespa.
Fonte: Eikon Refinitiv, Economatica, XP Research. *Preço-alvo da cobertura XP, os outros não estão sob cobertura XP e são do consenso segundo Refinitiv, Eikon.

Valuation: O Brasil continua barato

Continuamos vendo as ações brasileiras sendo negociadas em níveis atrativos de valuation, em Preço/Lucro (P/L) projetado de 6,1x, um desconto de -45% em relação à média dos últimos 15 anos em 11,2x.

Mesmo quando retiramos as empresas de Commodities, ou somente a Petrobras e Vale, o P/L vai para 9,4x e 8,7x, respectivamente – ambos menores do que suas próprias médias históricas. E quebrando o Ibovespa setorialmente, vemos que todos os setores no Brasil estão com seus múltiplos negociados abaixo ou próximos às médias de longo prazo.

Por fim, o Prêmio de Risco para ações brasileiras, que compara seu rendimento com as taxas de juros reais, mostra que as ações brasileiras estão baratas mesmo considerando o alto nível das taxas de juros locais. O nível atual de Prêmio de Risco está em 10,6%, superior à média histórica de 4,8%.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados de 30/06/2022.
Fonte: Bloomberg, XP Research. Commodities são os setores Materiais e Energia. Dados de 30/06/2022.
Fonte: Bloomberg, MSCI, XP Research. Dados de 30/06/2022.

Top 10 ações XP

No mês de junho*, a nossa carteira caiu -9,3%, enquanto isso, o Ibovespa caiu -9,7% durante o mesmo período. Desde o início da carteira, em julho de 2018, ele acumula retornos de +41,1% enquanto o Ibovespa acumula +38,2%.

Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.
Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.

Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

Alterações da carteira Top 10 Ações

Para a Carteira Top 10 do mês de julho, fizemos quatro alterações visando visando diminuir a exposição ao setor de commodities, que tem sofrido com perspectivas de atividade econômica mais fraca. Optamos também por remover um nome do setor de varejo, dado que o cenário macro está pesando sobre o papel, e aumentamos a exposição ao setor financeiro. Além disso, aumentamos também a exposição ao setor de Telecomunicações dada a resiliência do setor e do papel.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Top 10 XP.

Top Dividendos XP

Em junho*, a carteira caiu -7,8% enquanto o índice Ibovespa teve queda de -9,7% durante o mesmo período. Desde o início da carteira, em julho de 2018, a Carteira Top Dividendos XP deu um retorno de +75,2%, o que se compara com +38,2% do índice.

Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.
Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.

Alterações da carteira Top Dividendos

Para o mês de julho, fizemos uma troca: reduzimos a exposição a um setor mais exposto ao cenário macroeconômico, aumentando o peso em outro nome que vemos que possui uma relação risco retorno mais atrativa no momento.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Dividendos XP.

Top Small Caps XP

Em junho*, nossa carteira de ações caiu -13,1%, enquanto o Ibovespa terminou o mês com uma baixa de -9,7%. Desde o início da carteira, em maio de 2021, ela caiu -9,9%, comparado com uma queda de -15,4% do Ibovespa.

Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.
Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.

Alterações da carteira Top Small Caps XP

No mês de julho, fizemos uma mudança na Carteira Small Caps. Similar ao movimento que fizemos nas outras carteiras recomendadas, optamos por retirar um nome mais exposto ao setor de consumo e adicionar um nome de um setor que vemos como mais resiliente nese momento.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Small Caps XP.

Carteira ESG XP

Nossa carteira recomendada ESG: Selecionando as empresas melhores posicionadas no tema sob o universo de cobertura da XP

Com o objetivo de ajudar os investidores no processo de alocação de recursos, lançamos nossa carteira recomendada ESG. Optamos por uma abordagem mais qualitativa neste primeiro momento, combinando empresas que gostamos sob uma perspectiva fundamentalista e que possuem altos padrões ESG, tendo como base nossa análise proprietária.

Os mercados de ações continuam sofrendo, dado o aumento das taxas de juros e inflação em todo o mundo. A inflação nos países desenvolvidos (principalmente nos EUA e na Europa) é a mais alta dos últimos 40 anos, com medidas mais restritivas aplicadas por Bancos Centrais implicando risco de curto-prazo para o mercado de ações. No Brasil não é diferente – em junho, os índices IBOV e ISE caíram -9,7% e -10,9%, respectivamente, o que se compara à queda de -10,8% da nossa carteira ESG no mesmo período, impactada principalmente pelo desempenho das ações da CBA (-25,6%).

Fonte: Economática, XP Research. *Dados de 28/06/2022.

Para este mês de julho, não estamos fazendo nenhuma alteração na nossa Carteira ESG XP, reiterando nossa visão positiva para os 10 nomes que compõe o nosso portfólio, tanto do ponto de vista fundamentalista, quanto na perspectiva ESG.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa nova carteira ESG XP


Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.