XP Expert

O urso ataca novamente

A volatilidade nos mercados segue extrema. Analisamos se já está na hora de ficar mais otimista com a Bolsa americana e como fica o Brasil nesse cenário turbulento?

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Primeiro, gostaria de parabenizar e agradecer a todas as mães, incluindo a minha mãe e a minha esposa. Sem vocês o mundo não existiria. Obrigado!

Essa semana, continuamos a ver uma volatilidade extrema nos mercados. Após a reunião do Federal Reserve, nos EUA, os mercados ensaiaram uma forte recuperação, com uma alta superior a 3% nos índices americanos. Isso após o Presidente do Fed, Jerome Powell, descartar a aceleração da alta de juros para +0,75% na próxima reunião.

Mas o alívio durou pouco, muito pouco. No dia seguinte, a queda dos mercados foi acentuada, e os índices caíram até mais do que haviam subido na quarta-feira. Na sexta-feira, o mau humor continuou, com mais quedas nos mercados. Ainda assim, o S&P500 fechou caindo apenas -0,2% na semana, devido à volatilidade extrema.

Na verdade, os movimentos do mercado de quarta (+3,0%) e quinta-feira (-3,6%) foram tão fortes que, desde 1970, o S&P500 havia tido movimentos diários dessa magnitude em apenas 8 dias de negociação. Um sinal claro do tamanho das incertezas que os mercados estão lidando. O índice de volatilidade (VIX) se mantém acima de 30%, como consequência.

Gráfico diário do S&P500 na última semana – alta volatilidade

Fonte: Bloomberg

No Brasil, o Ibovespa caiu 2,5%, fechando a semana em 106.266 pontos. O índice continua pressionado com a saída do fluxo de investidores estrangeiros, que apenas essa semana retiraram R$5,7 bilhões da B3, até o dia 04. Como o fluxo doméstico continua fraco, tanto de institucionais quanto investidores pessoas física, a saída de estrangeiros tende a pressionar as ações por aqui. Veja mais detalhes no Resumo da Semana.

O FED focará em inflação ou crescimento?

Um dos grandes debates no mercado hoje é se o Federal Reserve irá focar os seus esforços em controlar a inflação, ou manter o crescimento econômico nos EUA? Diferente do BCB, que foca apenas na inflação, o Fed tem um mandato duplo.

Dado o tamanho da surpresa inflacionária recente (CPI em 8,5%, maior inflação em 40 anos) e as declarações dos membros do FED, a inflação parece ser o foco principal no momento. Não só a inflação corrente, como também a expectativa de inflação futura.

É surpreendente que, mesmo com toda a alta de juros nominais nos últimos meses, a expectativa de inflação de longo prazo nos EUA ainda segue alta, próxima a 3%, e acima da meta do FED em 2%. O título de 10 anos do Tesouro Americano está com juros de 3,12% no momento, mas o título de juros reais (TIPS) está em 0,26%. A diferença entre os dois denota a expectativa de inflação embutida pelo mercado.

Como discutimos no artigo recente, “Mudança de regime no mundo, e por que isso é relevante?”, os Bancos Centrais terão que deflacionar a economia global, após muitos anos de política monetária de afrouxamento (juros baixos, impressão de moeda e injeção de liquidez nos mercados).

Dado esse cenário, o mercado já começa a precificar um risco maior de recessão adiante, já que o remédio para curar a inflação alta pode trazer a recessão como consequência. Esse cenário recessivo ainda não parece ser o cenário-base precificado pelo mercado nos preços de ativos, mas é um risco relevante que temos que acompanhar, pois poderá ter impacto em várias outras classes de ativos, incluindo as bolsas globais, as commodities, o Dólar e mercados emergentes.

Oportunidade de compra já aparece à vista?

No ano, o Nasdaq cai 22% e se encontra em território de “bear-market” (queda superior à 20%), enquanto o S&P500 e o Dow Jones caem -13,5% e -9,5%, respectivamente. Isso faz com que muitos investidores questionem se já é a hora de voltar a comprar a Bolsa Americana. Vamos olhar alguns dados:

1) O estrago interno nos índices já é grande

Quando analisamos os índices, não é possível ver o tamanho do estrago que já foi feito dentro deles, pois as grandes ações que dominam os índices ainda não caíram tanto quanto as ações de empresas menores. Além do setor de Energia, que sobe mais de 50% no ano, por conta da alta do petróleo, e tem ajudado a segurar os índices.

No Nasdaq, quase 50% das ações já caem mais de 50%, 20% caem mais de 75% e quase 5% já caem mais de 90%. Esse nível de queda já começa a se aproximar dos crashes de 2001, 2009 e 2020.

Para o S&P500, apenas 34% das ações estão acima da média móvel de 200 dias, o menor nível desde Junho de 2020.  

Nasdaq – % de queda das ações no índice

Fonte: Twitter, Portfolio123

2) O valuation do S&P500 já caiu para níveis próximos à média

O nível de valaution (Preço/Lucro) da Bolsa americana já retraiu para próximo da média histórica dos últimos 10 anos. Após a queda de preço recente e o aumento da expectativa de Lucros das empresas americanas, o P/L usando lucros estimados dos próximos 12 meses, o P/L retornou para 17,5x, bem abaixo do nível de 22x que o índice estava durante boa parte de 2020-21.

Apesar de mais próximo à média, ainda não dá para se dizer que o S&P500 esteja barato, pois o nível de juros hoje é mais alto (Treasury de 10 anos em 3,12%), e o Lucro das empresas ainda poderia sofrer pelo cenário inflacionário e de desaceleração do crescimento.

Indicador Preço/Lucro de 12 meses – S&P500

Fonte: Bloomberg

3) O sentimento dos investidores já está bastante negativo

O sentimento dos investidores já se encontra bastante negativo. Historicamente, esse é um bom sinal “contrarian” no mercado. Ou seja, quando o sentimento deteriora muito, o mercado tende a recuperar, e quando o sentimento está muito eufórico e positivo, o mercado tende a estar próximo das máximas.

O indicador de “AAI Sentiment Bull” (Sentimento dos AAIs americanos) mostra o menor nível de otimismo com a Bolsa Americana desde os anos 90.

A leitura de 16,4% que estão otimistas é menor mesmo que os períodos como o dot-com em 2000, a crise financeira em 2008 e a pandemia em 2020.

Sentimento “bullish” (otimista) dos AAIs nos Estados Unidos

Fonte: Bloomberg

Conclusão: a atratividade aumentou, mas a volatilidade deve seguir alta

Ou seja, olhando por essas três óticas 1) tamanho da queda, 2) valuation e 3) sentimento, dá para se afirmar que muita expectativa negativa já foi precificada no mercado. Isso, por si só, já poderia levar o mercado a ensaiar uma recuperação de preços no curto prazo. Para investidores que têm pouca exposição ao mercado internacional, momentos como esse são bons para começar a adicionar posições.

Dito isso, alguns fatores ainda preocupam para os próximos 6-9 meses: A) a inflação segue alta, e o aperto monetário pelos BCs está apenas começando, e B) os riscos de uma recessão estão aumentando, e isso pode levar a mais volatilidade e queda nos preços dos ativos adiante, caso venha a se confirmar. Por isso que seguimos esperando que o cenário de volatilidade alta nos mercados se mantenha.

Portanto, uma estratégia de aportes espaçados e constantes, ao invés de tentar acertar o “melhor momento” de se investir, se mostra uma estratégia mais vencedora no longo prazo.

E como fica o Brasil nessa história?

 Como mencionamos no começo do artigo, os ativos brasileiros estão sofrendo com a saída de investidores estrangeiros. Até Março, o Brasil viu um forte ingresso de investidores estrangeiros (R$65 bilhões), o que havia feito com que a Bolsa brasileira e o Real fossem a melhor bolsa e a melhor moeda do mundo em performance no ano.

Porém, de Abril para cá, os ativos brasileiros passaram a sofrer em conjunto com outros ativos mundiais, na medida em que o fluxo estrangeiro arrefeceu.

Olhando adiante, seguimos otimistas, como descrevemos no último Raio XP da Bolsa. A Bolsa brasileira segue muito barata, negociando abaixo de 7x Lucro, -40% de desconto em relação à média histórica. Além disso, a Bolsa também está barata mesmo quando comparada com o nível de juros atuais, visto pelo “Prêmio de Risco”, que é a diferença da rentabilidade esperada das ações em relação aos juros reais (medidos pelos títulos NTN-B).

Além disso, a Bolsa brasileira tem uma grande exposição aos setores que se beneficiam da alta inflação, como o setor de commodities e financeiro.

Por último, o fato do Brasil ter uma das maiores taxas de juros reais no mundo atualmente diminui as chances de uma forte depreciação cambial, e isso tende a atrair fluxos de investidores estrangeiros. O nosso valor justo para o Ibovespa segue em 130,000 pontos para o final do ano.

No curto prazo, porém, a volatilidade deve permanecer, assim como no mercado internacional.

Fonte: Raio XP da Bolsa

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.