XP Expert

Mudança de regime no mundo, e por que isso é relevante?

O mundo está migrando de um regime de liquidez infinita e juros zero para um regime de liquidez mais restrita e juros maiores. O que esse cenário significa, e como se proteger dele?

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A inércia é uma força difícil de se controlar. Ela faz com que tenhamos dificuldades de enfrentar mudanças, principalmente quando se tratam de mudanças relevantes.

Olhar para o presente e ter a sensação de que nada vai mudar é uma sensação que nos traz conforto. Mudança é sinônimo de sofrimento, e a vontade de manter “tudo como está” é um conhecido mecanismo de defesa.

Um exemplo disso foi como tivemos que nos adaptar para viver em meio a uma pandemia nos últimos 2 anos. Não é fácil, mas após um certo tempo, nos adaptamos e conseguimos seguir com as nossas vidas.

De super-heróis para vilões?

Vivemos hoje em uma potencial mudança de regime no cenário mundial. Os últimos 15 anos foram marcados por um regime na economia global que já mostra claros sinais de exaustão.

Me refiro aqui ao cenário de liquidez (quase que) infinita no mundo, e juros cada vez menores como consequência desse regime.

Quase todos os problemas que o mundo enfrentou nesse período foram enfrentados da mesma forma: com mais estímulos monetários e fiscais, mais endividamento e mais impressão de moeda.

Desde o pós crise de 2008, vivemos em um cenário onde os Bancos Centrais se tornaram quase que os “super heróis” dos mercados, prontos para salvar a todos quando um vilão se aproximasse.

O ápice desse regime já ficou para trás

A pandemia marcou o ápice dessa política: mais de US$25 trilhões em estímulos fiscais e monetários no mundo (mais de 25% do PIB global), mais de 20% de todos os dólares em circulação no mundo “impressos” desde o começo da pandemia, e um grande aumento do endividamento dos governos.

Essa política se mostrou necessária para tirar o mundo de uma parada abrupta e repentina durante o lockdown. Olhando pela rapidez da recuperação da economia global após o início da pandemia, é possível se afirmar que essa política teve êxito.

Daqui adiante, porém, os Bancos Centrais podem se tornar mais vilões do que super-heróis, pois terão que desinflacionar a economia global, após anos de políticas que visavam retomar a inflação.

Desde o início da pandemia, o Balanço dos principais Bancos Centrais do mundo se expandiu um mais de US$10 trilhões, como vemos abaixo.

Fonte: Bloomberg, XP Investimentos

As consequências começaram a aparecer…

Por outro lado, as consequências da exaustão dessas políticas chegaram, e na forma mais profunda através do pior vilão das populações de menor renda, a inflação.

O mundo todo tem se debruçado no tema da inflação há mais de 1 ano. Afinal, o mundo desenvolvido enfrenta hoje as maiores taxas de inflação dos últimos 40 anos.

Buscas por Inflação no Google no mundo – últimos 5 anos

Fonte: Google Trends

Existe um consenso estabelecido no mercado de que a inflação irá retroceder rapidamente nos próximos 18 meses, não só no Brasil, mas no mundo todo.

Veja um exemplo disso na tabela abaixo, com as expectativas do mercado em relação à inflação nas principais economias do mundo.

É verdade que o maior corretivo para inflação alta é a própria inflação alta. Isso porque da forma que a inflação é calculada, pela variação de preços, se os preços se mantiverem elevados, mas sem alteração, isso por si só já traz a taxa de inflação percentual para baixo.

Mas “e se” a inflação não cair tão rápido?

Porém, o que pouco se discute no mercado hoje em dia é e se tivermos um cenário em que a inflação global perdurar por mais tempo?

E se os choques de oferta no mundo seguirem piorando ao longo do ano? O que acontecerá se os Bancos Centrais não conseguirem trazer a inflação para patamares mais “normalizados” no mundo? E caso os preços dos alimentos não caírem, quais serão as consequências para a economia mundial?

A aceleração da inflação de fato se iniciou através de itens temporários, impactados pela queda de oferta e o rápido aumento da demanda por bens trazidos pela pandemia.

Porém, o início dos conflitos entre Rússia e Ucrânia e a extensão dos lockdowns na China estenderam a “volta ao normal” das cadeias de oferta no mundo, e o impacto nas commodities exacerbou o impacto.

Vamos aos dados…

  1. Petróleo: que já havia subido 51% em 2021 sobe mais 37% em 2022, colocando pressão adicional à inflação no mundo, dado que o petróleo é a base para a economia global. Veja um paralelo com o ocorrido nos anos 70 aqui.
  2. Gás natural: o gás natural é um combustível de extrema importância para muitos países. Na Europa, o gás natural é proveniente principalmente da Rússia, e em alguns países, como a Alemanha, o gás Russo representa mais de 55% do fornecimento de gás no país. O preço do gás natural na Europa subiu 150% nos últimos 12 meses, indo de EUR2,60 para EUR6,50/mn BTU. Nos EUA, o gás natural também subiu de forma +150% nos últimos 12 meses.  
  3. Trigo: o maior grão do mundo, que é base para a alimentação de bilhões de pessoas, sobe 38% em 2022. A Rússia e a Ucrânia são responsáveis por quase 1/3 da exportação de trigo no mundo. As notícias indicam que o plantio na Ucrânia está sendo impactado e atrasado. Além disso, após a colheita, a exportação desse grão também será naturalmente prejudicada, por dificuldades logísticas, de pagamento, entre outras. A preocupação em relação ao trigo, portanto, não é apenas em relação a preço e inflação, mas também no potencial de falta de oferta, que traria graves consequências para vários países. Países do Oriente Médio e da África, por exemplo, dependem fundamentalmente do trigo exportado pela Rússia e Ucrânia.
  4. Alimentos: não é só o trigo que está enfrentando uma forte alta. Na verdade, o índice de preços de alimentos no mundo, calculado pela FAO da Nações Unidas, subiu 18% em Fevereiro em relação ao mesmo período 2021, e se encontra mais de 60% acima dos níveis do mesmo período de 2020. A inflação de alimentos, novamente, impacta principalmente os consumidores de menor renda.
  5. Fertilizantes: como consequência dos conflitos na Ucrânia e da alta dos preços do petróleo e do gás natural, os fertilizantes também apresentam altas bruscas, além de haver dúvidas sobre o suprimento global, dado a relevância da Rússia e Bielorussia na exportação de potássio e ureia. O preço da ureia nos EUA sobe 105% nos últimos 12 meses, e o potássio sobe +160% no mesmo período.
  6. Cadeias de suprimento: a política de zero Covid na China e a extensão dos lockdowns para várias cidades Chinesas voltaram a trazer à tona o risco de desabastecimento de vários produtos no mundo, e impactos nas cadeias de suprimento global. Os dados mostram que quase 800 navios estão aguardando embarcar no porto de Xangai, um recorde. No pior momento em 2021, essa fila chegava a próximo de 400 navios.

Até agora falamos de razões que podem ser consideradas de curto prazo que estão impactando a inflação global. Mas dois fatores de longo prazo valem ser ressaltados, pois poderão também trazer impactos mais duradouros.

  • Redução da globalização: esse assunto já vem sendo amplamente abordado recentemente, e iremos explorá-lo em mais detalhes. Mas vale notar que a pandemia, os seguidos lockdowns na China, e o conflito entre Rússia e Ucrânia irão forçar países e empresas a rever suas políticas de segurança energética, de defesa, e de bases de produção global. Isso deve invariavelmente levar a um retrocesso no processo de globalização e de produção nos países de mais baixo custo. Esse processo pode levar a uma menor eficiência e custos maiores para a economia global, elevando o nível de preços.
  • Imigração nos EUA em queda: um outro dado que é pouco comentado é o efeito demográfico de redução no número de imigrantes nos EUA após o início da pandemia. Esse fator, junto com a pandemia, levou a uma grande desaceleração no crescimento populacional nos EUA.  Todos os anos, de 2011 a 2017, os EUA cresceram em 2 milhões de pessoas. Em 2020, os EUA cresceram em 1,1 milhão de habitantes. No ano passado, foram apenas 393 mil pessoas. A desaceleração no crescimento populacional e da imigração também é um outro fator que pode trazer impactos inflacionários no longo prazo, por levarem à maiores pressões de inflação salarial.

Implicações para os investimentos

A mudança de regime que nos referimos aqui é mudança de um cenário de liquidez abundante e extrema, que levaram a taxas de juros cada vez menores no mundo, para um regime de liquidez mais restrita, de juros maiores, e de menores intervenções pelos Bancos Centrais nos mercados, pois o foco principal desses volta a ser o combate à inflação.

Quais serão os potenciais impactos para os mercados globais caso a inflação global não ceda tão rapidamente, e como se proteger desse cenário?

  1. Riscos de juros seguirem em alta e de recessão – para conseguir controlar a inflação recorde, os Bancos Centrais terão de retirar estímulos e seguir aumentando as taxas de juros. As consequências desse aperto monetário já estão sendo vistas, dado que os juros dos títulos de 10 anos em vários países já retornaram para níveis pré pandemia (próximo de 3% nos EUA), e as taxas de juros nas hipotecas nos EUA já passaram de 5%, colocando sob risco a saúde do mercado imobiliário por lá. Como consequência, vários bancos já passaram a estimar a probabilidade de uma recessão nos próximos 12-24 meses ente 25-35%.
  2. Riscos de correções nas Bolsas e ativos que estão “caros”: uma outra possível consequência do aperto monetário e redução da liquidez em excesso é a correção de preços nas Bolsas mundiais e outros ativos que haviam subido muito de valor nos últimos anos (como as SPACs, o setor de tecnologia, as NFTs e criptos, entre outros). As Bolsas mundiais seguem negociando com indicadores de Preço/Lucro superiores às médias históricas, apesar da correção recente. A queda recente das ações nas Bolsas globais está totalmente relacionada a essa mudança de postura pelos principais BCs.
  3. Os ativos reais seguem sendo a melhor forma de proteção de capital atualmente. Esses são aqueles ativos que os Bancos Centrais não conseguem imprimir: 1) ações de boas empresas e pagadoras de dividendos, que conseguem repassar a inflação aos seus preços, 2) commodities, 3) imóveis e terras (FIIs e FIAGRO), 4) na renda fixa, os títulos atrelados à inflação (IPCA+) são uma boa opção de proteção, além dos pós fixados.

Veja algumas opções de investimento em “ativos reais” nos links abaixo:

  1. Fundo eTrend ativos reais
  2. Fundo Trend Commodities FIM
  3. Carteira recomendada de Fundos Imobiliários – Abril 2022
  4. FIAgro
  5. Renda Fixa – títulos atrelados à inflação
  6. Carteira Top 10 Ações XP e Dividendos
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.