Quem mexeu no meu Tesouro Selic?

A recente desvalorização dos títulos públicos pós-fixados gerou dúvidas aos investidores. Procuramos respondê-las neste relatório.


Compartilhar:


A autora agradece as contribuições de Rachel de Sá ao relatório

Quem acompanha o comportamento dos títulos públicos, incluindo aqueles negociados no Tesouro Direto, deve ter notado que o preço do Tesouro Selic caiu nos últimos dias. Este comportamento não é normalmente esperado para estes títulos. Por este motivo, buscaremos explicar nesse artigo o que aconteceu, o que esperar e o que fazer.

É importante destacar, no entanto, que apesar da queda nós continuamos enxergando as aplicações em Tesouro Selic como uma boa alternativa para reserva de emergência. O risco de crédito do título continua sendo o mais baixo do mercado e a liquidez diária significa que o resgate pode ser realizado a qualquer momento.

Além disso, o efeito para o “pequeno investidor”, ou seja, nós, pessoa física, é muito pequeno (cerca de 0,2% na data do presente artigo – 23/09), por isso não há motivos para pânico.

A LFT e o Tesouro Selic

A Letra Financeira do Tesouro, ou LFT, é o título pós-fixado do Tesouro Nacional. Quando negociada no Tesouro Direto, tem o nome de Tesouro Selic. Seu rendimento é de 100% da taxa básica de juros.

No entanto, o título não é puramente pós-fixado e possui um pequeno percentual prefixado (spread), que até duas semanas atrás era de 0,03% (ou seja, o título rendia 100% da Selic + 0,03%). Normalmente, essa porção da rentabilidade pouco ou nada varia, porém nos últimos dias passou a ocorrer um efeito de marcação a mercado que levou alguns investidores a perceberem oscilação nos títulos.

Marcação a mercado é o mecanismo através do qual as condições correntes do mercado são refletidas nos preços dos títulos. Com isso, ativos de renda fixa podem variar para cima ou para baixo antes da data de vencimento.

Caso os juros do mercado operem abaixo da taxa contratada para um ativo, ele sofrerá um ágio (valorização do preço) temporário e vice versa: caso os juros do mercado operem acima da taxa contratada para um ativo, este sofrerá um deságio (desvalorização do preço).

O que aconteceu?

O Brasil e a situação fiscal

Conforme trouxemos em artigo recente sobre a dívida pública brasileira, a pandemia levou governos ao redor do mundo, incluindo o Brasil, a adotarem medidas de estímulo para evitar uma deterioração ainda maior da atividade econômica, fruto da implementação de medidas de isolamento social.

Aqui, no âmbito fiscal, as principais medidas implementadas incluem: o auxílio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade financeira, o benefício emergencial de manutenção de emprego e de renda e o auxílio financeiro aos estados e municípios, além do aumento e realocação de gastos com o sistema de saúde.

O resultado desse aumento de gastos é um déficit primário esperado a exceder os 12% do PIB esse ano (frente a uma meta inicial de 2,1% do PIB), e uma dívida bruta que deve alcançar a marca de 93% do PIB – saltando de 75,8% em 2019.

A esse aumento substancial de gastos neste ano, foram adicionadas pressões sobre a trajetória do cenário fiscal do país no pós-pandemia. Os últimos meses foram marcados por discussões sobre um aumento nos programas de transferência de renda e como fazer para acomodar esse aumento das despesas dentro da regra conhecida como “teto de gastos”.  

Vigente desde 2017, o Novo Regime Fiscal é visto hoje como a principal âncora fiscal no Brasil, ao estabelecer uma estratégia de ajuste gradual para retomar o superávit primário e reduzir a dívida pública no médio prazo. Uma eventual flexibilização das regra para acomodar o aumento nos programas de transferências, aumentaria a percepção de risco em relação à saúde das contas públicas no país.

Por ora, esse cenário parece pouco provável, uma vez que demanda uma alteração da Constituição e conta com a oposição do Ministério da Economia. Mas esse risco acabou se refletindo nas taxas de juros de mercado, especialmente para prazos mais longos.

A conta única

Este cenário aumenta a necessidade de financiamento do governo. O governo, então, recorre à emissão de nova dívida, conforme detalhado adiante, além de usar recursos de seu caixa prudencial reservado em sua conta única. A conta única é uma espécie de “conta corrente do governo”, onde é gerido o caixa para ingresso de receitas e pagamentos de despesas, provenientes das diversas transações com a sociedade em geral.

Apesar de ter um custo atrelado à Selic[1], o colchão de liquidez constituído na conta única permite ao Tesouro a flexibilidade de não contar apenas com a emissão de novos títulos para pagar os títulos vincendos (além de financiar o déficit primário) em períodos caracterizado por incertezas, em que investidores passam a demandar rendimentos mais elevados para o financiar o governo.

Como veremos adiante, esse é o contexto que vivemos hoje. Nesse cenário, a redução dos recurso da conta única nos últimos meses traz uma preocupação adicional aos agentes de mercado, ao refletir o tamanho da necessidade de financiamento fruto do aumento de gastos no combate à pandemia, que leva o governo a não somente emitir nova dívida, mas também reduzir substancialmente seu caixa prudencial.

[1] Isso ocorre, pois no nosso sistema de política monetária em que a meta Selic precisa ser cumprida, caso o Tesouro decida pagar seus compromissos com recursos da conta única no BC e a injeção de liquidez na economia acabe sendo excessiva, o BC retirará o excesso via operações compromissadas – isto é, via venda de títulos públicos com compromisso de recompra.

O “Megaleilão” do Tesouro Nacional

Quanto à emissão de nova dívida, no Brasil, os pequenos investidores têm acesso a estes títulos a partir do Tesouro Direto. Para que estes títulos cheguem nas mãos de investidores (tanto pessoa física, quanto gestores, bancos ou outros investidores institucionais), o Tesouro Nacional realiza leilões de títulos, no chamado mercado primário. Nestes leilões são definidas as taxas dos papeis ofertados, de acordo com a demanda dos participantes do mercado.

Se os agentes estão mais avessos a risco, as taxas exigidas serão mais altas. Quando há um novo leilão, as taxas definidas balizam também o mercado secundário dos títulos, onde quem os detém pode vende-los para quem deseja comprar. É o caso, por exemplo, do ambiente do Tesouro Direto.

No dia 10 de setembro, o Tesouro Nacional realizou o maior leilão da sua história, ofertando mais de R$ 46 bilhões, sendo cerca de 11,5% em LFTs, títulos pós-fixados. O volume muito expressivo impactou negativamente as expectativas dos agentes, por indicar que o Tesouro ainda tem muita necessidade de recursos, elevando, portanto, a percepção de risco em relação ao Brasil.

Isso levou à exigência de mais prêmio para compensar o risco futuro, principalmente nos títulos pós-fixados, que contam com menor liquidez no mercado, elevando o risco. O movimento continuou nos dias seguintes com o mercado se ajustando à nova realidade. No gráfico abaixo é possível observar a evolução do spread da LFT:

A aversão a risco pode ser acompanhada nas expectativas do mercado para os juros no futuro, refletidas na chamada curva DI futuro. Para entender, o gráfico mostra a leitura, em diferentes dias, das expectativas do mercado para os juros em datas futuras. Exemplo: no dia 21 de setembro, o mercado esperava que os juros seriam de 8,2% em janeiro de 2031.

Outra forma de avaliarmos o movimento de reprecificação é através do acompanhamento dos retornos do IMA-S. Esse índice, calculado pela Anbima, é composto pelo estoque de todas as LFTs que existem no mercado e reflete a evolução dessa carteira hipotética marcada a mercado (ou seja, refletindo as condições do mercado a cada momento).

No ano, esse indicador já acumula uma alta de 2,03%, representado uma rentabilidade de 91,4% da taxa Selic, que está em paridade com o CDI:

Resumindo: a desvalorização da LFT, ou Tesouro Selic, é consequência da maior percepção de risco fiscal no Brasil, o que levou os investidores a pedirem mais prêmio no megaleilão realizado recentemente. No entanto, o efeito sobre os títulos é mínimo, de cerca de 0,2% e tende à estabilização.

O que esperar?

Caso não ocorra nenhum outro evento que impacte o balanço fiscal além do esperado, a nossa percepção é de convergência para um patamar de preços, com diferença de rentabilidades entre a LTN (título prefixado do Tesouro Nacional) e LFT mais estreita e uma estabilidade no prêmio demandado pelo mercado.

O que fazer?

Esse movimento de remarcação nas LFTs foi pontual e esse instrumento permanece como uma boa referência para aplicações conservadoras do mercado.

Vale destacar que ao olharmos um movimento mais recente, em uma janela mais curta, o efeito parece muito relevante. Já quando o olhamos em prazo mais longo, a variação passa praticamente despercebida. É importante termos isso em mente para não tomarmos decisões irracionais.

Em razão disso, continuamos enxergando as aplicações em Tesouro Selic como uma boa alternativa para reserva de emergência. O risco de crédito do título continua sendo o mais baixo do mercado e a liquidez diária significa que o resgate pode ser realizado a qualquer momento.

As distorções recentes podem ter causado estranhamento, mas, como mencionado, foi um caso pontual. Além disso, o efeito para o “pequeno investidor”, ou seja, nós, pessoa física, é muito pequeno (cerca de 0,2% na data do presente artigo – 23/09) e i) só tem efeito de perda em caso de venda do ativo; e ii) o efeito de queda é temporário – com o tempo, o título retornará ao seu comportamento normal e voltará a valorizar, como já ocorreu outras vezes.

Veja mais

Fontes

Tesouro Direto
Anbima

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.