XP Expert

Início da temporada de resultados do 4º tri nos EUA em destaque nesta sexta

Dados de inflação e divulgações dos balanços do 4° trimestre de 2023 nos EUA são alguns dos temas em destaque nesta sexta, 12/01/2023

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0.15% | 130.649 Pontos

CÂMBIO -0,35% | 4,87/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa teve queda de 0,2% na quinta-feira, fechando o dia aos 130.649 pontos. A queda do índice ocorreu a partir da divulgação do IPCA no Brasil e do CPI americano, com ambos vindo acima do esperado pelo consenso. Para a economia brasileira, uma inflação acima da meta pode reduzir a velocidade do afrouxamento monetário. Já para os EUA, fortalece a possibilidade de um adiamento do ciclo de corte de juros no país. 

A maior alta do pregão foi de PRIO (PRIO3), que acompanhou outras petroleiras e subiu 2,6% após tensões no Mar Vermelho levarem ao aumento de 2,2% no preço do Brent. Do lado negativo, a maior queda foi de MRV (MRVE3), que despencou 11,8% após especulações negativas sobre uma mudança de guidance da companhia e sobre sua prévia operacional.

Renda Fixa

As taxas futuras de juros fecharam em queda, seguindo os rendimentos (yields) dos Títulos Públicos dos Estados Unidos (Treasuries). O movimento de baixa refletiu, principalmente, o otimismo do mercado em continuar ampliando as apostas em cortes de juros nos EUA a partir da reunião de março. DI jan/25 fechou em 10,115% (-2bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 9,73% (-6,5bps); DI jan/27 em 9,845% (-6bps); DI jan/29 em 10,21% (-7bps).

Mercados globais

Nesta sexta-feira, os futuros nos Estados Unidos operam sem direção definida (S&P 500: 0,0%; Nasdaq 100: -0,1%). A temporada de resultados se inicia hoje (confira nossa prévia) com divulgações dos balanços do 4° trimestre de 2023 de JP Morgan, Citibank, Wells Fargo, Bank of America  UnitedHealth, Blackrock e Delta.

Na Europa, os mercados operam em alta (Stoxx 600: 0,8%). Na China, os índices fecharam em baixa (CSI 300: -0,4%; HSI: -0,4%) após a primeira queda nos dados anuais de exportações chinesas em 7 anos e na antecipação das eleições de Taiwan no fim de semana, que devem gerar importantes repercussões para a geopolítica da região.

Economia

Importantes dados de inflação foram divulgados ontem no Brasil, EUA e China. No Brasil, o IPCA de dezembro avançou 0,56% em relação a novembro, acima das expectativas, com surpresa altista em alimentos in natura. A inflação doméstica fechou 2023 em 4,6%, dentro do intervalo de tolerância da meta. Também acima das expectativas, o CPI (inflação ao consumidor) dos Estados Unidos avançou 0,30% no mês passado, reforçando a mensagem de que o Federal Reserve (Fed) deve seguir cauteloso com o início do ciclo de flexibilização monetária. Já no campo deflacionário, o índice de preços ao consumidor da China recuou 0,30% em termos anuais, corroborando cenário de desaceleração econômica do país.

Encerrando a semana de inflação, a agenda desta sexta-feira traz a divulgação da inflação ao produtor nos Estados Unidos e da inflação ao consumidor da Índia.

Veja todos os detalhes

Economia

Inflação no Brasil encerra 2023 em 4,6%, dentro do intervalo de tolerância da meta

  • No Brasil, o IPCA de dezembro registrou alta de 0,56% em comparação a novembro, acima da nossa estimativa e do consenso de mercado (ambos em 0,50%). Assim, a inflação fechou 2023 em 4,62%, dentro do intervalo de tolerância da meta do Banco Central para o ano – limite superior de 4,75%. O principal desvio altista em relação à nossa projeção veio de alimentação no domicílio, especialmente alimentos in natura – grupo que registra alta na margem dadas as ondas de calor e o maior volume de chuvas. A média dos núcleos de inflação aumentou 0,45% na comparação mensal e 4,48% na anual. Enquanto isso, os serviços subjacentes (que excluem itens mais voláteis) também surpreendeu para cima (XP: 0,38%; efetivo: 0,51%). Em nossa visão, os resultados do IPCA de dezembro são consistentes com o nosso cenário de queda adicional da inflação em 2024 (projetamos 3,7%), principalmente devido a uma nova rodada de deflação global de custos. A inflação de serviços tem cedido, mas lentamente. Os recentes aumentos acima do esperado nos salários reais representam uma fonte de preocupação para a dinâmica dos preços de serviços nos próximos meses.
  • Também acima das expectativas, a inflação ao consumidor (CPI, em inglês) de dezembro dos EUA avançou 0,30% ante novembro e 3,35% ante dezembro de 2022. O núcleo da inflação – que exclui alimentos e energia – caiu para 3,93% (de 4,01%) na base anual e para 0,31% (de 0,40%) na base mensal, enquanto a inflação de serviços subjacentes cedeu para 5,31% na variação em 12 meses e 0,44% na mensal. De modo geral, a dinâmica de serviços segue resistente e deve ser observada nas próximas divulgações. O dado de dezembro reforça a mensagem de que o Fed (banco central dos EUA) deva seguir uma flexibilização monetária cautelosa. Projetamos que o FOMC (comitê de política monetária do Fed) reduzirá sua taxa de juros de referência em 1,50 p.p. ao longo de 2024, iniciando o ciclo de cortes em maio. Acreditamos que a queda nos preços das commodities apoia uma perspectiva de inflação de curto prazo mais benigna, porém resiliente, devido à persistente inflação salarial elevada e ao viés fiscal expansionista.
  • O índice de preços ao consumidor na China permaneceu no território deflacionário em dezembro, ao cair 0,3% em termos anuais, ligeiramente abaixo do consenso. O índice de preços do produtor de dezembro também caiu (-2,7%), marcando o 15° mês consecutivo de quedas. A deflação observada é explicada pelo baixo crescimento que o país enfrenta após reabertura econômica, com destaque à baixa confiança dos consumidores, desaceleração do comércio e contração do setor imobiliário
  • Na agenda de hoje, destaque para a divulgação da inflação ao produtor de dezembro nos EUA (às 10:30) e da inflação ao consumidor na Índia (às 09:00) Além disso, o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, irá discursar ao meio-dia em uma conferência.

Commodities

Data Expert | Tracking Semanal de Mineração e Siderurgia da XP

  • Os principais temas da semana foram a definição do presidente da Vale, as reivindicações da indústria siderúrgica brasileira pelo aumento das tarifas de importação de aço e a queda dos preços do minério de ferro em meio ao enfraquecimento da demanda do setor imobiliário chinês;
    • (i) A definição do CEO da Vale deve ser discutida neste mês, uma vez que o atual mandato termina em maio;
    • (ii) A produtora de aço brasileira CSN e o Instituto Brasileiro do Aço (“IABr”) estão trabalhando em alternativas para reduzir as importações de produtos siderúrgicos da China;
    • (iii) Os preços do minério de ferro caíram na China em meio ao enfraquecimento da demanda chinesa;
    • (iv) Por fim, vemos a precificação do minério de ferro da Vale em US$ 111/t (-18% vs. preço spot de US$ 140/t);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Papel e Celulose: O momentum da celulose chinesa está perdendo força; preços da celulose de fibra curta em US$ 650/t

  • Nesta semana, observamos:
    • (i) as perspectivas de mercado para a celulose mostraram sinais de desaceleração em dez’23, apesar de outro aumento de preço da celulose anunciado na China e na Europa para jan’24;
    • (ii) os futuros chineses da celulose de fibra curta estão atualmente em US$ 630/t para mar’24 (S/S estável), e ligeiramente abaixo dos preços spot da celulose de fibra curta de US$ 650/t na China;
    • (iii) receita preliminar da Suzano no 4T23E de +16% de T/T (top-pick sob nossa cobertura), enquanto a receita preliminar da Klabin deve aumentar 3% de T/T, e Irani de -1% T/T; e
    • (iv) Suzano está sendo negociada a 5,3x EV/EBITDA a termo ao excluir Cerrado, um desconto de 24% quando comparado à sua média histórica de 7,0x;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Empresas

MRV (MRVE3) | Prévia operacional do 4T23: Vendas líquidas robustas e geração de caixa moderada ajudada pela venda de recebíveis

  • A MRV apresentou dados operacionais ligeiramente positivos no 4T23, parcialmente compensados por um cenário de queima de caixa ainda pressionado (embora melhor) nas operações brasileiras;
  • Os lançamentos tiveram um desempenho moderado no trimestre (-25% A/A e +14% T/T) para focar na recuperação da rentabilidade, em nossa opinião;
  • As vendas líquidas foram recordes, aumentando 55% A/A e levando o VSO a 31,1% (+14,2 p.p. A/A), o que consideramos forte;
  • Os preços no segmento de baixa renda continuaram a tendência de alta, atingindo R$239 mil (+16% A/A e +4% T/T), sinalizando um melhor poder de precificação;
  • A geração de caixa atingiu R$86 milhões, com (i) R$137 milhões de geração de caixa da MRV Inc., ajudada por ~R$ 550 milhões em vendas de recebíveis, e (ii) R$ 104 milhões de queima de caixa da Resia (vs. R$ 433 milhões de queima de caixa no 3T), ajudada pela venda da Biscayne Drive;
  • Mantemos nossa recomendação de compra e preço alvo de R$ 17,00/ação, com base em um valuation atrativo negociado a 0,6x P/BV 24E;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Iguatemi (IGTI11): Vendas sólidas abrem caminho para o crescimento da receita de aluguel no 4T

  • A Iguatemi divulgou uma prévia positiva de vendas no 4T23;
  • As principais conclusões são:
    • Vendas recordes de R$ 18,9 bilhões (+11,2 A/A) em 2023, impulsionadas por um desempenho robusto de vendas no 4T23 (R$ 5,9 bilhões; +11,7% A/A);
    • SSS (12M) permanece em níveis fortes no 4T23, atingindo 8,9% (vs. 4T22), impulsionado principalmente por um forte crescimento no segmento de serviços (+15,8%);
  • Portanto, continuamos vendo espaço para o crescimento da receita de aluguel, apesar do efeito de reajuste do IGP-M sob pressão, impulsionado principalmente por um cenário positivo para o aluguel excedente;
  • Assim, podemos ver uma reação positiva do mercado e reiteramos nossa recomendação de compra e preço alvo de R$ 28,00/unidade;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Cyrela (CYRE3): Lançamentos robustos impulsionam o desempenho de vendas

  • A Cyrela divulgou dados operacionais robustos no 4T23;
  • Os lançamentos (100%) tiveram um desempenho sólido, atingindo R$ 2,7 bilhões (-3% A/A e +27% T/T), em grande parte impulsionados pelo segmento de alto padrão, atingindo R$ 1,5 bilhão (+37% A/A e estável T/T);
  • Observamos um sólido desempenho consolidado de vendas líquidas (100%), atingindo R$2,6 bilhões (-4% A/A e +15% T/T), e ajudado por novos lançamentos e estoques em construção, apesar do cenário macro desafiador com taxas de juros mais altas e financiamento escasso do SBPE (poupança);
  • Dito isso, mantemos nossa visão positiva sobre a CYRE3 e reiteramos nossa recomendação de compra com um preço alvo de R$ 26,00/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Camil (CAML3) | Revisão dos resultados do 3T23 (nov/23): recorde na receita permitindo recuperação nos lucros

  • Os preços mais altos do arroz deram o tom, e a Camil reportou uma receita recorde de R$ 3,0 bilhões (+15% a/a e +7,0% vs. XPe devido a preços mais altos), também beneficiada por maiores volumes de alto giro no Brasil (+3,0% a/a, em linha com a XPe);
  • Consideramos positivo o aumento nos volumes, especialmente levando em conta o aumento nos preços, juntamente com um ambiente competitivo difícil no açúcar, enquanto o varejo continua pressionando por menores estoques;
  • O aumento da receita permitiu uma maior diluição de custos e o EBITDA ajustado foi de R$222 milhões (+32% a/a e -2% vs. XPe). Apesar da sólida recuperação do EBITDA, a alavancagem permaneceu alta com DFL/EBITDA atingindo 4,3x (acima de seu covenant de final de ano de 3,5x), pressionando o fluxo de caixa. Assim, esperamos uma reação neutra no pregão de amanhã;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Raia Drogasil (RADL3): Feedback da reunião com executivos

  • Hoje, realizamos uma reunião com o Sr. Flávio Correia, Diretor de RI, e Sr. André Stolfi, Gerente de RI, a fim de obter uma atualização estratégica;
  • Os principais destaques foram: i) O foco principal da RD é melhorar o relacionamento com os clientes; ii) Digital e expansão são as duas principais alavancas de crescimento para o futuro; iii) RD Ads ainda estásendo construído, com ganhos mais robustos a serem capturados a partir de 2025; iv) Embora as recentes discussões tributárias devam impactar a RD, ela deve estar menos exposta do que seus concorrentes; e v) Espera-se uma desaceleração de receita, mas a rentabilidade se mantém sólida;
  • Mantemos a nossa recomendação Neutra;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Data Expert | Construção Civil: Monitor de indicadores de mercado de janeiro de 2024

  • Do lado positivo, destacamos:
    • Desempenho robusto das vendas líquidas no segmento de média/alta renda (vendas líquidas 12M de 97 mil unidades em set/23; +12% A/A), apoiando uma queda acentuada nos estoques (-17% A/A em set/23), o que poderia respaldar um ambiente sólido para o crescimento dos lançamentos no futuro;
    • Fortes perspectivas para as construtoras de baixa renda, com sólidas concessões do MCMV (acumulado no anoacum) em Dez/23 (95% do orçamento anual) apoiando uma revisão positiva do orçamento do FGTS para 2024 a 2027 (R$ 105 bilhões);
    • Custos de construção sob controle (INCC 12M em 3,3% em nov/23), ajudado pela queda acentuada da inflação de materiais (-691bps A/A);
  • Do lado negativo, observamos:
    • As saídas líquidas (12M) do SBPE permaneceram em níveis mais altos de R$ 72 bilhões em Dez/23 (vs. R$ 5 bilhões na média de 8 anos);
    • Concessões de empréstimos imobiliários (12M) diminuindo para R$ 151 bilhões em Nov/23 (-17% A/A);
  • Nossa preferência continua sendo pelo segmento de baixa renda, dada a combinação positiva de um cenário de forte demanda e um momentum positivo de lucros;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Teto de juros do consignado do INSS cai de 1,80% para 1,76% ao mês (Valor);
    • Em guerra por pequenos empresários, Cielo pagará mais a Bradesco e BB (Estadão);
    • Mercado brasileiro de fusões e aquisições tem maior recuo em uma década em 2023, diz RGS (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Quanto vai custar o espectro do 6G? UFSC vai calcular para Anatel (telesintese);
    • Reoneração da folha: apesar de impasse, esperam-se mudanças (telesintese);
    • Confira as cinco tendências para o varejo online em 2024, segundo a Nuvemshop (ecommercebrasil);
    • Empresas de tecnologia entram em nova fase de demissões (Valor);
    • Clique Aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Shopee, AliExpress e Shein: Fim de isenção para compras até US$ 50 está na mira de Haddad (Money Times)
    • Natura acelera integração com Avon após vender Body Shop (Valor)
    • Diretor da Multilaser paga R$ 127,5 mil para encerrar processo na CVM (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • Inflação de alimentos e bebidas sobe 1,03% em 2023, menor variação desde 2017 (Globo Rural);
    • Alimentos
      • China bloqueia importação de suínos e javalis de Bangladesh devido à Peste Suína Africana (Agrimídia);
      • Cinco frigoríficos paranaenses podem ser habilitados a exportar para a China (Notícias Agrícolas).
    • Agro
      • Trade’s lack of direction on US corn, soy crops could set up surprise (Reuters);
      • El Nino conditions set to continue for several months (Reuters).
    • Biocombustíveis
      • Moagem de cana do Centro-Sul cresce quase 80% na 2ª quinzena de dezembro (Globo Rural);
      • Vibra faz acordo com Inpasa para metanol verde (epbr).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Hapvida aprova a realização de emissão privada de 500 mil debêntures simples (ADVFN);
    • Planos de saúde: interesse pela portabilidade de carências cresceu 13,5% em 2023 (ANS);
    • Projeto estabelece jornada de 36 horas semanais para profissionais de saúde (Senado);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Combustível XP: As principais notícias que movem o setor de Óleo & Gás
    • Um silêncio sepulcral tomou conta da Vibra e Eneva e de seus assessores financeiros (Pipeline Valor)
    • Preço do petróleo aumenta após forças dos Estados Unidos e Reino Unido atacarem rebeldes Houthis (Financial Times)
    • Irã toma petroleiro e eleva tensão no Oriente Médio (Valor Econômico);
    • Aumento no escrutínio das sanções pressionam o preço do barril Russo (Reuters);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • Reoneração da folha reunirá Pacheco e Haddad (Sinduscon SP);
    • Minha Casa, Minha Vida deve ajudar a criação de 500 mil empregos formais neste ano (CUT);
    • INCC/Sinapi sobe 0,26% em dezembro ante 0,08% em novembro e acumula alta de 2,55% em 2023 (UOL);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • AGE da Eletrobras aprova a incorporação de Furnas (Valor Econômico);
    • Os bastidores da saída de Efrain Cruz do MME e a escolha de Arthur Valério para o cargo (MegaWhat);
    • Desgaste na relação com ministro levou à demissão de Efrain Cruz (Canal Energia);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

Prévia da temporada de resultados do 4º trimestre de 2023 nos EUA: Esperamos bons números e muita volatilidade

  • A partir do dia 12 de janeiro, a temporada de resultados do quarto trimestre de 2023 nos Estados Unidos começa a ganhar força;
  • Os resultados do quarto trimestre de 2023 devem ser mais fortes que o antecipado, uma vez que a barra para as empresas já está baixa, dada a magnitude das revisões dos números nos últimos meses;
  • O mercado antecipa alta de 1,6%, e segue esperando uma forte alta nos lucros para os próximos trimestres;
  • Confira nossa prévia completa aqui e o calendário de divulgações de resultados aqui.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • U.S. deficit tops half a trillion dollars in the first quarter of fiscal year (CNBC);
  • Americans Begin to Believe Inflation Is Cooling (The Wall Street Journal);
  • Endividamento das famílias cai pela 1ª vez em 4 anos, mas inadimplência bate recorde, diz CNC (Valor);
  • AGE da Eletrobras aprova a incorporação de Furnas (Valor);
  • Ratings da 3R elevados de ‘brA’ para ‘brA+’ por expectativa de maior geração de caixa; perspectiva estável; rating ‘brA+’ atribuído à 4ª emissão de debêntures (S&P Global);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Vacância de escritórios sobe, mas devoluções caem (Valor Econômico);
    • El Niño traz novo desafio para investimento em Fiagros; veja o que levar em conta na escolha (InfoMoney);
    • Fundos de papel têm cenário positivo para 2024, avalia Baroni (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Petrobras descarta possibilidade de investir em energia eólica e solar no exterior, diz Tolmasquim | Café com ESG, 12/01

  • O mercado encerrou o pregão de quinta-feira em território negativo, com o IBOV e o ISE registrando queda de 0,14% e 0,75%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) após analisar a possível compra de participação minoritária em parques eólicos offshore fora do país, a Petrobras descartou a possibilidade de investir em energia eólica e solar no exterior, de acordo com Mauricio Tolmasquim, diretor de transição energética – já no país, a empresa se comprometeu com investimentos na ordem de US$ 5,2 bilhões em energia solar e eólica até 2028; e (ii) em entrevista ao Valor Econômico, a Vale prevê um desembolso da ordem de R$29 bilhões, entre 2019 e 2035, para fazer a descaracterização das barragens construídas pelo método a montante, o mesmo utilizado na Barragem da Mina Córrego do Feijão da Vale, em Brumadinho (MG), que se rompeu em 2019 – desse valor total, R$7 bilhões já foram gastos até o fim de 2023, segundo Frank Pereira, diretor de engenharia geotécnica da companhia;
  • No internacional, a Hertz Global, uma das maiores empresas de locação do mundo, disse que planeja vender um terço de sua frota de veículos elétricos nos Estados Unidos e reinvestir em carros movidos a combustão devido à fraca demanda e aos altos custos de reparo para seus modelos movidos a bateria – segundo executivos, as vendas de veículos elétricos desaceleraram acentuadamente ao longo de 2023, subindo apenas 1,3% no último trimestre.
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.