XP Expert

China suspende importação de alguns produtos agrícolas dos EUA e ruídos políticos no Brasil

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 0,52% | 87.403 Pontos

CÂMBIO 1,36% | 5,34/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Após uma semana positiva para o Ibovespa, mercados internacionais amanhecem pressionados após China pausar importações de produtos agrícolas, incluindo soja e carne suína dos EUA, sinalizando que poderá quebrar regras do acordo bilateral. Apesar disso, bolsas na Europa e futuros nos EUA começam a reverter queda inicial, e bolsas asiáticas fecharam no positivo.

Nos EUA, o final de semana foi marcado por protestos contra o racismo após a morte de George Floyd. Ao menos 40 cidades devem ter toque de recolher após constantes confrontos com a polícia. 

Em relatório, o Instituto de Produtos Biológicos Beijing e o Grupo Nacional de Biotecnologia da China anunciaram a conclusão da segunda etapa do teste da vacina contra o Covid-19. A vacina deve estar no mercado até o final do ano ou início de 2021.

Na Zona do Euro, o PMI industrial subiu da mínima histórica de 33,4 em abril para 39,4 em maio, em linha com as expectativas de mercado. Na China, o indicador passou de 49,4 para 50,7. O resultado acima de 50 sugere que o setor manufatureiro do país voltou a apresentar expansão no mês.

No Brasil, a produção industrial de abril e o PMI de maio serão os principais destaques da agenda de indicadores econômicos desta semana. No cenário internacional, os destaques serão os dados do mercado de trabalho nos Estados Unidos e na Zona do Euro, os PMIs de maio das principais economias globais e a decisão de política monetária do Banco Central Europeu.

Na política, a semana se inicia com os desdobramentos das manifestações de sábado e domingo, em meio à escalada de tensões entre o governo e o Supremo Tribunal Federal. O presidente Jair Bolsonaro participou, mais uma vez, de atos em Brasília que tinham o STF como alvo e, ao elencar desafios que tem pela frente no Judiciário, tuitou que “tudo aponta para uma crise”. O ministro Celso de Mello, do Supremo, escreveu a seus colegas no tribunal comparando o momento atual do Brasil à Alemanha de Hitler. Destaque também para as primeiras manifestações de rua contra o governo, encabeçadas por torcidas organizadas de clubes de futebol, que acabaram em confronto com a polícia no Rio e em São Paulo. 

Do lado corporativo, publicamos relatório setorial alterando algumas das nossas preferências na cobertura de varejo, aumentando a exposição à aceleração do varejo digital (ou multicanal). Elevamos a nossa recomendação para as ações de Lojas Americanas (LAME4) para Compra, com preço-alvo de R$ 36,00. Acreditamos que o progresso rápido em relação à digitalização suportará o aumento da produtividade das lojas. Além disso, rebaixamos as ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) para Neutro, com preço-alvo de R$ 70,00, em função da baixa visibilidade em relação aos resultados e valuation pouco atrativo após a atualização das estimativas.

Por fim, publicamos nosso Panorama de mercado para o mês de junho. Olhando para frente, esperamos mais um mês de noticiário conturbado no Brasil, mas com contínua melhora em relação aos meses anteriores, na medida que nossos estudos indicam que o começo de junho poderia ser o pico dos casos coronavírus no país. Nesse mês, fizemos 3 mudanças na nossa Carteira Top 10 XP. Entram: 1) EZTec, 2) Iguatemi, e 3) Lojas Americanas e saem: 1) Marfrig, 2) Grupo Pão de Açúcar e 3) Omega. Mantemos o nosso target (preço alvo) para o Ibovespa em 94,000 pontos inalterado.

Tópicos do dia

Coronavírus

Tempos de guerra – revisando o target da Bolsa
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Agenda de resultados

Temporada de resultados 1° tri 2020: o que esperar?
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados
Clique aqui para acessar o calendário de resultados do 1T20

Internacional

  1. Política internacional: tensões EUA-China em destaque
  2. Petróleo: OPEP+ discute potencial extensão de atual nível de cortes de produção por 1-2 meses

    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Panorama de Mercado XP: Bolsa em junho – O que você precisa saber para investir
  2. Varejo: Mudando preferências em meio à aceleração digital; Lojas Americanas COMPRA e Grupo Pão de Açúcar NEUTRO
  3. Cosan: destaques dos resultados do 1T20
  4. CMN estende prazo de vedação de distribuição de dividendos acima do mínimo
  5. Rodrigo Maia diminui possibilidade de aumento do imposto bancário
  6. Iguatemi (IGTA3): Companhia anuncia reabertura de 4 shoppings no interior de SP
  7. CSN (CSNA3): Paralisação temporária do Alto-Forno #2 para adequar à demanda mais fraca
  8. JBS (JBSS3): Justiça autoriza reabertura de planta da Seara em Santa Catarina
  9. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): China suspende importações de alguns produtos agrícolas dos EUA


Veja todos os detalhes

Internacional

Política internacional: tensões EUA-China em destaque

  • No lado internacional, o fim de semana foi marcado pelo sexto dia de protestos nos Estados Unidos após a morte de um homem negro por um policial branco. Episódios de violência levaram governadores de mais de 30 cidades a decretarem toque de recolher e ao acionamento da Guarda Nacional em 11 estados;
  • Também, as tensões entre os EUA e a China permanecem em destaque após o pronunciamento do presidente americano, Donald Trump, na sexta-feira. A Casa Branca afirma que o status especial de Hong Kong deve ser revogado e anunciou a criação de um grupo de trabalho para estudar a eliminação de benefícios dados a Hong Kong em matéria comercial. Vale lembrar que hoje Hong Kong não é afetada pelas mesmas tarifas que a China.

Petróleo: OPEP+ discute potencial extensão de atual nível de cortes de produção por 1-2 meses

  • Segundo a Reuters, os países da OPEP+ estão discutindo uma potencial extensão do atual nível de cortes de produção de 9,7 milhões de barris ao dia. Lembramos que em abril, o grupo dos maiores produtores do mundo anunciou um acordo para reduzir sua produção em 9,7 milhões de barris ao dia (mbpd) a partir de 1º de maio, por dois meses. A partir de julho de 2020, o nível de cortes será reduzido para 7,6 mbpd até o final do ano, e depois passará a 5,6 mbpd, vigentes até o final de 2022;
  • A princípio, a Arábia Saudita gostaria de estender o atual nível de cortes até o final do ano. Porém, o reino ainda precisaria convencer a Rússia de tal prazo adicional, com este último país defendendo um aumento de 1 ou 2 meses no prazo atual;
  • A Argélia, país que preside a OPEP, propôs que os países da OPEP+ se reúnam em 4 de junho antes do encontro previsto para os dias 9 e 10 de junho, de modo a facilitar o planejamento de vendas de óleo cru a países como Arábia Saudita, Iraque e Kuwait;
  • Nesta manhã, o petróleo Brent recua -0,21%, aos US$37,76/barril, e o WTI opera em queda de -0,85%, aos US$35,19/barril.

Empresas

Panorama de Mercado XP: Bolsa em junho – O que você precisa saber para investir

  • O mês de maio foi marcado pela intensificação das três principais crises discutidas ao longo dos últimos meses desde o início da pandemia: saúde, economia e política;
  • Além disso, vimos as tensões entre EUA e China voltarem a se elevar, o que muitos já chamam de uma possível nova Guerra Fria entre as duas superpotências;
  • Mesmo assim, o Índice Ibovespa subiu +8,6% no mês, o que se compara a +4,5% dos índices S&P500 e +2,9% do Euro STOXX 600, todos em moeda local;
  • Mas o que esperar do mercado em junho?
  • Olhando para frente, esperamos mais um mês de noticiário conturbado no Brasil, mas que os ativos brasileiros continuem a se recuperar, na medida que nossos estudos indicam que o começo de junho seria o pico do coronavírus no país. Na política, o mês de junho começa com o acirramento das tensões entre a Presidência da República e o Supremo Tribunal Federal, e com a operação da Polícia Federal no inquérito sobre fakenews que mira aliados do presidente;
  • Nesse mês, fizemos três mudanças na nossa Carteira Top 10 XP. Além disso, mantemos o nosso target (preço alvo) para o Ibovespa em 94,000 pontos ao final de 2020 inalterado;
  • Clique aqui para mais detalhes e entenda nossa visão positiva para a Bolsa, assim como nossas Top 10 Ações.

Varejo: Mudando preferências em meio à aceleração digital; Lojas Americanas COMPRA e Grupo Pão de Açúcar NEUTRO

  • Alteramos algumas das nossas preferências na cobertura de varejo, aumentando a exposição à aceleração do varejo digital (ou multicanal). Neste relatório, elevamos a nossa recomendação para as ações da Lojas Americanas (LAME4) para Compra (anteriormente Neutro) e rebaixamos as ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) para Neutro. Permanecemos com recomendação Neutra para B2W (BTOW3);
  • Lojas Americanas: COMPRA e preço-alvo de R$ 36,0. As vendas da Lojas Americanas têm se mostrado resilientes em meio à crise desencadeada pelo COVID-19. Isso foi suportado por (i) um progresso surpreendentemente rápido em todos os recursos de multicanalidade com a B2W, bem como (ii) um sortimento de loja flexível e de ticket baixo. Esperamos que esses atributos continuem suportando um forte crescimento médio de lucro de +20% entre 2019 e 2022 e retornos sólidos (28% de ROIC em 2021 vs. 26% em 2019). Nas nossas estimativas, o valor implícito da LASA (operação de lojas físicas da LAME) atualmente negocia a um múltiplo P/L atrativo de 13,9x em 2021;
  • Grupo Pão de Açúcar: Neutro e preço-alvo de R$ 70,0. No geral, continuamos esperando um forte ritmo de crescimento de vendas no curto prazo (crescimento orgânico de +16% A/A em 2020), impulsionado pelo aumento do consumo básico das famílias e por um câmbio mais favorável na operação internacional do GPA (Éxito). Além disso, ainda esperamos uma melhora contínua (embora gradual) da margem na operação de varejo da empresa (36% do EBITDA). No entanto, acreditamos que a visibilidade em relação aos resultados permanecerá reduzida. Atualmente vemos as ações negociando em um múltiplo P/L consolidado pouco atrativo de 18,0x para 2021 e, portanto, vemos um potencial de alta limitado dos níveis atuais;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Cosan: destaques dos resultados do 1T20

  • Em 29 de maio, após o mercado, a Cosan anunciou seus resultados do 1T20. O lucro líquido foi de R$ 102,3 milhões, abaixo da nossa estimativa de R$ 274,5 milhões e média do consenso de mercado de R$ 409,0 milhões (Bloomberg);
  • O EBITDA ajustado (incluindo 50% do EBITDA na Raízen, joint venture entre Cosan e Shell) foi de R$ 1.697,8 milhões, 11% acima da nossa estimativa de R$ 1.529,8 milhões e 4,2% acima do consenso da Bloomberg de R$ 1.629,0 milhões;
  • Tal performance refletiu uma combinação de (i) resultados em linha na Comgás (gás natural canalizado) e Moove (lubrificantes), (ii) resultados em linha na Raízen Combustíveis Brasil (distribuição de combustíveis), com uma margem EBITDA Ajustada de R$ 91 / m3 versus nossa estimativa de R$ 94 / m3, (ii ) resultados acima do esperado na Raízen Energia (açúcar e etanol) devido à alocação dos volumes de açúcar e etanol no trimestre e melhores preços para ambos os produtos e (iii) resultados abaixo do esperado na Raízen Argentina (refino e distribuição de combustíveis no país vizinho). O despontamento do lucro frente às nossas expectativas refletiu maiores despesas financeiras líquidas do que projetávamos;
  • Também destacamos que a Raízen Energia forneceu um status atualizado de sua posição de hedge de açúcar, detalhado como (a) 2.256 mil toneladas a preços médios de US$ c13,5 / lb (centavos de dólar por libra-peso) para a safra 2020-21 e (b) 1.123 mil toneladas a preços médios de US$ 13,4 / lb para a colheita de 2021-22;
  • Temos uma avaliação positiva dos resultados da Cosan no 1T20, dado que os números do EBITDA ajustado ficaram acima das nossas estimativas. Dito isso, não acreditamos que esses resultados sejam um grande indicador dos desafios atuais para as linhas de negócios da companhia, particularmente no caso de (i) Raízen Combustíveis devido à forte queda no volume de vendas de combustível em meio à quarentena e à forte queda das vendas de querosene de aviação com a redução do número de voos, (ii) Raízen Energia devido à queda nos preços de açúcar e etanol como um uma segunda derivada da queda dos preços de petróleo e (iii) Raízen Argentina devido às medidas mais restritivas de quarentena e distorções de preços entre os preços entre os elos de produção de petróleo e refino e comercialização de derivados no país. Temos uma classificação de compra na Cosan (preço-alvo baseado em soma das partes dos negócios de R$ 83 / ação).

CMN estende prazo de vedação de distribuição de dividendos acima do mínimo

  • O Conselho Monetário Nacional decidiu estender a resolução 4.797 até o fim de 2020. O projeto: i) veda o pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio acima do mínimo requerido de 25%; ii) proíbe a redução de capital pelos bancos; e iii) proíbe o aumento da remuneração de administradores e conselheiros. A medida tem como objetivo a preservação do capital pelos bancos para que possam conceder crédito e ter base para absorção de eventuais perdas. A medida estará em vigor até o fim do ano;
  • Nossa visão ainda é negativa, pois a medida reduz a flexibilidade de distribuição pelos bancos. Porém não acreditamos que o impacto será grande, devido aos seguintes motivos: i) já acreditávamos que bancos tenderiam a ser conservadores ao distribuir dividendos nesse momento de incerteza de qualquer maneira; ii) como a medida é válida apenas em 2020, bancos ainda podem realizar o payout que acharem adequado já no início de 2021 através de dividendos; e iii) payout de 2020 representam uma pequena parte do valor dos bancos sob nossa cobertura;
  • A maior mudança agora, na nossa visão, é que bancos não podem aproveitar em 2021 o benefício fiscal de juros sob capital próprio relativo a 2020, ou seja, 2020 de fato terá uma distribuição menor. Anteriormente a extensão, os bancos ainda poderiam distribuir JCP no limite regulatório durante o quarto trimestre, o que não será mais possível. Como resultado, dessa vez o impacto deve ser maior, uma vez que bancos devem ter um imposto efetivo mais alto. Clique aqui para acessar o relatório.

Rodrigo Maia diminui possibilidade de aumento do imposto bancário

  • Na última sexta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados afirmou que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de COVID-19;
  • Conforme comentado no nosso relatório sobre as medidas do legislativo que visavam bancos, existem atualmente medidas no Senado para aumentar o imposto corporativo de bancos. Ainda complementamos, no mesmo relatório, que existia a possibilidade de o aumento entrar na reforma tributária, possibilidade confirmada pelo próprio Rodrigo Maia, que afirmou que tais discussões de tributos devem entrar no segundo semestre, com a reforma;
  • A fala é positiva para bancos, uma vez que tais aumentos impactam diretamente o valor dos mesmos. No nosso relatório, estimamos que um aumento de 5% a 20% na CSLL poderia diminuir o valuation dos bancos em até 27%. Clique aqui para acessar o relatório.

Iguatemi (IGTA3): Companhia anuncia reabertura de 4 shoppings no interior de SP

  • A Iguatemi anunciou ontem que 4 de seus empreendimentos no interior do estado de São Paulo seriam reabertos entre hoje (1/Junho) e amanhã, sendo eles: Iguatemi Ribeirão Preto (Ribeirão Preto/SP), Iguatemi Rio Preto (São José do Rio Preto/SP), Iguatemi Esplanada (Sorocaba/SP) e Iguatemi São Carlos (São Carlos/SP). Todos os shoppings estavam fechados desde o dia 21 de Março e irão funcionar em horário reduzido;
  • Antes do anúncio, a empresa já contava com 5 ativos reabertos (3 shoppings e 2 outlets). O Iguatemi Ribeirão Preto representou cerca de 4% da receita total de aluguel da companhia de 2019, enquanto o Iguatemi Rio Preto teve participação de 5%, o Iguatemi Esplanada representou 7%, e o Iguatemi São Carlos 1%;
  • Para acompanhar os shoppings que já tiveram suas atividades retomadas, bem como a data de abertura, a representatividade na receita e a operadora, acesse nosso relatório de acompanhamento, que será sempre atualizado conforme novos ativos forem reabertos.

CSN (CSNA3): Paralisação temporária do Alto-Forno #2 para adequar à demanda mais fraca

  • A CSN anunciou a paralisação temporária do Alto-Forno número 2, seguindo uma demanda mais fraca com impactos da Covid-19;
  • O Alto-Forno #2 tem uma capacidade de 1,5mn toneladas de aço por ano;
  • Vemos o comunicado de forma neutra, uma vez que a maior parte dos impactos da Covid-19 já estão precificados, em nossa opinião. Mantemos nossa recomendação de Compra com otimismo em relação ao negócio de minério de ferro.

JBS (JBSS3): Justiça autoriza reabertura de planta da Seara em Santa Catarina

  • Segundo o G1, a Justiça do Trabalho autorizou neste sábado (30) a reabertura do frigorífico da Seara em Ipumirim, em Santa Catarina. A unidade, que conta com cerca de 1,5 mil funcionários e processa 135 mil aves por dia, estava interditada desde 18 de maio;
  • Entre outros fatores para a autorização, a juíza Paula dos Santos considerou a importância econômica da atividade para o município, uma vez que “grande parte da arrecadação municipal (cerca de 60%) advém dos impostos gerados pela cadeia produtiva da empresa ré”;
  • A juíza considerou ainda prejuízos ao meio ambiente, já que “milhares de aves terão que ser sacrificadas de imediato, com graves problemas ambientais para efetivação do descarte” e os danos econômicos e sociais aos trabalhadores e ao município.

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): China suspende importações de alguns produtos agrícolas dos EUA

  • Segundo a Bloomberg, autoridades da China disseram às principais empresas agrícolas estatais para interromper a compra de alguns produtos agrícolas norte-americanos, incluindo a soja e a carne suína, enquanto o governo de Pequim avalia a escalada das tensões com os Estados Unidos sobre Hong Kong;
  • As tradings estatais Cofco e Sinograin receberam a ordem de suspender as compras, mas empresas privadas não receberam a orientação de interromper as importações. A suspensão é mais um sinal de que o difícil acordo comercial de primeira fase entre as duas maiores economias do mundo está em risco;
  • Vemos impacto mais direto da notícia para a JBS, devido às suas operações de carne suína nos EUA (12% da receita no 1T20) mas ainda há poucos detalhes para quantificarmos tal suspensão da China. Vale lembrar que a JBS também exporta para China através de suas operações no Brasil, enquanto tanto ela, quanto Marfrig e BRF são empresas muito bem posicionadas geograficamente. De qualquer maneira, monitoraremos tal situação.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.