XP Expert

Bolsas em queda; mercados aguardam encontro entre EUA e China

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +1,8% | 113.076 Pontos

CÂMBIO -0,7% | 5,04/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaques do dia

Hoje, o presidente dos EUA, Joe Biden, terá uma reunião com o Xi Jinping, presidente da China, para discutir a guerra na Ucrânia e questões comerciais. Os EUA devem alertar a China de que qualquer ajuda efetiva à Rússia poderá provocar retaliações. No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga a taxa de desemprego do trimestre até janeiro e os demais resultados da Pesquisa Nacional Mensal por Amostra de Domicílios (Pnad) nesta sexta-feira, às 9h. Nossas expectativas e consenso de mercado mostram um aumento na taxa de desemprego de 11,1% no último trimestre para 11,3%.

Brasil

Em dia após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) e pelo Federal Reserve, o Ibovespa encerrou a quinta-feira (17) em alta de +1,8% aos 113.076 pontos puxados pelas empresas ligadas a commodities em meio ao impasse de negociações entre a Rússia e Ucrânia. O dólar recuou -0,7% a R$ 5,04. No mercado de juros, as taxas futuras de curto prazo tiveram um movimento de recuo após o comunicado do Copom ser interpretado como mais brando em relação aos próximos passos da política monetária, reduzindo a precificação de mercado para um ciclo de alta menos extenso. Ou seja, por mais que tenha sido sinalizado um aumento em 1% na taxa Selic para a reunião de maio, o aperto monetário poderia se encerrar mais cedo. DI jan/23 fechou em 12,93%; DI jan/24 foi para 12,815%; DI jan/25 encerrou em 12,35%; e DI jan/29 fechou em 12,3%.

Mundo

Bolsas internacionais amanhecem negativas (EUA -0,5% e Europa -0,1%) enquanto investidores seguem monitorando as negociações entre Rússia e Ucrânia, com pouco progresso até o momento. Na China, o índice de Hang Seng (-0,4%) encerra levemente negativo após forte rali durante a semana, à medida que a postura de maior suporte aos ativos financeiros do governo chinês contribuiu para uma melhora no sentimento dos investidores. Por fim, o ouro (-0,5%) amanhece em campo negativo e encaminha-se para registrar a sua maior perda semanal desde novembro.

Rússia e Ucrânia

Após um quarto dia consecutivo de conversas entre Rússia e Ucrânia, as negociações para uma solução ao conflito parecem estagnadas. Apesar da possibilidade de uma resolução com neutralidade da Ucrânia como base, Moscow, Kiev e os EUA destacam que há um longo caminho a percorrer para chegar a um acordo. Em paralelo, os presidentes dos Estados Unidos e da China, Joe Biden e Xi Jinping conversam nesta sexta-feira (18) por videoconferência para discutir a guerra na Ucrânia. Segundo o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, o americano deve enfatizar que a Casa Branca tomaria ações contra a China se Beijing apoiar a invasão russa diretamente. A Casa Branca alerta ainda que Vladimir Putin deve utilizar ameaça nuclear se a guerra se estender. E a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou um projeto que suspenderia os laços comerciais normais do país com a Rússia por causa da invasão.  

Pacote de medidas econômicas no Brasil

No Brasil, um pacote de “bondades” foi anunciado ontem, incluindo medidas como a liberação de saques extraordinários do FGTS, antecipação do 13º para aposentados e pensionistas, e aumentos nas margens para empréstimos consignados. A expectativa é que o pacote injete R$ 165 bilhões na economia.

Temporada de resultados do quarto trimestre de 2021

Por fim, em empresas, a temporada de resultados do quarto trimestre de 2021 segue em destaque. Ontem, publicamos os resultados das empresas sob nossa cobertura: BR Malls (BRML3), Cury (CURY3), Cyrela (CYRE3), Plano & Plano (PLPL3), Fleury (FLRY3), Lojas Renner (LREN3), Grupo Soma (SOMA3) e Vivara (VIVA3).

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

Calendário do 4T21

Temporada de resultados do 4º trimestre 2021 – o que esperar?

Economia

As negociações entre a Rússia e a Ucrânia não mostram avanços e os EUA alertam a China sobre retaliação se ela apoiar ativamente a Rússia; No Brasil, foi anunciado ontem um pacote de medidas que pode injetar R$ 165 bilhões na economia

  • Após um quarto dia consecutivo de conversas entre negociadores russos e ucranianos, mensagens de ambos os lados sugeriram que o acordo ainda estava longe. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, jogou água fria na esperança de um acordo diplomático para a guerra na Ucrânia, dizendo que não havia sinais de que Vladimir Putin estava “preparado para impedir” a invasão russa de seu vizinho. Nesta sexta-feira, Biden deve conversar com Xi Jinping, presidente chinês, sobre a guerra na Ucrânia, após crescentes preocupações em Washington de que Pequim esteja do lado de Moscou no conflito. Com o aumento da incerteza, os preços das commodities voltaram a subir, com o petróleo chegando a US$ 107 por barril;
  • Nos EUA, novos pedidos de auxílio-desemprego caíram na semana passada, pois a demanda por mão de obra permaneceu forte, posicionando a economia para mais um mês de sólidos ganhos de emprego. As listas de benefícios de desemprego foram as menores em 52 anos no início de março, também mostrou o relatório semanal de pedidos de auxílio-desemprego do Departamento do Trabalho na quinta-feira. Esta impressão reforça a mensagem de Powell de que o mercado de trabalho está extremamente apertado. Sinais da força subjacente da economia no contexto de inflação crescente e tensões geopolíticas também foram evidentes em outros relatórios mostrando uma aceleração na produção manufatureira no mês passado e uma forte recuperação na construção de moradias;
  • No Japão, o CPI de fevereiro atingiu 0,9% A/A, em linha com o consenso do mercado. O BoJ manteve as taxas de juros em -0,1 como esperado e alertou para o aumento dos riscos para uma frágil recuperação econômica da crise na Ucrânia, reforçando as expectativas de que permanecerá discrepante na mudança global para uma política monetária mais apertada;
  • O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) – uma proxy mensal para o PIB brasileiro – caiu 1% MoM em janeiro, muito abaixo da nossa expectativa e do consenso de Street (0% e -0,2%, respectivamente). O print reforça nossa avaliação de que o ritmo da atividade doméstica segue fraco, mas o indicador deve retomar o crescimento em fevereiro, já que calculamos agora que o IBC-Br cresceu 0,4%. Para o primeiro trimestre de 2022, nosso rastreador de alta frequência do PIB aponta para 0,5% no trimestre;
  • O governo brasileiro anunciou ontem um pacote de medidas que pretende injetar R$ 165 bilhões na economia. As medidas incluem saques extraordinários do FGTS, com impacto estimado em R$ 30 bilhões; o adiantamento do 13º salário para aposentados e pensionistas, com impacto de R$ 56,7 bilhões em abril e maio; o aumento das margens do crédito consignado dos atuais 35% para 40% para aposentados e pensionistas, o que pode injetar R$ 77 bilhões na economia; e um programa de microcrédito para microempreendedores. Nossa equipe econômica estima que essas medidas exerceriam uma contribuição positiva de até 0,3 pp. no PIB;
  • O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga a taxa de desemprego do trimestre até janeiro e os demais resultados da Pesquisa Nacional Mensal por Amostra de Domicílios (Pnad) nesta sexta-feira, às 9h. Nossas expectativas e consenso de mercado mostram um aumento na taxa de desemprego de 11,1% no último trimestre para 11,3%. Esperamos que a tendência de queda do desemprego continue no primeiro semestre do ano, impulsionada pelos contratos de prestação de serviços. Mas, em linha com o enfraquecimento da oferta doméstica esperado a partir do segundo trimestre, nossa expectativa é de uma virtual estabilidade do desemprego na segunda metade do ano.

Política

A guerra na Ucrânia permanece em destaque

  • Em meio a relatos de estagnação da invasão russa, as negociações entre a Rússia e Ucrânia continuam sem avanços relevantes. Apesar da possibilidade de uma resolução com neutralidade da Ucrânia como base, Moscow, Kiev e os EUA destacam que há um longo caminho a percorrer para chegar a um acordo;
  • Em paralelo, os presidentes dos Estados Unidos e da China, Joe Biden e Xi Jinping conversam nesta sexta-feira (18) por videoconferência para discutir a guerra na Ucrânia. Segundo o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, o americano deve enfatizar que a Casa Branca tomaria ações contra a China se Beijing apoiar a invasão russa diretamente;
  • A Casa Branca alerta ainda que Vladimir Putin deve utilizar  ameaça nuclear se a guerra se estender;
  • E a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou um projeto que suspenderia os laços comerciais normais do país com a Rússia por causa da invasão.  

Empresas

Fleury (FLRY3): Resultados do 4T21 – Resultados neutros, em linha com nossas expectativas

  • O Fleury apresentou resultado neutro no 4T21, com lucro líquido de R$71 (em linha com nossa estimativa);
    • As receitas aumentaram 9,7% A/A, devido a um grande aumento nas receitas de novos negócios à medida que a empresa se diversifica para além de seus negócios de diagnósticos;
    • Os testes de Covid-19 estão perdendo relevância consistentemente, representando apenas 5,7% das receitas (-5,4 p.p. A/A);
    • A margem EBITDA comprimiu 6,4 p.p. A/A devido à alta base de comparação e a ampliação da estrutura administrativa para fomentar o crescimento;
    • As despesas financeiras líquidas totalizaram R$ 55M (vs. R$39M no 4T20) mostrando que a empresa tem um saldo de dívida líquida bem controlado (2x EBITDA considerando arrendamentos).
  • Acesse o relatório completo aqui.

Varejo: Lojas Renner, Grupo Soma e Vivara reportam resultados do 4T21

  • Grupo Soma e Vivara foram os destaques positivos, enquanto a Lojas Renner foi o destaque negativo da noite;
  • Clique aqui para ver o relatório de Lojas Renner, aqui para ver de Grupo Soma e aqui para ver de Vivara.

Construção Civil – Os Jogos Olímpicos das construtoras 4T21

  • Cury está com a medalha de ouro, pois registrou resultados mais fortes do que o esperado no 4T21, impulsionados por uma receita líquida sólida atingindo R$ 491 milhões (+7,6% T/T e 42% A/A). A empresa também aumentou seu preço médio por unidade no 4T21 para R$ 241 mil (+5,7% T/T e +22,6% A/A), levando a uma margem bruta ajustada mais forte do que o esperado de 38,0% (+1,7 p.p. vs. XPe; -0,4 p.p. T/T), apesar da forte pressão da inflação de custos de construção. Como resultado, o lucro líquido atingiu níveis robustos de R$ 103 milhões (+54% T/T e +53% A/A), levando a uma geração de caixa sólida de R$ 92,7 milhões no 4T21 (vs. R$ 64,7 milhões no 3T21). Assim, vemos a Cury como nossa top-pick e reiteramos recomendação de compra com um TP de R$ 13,00/ação;
  • Aproximando-se, com a medalha de prata, vemos a Cyrela, pois reportou resultados resilientes no 4T21, impulsionados principalmente por lançamentos robustos que atingiram R$ 2,4 bilhões (+21,2% T/T e -6,7% A/A) e forte desempenho de vendas atingindo R$ 1,4 bilhão (+14,9% T/T e -16,1% A/A). A empresa apresentou margem bruta saudável de 33,4% (-1,3 p.p. T/T e +1,6 p.p. A/A), apesar dos preços das matérias-primas sob pressão. Além disso, a Cyrela registrou geração de caixa sólida de R$100 milhões, levando sua alavancagem a 4,1% dívida líquida/patrimônio líquido (vs. 5,8% no 3T21), o que vemos como positivo. Assim, reiteramos nossa recomendação de compra com um TP de R$33,00/ação;
  • A Plano & Plano chegou com a medalha de bronze, pois apresentou resultados neutros do 4T21, explicados pelo desempenho resiliente da receita líquida que atingiu R$ 298 milhões (+8% A/A). Além disso, a empresa registrou forte crescimento nos lançamentos atingindo R$ 565 milhões no 4T21 (+28,4% T/T e +7,0% A/A) e vendas líquidas atingindo R$ 305 milhões (-6,7% T/T e +7,1% A/A). A Plano & Plano também reportou margem bruta abaixo do esperado de 31,4% (-2,8 p.p. vs. XPe; -2,2 p.p. T/T), prejudicada pelos custos sob pressão. Assim, mantemos nossa visão construtiva para as ações no longo prazo com recomendação de compra e TP de R$7,00/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

BR Malls (BRML3) – Resultados 4Q21: Resultados sólidos impulsionados pelo forte crescimento do aluguel nas mesmas lojas

  • A BR Malls apresentou resultados sólidos no 4T21, impulsionados pelo crescimento do aluguel mesmas lojas atingindo (+24% vs 4T19 e +10,5% vs. 3T21), levando a uma forte receita de locação atingindo R$ 273 milhões (+2% vs. níveis de 2019). Além disso, a empresa registrou crescimento nas vendas dos lojistas +30% em relação ao 4T20 e quase estável em relação aos níveis de 2019. Com isso, a inadimplência líquida foi afetada positivamente, atingindo níveis recordes de -1,8% no 4T21 vs. 4,8% no 3T21;
  • Além disso, a brMalls registrou taxas de ocupação recordes aumentando para 97,9%, com turnover atingindo (5,3% no 4T21 vs. 5,0% no 3T21) e custo de ocupação atingindo 10,1% no trimestre (vs. 11,5% no 3T21). A empresa também divulgou alguns dados de fev/2022 com aluguel mesmas lojas atingindo 39,1% e taxas de ocupação 98,1%, ambos em níveis recordes, evidenciando uma demanda sólida de lojistas que buscam shoppings dominantes;
  • A receita líquida foi de R$ 373 milhões, acima das nossas estimativas (+7% vs. nossa projeção). O EBITDA ajustado ficou abaixo de nossas estimativas (-15% vs. nossa projeção). Além disso, o FFO ficou abaixo de nossas estimativas (-55% vs. nossa projeção), prejudicado pelo reconhecimento da perda com a descontinuação da delivery center. Em relação ao balanço, a brMalls manteve sua alavancagem (dívida líquida/EBITDA LTM) em linha com o 3T21 atingindo 3,7x no 4T21. A BR Malls apresentou geração operacional de caixa de R$ 224 milhões, com uma dívida líquida crescente atingindo R$ 2,6 bilhões no 4T21;
  • Reiteramos nossa recomendação de compra e TP de R$12,00/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Bens de Capital – Acompanhamento Mensal do Setor Automotivo

  • Durante o mês de fevereiro, destacamos: 
    • (i) veículos pesados no Brasil continuam apresentando desempenho superior, embora desacelerando em relação aos meses anteriores, com vendas de caminhões e implementos +17-32% vs. fev’19, respectivamente (+3% e -10 % A/A), vs. desempenho de veículos leves de -24% A/A (-37% vs. Fev’19);
    • (ii) continuação do fraco desempenho do mercado europeu de veículos leves (-30% vs. Fev’19 e -5% A/A); e
    • (iii) os preços das commodities subiram devido ao conflito Rússia-Ucrânia, embora compensados pela recente valorização do Real (Índice de Custo de Autopeças em Mar’22 +22% A/A para o 1T22 em BRL vs. +23% um mês atrás [+27% A/A em USD vs. +23% em Fev’22]).
  • Reiteramos a Randon como nossa principal escolha no segmento de Autopeças, seguida pela Iochpe-Maxion e Tupy;
  • Clique aqui para acessar relatório completo.

GPA (PCAR3): GPA anuncia troca de CEO

  • A companhia divulgou um fato relevante na quinta-feira onde comunicou a saída de Jorge Faiçal, CEO do GPA, por Marcelo Pimentel, que estava no papel de CEO da Marisa. O Jorge estava na companhia desde Ago/2019 e era responsável pela divisão de varejo do grupo desde Jan/20. Em relação ao Marcelo, o executivo estava na Marisa desde Jun/17, tendo assumido como CEO em Jul/19. Antes da Marisa, ele foi Diretor de varejo da DPSP (2 anos), atuou como Diretor no Walmart por quase 4 anos e, antes disso, teve uma experiência de mais de 10 anos no setor de varejo alimentar de UK (na em uma subsidiária do Walmart – a ASDA – e na Sainsbury’s);
  • No comunicado, o GPA destaca que o Marcelo deve contribuir com a nova formatação do seu modelo de negócios e fortalecer as soluções oferecidas nos canais digitais. Interessante notar que grande parte da experiência do Marcelo foi no varejo alimentar e que a companhia vê o seu histórico recente em iniciativas de multicanalidade e digitalização da Marisa como algo que deve contribuir para o novo momento do GPA;
  • Vemos o movimento como Neutro e mantemos nossa recomendação Neutra pro papel.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • B3 lucra R$ 1,23 bilhão no 4º trimestre de 2021 (Valor);
    • Stone vê lucro cair, mas traça plano para resgatar margens (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Guerra e petróleo caro criam nova pressão sobre varejistas. (Valor);
    • Situação de semicondutores não vai se normalizar até 2023, diz presidente da Stellantis. (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Para Vittia (VITT3), crise de abastecimento de fertilizantes é oportunidade de crescimento (Infomoney);
    • Ministério da Agricultura da Argentina reduz projeção de produção de milho em 10% (Notícias Agrícolas);
    • Grãos russos continuam fluindo mesmo com invasão diminuindo os embarques (Bloomberg);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Planalto pressiona por demissão de Silva e Luna. (Valor Econômico);
    • Sob pressão, governadores marcam reunião em Brasília para discutir combustíveis. (Broadcast);
    • Bolsonaro diz que bandeira escassez hídrica e contratos com termelétricas acabam em abril. (Broadcast);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Ações chinesas se recuperam no fim da semana

  • Lyft e Uber anunciam novas taxas em seus serviços;
  • Ações chinesas apresentam maior apreciação desde 1998;
  • Novas restrições de Shenzen deverão ter impacto limitado sobre a Apple;
  • Dados apontam que a cadeia de suprimentos global não deverá se normalizar em 2022;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação & Fundos

Selic em 11,75%: vale a pena investir em fundos imobiliários?

  • Na última quarta (16/03/2022), o Copom aumentou em 1 ponto percentual a taxa Selic, elevando-a para 11,75% a.a.. Com a persistente inflação de curto prazo, é esperado um movimento contínuo de aumentos da taxa de juros. Nos últimos relatórios seguimos destacando que nesse ambiente a seletividade dos investimentos, é essencial;
  • Além disso, com possível cenário de estagflação entendemos que os ativos reais são a melhor forma de se proteger e inclusive buscar ganhos acima da inflação. A preferência se dá em commodities, metais preciosos, imóveis e fundos imobiliários;
  • Por isso, nesse relatório comparamos o retorno para os diferentes segmentos dos fundos de tijolos, dentre eles: Lajes Corporativas, Ativos Logísticos e Shoppings;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Proteção contra inflação americana e investimento imobiliário (Valor);
    • Oito meses após regulamentação, Fiagros atraem investidores com retorno de até CDI mais 8% ao ano (InfoMoney);
    • Fundos imobiliários seguem atrativos após a nona alta da Selic? Veja a análise da XP (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

Preços de energia mais altos serão um catalisador para descarbonizar as redes de energia | Café com ESG, 18/03

  • Na quinta-feira, o mercado fechou em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +1,8% e +2,0%, respectivamente;
  • No Brasil, a plataforma de comercialização de créditos de carbono que o governo do Rio de Janeiro planeja instalar na capital do Estado vai priorizar créditos regulados, um tipo certificado de sequestro ou redução da emissão de gases do efeito estufa que ainda não existe no país;
  • No Internacional, (i) depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, os preços da energia dispararam, e preços mais altos e mais voláteis serão um catalisador para os esforços individuais e globais para descarbonizar as redes de energia, o que é fundamental para atingir as metas de mudança climática; e (ii) as corporações norte-americanas enfrentam uma onda sem precedentes de resoluções de acionistas focadas em temas ESG, com o volume de resoluções subindo 22% em comparação com 2021, nível recorde segundo o estudo;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.