Panorama dos fundos multimercados Macro: perspectivas e desafios

Confira a nossa percepção de perspectivas e desafios dos gestores Macro, após diversas conversas de acompanhamentos tidas nas últimas semanas


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Fonte: Unsplash

Em meio à crise, as águas turbulentas dos mercados financeiros trazem muitas incertezas aos investidores. Diante de perdas expressivas para a maioria dos fundos multimercados – em alguns casos, a maior queda já tida pelos produtos – é natural surgir diversos questionamentos:

Quais são as perspectivas dos gestores? Como estão posicionados?

Os fundos podem cair ainda mais?

Em quanto tempo os fundos vão recuperar as perdas?

O que devo fazer neste momento: resgatar, aguardar ou investir ainda mais?

Diante de tanta imprevisibilidade, não podemos garantir a certeza da maioria das respostas – nem os próprios gestores – mas temos conversado intensamente (mesmo de home office) com os profissionais da gestão de fundos, a fim de trazer a maior quantidade de informação e o embasamento para que melhores decisões sejam tomadas pelo investidor.

Entre os gestores com quem temos conversado, estão aqueles dos fundos de estratégia Macro, a mais comum entre os multimercados. A seguir, trazemos um panorama para os fundos dessa categoria.

Relembrando… o que houve com os fundos Macro?

“Um cisne negro é um evento imprevisível que está além do que é normalmente esperado para uma situação e que tem potencialmente consequências severas.”

(Investopedia)

Para muitos gestores, a crise atual é considerada um cisne negro. Diferentemente de outras crises passadas, em que a deterioração dos mercados se deu em um período relativamente prolongado, o que vimos nos meses de fevereiro e março foi uma queda extremamente abrupta dos ativos de risco ao redor do planeta.

A maioria dos gestores não previu as proporções que a propagação do coronavírus tomaria no mundo e as medidas subsequentes de paralisação das economias globais (lockdown), que levaram a um sentimento de pânico generalizado.

O trabalho do gestor Macro é de tomar decisões de investimento baseadas em cenários macroeconômicos e previsões sobre as direções das classes de ativos. A crise atual criou uma verdadeira neblina diante da visão dos gestores, e os horizontes de investimento tiveram de ser encurtados. Esse processo, na ponta, intensificou a queda de preços dos ativos de risco. O movimento expressivo de venda dos ativos e desmontagem de posições retirou parte da funcionalidade dos mercados.  

No início do ano, a maioria do gestores apresentava um cenário otimista para a economia brasileira, e a posição praticamente consensual para capturar ganhos com esse quadro positivo era a exposição comprada em ações. No ano, a Bolsa foi fortemente penalizada, e as perdas dos fundos foram mais representativas nesse mercado, no geral.

E agora, o que esperam os gestores e como estão posicionados?

O desligamento das economias ao redor do planeta tem sérios impactos de curto prazo nos dados de atividade. Segundo os gestores, devemos ter variação negativa para o PIB em 2020, uma recessão, possivelmente os piores dados desde a Segunda Guerra Mundial.

Em contrapartida, do lado positivo, temos visto os bancos centrais no mundo todo usando suas “armas de fogo”, com a implementação de diversos estímulos monetários, além da atuação dos governos com estímulos fiscais. Tais medidas ajudam a conter os danos à saúde financeira das empresas e o risco de falência, o que levaria a consequências ainda mais sérias na economia.

Se comparado ao início do ano, o cenário de fato piorou muito, mas segundo grande parte dos gestores, os preços atuais dos ativos já incorporam condições bastante deterioradas de mercado. Nesse ambiente, as posições mais comuns atualmente nas carteiras dos fundos são as que se beneficiam da queda dos juros no Brasil (via posições no mercado futuro de taxas prefixadas ou via NTN-Bs), além de vermos posições levemente compradas em bolsas (majoritariamente Ibovespa, mas também alguns com posições em bolsa americana).

No mercado de ações especificamente, vale destacar o caso do emblemático fundo Verde, gerido por Luis Stuhlberger, que veio aumentando gradativamente a posição comprada em bolsa durante a crise e hoje se encontra na maior exposição comprada desde 2010 (quase 50% do PL entre ações brasileiras e americanas), projetando uma recuperação desse mercado tanto nos EUA quanto no Brasil.

No mercado de moedas, devido à grande falta de visibilidade, muitos gestores não estão posicionados no momento, mas temos visto a compra do dólar contra o real ser usada como proteção para a aposta a favor da queda de juros no Brasil (se as taxas de juros futuros voltarem a subir, é provável que o dólar também suba, o que protegeria as carteiras).

Os fundos multimercados podem cair ainda mais?

Retorno dos fundos multimercados de estratégia Macro da Plataforma XP. Data-base: 23/03/2020 (ordenados pelo retorno em 2020).

A tabela acima resume os retornos das estratégias Macro da Plataforma da XP, ordenadas pelo retorno no ano. Como mencionamos anteriormente, a maioria dos fundos já acumula as maiores quedas históricas desde seus respectivos inícios. Nas condições atuais de mercado, a volatilidade dos ativos está extremamente elevada, e os gestores esperam que esse nível elevado se mantenha no curto prazo.

É possível que os fundos caiam ainda mais? Sim, é perfeitamente possível. Inevitavelmente, a alta volatilidade, no curto prazo, pode continuar levando os fundos tanto a dias de perdas como a dias de fortes ganhos. Por outro lado, o que vale ressaltar é que o nível de preços dos ativos está muito mais assimétrico para uma recuperação do que estava há 1 ou 2 meses, indicando um cenário favorável para o médio/longo prazo.

Além disso, vale destacar que os gestores em geral tiveram a utilização de risco de seus fundos reduzida, seja de forma ativa ou pelos mecanismos de desmontagem forçada das posições (stop loss). Essa postura mais cautelosa entre a maioria dos gestores deve levar a perdas menos significativas caso o cenário se deteriore ainda mais, mas permitir que os mesmos voltem a aumentar as posições a preços ainda mais atrativos, dado o espaço no “orçamento de risco” que possuem.

Tivemos conversas com alguns dos maiores gestores de fundos Macro nos últimos dias – confira nos links abaixo um resumo de cada encontro.

Adam Capital

Bahia Asset

Ibiuna

Kapitalo

Verde

Em quanto tempo os fundos vão recuperar as perdas?

O processo de redução de risco dos fundos, naturalmente, leva a uma recuperação mais lenta do retorno. Enquanto a volatilidade dos ativos estiver muito elevada, é de se esperar que os fundos não montem grandes posições para capturar ganhos com os movimentos dos ativos.

Por outro lado, os fundos ainda estão posicionados e muito atentos ao desenrolar dos mercados – os cenários projetados pelos gestores são atualizados diariamente. Hoje, muitos gestores já veem grandes oportunidades, como no mercado de juros locais ou na própria bolsa, nos preços atuais.

À medida que a volatilidade dos ativos seja reduzida, esperamos que os gestores retomem gradativamente a utilização maior do risco dos fundos. O processo pode demorar meses, mas é muito incerto – o importante é que o investidor mantenha um horizonte de investimento alinhado com os horizontes de fundos multimercados, tipicamente entre 24 e 36 meses. Ou seja: pensar no longo prazo nunca foi tão importante.

O que fazer neste momento?

Manter a calma neste momento de falta de conforto e previsibilidade é fundamental para não se tomar decisões precipitadas. É importante refletir sobre qual é o seu perfil de investidor – seja conservador, moderado ou agressivo – para se evitar frustrações causadas pelas oscilações dos fundos e as perdas potencias no curto prazo.

Conforme seu perfil, recomendamos seguir os percentuais de investimento por classe de ativo definidos pelo nosso time de Alocação, nas carteiras recomendadas da XP. É possível que, na sua carteira atual, o percentual investido em multimercados ou em fundos de ações esteja maior do que o recomendado – sendo indicado reduzir essa exposição – ou, pelo contrário, pode ser que você esteja investido em menor proporção do que o recomendado, de forma que agora pode ser o momento aumentar essa posição.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.