XP Expert

Zeina Latif: Proposta indecente

De tempos em tempos, o governo faz parcelamento de dívidas tributárias. O primeiro foi em 2000, o Refis. Depois vieram o Paes em 2003, o Paex em 2006 e o Refis da Crise em 2009 com suas quatro fases entre 2013-2014. No total, incluindo todos os parcelamentos especiais setoriais, somam-se em torno de 30 programas […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

De tempos em tempos, o governo faz parcelamento de dívidas tributárias. O primeiro foi em 2000, o Refis. Depois vieram o Paes em 2003, o Paex em 2006 e o Refis da Crise em 2009 com suas quatro fases entre 2013-2014. No total, incluindo todos os parcelamentos especiais setoriais, somam-se em torno de 30 programas desde 2000, segundo a Receita Federal. Isso sem incluir parcelamentos feitos por Estados e municípios.

A grande maioria das empresas que aderem aos programas é posteriormente excluída por inadimplência ou migração para um novo Refis, o que sugere uma estratégia oportunista de rolagem de dívidas tributárias.

Para piorar, há um grupo seleto de devedores contumazes, que acaba tendo benefícios indevidos em comparação com os seus competidores que pagam os impostos corretamente. Segundo estudo da Receita, das 9,4 mil empresas com faturamento anual superior a R$ 150 milhões, em torno de 2 mil participam de três ou mais programas – essas grandes empresas respondem por 68% das dívidas totais.

Eventuais parcelamentos de dívidas tributárias ocorrem nos principais países em situações excepcionais. Suaviza-se assim o ciclo econômico e o desemprego. Em alguns casos, isso pode ser positivo para o bem-estar social e para a arrecadação, pela sobrevivência de empresas que enfrentam dificuldades momentâneas. Há várias razões para acreditar que os programas brasileiros têm falhado em atingir esses objetivos.

Os passivos tributários crescem a cada ano acima da inflação. Além disso, Faber e da Silva de 2016 mostram que a participação no pagamento de impostos do grupo de empresas que aderiram aos programa foi declinante com o tempo em comparação ao grupo que não aderiu.

Programas excessivamente generosos e frequentes acabam premiando e estimulando a inadimplência e permitindo a sobrevivência de empresas ineficientes. Afinal, nota-se maior resiliência do lucro líquido das empresas não optantes do que das optantes, segundo os autores citados.

Difícil é desenhar um bom programa de parcelamento, com retorno para a sociedade. A julgar pela experiência mundial, um importante requisito é que o prazo de parcelamento não seja muito longo nem que os programas sejam frequentes. Segundo estudo da OCDE, na maioria dos países-membros, o prazo máximo é de 12 a 24 meses, muito aquém da média no Brasil de 60 a 180 meses.

Em muitos países, diferente do Brasil, não é oferecido o benefício para devedores reincidentes e, em alguns casos, garantias são exigidas para prazos mais estendidos. Além disso, os países da OCDE têm buscado medidas para garantir o cumprimento dos acordos.

O programa de regularização tributária proposto inicialmente pelo governo tinha méritos, mas não avançou. Não previa perdão de multas e juros, mas apenas a utilização de créditos de prejuízo fiscal, além de não permitir que o devedor entrasse em plano posterior de parcelamento e exigir a regularidade fiscal para manutenção do parcelamento.

A nova proposta (Programa Especial de Regularização Tributária), que já era mais flexível, foi desconfigurada no Congresso. Não à toa alguns já a chamam de “bolsa inadimplente”. O novo projeto amplia o número de parcelas para até 175 vezes (ante até 120 vezes), prevê elevado desconto de multas e juros, amplia o aproveitamento de prejuízo fiscal e retira dispositivo que impedia a participação de contribuintes que já estão em outros programas de parcelamento. A proposta, aprovada na comissão mista, denota desconexão com a realidade do País.

Os sinais de recuperação da economia e a grave crise fiscal desaconselham novos benefícios para empresas privadas que não pagam seus impostos.
Aliás, parte da crise fiscal decorre precisamente da distribuição descuidada de benefícios e privilégios. Os seguidos Refis punem as empresas que pagam seus impostos regularmente para benefício daquelas que sonegam.
Um novo Brasil requer uma nova política e um novo setor privado, que pague suas obrigações regularmente.

03 de Agosto de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.