XP Expert

Zeina Latif: O dilema dos governadores

O presidente Temer tem procurado ser consistente com seu protagonismo no impeachment de Dilma ao conduzir reformas estruturais para arrumar a economia. Substituir Dilma e não fazer a necessária reorientação da política econômica seria um equívoco histórico. Os governadores, por sua vez, não têm compromisso com reformas, mas sim com a continuidade. Além disso, muitos […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O presidente Temer tem procurado ser consistente com seu protagonismo no impeachment de Dilma ao conduzir reformas estruturais para arrumar a economia. Substituir Dilma e não fazer a necessária reorientação da política econômica seria um equívoco histórico.

Os governadores, por sua vez, não têm compromisso com reformas, mas sim com a continuidade. Além disso, muitos deles, temendo as urnas, têm evitado temas polêmicos. Há uma dificuldade natural de conduzir reformas em final de mandato. Para piorar, a situação financeira dos estados não é homogênea, o que dificulta a busca de consensos em torno das reformas fiscais.

Reflexo dessas dificuldades é que matérias que tratam de ajuste estrutural das finanças estaduais enfrentam grande resistência. Muito possivelmente os governadores desejam o pulso firme do governo federal impondo reformas, mas não querem assumir o ônus político de defendê-las neste momento. Assim sendo, as bancadas no Congresso, também sensíveis às urnas, rejeitam agendas de ajuste.

O governo vem sofrendo derrotas na votação da renegociação da dívida dos Estados junto à União. Nas duas votações, em agosto e dezembro do ano passado, a Câmara derrubou os dispositivos do acordo que previam medidas de ajuste fiscal como contrapartida ao adiamento do cronograma de pagamento da dívida, para prejuízo da sociedade. Ao final, Temer foi obrigado a vetar a medida.

Uma nova matéria está tramitando no Congresso, desta vez um projeto que cria um regime de recuperação fiscal para Estados com finanças frágeis que enfrentam dificuldades para honrar sua dívida. O problema da dívida é restrito a poucos estados – Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo, sendo que os 3 primeiros estão com endividamento acima do limite legal – e estes poderão adiar o pagamento de dívidas, mas como contrapartida teriam, basicamente, que autorizar a privatização de estatais, elevar a contribuição previdenciária de ativos e inativos e congelar salários. Mais uma vez o governo enfrenta a resistência dos parlamentares.

Mais uma derrota do governo foi a retirada de professores e policiais da proposta de reforma da previdência. Essas duas categorias têm regimes especiais de aposentadoria que impactam particularmente a folha de pagamentos dos Estados, especialmente depois de uma década de ajustes salariais do funcionalismo acima da média do setor privado. Esse gasto obrigatório atingiu em média 59% da receita corrente líquida dos Estados em 2016, muito próximo do teto legal de 60%, sendo 13 Estados ultrapassaram este limite.

Mesmo que a reforma seja benéfica para governadores e para a sociedade no médio/longo prazo, os governadores e suas bancadas no Congresso temem a reação de policiais e professores, impactando os serviços públicos e as urnas em 2018.

Apesar dos esforços de alguns governadores em ajustar suas contas, a margem de manobra é muito limitada. São paliativos, incluindo a própria renegociação da dívida, uma vez que o principal problema dos Estados é o pagamento da folha, que só cresce por conta da previdência.

Até as eleições, o quadro poderá se agravar, gerando descontentamento da sociedade diante do possível colapso dos serviços públicos em alguns Estados.

Postergar reformas pode parecer o mais racional para os políticos hoje, mas implica riscos crescentes para o equilíbrio social e para a política. Além disso, se os Estados não fazem sua parte, menor a capacidade de reação da economia e, portanto, mais lenta a recuperação da arrecadação tributária.
Reformas estruturais precisarão ser feitas no início do próximo mandato.

Seria importante os governadores – 16 poderão concorrer à reeleição – evitarem o erro de Dilma, que negou a necessidade de reformas estruturais na campanha eleitoral de 2014, e depois não conseguiu reunir apoio político, nem mesmo no PT, para sua agenda de ajuste fiscal.

Quanto precisará piorar para melhorar?

13 de Abril de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.