XP Expert

Nova regra fiscal: substitutivo avança, mas amplia despesas no curto prazo

As mudanças feitas pelo Congresso devem dar mais espaço para gasto no curto prazo, mas trazem mecanismos de ajuste de despesas importantes

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O relator da proposta de nova regra fiscal (projeto lei complementar nº 93/2023), deputado Paulo Cajado, apresentou nesta segunda-feira o substitutivo ao projeto original do governo. O projeto avança em alguns pontos, mas no geral temos uma leitura neutra das mudanças, que tendem a ampliar as despesas no curto prazo e serem pouco efetivas em termos de garantir a sustentabilidade fiscal. Abaixo, destacamos os principais pontos

O substitutivo apresentou mudanças que ampliam a despesa em 2024. Apesar de manter o limite de despesas inicialmente proposto pelo governo, com correção anual pela inflação mais 70% da variação da receita,o substitutivo já determina que, para o ano de 2024, a correção dos limites se dará pelo máximo permitido pela regra (2,5%), independentemente da receita aferida pelo governo. Como mostramos em nossas simulações (aqui), o primeiro ano era o que tinha maior chance de ter um crescimento menor em função da desaceleração da economia e da base de comparação relativamente alta em 2022.

Cálculo da inflação que corrige o limite também mudou – e deve aumentar gastos em um primeiro momento. O substitutivo alterou a base de referência para o cálculo da inflação que corrige o limite de janeiro a dezembro do ano corrente para julho do ano anterior a junho do ano corrente, eliminando o risco de divergência entre o valor realizado e estimado para o IPCA que existia no projeto original. Não obstante, permitiu que a diferença entre IPCA realizado no fim do ano e o utilizado no PLOA, caso positiva, seja utilizada para suplementação de despesas nos anos seguintes, podendo ser incorporada à base de cálculo para 2025. Como é muito provável que a inflação do fim deste ano fique acima do acumulado nos 12 meses até junho (nossas projeções apontam 3,9% para os 12 meses até junho e 6,2% ao fim do ano), o efeito disso será uma base de despesas mais inflada para 2025.

Efeito de retirada de exceções ao limite de despesas é pequeno, mas é sinalização importante. Embora o projeto tenha avançado ao excluir as capitalizações de empresas estatais e FCDF (Fundo Constitucional do Distrito Federal) das exceções, a inclusão dos gastos com transferências relacionadas ao piso de enfermagem no limite de despesas foi compensada pela inclusão dos montantes anualizados dos valores pagos pelo governo em 2023 na base de cálculo do limite. No geral, o efeito fiscal é marginal, mas a sinalização é importante já que reduz o escopo das despesas passíveis de serem elevadas sem limite.

Substitutivo retomou a ideia original de que a despesa fosse corrigida por 50% da variação da receita em caso de descumprimento da meta de resultado. Os efeitos dessa medida também são pequenos. Por exemplo, para um crescimento da receita de 2,0%, a despesa poderia crescer 1,0% (e não mais 1,4%). Em termos nominais, isso significa uma diferença de pouco mais de R$ 8 bilhões ante um limite de quase R$ 2,1 trilhões em 2024. Além disso, o não cumprimento da meta de resultado primário está usualmente associado a cenários de contração econômica, em que o crescimento das despesas será o mínimo estabelecido pela regra de todo modo. Apesar disso, por impactar a correção do limite de despesas no ano seguinte, o efeito é cumulativo e tende a crescer no médio prazo.

Principal variável de elevação de despesas ficou fora das medidas de ajuste. O substitutivo avançou ao introduzir, de forma gradual para o primeiro e segundo ano de descumprimento da meta, os mecanismos de ajuste automático previstos no art. 167-A da Constituição, que incluem a vedação ao aumento de salários de servidores, realização de concursos e elevação de despesas acima da inflação. No entanto, o salário-mínimo, que indexa praticamente um terço do orçamento, acabou ficando de fora das medidas de ajuste. Além disso, o substitutivo permite que o presidente requeira a suspensão da aplicação parcial das medidas, desde que aponte que as demais já serão suficientes para atingir o limite inferior do intervalo de tolerância das metas.

Aplicação de medidas de ajuste para o limite de despesas tem pouca chance de ocorrer. No caso do limite de despesas, o substitutivo prevê a possibilidade de aplicação de todas as medidas de ajustes previstas no art. 167-A da Constituição Federal caso a despesa obrigatória atinja 95% da despesa total. Novamente, as restrições não se aplicam ao salário-mínimo e podem ser suspensas a pedido do Presidente da República. Chamamos a atenção para o fato de que dificilmente essas medidas serão acionadas: depois da expansão de despesas com a PEC da transição, o patamar de despesas discricionárias cresceu substancialmente e as obrigatórias não devem atingir 95% do total tão cedo.

Contingenciamento volta, mas limitado. O substitutivo retoma a obrigação de limitação de empenho e pagamento de despesas ao longo do exercício para cumprimento da meta de resultado primário, mas limita esse contingenciamento a 25% da despesa discricionária. Além disso, descriminaliza o descumprimento da meta caso o gestor tome as medidas necessárias para seu atingimento – incluindo o contingenciamento.

Substitutivo introduz diretrizes da Constituição, mas efetividade é incerta. O substitutivo determina que as metas de resultado primário devem ser compatíveis com uma trajetória sustentável da dívida pública, em linha com as diretrizes que existem na Constituição Federal. Entretanto, a efetividade de tal determinação é incerta. Por exemplo, se as metas não demonstrarem a estabilização da dívida no horizonte da lei de diretrizes orçamentárias, essas devem ser modificadas? Se a resposta a essa assertiva for positiva, é provável uma profusão de metas indicativas (para os anos seguintes ao do PLDO) infladas somente para cumprir a determinação legal.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.