XP Expert

Zeina Latif: Mais impostos à vista?

As contas públicas em ordem são o alicerce para o bom funcionamento da economia, ao impedir o crescimento explosivo da dívida pública e seu financiamento por meio de inflação. O rombo orçamentário do governo ameaça esse equilíbrio. Há uma visão ingênua que o governo poderia facilmente reduzir despesas, e se não o faz é por […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

As contas públicas em ordem são o alicerce para o bom funcionamento da economia, ao impedir o crescimento explosivo da dívida pública e seu financiamento por meio de inflação. O rombo orçamentário do governo ameaça esse equilíbrio.

Há uma visão ingênua que o governo poderia facilmente reduzir despesas, e se não o faz é por descaso ou algo do tipo. Mesmo que se parasse toda a máquina pública, o rombo não seria coberto. Na realidade, o orçamento federal está praticamente todo comprometido com despesas obrigatórias (mais de 90%) que só poderão ser reduzidas com reformas estruturais. Os gastos da previdência comprometem 54% do deficitário orçamento; e vão crescer muito com o rápido envelhecimento da população. Iniciativas como reforma administrativa e combate à corrupção, ainda que salutares, não resolveriam o problema, porque tampouco são a real causa da rigidez e do rombo orçamentário.

Se o governo federal for bem-sucedido em aprovar a reforma da previdência, com ajustes que não comprometam o resultado final, ainda assim as despesas irão subir por um tempo, pois a transição da reforma é de 15/20 anos.

No curto prazo não é descabido propor aumento da carga tributária até que o efeito da reforma se materialize. Eliminar o rombo orçamentário mais rapidamente fortalece a confiança na capacidade do governo de honrar suas dívidas, o que ajuda a aliviar a taxa de juros do Banco Central.

Há, porém, custos envolvidos, especialmente neste momento em que a sociedade e o setor produtivo estão intolerantes ao aumento da carga tributária e que a economia está ainda frágil. Elevar a carga tributária pode não ser algo factível.

Como o governo avança com reformas fiscais, o rombo do orçamento no curto prazo provavelmente não irá comprometer sua credibilidade fiscal. Foi aprovada a regra do teto (EC 95), que estabelece que gastos públicos não poderão crescer acima da inflação por pelo menos 10 anos. E a reforma da previdência avança no Congresso.

A confiança no governo pode, no entanto, ir embora se este ceder a grupos de pressão e não conseguir aprovar uma boa reforma da previdência. A tolerância dos agentes econômicos a resultados fiscais deficitários pode acabar. Nesse caso, o aumento da carga tributária seria inevitável. A alternativa, pior ainda: inflação. Para benefício de poucos, que evitariam o ajuste da previdência, e prejuízo de todos que pagarão a conta.

Aumento de imposto é paliativo, tem limitações. No longo prazo, ele prejudica a economia. Do ponto de vista de eficiência econômica e de crescimento econômico de longo prazo, não há dúvidas que o melhor é enxugar despesas. Especialmente porque o sistema tributário brasileiro produz muitas distorções e a alocação de recursos públicos é inadequada. Esse é o espírito da regra do teto.

As reformas não poderão ser evitadas por muito tempo. Além da previdência, será importante os próximos governos avançarem no corte de outras despesas obrigatórias para elevar a capacidade do governo de investir e fazer políticas sociais.

O Brasil precisa discutir a estabilidade dos funcionários públicos, a gratuidade de universidades públicas, as renúncias tributárias. Essas políticas deveriam ser reavaliadas, independentemente do colapso das contas públicas, por conta das distorções e injustiça social que produzem. Melhorar a alocação de gastos públicos é a forma mais eficaz de combater a desigualdade. Em tempos de crise fiscal, essa agenda é ainda mais premente, pois com financiamento inflacionário do déficit público, os pobres perdem duplamente.

Nossa história é repleta de exemplos do quanto custa adiar reformas. A da previdência é um deles. Chegamos a um ponto de poucas opções. Não temos efetivamente a opção de aumentar impostos. Ela pode até ser evitada enquanto houver confiança nas reformas. Poderá ser um paliativo em caso de insucesso. Não será, no entanto, uma opção duradoura. Não é solução.

06 de Abril de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.