XP Expert

Zeina Latif: Linha de defesa

Os sinais emitidos pelo Planalto são de que o presidente Temer pretende defender seu mandato. Há espaço para isso, na política e na economia. Apesar da difícil situação, não há um clima de “Fora Temer” na proporção do “Fora Dilma”. E a provável razão é a paulatina recuperação da confiança de empresários e consumidores. As […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Os sinais emitidos pelo Planalto são de que o presidente Temer pretende defender seu mandato. Há espaço para isso, na política e na economia. Apesar da difícil situação, não há um clima de “Fora Temer” na proporção do “Fora Dilma”. E a provável razão é a paulatina recuperação da confiança de empresários e consumidores. As demissões foram interrompidas e a taxa de desemprego dá sinais de estabilidade muito antes do esperado.

O contexto internacional ajuda. Diferente de Dilma, Temer tem alguma sorte, ainda que não tanto quanto Lula. O quadro internacional não chega a ser benigno como na década passada. Ainda assim, a economia mundial lentamente ganha tração, e de forma disseminada, o que ajuda a produzir um quadro de baixa volatilidade das moedas. Dessa forma, apesar da crise política, a cotação do dólar teve alta moderada. Essa é uma boa notícia para a política monetária.

A julgar pelas suas decisões recentes, como a mudança da presidência do BNDES, a liberação de emendas parlamentares e os ajustes do novo projeto de refinanciamento de dívidas, Temer pretende flexibilizar a política econômica. O mesmo destino poderá ter a proposta da reforma da Previdência.

Certamente não haverá guinadas. Por convicção e por impossibilidade. Mas não está claro o tamanho desta flexibilização.

O discurso do novo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, dá algumas pistas. Por um lado, ele defende maior ativismo do BNDES neste momento ao afirmar que “se o País está com carência de desenvolvimento, está com carência de mais ação por parte do BNDES” e não deixa claro se irá manter o plano de mudança da TJLP, cuja medida provisória precisa ainda ser aprovada pelo Congresso.

Por outro lado, sua fala não chega a divergir radicalmente da política que vinha sendo conduzida por Maria Sílvia Marques, cujo pilar era a volta do BNDES ao seu papel complementar no mercado de crédito, em contraposição à atuação mais contundente nos anos anteriores, que se mostrou pouco eficaz para elevar a taxa de investimento das empresas beneficiadas.

Ocorre que o espaço para ação do BNDES é mais limitado do que se imagina no momento.

Os repasses que o BNDES faz via intermediários bancários acumulam queda de 58% desde o pico de 2013. Sua participação está em 43% do total, abaixo da média histórica de 50%, sendo que as empresas de menor porte, que respondem por 54% dos repasses, são particularmente prejudicadas.

Além do recuo da demanda por empréstimos para investimento, os bancos hoje não têm a mesma disposição do passado para assumir o risco de crédito dessas operações. A razão está em grande medida na insegurança jurídica e consequente dificuldade de recuperação de ativos pelos bancos. Isso significa que o BNDES elevar a oferta de empréstimos não é garantia que eles chegarão à ponta final. Outros caminhos precisam ser buscados, e que não passam exatamente pelo BNDES.

Na política fiscal, ainda que o governo venha a contar com receitas não previstas no orçamento, os desafios para cumprir a meta orçamentária aumentaram, uma vez que a arrecadação poderá ser afetada pela fraqueza da economia, agora impactada pela crise política. A liberação de gastos terá de ser feita a conta-gotas.

O espaço para flexibilizar a política econômica é, portanto, bastante limitado. Sem contar que a responsabilidade na gestão da economia é condição para que o time econômico se mantenha coeso.

Mais importante, é essencial que os eventuais estímulos econômicos não prejudiquem o trabalho do Banco Central. Um governo que cede a pressões para políticas ineficientes e inoportunas poderá colher uma taxa de câmbio mais volátil e taxa de juros estrutural mais elevada, ameaçando o relaxamento monetário em curso. Comprometer o espaço para cortar juros seria um equívoco, pois a política monetária é o único instrumento eficiente disponível para produzir uma volta da economia no curto-médio prazo.

Melhor concentrar esforços na reconquista do apoio no Congresso para que a chama da reforma da Previdência não se apague. Tudo o que o governo não pode fazer agora é atrapalhar o BC.

01 de Junho de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.