XP Expert

Economia em Destaque: Selic se aproxima de dois dígitos

Seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Atualizações Covid-19

Pesquisadores ligados às farmacêuticas Sinovac e Pfizer/BioNTech afirmaram que suas vacinas podem neutralizar a variante Ômicron, após a dose de reforço. Ambos os laboratórios, porém, se comprometeram a atualizar suas vacinas nos próximos meses.

Enquanto isso, na África do Sul, novos casos estão subindo de forma acelerada, mas sem alterar o número de óbitos. A hipótese é de que a variante promova casos menos severos do que as demais, o que ainda é cedo para se comprovar.

Já no Brasil, a média móvel (7 dias) de novos diagnósticos e a de óbitos causados pela covid-19 registraram queda. Ao todo, 75,6% da população brasileira já está vacinada com ao menos a primeira dose de imunizante, enquanto 65,6% já completou o ciclo vacinal. A dose de reforço já chegou a 9,5% da população.

Cenário Internacional

Estados Unidos: inflação segue pressionada, com destaque para gasolina

A inflação ao consumidor nos Estados Unidos, medida pelo CPI, registrou alta de 0,8% em outubro, levado o acumulado em doze meses para 6,8%. O resultado veio um pouco acima das expectativas dos analistas de mercado e representou a maior alta interanual desde junho de 1982, e muito acima da meta do Banco Central americano, de 2%.

Mais uma vez, os itens que se destacaram foram de energia e de automóveis, demonstrando o impacto persistente dos gargalos globais de produção e o forte ritmo da economia americana.

Apesar do choque inflacionário em curso, acreditamos que 2022 e 2023 serão anos de desinflação significativa. Entendemos que pelo menos 75% do atual choque no pais está relacionado a desequilíbrios causados pela pandemia – que devem se normalizar nos próximos anos.

Europa: recuperação sólida na Alemanha

A Produção Industrial Alemã teve crescimento bastante acima do esperado em outubro. Na mesma linha, o Índice de Expectativas Zew também surpreendeu para cima, sinalizando plena expansão.

Os números indicam que, a menos que a variante Ômicron mude a perspectiva substancialmente, a recuperação econômica na maior economia da Europa permanece firme.

China: inflação ao produtor continua alta

O Índice de Preços ao Produtor da China (PPI, na sigla em inglês) registrou elevação interanual de 12,9% em novembro, abaixo da taxa observada em outubro (a mais alta em 26 anos), mas ainda acima do esperado.

Já o Índice de Preços ao Consumidor (CPI) avançou de 1,5% em outubro para 2,3% em novembro, levemente abaixo do consenso de mercado. A inflação ao consumidor segue contida, devido, principalmente, às restrições relacionadas à pandemia, que pesam sobre a demanda doméstica e limitam o crescimento do consumo das famílias.

Ou seja, a diferença entre os índices de preços ao produtor e ao consumidor na China continua acima de 10 p.p. – alimentando preocupações acerca do cenário de inflação global no curto prazo.

Enquanto isso, em meio a preocupações sobre o setor de construção e imobiliário no país, o Banco Central da China cortou a taxa dos depósitos compulsórios, medida que aumenta expressivamente a liquidez. O comunicado que acompanhou a decisão deixou claro, no entanto, que este não é o início de uma tendência de afrouxamento monetário, mas sim uma “ação de política monetária regular” e acrescentou que “o rumo prudente da política monetária não mudou”.

Enquanto isso, no Brasil…

Banco Central eleva a Selic para 9,25% a.a.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil anunciou, conforme amplamente esperado, a elevação da taxa Selic de 7,75% para 9,25%. E sinalizou “outra alta de mesma magnitude” (1,5 ponto percentual) em sua próxima reunião, a ser realizada em fevereiro de 2022.

No comunicado que acompanhou a decisão, o Copom forneceu indicações de que manterá a postura dura adiante (o conteúdo foi avaliado como hawkish pela maioria dos analistas de mercado). Com a economia se aproximando da recessão, esperamos que as pressões inflacionárias comecem a ceder, levando o Copom a reduzir o ritmo de elevação da taxa básica de juros na reunião de março (para 0,75 p.p.). Confira aqui nossa análise sobre a decisão e o que esperar.

Inflação ao consumidor de novembro abaixo do esperado devido aos descontos de Black Friday

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,95% em novembro, abaixo das expectativas, impulsionado pelas quedas acentuadas em alimentação fora do domicílio e cuidados pessoais. O índice de preços anual subiu para 10,74%, de 10,67% um mês antes.

A surpresa do mês abaixo das expectativas deveu-se principalmente a descontos maiores que os projetados pela Black Friday. Ainda assim, o resultado mostra a inflação pressionada tanto pelos contínuos repasses de elevados custos de produção quanto pelo efeito da aceleração dos preços dos serviços.

Nossa projeção para o IPCA de 2021 caiu de 10,2% para 10,1%, devido à incorporação da surpresa.

Confira aqui mais detalhes sobre esta última divulgação da inflação e sobre nossas projeções.

Atividade econômica dá mais sinais de fraqueza

No campo da atividade econômica, as vendas no varejo tiveram contração de 0,9% entre setembro e outubro, surpreendendo negativamente nossa expectativa e o consenso de mercado. Esse resultado marcou o terceiro declínio mensal consecutivo. Na comparação com outubro de 2020, as vendas do comércio ampliado despencaram 7,1%.

Em linhas gerais, as atividades varejistas permanecem em trajetória de queda em meio à inflação persistentemente elevada, aperto das condições financeiras, aumento do endividamento das famílias e deslocamento de maior proporção do consumo privado do mercado de bens para o setor de serviços, em decorrência da flexibilização das restrições sanitárias e maior interação social.

Prevemos que o PIB do Brasil registrará elevação de 4,5% em 2021, após retração de 3,9% em 2020. Para o PIB de 2022, por sua vez, estimamos estabilidade (0%).

Promulgação da PEC dos Precatórios e Auxílio Brasil

No campo político-fiscal, o destaque da semana foi a promulgação de parte da PEC dos Precatórios, o que abre espaço para o pagamento do incremento ao programa social Auxílio Brasil e para outras despesas do orçamento no ano que vem (incluindo o ajuste de obrigatórias).

Diante do fatiamento, porém, a segunda parte aguarda votação na Câmara dos Deputados, após modificações no Senado. Entre essas regras “pendentes” está a criação de um “subteto” para pagamento dos precatórios.

Já para esse ano, o presidente Jair Bolsonaro editou Medida Provisória para garantir o pagamento de R$ 400 do Auxílio Brasil a partir de dezembro. Serão utilizados R$ 2,7 bilhões das chamadas sobras do Auxílio Emergencial no ano.

O que esperar para semana que vem?

Para semana que vem, o principal destaque internacional será a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central nos Estados Unidos, o FOMC. A semana contará também com reuniões dos Comitês do Banco Central Europeu (BCE) e o Banco da Inglaterra (BoE). Outros dados importantes serão a inflação ao produtor nos EUA e inflação ao consumidor na Zona do Euro referentes a novembro, além de indicadores de atividade econômica na China (novembro) e na Zona do Euro (outubro).

Já no cenário doméstico, a política monetária segue em destaque, com a publicação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). Além disso, serão divulgados dados de atividade de outubro com a pesquisa mensal de serviços e o IBC-BR, proxy  do PIB mensal, e o relatório trimestral de inflação. Finalmente, o cenário político deve seguir em foco, com expectativa de votação da segunda parte da PEC dos Precatórios na Câmara dos Deputados.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.