XP Expert

Zeina Latif: É hora de mostrar quem somos

Economista não tem bola de cristal. Construímos cenários e avaliamos ao longo do tempo se suas premissas básicas se confirmam ou não. Uma importante premissa adotada no último ano era que Michel Temer teria o apoio do Congresso e do setor produtivo, neste último caso para promover a necessária reorientação na agenda econômica. Conseguiria terminar […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Economista não tem bola de cristal. Construímos cenários e avaliamos ao longo do tempo se suas premissas básicas se confirmam ou não. Uma importante premissa adotada no último ano era que Michel Temer teria o apoio do Congresso e do setor produtivo, neste último caso para promover a necessária reorientação na agenda econômica. Conseguiria terminar seu mandato, a despeito dos riscos, pois o Judiciário exerceria um papel estabilizador que ajudaria na travessia até 2018.

Pois é, essa premissa caducou. Os sinais, por ora, são de que o apoio político a Temer se esvai. E sem governabilidade ou força para tocar as reformas, o setor produtivo passa a não apoiar mais o presidente.

Apesar de se vislumbrar mais uma transição política, desta vez não há razões para mudanças na política econômica. Pelo contrário. Afinal ela está no caminho certo. Tanto é assim que a confiança de empresários e consumidores aos poucos se recuperou, a inflação cai e o Banco Central corta os juros.

Certamente, o tumulto político prejudicará a velocidade de recuperação da economia, pelas suas consequências sobre os preços de ativos (bolsa, juros, câmbio), com contágio financeiro no setor produtivo, e sobre a confiança. O mercado de crédito poderá ser afetado. Não é possível, no entanto, dimensionar a extensão do contágio diante de tantas incertezas.

É necessário senso de urgência para que o período de volatilidade e incertezas seja curto. Não só pela economia, mas também pela política. Um processo lento de acomodação da política tornará o quadro mais suscetível a acidentes de percurso e à reação das ruas. As crises se realimentariam. A classe política sabe disso.

Fácil falar, difícil fazer. Na ausência de lideranças que consigam produzir a convergência das forças políticas, ajudando a superar a atual polarização, será difícil costurar um acordo político tempestivo que permita uma transição política segura.

O consenso terá que ser construído, e com o engajamento do Judiciário. Será necessário encontrar uma alternativa de poder que consiga minimamente reconciliar a política e que passe no teste das ruas.

Até que se tenha uma ideia do novo equilíbrio da política, a agenda legislativa pouco avançará. Para piorar, o quadro atual alimenta um viés populista no Congresso, dificultando agendas impopulares, ainda que essenciais, como é o caso da reforma da Previdência.

Espinha dorsal. Atrasos ocorrerão e a proposta de reforma da Previdência poderá ser desidratada. Seria, no entanto, precipitado afirmar que nada sairá este ano. O debate econômico no Brasil avançou bastante. Diferente do passado, hoje há compreensão mais difundida na classe política e no setor produtivo de que a reforma da Previdência é a espinha dorsal do ajuste fiscal. Sem ela, as contas públicas colapsam, com prejuízo das políticas públicas, e a inflação dispara. Era o cenário crescentemente esperado sob a gestão de Dilma.

Por essa perspectiva, o possível novo presidente teria que ser necessariamente alguém comprometido com a continuidade das reformas. E com força política, pois a reforma da Previdência tem prazo para ser aprovada, por conta do calendário eleitoral. Se demorar, corre o risco de não sair.

Esse cenário de compromisso político com a reforma da Previdência, que poderá ganhar corpo, mas não sem soluços, implica uma taxa de câmbio volátil, mas sem tendência de alta contínua. Isso ajudaria a conter o repasse inflacionário da alta do dólar e permitiria a continuidade da estratégia do BC de reduzir a taxa Selic.

Se garantida a reforma da Previdência, o instrumento monetário teria seu papel anticíclico preservado. Neste caso, seria possível a recuperação da economia ao longo do tempo. Sem a reforma, o dólar dispara e o BC não consegue cortar os juros.

O momento é de responsabilidade. Não construir o cenário benigno acima seria um erro histórico.

O Brasil não é Venezuela. Quanto antes isso ficar claro, maior a chance de essa premissa não caducar.

25 de Maio de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.