XP Expert

Zeina Latif: De olho no crédito

A atividade econômica dá sinais de estabilização, e sua recuperação está contratada com o corte da taxa Selic pelo Banco Central. Há dúvidas, no entanto, sobre a velocidade de recuperação, em boa medida pela fraqueza do mercado de crédito e os obstáculos que limitam sua retomada. O crédito é um importante canal da política monetária […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A atividade econômica dá sinais de estabilização, e sua recuperação está contratada com o corte da taxa Selic pelo Banco Central. Há dúvidas, no entanto, sobre a velocidade de recuperação, em boa medida pela fraqueza do mercado de crédito e os obstáculos que limitam sua retomada.

O crédito é um importante canal da política monetária no Brasil. Da mesma forma que as condições restritivas de crédito agravaram a crise econômica, sua recuperação será importante para o bom funcionamento da política monetária.

A maior preocupação é com o crédito a empresas, que caiu para níveis inéditos. As concessões para pessoa jurídica (PJ) estão 44% abaixo do pico do início de 2008, descontada a inflação.

Há sinais de estabilização do mercado de crédito após três anos de deterioração, mas ainda muito frágeis. A taxa de inadimplência e as concessões de crédito ensaiam alguma estabilidade, mas por conta do aumento de reestruturações e renegociações de dívidas (12% do crédito total para a PJ ao final de 2016). As baixas e prejuízos nos bancos voltaram a crescer (3,1% para a PJ; 6,7% para pequenas e médias empresas) e a participação de ativos problemáticos (inadimplência, reestruturações e crédito com elevado risco) segue em alta (8,6% para a PJ; 14% para PMEs).

O quadro é mais preocupante para PMEs, que são justamente as que mais dependem do crédito bancário. A taxa de inadimplência atingiu 6,7% no final de 2016 (8,25%, incluindo reestruturações), contra 1,1% das grandes empresas.

O crédito sumiu. Em parte, por conta da queda na demanda de crédito para investimento e aquisição de bens pelas empresas. Mas há também restrições do lado da oferta dos bancos. O crédito para capital de giro despencou, comprometendo o funcionamento das empresas. Estas acabaram procurando socorro em linhas mais caras que dependem menos da decisão dos bancos de emprestar, como o cartão de crédito, que disparou nos últimos anos.

Outro sinal da restrição da oferta de crédito é a rigidez do spread bancário (diferença entre os juros finais e o custo de captação dos bancos), desde meados de 2015. O descompasso entre a taxa Selic em queda e o spread em alta, além do sugerido pelo aumento da inadimplência, dá uma noção do mau humor dos bancos. O risco na oferta de crédito aumentou particularmente com o maior ativismo do Judiciário, que tem um viés pró-devedor, elevando a insegurança jurídica. O resultado é crédito escasso e mais caro.

Esse quadro sugere uma reação lenta do crédito ao relaxamento monetário do BC, adiando a recuperação da economia. A demanda de crédito poderá ganhar tração – ainda que não para investimentos, devido ao elevado endividamento e à elevada ociosidade nas empresas. No entanto, a oferta talvez não se recupere na mesma velocidade, diferente do que ocorria no passado.

A oferta de crédito bancário é bastante sensível a outras variáveis e não apenas à taxa Selic. Se por um lado a queda dos juros pode ter um efeito positivo na capacidade (melhora do balanço) e no desejo (melhora das expectativas) dos bancos de emprestar, por outro há evidências de que outras variáveis, como a inadimplência elevada e risco país ainda pressionado, podem agir no sentido contrário. Pelo menos os bancos estão sólidos, com boa saúde financeira. Se fosse diferente, o quadro seria grave.

A volta do crédito poderá ser lenta. Pior que isso, a oferta de crédito, que ajudaria as empresas em sua travessia até a recuperação, poderá seguir restritiva por um tempo.

Desta vez não será possível contar com a ajuda de bancos públicos, pois eles sofrem as consequências dos excessos do passado. No caso de PMEs, a inadimplência (9,9%) é ainda maior do que nos bancos privados (7,2%). Reduzir compulsórios tampouco ajudaria, pois não há problema de liquidez nos bancos.

Medidas emergenciais poderão ser necessárias, a começar pelo reforço das garantias aos bancos para reduzir o risco do crédito.
Reduzir a Selic é importante, e muito, mas não resolve.

20 de Abril de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.