XP Expert

Zeina Latif: Cuidado com a lei de Murphy

O quadro econômico frágil embute riscos elevados. E desta vez não há gordura a ser queimada. Uma recessão agora implicaria custos sociais muito maiores do que os de 2015, pois o desemprego está em patamares recordes de alta. Crescem as recomendações para a adoção de políticas de estímulo com aumento dos gastos públicos, visando evitar […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O quadro econômico frágil embute riscos elevados. E desta vez não há gordura a ser queimada. Uma recessão agora implicaria custos sociais muito maiores do que os de 2015, pois o desemprego está em patamares recordes de alta.

Crescem as recomendações para a adoção de políticas de estímulo com aumento dos gastos públicos, visando evitar um mal maior. No entanto, a busca de atalhos e saídas fáceis seria contraproducente, especialmente porque a crise econômica tem origem nos rombos fiscais. A cautela na condução da política econômica e o senso de urgência no avanço de reformas precisam ser redobrados.

Uma economia estagnada pode cair facilmente em recessão, pois é mais vulnerável a acidentes de percurso. Os economistas tratam os choques que impactam a economia como aleatórios, podendo ser favoráveis (como o bom clima favorecendo a safra agrícola) ou adversos (o contrário), mas sem prevalência de um ou de outro. Não se trata disso. O que discuto é que uma economia fraca acaba sendo gatilho para eventos desfavoráveis que agravam o quadro. Por exemplo, a insatisfação popular pode engrossar paralisações e greves, que machucam as finanças e a confiança de empresários e consumidores. Outro exemplo: a frustração com a arrecadação compromete a oferta de serviços públicos e programas de transferência de renda, e também alimenta a percepção de risco fiscal pelos investidores.

Nesse contexto, qualquer volatilidade no exterior acaba potencializando o contágio doméstico, aumentando as incertezas do cenário econômico.

Além disso, a superação de choques e eventos adversos torna-se mais difícil. A crise da Argentina, por exemplo, tem impacto muito mais intenso sobre uma indústria que perdeu competitividade e pouco cresce. Imagine uma empresa operando no limite da viabilidade econômica, com margens deprimidas e custos fixos elevados – algo inevitável diante do custo Brasil. Uma redução das vendas pode ter efeito devastador, com demissões e encerramento de atividades.

As propostas para aumentar gastos públicos preocupam. Desviar do caminho para a disciplina fiscal seria uma escolha bastante arriscada e, no melhor dos casos, de benefício duvidoso.

Primeiro, expandir os gastos em um país com as finanças avariadas, com endividamento elevado que destoa da experiência de países parecidos e com reputação abalada só geraria mais desconfiança de investidores, tornando o esforço inócuo ou até negativo, dependendo do impacto sobre a taxa de juros.

Segundo, ocorreria a violação de regras fiscais: Lei de Responsabilidade Fiscal (novas despesas exigem definição de fonte de recursos); regra de ouro (disciplina o crescimento do endividamento) e regra do teto (limites ao aumento de gastos). Esta última foi essencial para trazer a inflação para baixo e a taxa de juros do Banco Central para patamares inéditos. Mudanças nas regras não são recomendadas. Algumas serão inevitáveis, como na regra de ouro. É crucial evitar, porém, sua desconfiguração. Abrir precedentes é sempre perigoso no Brasil, um viciado em gastança.

Terceiro, é notável a baixa eficiência do gasto público, mesmo em investimento. Apesar dos muitos talentos na esplanada dos ministérios, falta um norte ao governo. Direcionar recursos para programas, sem um plano estruturado, seria desperdício.

Ameaçar ainda mais a confiança no Brasil, que está cada vez mais isolado na cena mundial, é risco que não se pode correr.

O que fazer, então, para reduzir os riscos de curto prazo? O ano de 2016 serve de guia. Mesmo antes de o BC cortar os juros e de reformas serem aprovadas, a recessão foi interrompida. A razão era uma agenda econômica clara e a capacidade política de entrega. 

Sem agenda estruturada, as falas do presidente Bolsonaro têm sido na contramão do discurso de Paulo Guedes, enquanto os erros na política se acumulam. Sim, as palavras têm peso.

16 de Maio de 2019

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.