XP Expert

Zeina Latif: Conquistar o investidor brasileiro

Apesar das condições econômicas ainda frágeis e de a crise fiscal ameaçar o fôlego da recuperação, o ano de 2017 surpreendeu positivamente. A confiança de empresários e consumidores avança. O comportamento das contas externas, no entanto, não empolga. Indicam que o investidor local está cauteloso; muito mais que o estrangeiro. E isso representa um desafio […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Apesar das condições econômicas ainda frágeis e de a crise fiscal ameaçar o fôlego da recuperação, o ano de 2017 surpreendeu positivamente. A confiança de empresários e consumidores avança.

O comportamento das contas externas, no entanto, não empolga. Indicam que o investidor local está cauteloso; muito mais que o estrangeiro. E isso representa um desafio para candidatos a presidente.

O “hiato financeiro”, que registra as operações liquidadas de entrada e saída de recursos do País, ficou negativo em U$ 6,2 bilhões em 2017. Focando apenas no fluxo financeiro, que exclui o movimento de mercadorias e serviços para fora do País, houve saída líquida US$ 2,5 bilhões.

Essa cifra negativa não deve ser tomada como sinal de desinteresse do estrangeiro (não residentes, no jargão técnico) pelo Brasil. Os estrangeiros investiram US$ 64,4 bi lhõesnas várias modalidades de investimento; US$ 9 bilhões a mais em relação a 2016.

A principal modalidade foi o investimento direto, que engloba a participação no capital de empresas locais e os empréstimos entre empresas (intercompany). Foram US$ 65,2 bilhões em 2017 (pela metodologia do hiato financeiro). Houve inclusive aumento da participação (market share) do Brasil no investimento direto global, após o tombo de 2015. Enquanto o investimento direto no mundo caiu 16%, no Brasil houve aumento de 8%, segundo a Unctad.

Nas demais modalidades de investimento estrangeiro – como Bolsa, renda fixa e empréstimos – o quadro melhorou. Depois de uma saída de US$ 13,8 bilhões em 2016, o total foi de apenas US$ 0,8 bilhão de saída em 2017.
É verdade que a participação dos estrangeiros na dívida pública federal se reduziu em US$ 11 bilhões. Por outro lado, a taxa de rolagem de empréstimos externos não foi nada mal. Atingiu 99% ante 64% em 2016. Tomando apenas o financiamento ao setor privado, a rolagem foi de 101% ante 70%.

Não há sinal de fuga de recursos de estrangeiros. Pelo contrário, há alguma confiança desses investidores.

O mesmo não pode ser dito dos investidores locais (residentes). Pudera, os brasileiros viveram o trauma da crise dos últimos anos e sentem mais as incertezas eleitorais e o risco de retrocesso na agenda econômica.

Os investidores locais enviaram US$ 68,6 bilhões ao exterior em 2017; US$ 22,5 bilhões a mais em relação a 2016, em que pese a natural busca por diversificação de investimentos e oportunidades no exterior.

O que mais chama a atenção são os “créditos comerciais e adiantamentos” (US$ 45,9 bilhões), que são em boa medida recursos de exportadores mantidos no exterior. Já a saída de investimentos em carteira (Bolsa, renda fixa, fundos de investimento) atingiu R$ 10,4 bilhões.

Para 2018, o Banco Central está relativamente otimista, pois projeta entrada líquida de US$ 23,3 bilhões na conta financeira, ante a saída de US$ 2,5 bilhões no ano passado. Isso graças ao investimento líquido dos estrangeiros, que deverá atingir US$ 89,9 bilhões, segundo o BC, sendo US$ 72 bilhões de investimento direto.

Faz sentido o otimismo do BC. A economia deverá exibir maior vigor em 2018, empurrando a confiança dos agentes econômicos para o campo otimista. Segundo nossos estudos, essa é uma variável-chave para explicar a entrada de recursos no País, junto com os preços das commodities. O diferencial de juros é menos importante.

Tem muito dinheiro na mesa dos investidores brasileiros. Além dos recursos no exterior, os locais estão com muitos investimentos domésticos concentrados no curto prazo. As chamadas operações compromissadas acumulam R$ 1,04 trilhões.

Em tempos de crise fiscal e enorme demanda por investimento em infraestrutura, seria sábio tentar atrair esses recursos, a começar com um discurso eleitoral responsável dos candidatos a presidente.

Nessa eleição que poderá ser menos ruidosa do que se imagina, fruto do amadurecimento do debate econômico, caberá aos candidatos não apenas conquistar o eleitor, mas também acalmar quem investe no Brasil.

01 de Fevereiro de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.