XP Expert

Zeina Latif: As agências de rating e a sociedade

O time econômico adotou como meta a reconquista do grau de investimento. Para alguns, porém, o governo não deveria dar tanta importância a agências de rating; afinal elas falharam em antever a crise global da década passada. As agências não julgam as escolhas de política econômica para definir a nota de crédito dos países; elas […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O time econômico adotou como meta a reconquista do grau de investimento. Para alguns, porém, o governo não deveria dar tanta importância a agências de rating; afinal elas falharam em antever a crise global da década passada.

As agências não julgam as escolhas de política econômica para definir a nota de crédito dos países; elas avaliam os seus resultados.

As agências elevaram a nota do Brasil em 2011, quando os equívocos da era Mantega já eram amplamente apontados. Só em 2015 o Brasil perdeu o grau de investimento, quando o desastre de Dilma já eram favas contadas. Enquanto houve crescimento, as agências deram o benefício da dúvida, apesar de discordarem das políticas conduzidas.

Ainda que defasadas, as agências não deixam de influenciar investidores, sancionando e realimentando seu sentimento. Não convém, portanto, ignorá-las.

As agências reconhecem os avanços na gestão Temer e concordam com os diagnósticos e estratégia da equipe econômica. No entanto, enquanto identificam riscos de execução em função do quadro político, aguardam a prova do sucesso, que é a volta cíclica do crescimento.

Reconquistar o grau de investimento são outros quinhentos. É necessário afastar o risco de um crescimento de fôlego curto, voo de galinha. A agenda de ajuste precisa ir além do atual mandato. Por isso mesmo, veem com preocupação as eleições de 2018. É crucial que o próximo presidente dê continuidade ao ajuste fiscal e avance na agenda de eliminação de barreiras ao crescimento.

Será que a sociedade irá escolher um presidente comprometido com disciplina fiscal e uma agenda reformista, em contraposição a populistas?

Aqui, um atenuante e dois alertas.

O atenuante é que o espaço para irresponsabilidade fiscal se reduziu. Dilma não seria Dilma nos dias de hoje. O espaço para o populismo de abrir cofres diminuiu com a regra do teto, e com instituições de controle finalmente mais atentas. Além disso, o quadro fiscal dramático, expondo a falência dos serviços públicos, talvez esteja levando a uma mudança de crenças, como apontado por Marcus Melo e Carlos Pereira. Exemplo disso foram os discursos de austeridade na posse dos novos prefeitos.

O primeiro alerta é que é crucial que a sociedade enxergue o benefício do ajuste fiscal, que é a volta cíclica do crescimento. A queda da inflação e a flexibilização responsável da política monetária pelo BC foram passos essenciais. Mas há ainda a reforma da previdência, como condição para um quadro benigno em 2018.

O segundo alerta é que é importante que se removam privilégios de grupos de interesse, como os militares, a elite do funcionalismo com seus penduricalhos salariais e os grupos que recebem benefícios tributários indevidos.

Para que a sociedade valorize a disciplina fiscal e repudie populistas ela precisa se beneficiar do ajuste por meio de maior crescimento econômico e também equidade. O custo do ajuste deve ser de todos.

No mundo desenvolvido, a sociedade está decepcionada com o capitalismo, pois veem grupos privilegiados que capturam o governo, como apontado por Luigi Zingales. É o capitalismo de compadrio. Como reação, a sociedade passou a apoiar políticos populistas.

O Brasil, dentre outros emergentes, também padece do estado patrimonialista, mas está em posição diferente. Já passamos por governo populista. O que parece haver aqui é a decepção com o sonho do estado grande, que prometeu muito e só entregou o desastre.

Se, por um lado, isso pode limitar a farra fiscal no futuro, por outro não garante a continuidade da agenda de ajuste da economia.

Temer e os próximos governantes precisam reconquistar a confiança das agências de rating, mas também da sociedade, para reduzir o risco de populismo e, assim, o país avançar nas reformas estruturais pró-crescimento.

Compreender os anseios de investidores e da sociedade não são objetivos excludentes, mas sim complementares.

02 de Fevereiro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.