XP Expert

Zeina Latif: A tal agenda liberal

Um Estado mais enxuto, eficiente e que não atrapalhe o setor privado foram promessas de Jair Bolsonaro na campanha eleitoral e compromissos reafirmados no discurso de posse. O novo presidente teve o mérito de captar esse anseio de parcela importante da sociedade, depois do fracasso da agenda intervencionista do PT, e incorporar o tema ao […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Um Estado mais enxuto, eficiente e que não atrapalhe o setor privado foram promessas de Jair Bolsonaro na campanha eleitoral e compromissos reafirmados no discurso de posse. O novo presidente teve o mérito de captar esse anseio de parcela importante da sociedade, depois do fracasso da agenda intervencionista do PT, e incorporar o tema ao discurso político.

No entanto, ainda que sejam tempos de promessas de transformações, a agenda liberal defendida representa a continuidade da política econômica iniciada nos anos 1990 e resgatada pelo governo de Michel Temer. Houve a reorientação da política econômica e a aprovação de reformas estruturais de cunho liberal, como anunciado no documento “Ponte para o Futuro”, de 2015. O velho receituário petista, responsável pela crise econômica sem precedentes, foi colocado de escanteio.

Muito antes disso, Fernando Collor inaugurou o discurso liberal. Seu discurso de posse, relatado no recente livro do jornalista e ex-ministro Thomas Traumann, parece escrito sob medida para o novo presidente: “O Estado não é um produtor, mas um promotor do bem-estar coletivo. A proposta de modernização econômica pela privatização e abertura é a esperança de completar a liberdade política, reconquistada com a transição democrática, com a mais ampla e efetiva liberdade econômica. A privatização deve ser completada por regramento da atividade econômica. O Brasil estará aberto ao mundo”.

Com FHC, o programa social-democrata caminhou lado a lado com políticas públicas de orientação liberal, como no estabelecimento do tripé macroeconômico e na continuidade do programa de privatizações. O discurso político, porém, era outro. Em um país que recusava o estado enxuto e onde o termo “neoliberal” era um insulto utilizado para atacar o presidente, FHC dava ênfase a outros aspectos do seu governo, e não à sua face liberal.

Não foi diferente no primeiro mandato de Lula. Um governo ortodoxo e com reformas liberais, mas com discurso de esquerda. Ironicamente, seu principal programa social, o bolsa família, foi inicialmente acusado de liberal pela esquerda. O que parecia ruptura com FHC era, na realidade, continuidade. A diferença estava mais no discurso do que na prática.

O retrocesso ocorreu no segundo mandato de Lula, com o maior intervencionismo estatal, depois aprofundado por Dilma. Um desvio que custou caro.

Depois de tamanho fracasso, ficou mais fácil defender o resgate da agenda liberal. O que realmente distingue Bolsonaro, além da agenda de costumes e de segurança, é o distanciamento da social-democracia, ao não defender políticas públicas para a promoção da igualdade de oportunidades.

As expectativas são elevadas e a missão do novo governo será preservar o ambiente macroeconômico estável, que dependerá do ajuste fiscal, e promover ganhos de produtividade com reformas estruturais. A retomada do crescimento, com a paulatina remoção de distorções e entraves que prejudicam a economia, poderá ser o Plano Real de Bolsonaro.

A entrega será, certamente, mais complexa do que as vagas promessas de campanha. Exige diagnósticos corretos, conhecimento técnico e das leis, além de habilidade política. Problemas que parecem de fácil solução, como reduzir a burocracia, esbarram em regras que regem o setor público e nos interesses de grupos privados que se beneficiam das políticas vigentes. Outro cuidado é que as mudanças de regras precisam contemplar um período de transição para a adaptação do setor privado.

Será também necessário ampliar a discussão da agenda liberal, incluindo temas consolidados na literatura econômica que não têm sido devidamente abordados pelo novo time. Não é só de venda de ativos e abertura da economia que vive a agenda liberal. Precisamos avançar em temas como capital humano, insegurança jurídica e ambiente de negócios.

A urgência das reformas em um país que envelhece aumenta o desafio do novo presidente. O ano de 2019 será decisivo para afastar o cenário de mais uma década perdida.

03 de Janeiro de 2019

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.