XP Expert

Zeina Latif: A economia da intervenção no Rio

A intervenção federal no Rio de Janeiro foi mais uma manifestação da perspicácia política das lideranças do governo. Com uma tacada conseguiram tirar o monopólio da agenda de segurança pública de um importante concorrente, dar sinal de força a aliados infiéis e colocar a oposição na desconfortável situação de criticar uma medida com apelo popular. […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A intervenção federal no Rio de Janeiro foi mais uma manifestação da perspicácia política das lideranças do governo. Com uma tacada conseguiram tirar o monopólio da agenda de segurança pública de um importante concorrente, dar sinal de força a aliados infiéis e colocar a oposição na desconfortável situação de criticar uma medida com apelo popular.

A decisão indica que a cúpula do governo mudou o foco. Nenhuma novidade. Políticos experientes calculam o tempo todo o custo-benefício de suas escolhas, e a agenda de reformas econômicas perde pontos em anos eleitorais em favor de agendas de cunho mais político.

Isso não significa que nada mais será aprovado este ano no Congresso. Há muito empenho dos ministérios e do Banco Central e, em alguns casos, de congressistas para aprovar reformas estruturais. O calendário eleitoral é, no entanto, um fator limitante.

Importante registrar, porém, o mérito do governo de ter encaminhado uma lista relevante de reformas. Molda-se a agenda política e o próximo presidente não irá partir do zero.

O impacto político e eleitoral da intervenção vai depender do seu sucesso. Mesmo que os avanços sejam tímidos em termos de indicadores de violência, a percepção de melhora da segurança pela sociedade poderá ter consequências políticas.

Improvisos à parte, há chances de sucesso dessa empreitada, caso o escopo seja bem definido e as expectativas bem administradas. Há um enorme déficit de policiais nas ruas, de forma que o sensível reforço no patrulhamento fará diferença. Além disso, o interventor, general Walter Braga Netto, tem boa reputação e experiência de ação no Rio.

O escopo da operação ainda não está claro. Tampouco o diagnóstico sobre o problema de segurança é consensual. Parece, porém, haver maior consenso quanto à necessidade de identificar e afastar policiais corruptos e de isolar líderes de quadrilhas nos presídios.

Os riscos são elevados, pela própria limitação da operação militar e pela provável reação de policiais corruptos e de criminosos dentro e fora dos presídios. São fatores a serem levados em conta.

É crucial também considerar os custos envolvidos, pois os recursos fiscais são escassos. A sinalização é de que o Tesouro Nacional vai arcar com os custos. Ou seja, o Brasil todo vai, mais uma vez, pagar pela irresponsabilidade fiscal e os equívocos das políticas públicas no Rio.
O descontentamento dos demais Estados cresce, sendo que alguns sofrerão impacto negativo pela intervenção, conforme os criminosos procurarem outro abrigo.

É verdade que a União falha na defesa de fronteiras e na ausência de um plano nacional de segurança, implicando peso elevado aos entes estaduais. Mas o peso é para todos. No Nordeste, os números da violência são até piores, ainda que em termos absolutos o quadro do Rio seja muito mais grave, prejudicando o orçamento público, a economia e a imagem do País no exterior.

Além disso, a intervenção poderá abrir precedente perigoso, ao estimular os demais Estados a fazerem o mesmo.

Seria muito importante, portanto, que o Rio arcasse com o custo da intervenção federal. Não sendo factível, pela falta de recursos do Estado, os custos adicionais deveriam, ao menos, ser compartilhados.

Há outras consequências econômicas. O governo criou uma armadilha, pois o Congresso não pode votar medidas constitucionais durante a intervenção. Quase a totalidade das despesas obrigatórias, que praticamente comprometem todo o Orçamento federal, é regida pela Constituição e suas emendas, assim como a regra de ouro. Não há pois como fazer ajuste fiscal, nem como cumprir a regra de ouro com a intervenção. Mais uma razão para se evitar outras adiante.

A intervenção poderá ser positiva do ponto de vista político para as lideranças do governo. Que seja também efetivamente bem-sucedida, até porque o impacto econômico é grande.

22 de Fevereiro de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.