Raio-XP da Bolsa: A Bolsa está barata? Voltando ao velho equilíbrio Macro

Nesse Raio-XP da Bolsa, iremos destacar os principais acontecimentos do mês e o que será relevante para entender o que virá pela frente. Atualizamos nossas carteiras e reduzimos o preço-alvo do Ibovespa para 123.000, após a forte alta das taxas de juros de mercado.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O que você vai encontrar nesse relatório:

Em outubro, as ações brasileiras tiveram seu pior desempenho mensal neste ano e continuaram a apresentar desempenho inferior ao de seus pares internacionais. O cenário fiscal interno se deteriorou ainda mais, com sinais claros de que o teto de gastos – principal âncora do Brasil para o controle de gastos – está sendo flexibilidade, o que fez o mercado reagir de forma bastante negativa. O Brasil parece estar caminhando rapidamente para o velho equilíbrio Macro: mais gastos, inflação mais alta e taxas de juros mais altas. Como resultado, as ações permanecem sob muita pressão. Mantemos nossos três temas principais (commodities, histórias seculares e oportunidades), mas atualizamos mais uma vez nosso valor justo para o Ibovespa, dada a alta das taxas locais. O novo preço-alvo do Ibovespa é de 123.000 pontos para meados do ano de 2022, contra 130.000 pontos para o final de 2021 projetado anteriormente.

Onde investir nesse cenário? Mantemos nossos três temas principais nas ações brasileiras: 1) Commodities: que continuam sendo um bom hedge de inflação e dólar; 2) Histórias de crescimento secular: papéis de varejo, transportes e bens de capital isoladas de uma história Macro mais dura; 3) Oportunidades específicas: alguns nomes de qualidade que sofreram forte correção recentemente, como shoppings e alguns bancos.

Atualizando a meta do Ibovespa para meados de 2022: À medida que nos aproximamos do final do ano, estamos atualizando a meta do Ibovespa para meados do ano que vem. A forte alta das taxas de juros locais continua pressionando o valor justo do Ibovespa. Com isso, nosso novo valor justo para o Ibovespa é de 123.000 pontos para meados de 2022, contra 130.000 pontos para o ano de
2021 projetados anteriormente.

Para o mês de novembro, estamos fazendo duas alterações na Carteira Top 10, uma na Small Caps XP e nenhuma mudança na Carteira Top Dividendos XP. Além disso, realizamos uma alteração na Carteira ESG XP, que combina empresas que gostamos sob uma perspectiva fundamentalista e que possuem altos padrões ESG, tendo como base nossa análise proprietária.

Em outubro, o cenário macro brasileiro se deteriorou ainda mais. A sinalização de Brasília de que o teto de gastos pode ser violado foi mal recebida pelo mercado. Embora os gastos extras de R$ 30 bilhões possam parecer pequenos se comparados ao tamanho do orçamento geral, a preocupação agora é que esses gastos não parem por aí.

Eventos como esses indicam um enfraquecimento do atual quadro fiscal do país, uma vez que a regra do teto de gastos, principal âncora para o controle dos gastos públicos, não será muito eficaz daqui para a frente. Essa mudança no quadro político e fiscal fez com que nossa equipe de Economia revisasse nossas projeções conforme tabela a seguir. Estamos agora nos aproximando de um antigo equilíbrio Macro: mais gastos, inflação mais alta e taxas mais altas:

Os mercados reagiram mal e o Ibovespa teve o pior desempenho mensal do ano, mais uma vez com desempenho inferior aos mercados globais. As ações brasileiras caíram -6,7% neste mês em reais, e com a taxa de câmbio caindo -3,4% em relação ao dólar, elas corrigindo fortemente em 9,8% em dólares. Em comparação, o índice de ações globais, medido pelo MSCI ACWI, registrou uma alta de +5,0% no mês passado.

Com riscos de aumento da inflação e taxas mais altas, a curva de juros também reagiu. As taxas de juros subiram significativamente, com destaque para as taxas de CDI para jan/2025 que subiram de 10% no mês passado para acima de 12%.

O aumento dessas taxas de longo prazo tem impactam a Bolsa das seguintes maneiras:

1) Custo de capital das empresas mais elevadas: este forte aumento nas taxas de longo prazo tem um efeito direto no custo de capital das empresas (conhecido como Ke) e, consequentemente, no “preço justo” de suas ações. Neste caso, empresas com a maior parte de seu valor na perpetuidade – como ações de crescimento – tendem a sofrer mais. Nossa análise mostra que cada 1p.p. de aumento em Ke tem um impacto médio de -12% sobre o preço justo das empresas com cobertura XP;

2) Aumento do custo da dívida das empresas, impactando as perspectivas de lucros: empresas com dívidas atreladas ao CDI também estarão expostas, além das empresas com dívidas de curto prazo que terão que pagar juros maiores daqui pra frente. Empresas alavancadas que pagam CDI+5% podem em breve arcar com um custo da dívida acima de 15%. E isso deve levar a revisões negativas de Lucros por Ações (LPA) em 2022 e além;

3) Competição com Renda Fixa por fluxos de investimento: altas taxas de juros também tornam a Renda Fixa local mais atrativa, e já estamos vendo investidores retornando à esta classe de ativos à medida que o sentimento em relação à Bolse se deteriora;

4) Menor demanda do consumidor: taxas mais altas também são um detrator do consumo, especialmente agora que o endividamento das famílias brasileiras está em níveis recordes de 60%. E isso, consequentemente, deve levar à um crescimento econômico ainda menor.

Como a mudança no Macro afeta o Micro?

As empresas mais alavancadas são as que devem sofrer mais com a alta de juros. Adicionalmente, aquelas que precisam emitir novas dívidas terão que pagar taxas muito mais elevadas no futuro. Abaixo, mostramos as empresas dentro da cobertura XP com as maiores estimativas de Dívida Líquida/EBITDA e Dívidas de Curto Prazo:

O indicador de dívidas de curto prazo não deve ser olhado isoladamente. Algumas das empresas listadas aqui são têm caixa e não têm altos níveis alavancagem quando consideramos a dívida total, portanto, a dívida de curto prazo pode não ser necessariamente uma fonte de preocupação.

Preocupações com inflação de volta no radar dos investidores

O aumento da inflação continua sendo uma das principais fontes de preocupação dos mercados. Com um cenário de preços em alta, muitos investidores se perguntam se a Bolsa continua sendo um bom investimento.

As ações são ativos reais que protegem os investidores da perda do poder de compra ao longo do tempo. Neste sentido, as empresas listadas são líderes de mercado e, por isso, podem repassar a inflação aos consumidores.

Por exemplo, o Ibovespa deflacionado da inflação (pelo IGP-DI) registrou ganhos de quase 6,0% desde 1968. Isso inclui até mesmo períodos em que o Brasil teve hiperinflação durante a década de 1980. Além disso, o índice ainda está longe do pico ajustado pela inflação, já em 2007. Para voltar a esse pico, o Ibovespa precisa retornar mais de 80% em termos reais.

Em um cenário de alta de inflação, quais são as ações mais protegidas?

Nesse ambiente de preços subindo, há ações “ganhadoras” e “perdedoras”. Dessa forma, montamos uma seleção de ações que tendem a ser mais defensivas nesse cenário. Analisamos a correlação histórica de seus preços com a inflação, medida pelo IPCA, e também analisamos cada ação sob uma perspectiva fundamentalista para entender como eles poderiam ser protegidas contra pressões inflacionárias.

Abaixo listamos as ações que tendem a ser mais resilientes em um ambiente inflacionário:

Estas são empresas que:

1) Podem repassar aos consumidores os maiores custos, como é o caso dos supermercados (PCAR3 e CRFB3), e de empresas como CCRO3, SBSP3 e KLBN11;

2) Têm baixa exposição ao Brasil e onde a inflação do país influencia pouco na receita (EMBR3);

3) Podem se beneficiar da consequente elevação da taxas de juros, que é o caso de bancos (BBDC3, BBDC4 e SANB11);

4) Têm expansão de margem com a subida de inflação, como as geradoras e transmissoras de energia (AESB3 e TAEE11) cujos contratos são indexados à inflação.

O Brasil ainda está barato? Resposta curta, sim!

O índice Ibovespa continua barato, com sua relação P/L de 12 meses atualmente sendo negociado em 8,0x, um desconto de 28% em relação à sua média de 15 anos em 11,2x.

Ao retirar as duas maiores empresas de commodities do índice Ibovespa, Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4), vemos que a relação P/L continua abaixo de sua avaliação histórica em 11,1x. No entanto, ao remover o restante de todas as empresas vinculadas a commodities (empresas de Materiais e Energia), a relação P/L do índice sobe para 12.3x.

Ou seja, o Ibovespa como um todo é barato, mas quando tiramos commodities não parece tão barato.

O Ibovespa está barato em relação à taxa de juros? Também sim!

Uma outra discussão importante, principalmente considerando a alta das taxa de juros neste mês, é se o Brasil está barato em relação aos juros.

A resposta direta é que sim. O prêmio de risco das ações do Ibovespa (ERP, Equity Risk Premium em inglês) mede a diferença entre o rendimento de renda variável e a taxa de juros real. Em outubro, as taxas reais de longo prazo no Brasil subiram de 4,9% para 5,3%. Como resultado, o ERP caiu de 7,5% em setembro para 7,2% atualmente, bem acima do ERP médio de 4,9%.

No entanto, é importante observar que, embora as ações brasileiras estejam baratas em relação às taxas de juros, elas não estão tão descontadas como em setembro devido ao movimento significativo de alta nas taxas reais.

Revisando o preço-alvo do Ibovespa para o meio de 2022

À medida que nos aproximamos do final do ano, estamos projetando a meta do Ibovespa para início de 2022. Em outubro, vimos uma mudança significativa em relação aos últimos meses, que foi um aumento significativo nas taxas de juros. As taxas nominais de 5 anos dispararam de 10% para 12,6%, enquanto as taxas reais de longo prazo subiram de 5,0% para 5,5%, devido ao aumento dos riscos fiscais e políticos.

Isso, novamente, pressionou o valor justo do Ibovespa em todas as métricas (DCF , P/L alvo e EV/EBITDA).

Com isso, nosso novo preço-alvo do Ibovespa é de 123.000 pontos para o meio de 2022, dos 130.000 pontos projetados para o fim de 2021 anteriormente. Baseamos essa análise no ponto médio entre o valor justo do fim do ano de 2021 e o fim de 2022.

Atualizando a análise de cenário otimista e pessimista

Atualizamos os cenários positivo, pessimista e neutro para o Ibovespa. Essa análise corrobora nossa visão positiva sobre as ações brasileiras, uma vez que a relação risco-retorno (ainda) parece favorável. Acreditamos que o downside do cenário pessimista é ainda limitada (6-7%), uma correção ainda favorável quando comparada aos cenários do caso otimista e neutro.

Nossa premissa base assume a atual taxa de juros real de longo prazo de 5,5%, um P/L 8,5x 2021 (vs. atual em 8,0x), e um múltiplo EV/EBITDA de 5,5x (vs. atual em 5,0x).

Porém, para que o cenário otimista e neutro aconteçam, os riscos doméstico e global devem primeiramente diminuir, principalmente os domésticos relacionados ao cenário de taxas de longo prazo.

Como se posicionar nesse cenário?

Seguimos com as nossas 3 principais teses na Bolsa: 1) Commodities – que continuam sendo uma boa proteção contra inflação mais alta e valorização do dólar, 2) Histórias de crescimento secular – empresas que dependem menos do ambiente Macro e são capazes de entregar crescimento apesar de um cenário de crescimento mais desafiador pela frente, e 3) Oportunidades de boas empresas a preços atrativos – para os investidores com horizonte de longo prazo, existem muitas oportunidades a preços atrativos no momento, como Banco do Brasil, Multiplan, e várias outras.

Momentos de crise como o atual exigem que tenhamos cautela – com controle de exposição a risco e diversificação – mas também que possamos olhar para eles pelas oportunidades que nos trazem de fazer bons investimentos a preços mais atrativos.

Top 10 ações XP

Em outubro, nossa carteira de ações caiu -7,3%, enquanto o Ibovespa fechou com uma queda de -6,7%. Em 2021, a Carteira Top 10 XP cai -13,9%, o que se compara com -13,0% do índice.

Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

Alterações da carteira Top 10 Ações

Para o mês de novembro, fizemos duas mudanças na Carteira Top 10. Dado o atual cenário macroeconômico mais desafiador no Brasil, retiramos dois nomes mais expostos a esse ambiente para dar espaço para ações de setores que consideramos serem mais defensivos. Com isso, estamos substituindo uma ação de nossa carteira que tem um alto nível de alavancagem, em meio ao aumento de taxa de juros no Brasil, por outro nome do setor de Farmácias, sobre a qual vemos como uma categoria resiliente frente à um cenário macroeconômico desafiador. Além disso, continuamos positivos com o setor de commodities, porém trocamos um nome dessa categoria por outro do mesmo setor, mas que temos perspectivas mais positivas.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Top 10 XP.

Top Dividendos XP

Em outubro, nossa carteira Top Dividendos XP caiu -1,5%, enquanto o Ibovespa teve uma queda de -6,7%. Em 2021, a carteira caiu -7,9%, o que se compara com -13,0% do índice.

*Até a data de fechamento do dia 28/10/2021.

Alterações da carteira Top Dividendos

Para novembro, não estamos realizando nenhuma mudança na Carteira Top Dividendos XP. Apesar da possibilidade de racionamento ter diminuído como detalhamos em nosso último Sensor Elétrico XP, o cenário ainda é desafiador para as geradoras de energia no curto prazo portanto estamos mantendo a carteira mais focada em ativos de transmissão e distribuição de energia.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Dividendos XP.

Top Small Caps XP

Em outubro, nossa carteira de ações caiu -15,5%, enquanto o Ibovespa teve uma queda de -6,7%. Desde o início da carteira, ela registrou uma queda de -10,3%, comparado com o Ibovespa que caiu -12,9% durante o mesmo período.

Alterações da carteira Top Small Caps XP

Para novembro, estamos fazendo uma mudança em nossa carteira Top Small Caps XP. Estamos reduzindo a exposição de um nome mais exposto ao cenário doméstico e adicionando um nome de uma empresa com receita diversificada a riscos domésticos. No atual ambiente macroeconômico mais desafiador no Brasil, achamos mais prudente ter nomes mais defensivos na carteira contra a volatilidade doméstica. Por isso, estamos reduzindo a exposição de uma empresa do setor de Varejo, e incluindo outra menos atrelada à exposição local.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Small Caps XP.

Carteira ESG XP

Nossa carteira recomendada ESG: Selecionando as empresas melhores posicionadas no tema sob o universo de cobertura da XP

Com o objetivo de ajudar os investidores no processo de alocação de recursos, lançamos no mês passado nossa carteira recomendada ESG. Optamos por uma abordagem mais qualitativa neste primeiro momento, combinando empresas que gostamos sob uma perspectiva fundamentalista e que possuem altos padrões ESG, tendo como base nossa análise proprietária.

Para novembro, estamos realizando uma mudança na nossa Carteira ESG XP. Trocamos um nome cujo cenário adiante é menos atrativo e adicionamos uma companhia bem posicionada na agenda ESG, que, além de ser uma empresa de alta qualidade, também é uma tese de investimento de baixo risco, estando bem posicionada para enfrentar um cenário macro mais desafiador adiante. 

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa nova carteira ESG XP


Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.