Radar Energia XP | 18/10

Criamos este relatório com notícias do setor de energia que complementam nossos comentários publicados no Morning Call.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo falam sobre os principais assuntos, tendências e companhias que formam o setor. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo que tem impactos diretos ou indiretos no setor; e (ii) Nossos últimos relatórios publicados.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!

Elétricas e Saneamento

Tecnologias disruptivas vão guiar a transição energética
A inovação tecnológica será a principal vantagem para a transição energética. Essa foi uma das conclusões dos especialistas no último dia do Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase), em que o debate colocou o Brasil como um dos principais protagonista dessa revolução energética por conta das peculiaridades de uma matriz limpa e renovável, em relação ao resto do mundo. (Canal Energia)

Minas e Energia silencia sobre declaração de Bolsonaro, que anunciou fim da bandeira de ‘escassez hídrica’ já em novembro
O Ministério de Minas e Energia informou nesta sexta-feira que não vai comentar, por enquanto, a declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na noite desta quinta, sobre acabar com a “bandeira escassez hídrica” a partir do próximo mês. A nova bandeira, que é ainda mais cara que a bandeira vermelha patamar 2, foi criada para cobrir a despesa com a geração de energia por meio de usinas térmicas de setembro deste ano a abril do ano que vem. (Valor Econômico)

E1 se associa à GDSolar para crescer em geração solar Hidrogênio verde deve ser o combustível da transição
O hidrogênio verde (H2) deverá despontar nas próximas décadas como o energético que vai substituir com êxito o petróleo e o gás. O coordenador do Grupo de Estudos de Energia Elétrica da UFRJ, afirmou que até 2040 ele (H2) deverá estar pouco acima do mercado de óleo e gás. Na década seguinte, já será superior. Para ele, para que metas sejam cumpridas, é preciso que exista um recurso capaz de substituir toda a demanda de óleo e gás – no caso o hidrogênio – e os países desenvolvidos não reúnem condições de suprir a demanda de energia verde e da reconversão das cadeias produtivas. (Canal Energia)

MME estuda inclusão de resíduos sólidos urbanos em leilão de capacidade
A geração de energia a partir de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), conhecida como waste to energy (WTE), pode ser ser incluída nos próximos leilões de capacidade do setor elétrico, que vão ocorrer a partir de dezembro, segundo o diretor do departamento de informações e estudos energéticos do Ministério de Minas e Energia (MME), André Luiz Osório. (epbr)

Consumo de energia deve cair 2,1% em outubro na comparação anual
Queda na carga ocorre em momento de recuperação dos reservatórios das usinas hidrelétricas, que nos últimos meses passaram pela maior seca em 91 anos. A carga de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) deve fechar outubro em 69.677 megawatts médios (MWm), queda de 2,1% em relação ao mesmo mês em 2020, de acordo com a atualização semanal do boletim do programa mensal de operação, divulgada nesta sexta-feira. (Valor Econômico)

Sem BNDES, térmicas a carvão buscam alternativa de crédito para investir R$ 20 bi
Como banco optou por direcionar recursos a empreendimentos de fontes renováveis, governo lançou “Programa para Uso Sustentável do Carvão Mineral Nacional” e vê como opção buscar recursos no exterior. Sem contar com oferta de crédito de bancos públicos, a indústria do carvão mineral busca alternativas para financiar a revitalização do parque de usinas térmicas que gera energia elétrica no Sul, onde estão as principais reservas minerais. Apesar de movimentar a economia local e ajudar a atender à demanda por eletricidade na região. (Valor Econômico)

E1 se associa à GDSolar para crescer em geração solar
A cearense E1 Energia, que tem como acionista o empresário Edson Queiroz Neto, anuncia hoje a formação de nova empresa com a GDSolar para atuar no mercado nacional de geração distribuída. A nova empresa resultante da parceria entrará em operação em janeiro do próximo ano e 80% do capital da empresa resultante pertencerá a E1. (Valor Econômico)

. . .

Óleo & Gás

BRENT CRUDE

US$83,73/Barril +1,03%

CÂMBIO

R$5,45/USD -1,11%

Petróleo fecha em novas máximas desde 2014, com gargalos no fornecimento de gás
O contrato do petróleo Brent para dezembro fechou em alta de 1,02%, a US$ 84,86 por barril, enquanto o do WTI para novembro subiu 1,19%, a US$ 82,28 por barril. Os contratos futuros do petróleo fecharam em novas máximas de sete anos, recebendo impulso dos gargalos no fornecimento de gás natural e do início positivo da temporada de balanços corporativos do terceiro trimestre, nos Estados Unidos. (Valor Econômico)

Senadores já falam em mudança no projeto do ICMS dos combustíveis; Lira ameaça ir ao Cade
O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), prometeu, nessa quinta (14/10), dar o “tratamento devido” ao projeto que altera o cálculo da cobrança de ICMS sobre combustíveis, aprovado esta semana pela Câmara dos Deputados (link). Aparentemente, a fala de Pacheco indicou que não haverá pressa na apreciação do tema, que já movimenta – e divide – os senadores. (epbr)

Acordo bilionário da Petrobras é alvo de contestação
Entidades ambientais e sindicatos de petroleiros decidiram recorrer da decisão da Câmara de Conciliação do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que homologou em três dias um acordo bilionário firmado pela Petrobras para reparar um vazamento de 4 milhões de litros de óleo no mar. A validação do acordo, cujas negociações se arrastavam por 20 anos, foi uma vitória da estatal, que obteve um desconto de 30% para reparar um dos maiores desastres ambientais em rios da história do país. (Valor Econômico)

Silva e Luna diz que Petrobras não tem culpa por preço da gasolina e que tabelamento não funciona
General defendeu política de preços e busca por lucro na Petrobras em entrevista ao UOL. A política de preços da Petrobras não é responsável encarecimento dos combustíveis, mas, ao contrário, é benéfica para o país, pois evita o desabastecimento nos mercados e viabiliza o crescimento equilibrado da economia. (Valor Econômico)

Leilão da 2ª rodada da cessão onerosa é confirmado para 17 de dezembro
O Ministério de Minas e Energia informou nesta sexta-feira (15) que foi publicado o edital e as minutas de contrato da segunda rodada do leilão de excedentes da cessão onerosa. A data de realização do certame foi confirmada para o dia 17 de dezembro. ANP vai oferecer ao mercado na licitação reservas de óleo e gás nos campos Sépia e Atapu, na Bacia de Santos. (Valor Econômico)

Mulheres ganham espaço no comando das gigantes mundiais do setor de petróleo e gás
As trabalhadoras representam quase metade da força de trabalho global, mas respondem por apenas 22% da indústria de petróleo e gás, de acordo com pesquisa da Agência Internacional de Energia. As maiores empresas de petróleo e gás da Europa ainda não viram uma mulher assumir o comando, mas sua representação na mesa principal melhora gradualmente. (Valor Econômico)

Óleo do Brasil ainda atrai TotalEnergies
A TotalEnergies (ex- Total) promete intensificar os investimentos em renováveis, mas, ao mesmo tempo, olha com atenção para o mercado brasileiro de óleo e gás. A petroleira francesa, que mudou de nome para simbolizar a sua migração rumo à transição energética, vê o Brasil como peça estratégica na busca por projetos com custos e emissões cada vez menores. Além disso, prevê aportes de US$ 500 milhões ao ano para elevar produção de óleo e gás no Brasil. (Valor Econômico)

. . .

Nossos últimos relatórios

  • Omega Geração (OMGE3): Aprovada uma nova (e melhor) relação de substituição na combinação de negócios (link)
  • Data Expert | Sensor Elétrico XP: O risco de racionamento diminui pela primeira vez (link)
  • Omega Geração (OMGE3): Combinação de negócios pode destravar muito valor; Reiteramos Compra (link)
  • Setor Elétrico: E Se Ocorrer Racionamento de Energia? (link)
  • Equatorial Energia (EQTL3): Equatorial Vence Leilão de Concessão de Saneamento do Amapá (link)
  • Data Expert | Sensor Elétrico XP: Risco de racionamento aumenta significativamente, governo adota medidas preventivas e apagão é possível. (link)
  • Taesa (TAEE11): Companhia antecipa a linha de transmissão Janaúba em 5,5 meses (link)
  • Cemig (CMIG4): Resultado do 2T21 acima de nossas estimativas, mas abaixo do consenso; Mantemos Neutro (link)
  • Orizon (ORVR3): Volumes mais fortes no 2T21; Mantemos Compra (link)
  • Sabesp (SBSP3): Resultados do 2T21 Abaixo do Esperado; Mantemos Neutro (link)
  • Sanepar (SAPR11): Entregando mais do que água no resultado do 2T21; Mantemos Neutro (link)
  • Equatorial Energia (EQTL3): Bons volumes trazem bons resultados no 2T21 (link)
  • Copel (CPLE6): Resultado do 2T21 sólidos em meio à crise; Mantemos a recomendação de compra (link)
  • TAESA (TAEE11): Resultados do 2T21 em linha com nossas estimativas; Mantemos Neutro (link)
  • Engie Brasil (EGIE3): Resultado Operacional do 2T21 em linha, mas lucro afetado por não recorrente; Mantemos Neutro (link)
  • AES Brasil (AESB3): Resultados do 2T21 abaixo de nossas estimativas, mas acima do consenso; Neutro (link)
  • Data Expert | Sensor Elétrico XP: Risco de racionamento aumenta, mas ainda é baixo (link)
  • Omega Geração (OMGE3): 2T21 Fraco por maiores despesas operacionais e compras de energia (link)
  • Copasa (CSMG3): Resultados do 2T21 abaixo do esperado; Negativo (link)
  • CTEEP (TRPL4): Resultados do 2T21 ligeiramente abaixo das nossas estimativas (link)
  • Cesp (CESP6): Resultado do 2T21 mais fraco devido à hidrologia (link)
  • Omega Geração (OMGE3): Adquire 50% do Complexo Eólico da EDF, novamente (link)
  • Copel (CPLE6): Crescimento de 12% A/A no consumo de energia no 2T21 (link)
  • EDP Energias do Brasil (ENBR3): Resultado do 2T21 em linha com nossas expectativas; Neutro (link)
  • EdP Energias do Brasil (ENBR3): Destaques operacionais do 2T21 (link)
  • Teremos racionamento de energia? Risco é menor do que 3% (link)
  • Equatorial Energia (EQTL3): CEA, uma pequena mas positiva aquisição (link)
  • Petróleo: Preços sobem e atingem US$ 70/barril antes da reunião da OPEP+ (link)

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.