Teremos racionamento de energia? Risco é menor do que 3%

Vemos como muito improvável um racionamento de energia para os próximos doze meses. Entenda os motivos:


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Não é novidade que estamos passando por um cenário hidrológico crítico no Brasil, com afluências significativamente abaixo da média histórica na maioria dos estados brasileiros. Como resultado, preocupações com o potencial racionamento de energia começaram a surgir entre os investidores. Neste relatório, nós (i) fazemos uma análise da situação hidrológica atual e suas diferenças com 2001; e (ii) avaliamos a probabilidade de um racionamento ocorrer. Como resultado, vemos como muito improvável um racionamento de energia para os próximos doze meses. Portanto, não vemos nenhum impacto relevante para as Distribuidoras sob nossa cobertura.

A situação hidrológica brasileira é preocupante, mas não alarmante. A situação hídrica adversa no Brasil já se estende por alguns anos. Em junho de 2021, os reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste atingiram 30% da sua capacidade total, o menor nível em 20 anos. É importante ressaltar que o subsistema Sudeste/Centro-Oeste representa 70% da capacidade do Sistema Interligado Nacional (SIN).

O sistema elétrico brasileiro está mais robusto do que em 2001. Desde o último racionamento de energia, o Sistema Interligado Nacional (SIN) tornou-se muito mais preparado para lidar com cenários de estresse. O sistema de transmissão cresceu 136% enquanto a demanda cresceu apenas 93%, reduzindo as restrições no sistema e permitindo mais flexibilidade ao seu operador (ONS). Outra diferença é a própria matriz energética. Em 2001, 83% da capacidade instalada era proveniente de fontes hídricas, hoje apenas 65% da matriz energética provém de hidrelétricas, graças à adição de fontes térmicas, eólicas e solares ao sistema.

De acordo com nosso modelo, estimamos em 3% a probabilidade de racionamento nos próximos 12 meses. Em nosso cenário base não vemos necessidade de racionamento de energia nos próximos doze meses. Embora estimemos que os reservatórios atinjam níveis historicamente baixos (18% em novembro/2021 para o SIN consolidado), há capacidade térmica suficiente para ser utilizada e evitar medidas mais dramáticas. O modelo não encontra uma solução se a energia natural afluente (ENA) média para os próximos doze meses ficar abaixo de 50% da média de longo prazo (MLT), só então o racionamento de energia seria deflagrado. De acordo com nossas estimativas, a probabilidade de a ENA ficar abaixo de 50% (e portanto de termos racionamento) é de 3%.

O cenário hidrológico brasileiro é preocupante?

Não é novidade que vivemos um cenário hidrológico crítico no Brasil, com afluências significativamente abaixo da média histórica na maioria dos estados brasileiros. Em junho, a energia natural afluente – ENA (quantidade de água que chega às hidrelétricas, em unidade de energia) ficou abaixo de 40.000 MWméd contra 60.000 da média de longo prazo, sendo o pior volume da história para o período. Como resultado, os reservatórios do maior subsistema do país, Sudeste/Centro-Oeste, continuam em declínio.

A situação hídrica adversa no Brasil já dura há alguns anos. Desde 2014, a ENA está abaixo da média histórica nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, conforme ilustrado na Figura 1.

No entanto, a situação se agrava em 2021 devido a dois fatores principais: (i) a afluência de água entre set-2020 e jun-2021 ficou muito abaixo da média prevista para o período, atingindo o pior nível dos últimos 91 anos; e (ii) um aumento na demanda de energia por trás da flexibilização do isolamento social e recuperação da atividade econômica.

Olhando para a situação atual dos reservatórios (Figura 2) fica clara a nossa preocupação com o nível de armazenamento no subsistema Sudeste/Centro-Oeste (30% da capacidade total). E piora quando consideramos que estamos no início do inverno, a estação mais seca do ano. É importante observar que o subsistema Sudeste/Centro-Oeste representa 70% da capacidade total do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Por outro lado, como descreveremos na próxima seção, estamos mais confortáveis do que em 2001 em termos de infraestrutura de transmissão e diversificação da matriz energética.

Com isso, podemos dizer que a situação é preocupante, mas não alarmante. Em nossa avaliação, o sistema elétrico brasileiro possui alternativas para administrar uma crise hídrica, como já fez em um passado recente.

Por que é diferente de 2001?

Temos um sistema de transmissão mais robusto

Desde o “apagão” em 2001, a extensão das linhas de transmissão cresceu 4,4% ao ano, a capacidade de transformação cresceu 4,3% ao ano, enquanto a carga de energia cresceu apenas a 3,3% ao ano, segundo dados do operador nacional do sistema – ONS. Uma infraestrutura de transmissão maior reduz as restrições no sistema, o que permite ao operador (ONS) mais flexibilidade de despacho entre diferentes fontes e regiões. Embora ainda imperfeita, a estrutura está muito mais preparada para lidar com discrepâncias geográficas entre geração de energia e consumo do que era em 2001.

Nos últimos 20 anos, foram realizados 42 leilões de transmissão, que permitiram a construção de 87.040km de novas linhas e 216.337 MVA em capacidade de transformação. Para os próximos anos, outros 21.143km de novas linhas já estão contratados e devem entrar em operação, melhorando ainda mais o sistema.

Nossa matriz energética é mais diversificada

Outra diferença importante é em relação à matriz energética. Em 2001, 83% da capacidade instalada veio de fontes hídricas, hoje é de apenas 65%. Da capacidade adicionada desde então, 50% foi hidrelétrica, 19% eólica, 27% térmica e 4% solar.

É importante ressaltar que, apesar da capacidade instalada ter crescido e se diversificado, as fontes eólica, solar e até mesmo algumas hidrelétricas são fontes intermitentes (não despacháveis), portanto possuem uma garantia física (lastro para comercialização de energia) menor do que fontes despacháveis, como termelétricas convencionais e hidrelétricas com reservatório.

Porém a hidrologia está mais desafiadora

Em maio de 2001, quando o governo brasileiro anunciou a implementação do racionamento de energia, o nível total dos reservatórios estava em uma situação mais estressada do que atualmente, em 36% da capacidade total contra 43% em maio de 2021 (Figura 10).

Porém, no que se refere à afluência de água, notamos uma tendência mais baixa em 2021, considerando o período de um ano antes do alerta de emergência hídrica, em comparação com o mesmo período de 2001 (Figura 11). Esta diferença representa uma redução média de ENA de 21p.p. em 2021, o que significa 9,5 GWméd a menos no sistema se usarmos os níveis atuais de ENA. Dito isso, estimamos que em novembro de 2021 o nível agregado dos reservatórios estará em 18% da capacidade total (EAR Máx), o nível mais baixo dos últimos anos.

Resumindo, por um lado, temos uma situação hídrica mais estressada em 2021 vs. 2001. Por outro lado, temos um Sistema Interligado Nacional (SIN) brasileiro muito mais preparado para lidar com cenários de estresse e uma matriz energética mais diversificada.

Então Teremos Racionamento?

Segundo nosso modelo, não

Para responder essa pergunta, desenvolvemos um modelo proprietário para estimar tanto o despacho hídrico quanto térmico para cada mês, considerando o ENA, as restrições dos reservatórios e a capacidade instalada. O modelo usa otimização não linear para resolver o seguinte problema: qual é o despacho hídrico que minimiza a utilização da capacidade térmica e que mantém os reservatórios acima de 10%? É importante ressaltar que o objetivo do modelo não é prever o despacho do ONS, mas apenas responder se existe uma solução para o problema onde o racionamento de energia não seja necessário.

No nosso cenário base, no qual usamos as projeções de ENA feitas pela CCEE (média de 73% da MLT), não vemos a necessidade de racionamento de energia nos próximos doze meses. Embora estimemos os reservatórios atingindo níveis historicamente baixos (18% em novembro/2021 para o SIN consolidado), há capacidade térmica suficiente para ser utilizada e evitar medidas mais dramáticas. No entanto, apoiamos medidas para reduzir o consumo nos horários de pico para evitar qualquer estresse momentâneo no sistema. Além disso, existe a possibilidade de importar energia do Uruguai, Paraguai e Argentina, mas como é difícil estimar a quantidade de energia que é possível importar, decidimos deixá-la fora do modelo.

De acordo com nosso modelo, o sistema não consegue encontrar uma solução se a ENA média para os próximos 12 meses ficar abaixo de 50% da MLT, e nesse caso o racionamento seria acionado. Portanto, se considerarmos uma ENA média histórica de 85% e um desvio padrão de 18%, estimamos uma probabilidade de racionamento de 3% para os próximos doze meses. Portanto, não vemos nenhum impacto relevante para as Distribuidoras sob nossa cobertura, mas o cenário hidrológico desafiador afeta algumas Geradoras, conforme relatamos aqui.

Como chegamos nesses números?

Para avaliar a probabilidade de racionamento de energia elétrica no Brasil, desenvolvemos um modelo proprietário de oferta e demanda mensal para o Sistema Interligado Nacional (SIN), com as seguintes premissas:

  1. A geração hidrelétrica é derivada do sistema de otimização que minimiza a maior capacidade de utilização da fonte térmica, dadas as restrições para cada subsistema. A primeira restrição está relacionada à capacidade do reservatório em cada subsistema. Estimamos o reservatório no final do mês com a seguinte equação:

Nossa premissa é de que nenhum subsistema pode atingir um patamar de reservatório abaixo de 10% em nenhum momento.

O despacho térmico é obtido pela diferença entre a demanda total e a oferta total ex-térmicas convencionais.

  1. As gerações de fonte eólica, solar, nuclear e de biomassa são derivadas do fator de carga histórico mensal para cada fonte e sua capacidade instalada.
  2. Não há restrições no sistema de transmissão. Como apontamos anteriormente neste relatório, o sistema de transmissão está mais preparado para lidar com discrepâncias geográficas entre oferta e demanda. No entanto, a premissa de que não há restrições no sistema é relevante, mas acreditamos que não invalida o modelo.
  3. O crescimento da carga total é em linha com o crescimento do PIB. Usamos a projeção de nossa área macro para o crescimento do PIB para estimar nosso crescimento da demanda de energia.
  4. Assumimos perdas no sistema de 7,5%, em linha com as perdas técnicas históricas do sistema.
  5. A ENA segue uma distribuição normal. Para chegar a uma probabilidade de racionamento de energia, precisamos assumir que a ENA tem uma distribuição normal. Como encontramos uma ENA onde o sistema falha, todos os cenários com ENA inferior a 50% são cenários de racionamento de energia. Portanto, podemos usar uma distribuição normal para encontrar qual é a probabilidade de cenários de racionamento.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.