A semana na Renda Fixa (15/02 a 19/02)

Acompanhe os principais movimentos da semana no mercado de renda fixa e o que esperar para a semana que se inicia.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A última semana foi curta nos mercados no Brasil por conta do feriado do Carnaval. Mesmo assim, ruídos do lado político e a ainda indefinição sobre o auxílio emergencial levaram à continuação da percepção de risco pelos agentes. Ao fim da semana, preocupações em torno da relação do governo com a Petrobras, que culminou com a saída do presidente da estatal, intensificaram o sentimento, que deve ser o destaque da próxima semana. A curva DI abriu, principalmente nos vértices mais longos, tendo efeito sobre os prêmios dos títulos do Tesouro Direto, que desvalorizaram. Os spreads de crédito fecharam ao longo da semana, mas o baixo volume negociado por conta do feriado não permitem inferir que trata-se de uma tendência.

Para a próxima semana, o IPCA-15 e o IGP-M de fevereiro, a nota de crédito do BC de janeiro e a taxa de desemprego da PNAD para dezembro serão os principais destaques. Como mencionado, o tom do começo da semana deverá ser ditado pela reação do mercado aos acontecimentos da sexta-feira em torno da saída do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e sua substituição por um general. Por fim, haverá novo leilão de rolagem de títulos pós-fixados do Tesouro Nacional que vencerão no próximo mês.

Cenário macroeconômico

Conforme destacado em relatório, dados positivos sobre a evolução do números de hospitalizações e mortes pela covid-19 foram destaque, especialmente nos EUA e Europa. No Brasil, o total de vacinados atingiu 6,5 milhões, com quase 900 mil brasileiros já tendo recebido as duas doses do imunizante.

A semana mais curta diante de feriado bancário nos EUA foi marcada por dados fortes de atividade, reforçando a continuidade da recuperação no país especialmente diante do efeito de estímulos fiscais. A produção industrial também apresentou comportamento positivo no mês, avançando +0,9% em janeiroEnquanto isso, a Ata do Comitê de Política Monetária do FED (FOMC), reforçou o tom expansionista, apesar pressões de curto prazo. A semana foi também marcada pela alta nos preços do petróleo internacionalmente.

Na Europa, a revisão do PIB do quarto trimestre divulgada pelo Eurostat apontou para uma queda de 0,6%. Na esteira de indicadores mais positivos, o PMI industrial da Zona do Euro referente a fevereiro atingiu o maior patamar dos últimos 3 anos. No cenário político europeu, o ex-presidente do Banco Central Europeu Mario Draghi tomou posse formalmente neste sábado como primeiro ministro da Itália.

No Brasil, a semana mais curta devido ao feriado de carnaval foi marcada pela continuidade das discussões sobre a extensão do auxílio emergencial. Também foi destaque o anúncio de reajustes nos preços de combustíveis pela Petrobras, e o posicionamento de Bolsonaro sobre o tema. Finalmente, o Tesouro Nacional captou R$ 18,8 bilhões em títulos prefixados e LTFs, contabilizando R$ 75 bilhões em captações no mês. 

Leia tudo o que aconteceu na semana em economia.

Curva DI e NTN-B

Na última semana, as taxas futuras fecharam em alta nos vencimentos mais longos. Já as NTN-Bs permaneceram praticamente inalteradas, o que indica elevação da inflação implícita (inflação esperada pelo mercado).

O principal balizador do movimento de abertura da curva DI continua sendo o risco fiscal, nesta semana ampliado por crise política com a prisão de deputado aliado ao governo e, ao fim da semana, ruídos em torno da relação entre governo e Petrobras.

Leilões do Tesouro Nacional

Na última semana, o Tesouro Nacional apenas o leilão de títulos pós e prefixados, devido ao feriado. O montante ofertado foi inferior ao da semana anterior e quase integralmente colocado. LFTs continuam com menor procura pelo mercado.

Leilão do dia 18/02 – LTN, NTN-F e LFT

O Tesouro conseguiu vender quase a totalidade dos papeis prefixados (LTN e NTN-F). Já no caso das LFTs, a demanda foi menor do que a oferta, considerando os níveis máximos de prêmio oferecidos.

Tesouro Direto

No dia 08/02, o Tesouro Direto colocou à disposição dos investidores três novos títulos: Prefixado 2024, Tesouro Selic 2024 e Tesouro Selic 2027. Com isto, deixou de vender em sua plataforma o Tesouro Prefixado 2023 e o Tesouro Selic 2025.

Com os novos títulos, buscou alongar o prazo mínimo para a remuneração prefixada e levou a duas possibilidades para quem busca títulos pós-fixados: encurtar o prazo e, assim, reduzir a exposição a oscilações de preços (Selic 2024) e alongar o prazo e, assim, oferecer maior retorno (2027).

Quase todos os títulos do Tesouro Direto apresentaram desvalorização na semana, em comparação com a semana anterior, com exceção do Tesouro Selic.

O preço dos títulos sobe quando a expectativa de juro futuro cai (e vice-versa) devido à relação inversa entre os dois. Esse mecanismo que mostra o efeito dos juros sobre preços é a marcação a mercado. Entenda mais aqui.

Crédito Privado

Fluxo

Na curta semana, foi registrado um fluxo médio diário de negociações de R$ 595 milhões em debêntures (vs. R$ 840 milhões na semana anterior), R$ 67 milhões em CRA (vs. R$ 106 milhões) e R$ 49 milhões em CRI (vs. R$ 44 milhões). Vale lembrar que os dados da sexta-feira ainda não foram divulgados e podem alterar o apresentado.

Os destaques de ativos mais negociados foram debênture da Comgas (GASP18), CRI GFSI e CRA Fibria.

Spreads

Na semana, pudemos observar fechamento relevante dos spreads de crédito em debêntures AAA, AA e A (em especial nos dois últimos) e em todos os vértices. Vale lembrar que foi uma semana curta, de pouco volume de negociação, o que pode afetar a dinâmica dos spreads e, por isso, o movimento não deve ser interpretado como tendência.

As curvas são extraídas a partir de debêntures precificadas diariamente pela ANBIMA (DI Percentual, DI+spread e IPCA+spread) e refletem estruturas de spread zero-cupom sobre a curva soberana para diferentes níveis de risco.

Ações de rating

Fontes: S&P Global e Fitch Ratings. Elaboração: XP Investimentos.

Relatórios publicados na semana de 15/02 a 19/02

Renda Fixa

Atualização 4T20: Banco Pine

Atualização 4T20: Klabin

Novo relatório: CMAA – Vale do Tijuco

Atualização 4T20: Engie Brasil

Atualização 4T20: Rumo

Podcast: Investorcast #56 – Onde Investir em Renda Fixa no Cenário Atual

Rating do Banco Pan elevado para ‘brAA’

Novo relatório: LTTE

Outros

Brasil Macro Mensal

Economia em destaque (semanal)

Petrobras (PETR4): Anuncia aumentos consideráveis nos preços dos combustíveis, Bolsonaro faz declarações que devem aumentar percepção de risco

AES Tietê (TIET11): Companhia fecha mais um Contrato de Compra e Venda de Energia (“PPA”) do Complexo Eólico Cajuína

Petrobras (PETR4): Governo anuncia troca do CEO da Petrobras

O que esperar – Semana de 22/02 a 26/02

Agenda econômica

Em relatório publicado pelo time Macro da XP, destaca-se na agenda econômica nacional da próxima semana, o IPCA-15 e o IGP-M de fevereiro, a nota de crédito do BC de janeiro e a taxa de desemprego da PNAD para dezembro serão os principais destaques.

No cenário internacional, o PIB do quarto trimestre de 2020 da França e da Alemanha serão divulgados, assim como dados de confiança das principais economias globais e dados de desemprego do Chile, Colômbia e México.

Acesse aqui o Boletim Focus do dia 22/02

Leilões do Tesouro Nacional

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Vencimentos de debêntures da próxima semana

Fonte: Anbima. Elaboração: XP Investimentos.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.