XP Expert

XP Morning Call: Mercados à espera do G20

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Comissão especial retoma discussão sobre relatório
  2. Bancos pressionam por alívio em alta de tributação
  3. Ata do COPOM não traz grandes novidades. Ainda esperamos manutenção de juros na reunião de julho

Internacional

  1. Trump aprova novas sanções contra líderes iranianos
  2. De acordo com a OMC, países do G20 seguem elevando restrições ao comércio internacional
  3. Argentina: Macri gera otimismo com escolha de vice peronista

Empresas

  1. Petróleo e Gás: CNPE define bases para abertura do mercado de gás
  2. Companhias Aéreas: ANAC suspende concessão da Avianca e fará audiência pública sobre Congonhas
  3. Frigoríficos: Carne suína – Disparada das importações pela China; Alta nos preços de exportação no Brasil 

Mercados à espera do G20

Futuros dos EUA operam em queda nesta terça-feira, em meio a sessões negativas na Europa e Ásia durante a noite. O foco permanece nas questões geopolíticas EUA-Irã com sanções implementadas pelos americanos, assim como na disputa comercial EUA-China antes do próximo G20 no fim desta semana.

Hoje, olhos voltados aos discursos de membros do Banco Central americano (Fed), incluindo o presidente Jerome Powell. Os mercados esperam que o Banco Central Americano ressalte a mensagem dovish, ou seja, em direção a possíveis cortes de juros, o que é muito positivo para os mercados.

No Brasil, a comissão especial da reforma da previdência retoma hoje os trabalhos com 77 deputados inscritos para falar. Desses, 52 falarão contra o projeto e pode-se chegar a 9h20min de falas dos parlamentares.

Contando com desistência de governistas e eventuais faltas, é possível que ocorra ainda hoje ou no início da sessão de amanhã, a apresentação da complementação do relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP), que deve incorporar alterações no texto pedidas pelos líderes partidários.

A votação da reforma na comissão especial, portanto pode ocorrer ainda nesta semana. Entretanto, pelo que apuramos em Brasília, a política estará na frente da matemática mais uma vez. Os prazos formais serão mais ou menos respeitados à medida em que forem cumpridas as promessas do governo da liberação das “emendas extra orçamentárias”.

O Banco Central divulgou nessa manhã a Ata da última reunião do COPOM, sem grandes novidades em relação ao comunicado divulgado após a reunião da semana passada. A evolução dos riscos inflacionários melhorou, mas ainda consideram que o risco preponderante diz respeito ao andamento das reformas estruturais. Assim, vemos ainda como pouco provável um corte de juros na próxima reunião de julho.

Do lado das empresas, notícias apontam que o Projeto de Lei que define o novo Marco Regulatório dos serviços de saneamento básico deve ser votado antes do recesso parlamentar, que se inicia em 17 de julho.

Por fim, o preço de celulose fibra curta na China teve novo recuo hoje, caindo US$20,3/t para US$547,5/t. Como temos mencionado, uma forte queda nos preços de celulose já é esperada pelo mercado e mantemos nossa recomendação de Compra na Suzano.



Brasil

Política Brasil: Comissão especial retoma discussão sobre relatório

  • Comissão especial da reforma da previdência retoma hoje os trabalhos com 77 deputados inscritos para falar. Desses, 52 falarão contra o projeto e pode-se chegar a 9h20min de falas dos parlamentares. Contando com desistência de governistas e eventuais faltas, é possível que ocorra ainda hoje ou no início da sessão de amanhã, a apresentação da complementação do relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP), que deve incorporar alterações no texto pedidas pelos líderes partidários;
  • A votação da reforma na comissão especial, portanto pode ocorrer ainda nesta semana. Entretanto, pelo que apuramos em Brasília, a política estará na frente da matemática mais uma vez. Os prazos formais serão mais ou menos respeitados à medida em que forem cumpridas as promessas do governo da liberação das “emendas extraorçamentárias”.
     

Bancos pressionam por alívio em alta de tributação

  • De acordo com a Folha de São Paulo, bancos e outras instituições financeiras pressionam por alívio em alta de tributação prevista por Samuel Moreira, relator da Previdência;
  • Para ajudar a reduzir o rombo no pagamento de aposentadorias e pensões, Moreira sugeriu que a alíquota da CSLL suba dos atuais 15% para 20% assim que a reforma da Previdência for aprovada. A ideia proposta pelos bancos é que, em vez de permanecer nesse patamar, a taxa caia 0,5 p.p ao ano por dez anos, até retornar aos atuais 15%. Além disso, a taxa extra seria cobrada apenas para grandes instituições financeiras;
  • Esse alívio reduziria pela metade a expectativa de arrecadação de R$ 50 bilhões em dez anos para a Previdência Social prevista pela proposta inicial. 

Ata do COPOM não traz grandes novidades. Ainda esperamos manutenção de juros na reunião de julho.

  • O Banco Central divulgou nessa manhã a Ata da última reunião do COPOM. O documento não trouxe grandes novidades em relação ao comunicado divulgado após a reunião da semana passada;
  • A evolução dos riscos inflacionários melhorou, devido à estagnação da economia doméstica e perspectiva de redução de juros em diversas economias, mas ainda consideram que o risco preponderante para a condução da política monetária diz respeito ao andamento das reformas estruturais da economia brasileira;
  • Assim, vemos ainda como pouco provável um corte de juros na próxima reunião de julho.

Internacional
 

Trump aprova novas sanções contra líderes iranianos

  • Donald Trump assinou nesta segunda-feira uma ordem executiva impondo novas sanções financeiras a líderes iranianos, incluindo o líder supremo Ali Khamenei. Além disso, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que tais sanções se estendem ao ministro iraniano das Relações Exteriores, Javad Zarif;
  • Autoridades do Irã afirmaram na terça-feira que as novas sanções dos EUA fecharam as portas à diplomacia e ameaçam a estabilidade global, enquanto as autoridades americanas renovaram os esforços para construir uma aliança global contra o país. Hassan Rouhani, presidente do país, classificou as novas sanções como “estúpidas”;
  • Os EUA acusam autoridades do Irã por supostamente ter derrubado um drone de vigilância norte-americano na semana passada sobre o Golfo de Omã, como parte de uma série de ataques a navios petroleiros e lançamento de mísseis na região.


De acordo com a OMC, países do G20 seguem elevando restrições ao comércio internacional

  • Em seu relatório de acompanhamento do comércio internacional, a OMC destacou que os países do G20 criaram 20 novas barreiras ao comércio mundial entre outubro do ano passado e maio deste ano;
  • No total, um volume comercial de aproximadamente US$ 336 bilhões é atingido por medidas protecionistas e a tendência é de que essa cifra possa aumentar até o final do ano;
  • O relatório corrobora que o cenário base até o final desse ano é de aumento da incerteza, arrefecimento ainda maior do investimento e de redução o crescimento do comércio internacional.

​Argentina: Macri gera otimismo com escolha de vice peronista

  • A decisão do presidente Mauricio Macri de convidar um peronista moderado para ser o seu vice na chapa que disputará as eleições de outubro animou os mercados na Argentina, levando à queda do dólar e melhora da percepção de risco-país nos últimos dias;
  • Para a maior parte dos investidores, a escolha de Miguel Pichetto para a chapa governista aumenta as chances de Macri vencer a disputa e, no médio prazo, favorece a governabilidade e a aprovação de reformas.

Empresas
 

Petróleo e Gás: CNPE define bases para abertura do mercado de gás

  • Segundo o Valor Econômico, ontem o governo definiu as bases para a abertura do mercado de gás no Brasil, por meio de resolução do Conselho nacional de Política Energética (CNPE). O objetivo é reduzir em 3 anos o preço do gás natural ofertado no Brasil em 40% em 3 anos ante os atuais US$14/ milhão de BTU;
  • As medidas visam à desverticalização da cadeia de gás e saída do controle estatal da distribuição de gás natural, que deve ocorrer por meio da assinatura de um Termo de Compromisso com o regulador antitruste CADE.  Com a abertura da infraestrutura de transporte e distribuição de gás, novos agentes poderiam elevar a competitividade do setor;
  • Além disso, o CNPE recomendou ao governo federal que incentive os Estados a modernizar a regulação dos serviços de gás canalizado por meio dos programas de transferências de recursos e ajustes fiscais. A ideia não é condicionar transferências de recursos, mas fornecer contrapartidas. Segundo o Ministro da Economia, Paulo Guedes, governadores do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais já se manifestaram favoravelmente à quebra do monopólio de gás.


Companhias Aéreas: ANAC suspende concessão da Avianca e fará audiência pública sobre Congonhas

  • A ANAC informou ontem que suspendeu a concessão da Avianca Brasil para exploração de serviço de transporte aéreo outorgada à Avianca Brasil, por conta do descumprimento das condições exigidas no contrato de concessão. Além disso também decidiu pela redistribuição imediata dos slots que deixaram de ser operados pela Avianca nos aeroportos de Guarulhos (GRU), Santos Dumont (SDU) e Recife (REC);
  • A agência também decidiu abrir um processo de audiência pública para ouvir as partes interessadas sobre a distribuição dos slots em Congonhas. Vale ressaltar que o MPF (Ministério Público Federal) recomendou que a ANAC flexibilize o conceito de novo entrante no aeroporto de Congonhas, de forma que a eventual reorganização minimize potenciais impactos na concorrência;
  • Aumenta a probabilidade de que a Avianca Brasil entre em um processo de falência, cenário em que os slots seriam distribuídos entre as companhias que já operam e eventuais “novos entrantes”. Mantemos nossa visão positiva para o setor e nossa preferência relativa pelas ações da Azul.


Frigoríficos: Carne suína – Disparada das importações pela China; Alta nos preços de exportação no Brasil 

  • De acordo com dados da alfândega chinesa, as importações de carne suína na China dispararam em maio, com alta de quase 63% A/A, frente ao surto de peste suína africana que continua a afetar animais na China, país responsável por metade dos rebanhos globais, o que levou a uma redução significativa na oferta doméstica;
  • Frente ao cenário, os preços da carne suína na China subiram rapidamente na primeira metade de março, o que levou ao aumento da compra de carne no exterior. Desde então, os preços estabilizaram, com importadores e operadores do mercado dizendo que a demanda por carne suína importada tem sido fraca nas últimas semanas devido à ampla oferta de carne fresca de produtores que estão abatendo seus rebanhos conforme o surto da peste atinge novas áreas. Contudo, a expectativa é que a demanda suba novamente nos próximos meses dado que, segundo o governo chinês, o rebanho de suínos do país caiu 23,9% A/A em maio, o que gerará um declínio significativo na produção;
  • Com essa situação na China, dados do Secex mostram que os preços da carne suína exportada pelo Brasil já estão refletindo tal cenário. Em junho, o preço já disparou quase 50% M/M, aumento de 72% A/A. A estimativa, por parte da ABPA é que a exportação do produto tenha alta de mais de +20% em 2019, considerando o efeito China.


Saneamento: Projeto de Lei do novo Marco Regulatório pode ser pautado antes do recesso parlamentar

  • Notícias apontam que o Projeto de Lei que define o novo Marco Regulatório dos serviços de saneamento básico deve ser votado antes do recesso parlamentar, que se inicia em 17 de julho;
  • O projeto deve ganhar contribuições da equipe econômica do governo e estar pronto para votação nos próximos dias, de modo a alterar pontos que prejudicam a ampliação dos serviços de saneamento no país.


Caixa: Queda em despesas com provisões é destaque no 1T19

  • A Caixa Econômica Federal divulgou ontem o resultado do 1T19, com lucro líquido de R$3,9 bilhões, + 5,8% A/A. Pedro Guimarães, CEO, disse que não esperava resultados tão fortes no trimestre uma vez que o banco está passando por um processo de reestruturação significativo;
  • Os principais destaques foram: (1) redução de 24,4% nas despesas com provisões em relação ao ano anterior; (2) A carteira de crédito recuou 1,2% no trimestre e 2% no período, impulsionada principalmente pela queda da carteira comercial, que compensou o crescimento do crédito imobiliário (+ 0,6% no tri e 3,3% no ano); (3) A inadimplência de 90 dias atingiu 2,47%, 0,29$ acima do 4T18, mas 0,43% abaixo do 1T18. Guimarães disse que a inadimplência deve acomodar perto de 3% devido à nova metodologia de cálculo e (4) As despesas administrativas foram o destaque negativo, crescendo 9,2% no tri e 7,9% no ano, impulsionadas pelas despesas com pessoal;
  • No geral, o 1T19 foi positivo, comparado aos pares e considerando que o banco está passando por diversas mudanças em sua estrutura, gestão e estudando venda de subsidiárias. A margem financeira (receita) estável e a redução da carteira refletem este momento e o fato de que o governo pretende tornar os bancos públicos (BB, Caixa, BNDES) mais enxutos e focados em suas linhas principais.


Frigoríficos: Produtores brasileiros encaram problemas para exportar ao Irã 

  • Segundo o Valor Econômico, fontes do setor privado disseram que o aumento da crise entre EUA e Irã já atrapalha os frigoríficos brasileiros que vendem carne bovina ao país persa, que é, no acumulado do ano, o terceiro maior importador da carne brasileira, só atrás da China e Hong Kong;
  • Entre janeiro e maio, o Brasil recebeu mais de US$200mi para enviar carne ao mercado iraniano, o que representou quase 8% do total exportado pelo Brasil; 
  • Na última semana, a tensão entre os dois países se intensificou após a derrubada, pelos iranianos, de um drone dos EUA. Para os frigoríficos brasileiros, a escalada no conflito diplomático reforçou a decisão dos exportadores de colocar o pé no freio. A dificuldade em fechar novos contratos tende a aparecer nas estatísticas nos próximos meses, reduzindo o ritmo de crescimento das vendas.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.