XP Expert

Queda da confiança do consumidor na zona do Euro e Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central no centro das atenções

A confiança do consumidor da zona do euro apresentou em março a segunda maior queda mensal da série histórica, como reflexo de preocupações com a guerra da Ucrânia e a escalada da inflação.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,2% | 117.457 Pontos

CÂMBIO -1,7% | 4,83/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

A confiança do consumidor da zona do euro apresentou em março a segunda maior queda mensal da série histórica, como reflexo de preocupações com a guerra da Ucrânia e a escalada da inflação. Ainda na agenda internacional, destaque para a divulgação de indicadores de atividade nos Estados Unidos; Além disso, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desembarcou em Bruxelas e participará de eventos importantes com líderes europeus a partir desta quinta-feira: reunião de emergência da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), reunião de cúpula do G7 e reunião do Conselho Europeu. No Brasil, destaque para a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central referente ao 1T22.

Brasil

Com um movimento fortemente impactado pela alta no preço das commodities, a bolsa brasileira descolou do mercado internacional nessa quarta-feira (23), encerrando o pregão aos 117.457 com uma alta de 0,16%, em seu 6° dia de alta consecutiva. Enquanto o dólar voltou a se desvalorizar perante o real, acompanhando o movimento de entrada de fluxo estrangeiro e encerrando o pregão com uma queda de -1,70% aos R$ 4,83. As taxas de juros tiveram movimentos distintos nos vencimentos de curto e de longo prazo. Devido à pressão no preço do petróleo internacional, as taxas de vencimentos curtos tiveram elevação. Porém, vencimentos mais longos as taxas expressaram viés de queda, acompanhando as treasuries, títulos de dívida americana que influenciam principalmente mercados emergentes. DI jan/23 fechou em 12,975%; DI jan/24 foi para 12,67%; DI jan/25 encerrou em 12,09%; e DI jan/29 fechou em 11,97%.

Mundo

Mercados globais amanhecem mistos (EUA +0,5% e Europa -0,2%) enquanto investidores seguem monitorando os desenvolvimentos do conflito entre Rússia e Ucrânia. Nesta quinta-feira, membros da Otan realizarão uma cúpula extraordinária em Bruxelas para discutir novas formas de suporte a Ucrânia. Ainda hoje, membros do G7 e da União Europeia também se reunirão para estudar novas sanções contra a Rússia e, um possível embargo sobre o seu petróleo. Na China, o índice de Hang Seng (-0,9%) encerra em baixa após resultados aquém do esperado, com destaque para a Tencent, que reportou seu menor crescimento de receitas desde o IPO. Por fim, o petróleo (+0,3%) amanhece em campo positivo, negociando próximo aos US$ 122/barril.

Zona do Euro

Conforme publicado ontem (23) pela Comissão Europeia, a confiança do consumidor da zona do euro despencou em março, apresentando a segunda maior queda mensal da série histórica, como reflexo de preocupações com a guerra da Ucrânia e a escalada da inflação. O indicador cedeu de -8,8 em fevereiro para -18,7 em março, resultado muito inferior ao consenso de mercado de -12,9.

Já divulgado na manhã de hoje (24) pelo instituto IHS Markit, o PMI (Índice de Gerentes de Compras) Composto da Zona do Euro recuou de 55,5 em fevereiro para 54,5 em março (o consenso de mercado estava em 53,8). De acordo com o relatório oficial que acompanha a publicação dos dados, os resultados ressaltam como a guerra na Ucrânia exerce impacto imediato e material sobre a economia da região, e há risco significativo de declínio da atividade no segundo trimestre. O conflito militar tem agravado gargalos nas cadeias de suprimentos e pressões de preços relacionadas à pandemia, e devem culminar em taxas de inflação ainda mais elevadas nos próximos meses. O PMI da Indústria da Zona do Euro declinou de 57,0 em fevereiro para 58,2 em março, atingindo o menor patamar em 14 meses, enquanto o PMI de Serviços da região caiu de 55,3 para 54,8 no mesmo período – as expectativas do mercado estavam em 56,0 e 54,3, respectivamente.

Agenda de divulgações EUA

Ainda na agenda econômica internacional de hoje, destaque para a divulgação de indicadores de atividade nos Estados Unidos: pedidos iniciais de seguro-desemprego para a semana encerrada em 19/mar; encomendas de bens duráveis e bens de capital referentes a fevereiro; e PMIs relativos a março. Uma série de dirigentes do Federal Reserve (Fed, banco central americano) faz pronunciamentos públicos ao longo do dia. Além disso, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desembarcou no fim da noite de ontem em Bruxelas e participará de eventos importantes com líderes europeus a partir desta quinta-feira: reunião de emergência da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte); reunião de cúpula do G7; e reunião do Conselho Europeu. Os encontros têm como missão reforçar a aliança das potências ocidentais contra a Rússia, em guerra contra a Ucrânia há um mês (novas sanções econômicas devem ser discutidas pelas lideranças políticas).

Relatório Trimestral de Inflação

Em relação ao calendário doméstico, destaque para a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central referente ao 1T22. Entre outros tópicos, os agentes de mercado estarão bastante atentos ao detalhamento das projeções da autoridade monetária para inflação e crescimento econômico, bem como possíveis simulações sobre o impacto da guerra da Ucrânia na economia brasileira. Ademais, o mercado também espera uma discussão mais profunda sobre o cenário alternativo do Banco Central, tratado como “de maior probabilidade” na decisão de política monetária que elevou a taxa Selic de 10,75% para 11,75% na semana passada.    

Mercado em Gráfico

A curva de juros pode ser compreendida como as expectativas dos rendimentos médios de títulos públicos prefixados sem cupom (ou seja, sem pagamentos semestrais), a partir dos contratos futuros de juros (ou DI). A principal finalidade do mercado futuro de DI é a proteção contra a volatilidade das taxas de juros internas. Os contratos futuros de DI garantem maior visibilidade aos investidores quanto à dinâmica de juros no futuro, podem indicar tendências econômicas e fornecem parâmetros da direção da taxa Selic. Além do prêmio de risco, outra força relevante na curva de juros é a política monetária, ou seja, as expectativas de mudanças na taxa de juros básica brasileira visando o controle da inflação. De maneira geral, pode-se dizer que as taxas de prazos mais curtos sinalizam expectativas ligadas à política monetária e que as de longo prazo estão conectadas ao risco fiscal.

Com a recente alta de 1 p.p. na taxa Selic, confirmada na semana passada, que passou a ser 11,75%, o movimento da curva DI foi alterado. Na imagem, a curva de cor azul é referente a setembro de 2021, e a curva laranja se refere a semana passada. Comparando as duas curvas, podemos perceber uma alta significativa na ponta curta em laranja, que é a mais recente, causada pela precificação desse ciclo de alta nas taxas de juros. Esse movimento de juros mais altos vem em um contexto de uma inflação crescente, acentuada pelas altas das commodities, demonstrando a expectativa e alerta do mercado de uma política monetária ainda dura adotada pelo Banco Central para controlar a alta de preços.

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

Ânima Holding SA (ANIM3): Após o fechamento
Brisanet (BRIT3): Após o fechamento
Cogna Educação (COGN3):  Após o fechamento
SABESP (SBSP3): Após o fechamento
Embraer SA (EMBR3):  Antes da abertura
Enjoei (ENJU3):  Após o fechamento

Calendário do 4T21

Temporada de resultados do 4º trimestre 2021 – o que esperar?

Economia

Confiança do consumidor da zona do euro despenca em março; no Brasil, Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central no centro das atenções

  • Conforme publicado ontem (23) pela Comissão Europeia, a confiança do consumidor da zona do euro despencou em março, apresentando a segunda maior queda mensal da série histórica, como reflexo de preocupações com a guerra da Ucrânia e a escalada da inflação. O indicador cedeu de -8,8 em fevereiro para -18,7 em março, resultado muito inferior ao consenso de mercado de -12,9;
  • Já divulgado na manhã de hoje (24) pelo instituto IHS Markit, o PMI (Índice de Gerentes de Compras) Composto da Zona do Euro recuou de 55,5 em fevereiro para 54,5 em março (o consenso de mercado estava em 53,8). De acordo com o relatório oficial que acompanha a publicação dos dados, os resultados ressaltam como a guerra na Ucrânia exerce impacto imediato e material sobre a economia da região, e há risco significativo de declínio da atividade no segundo trimestre. O conflito militar tem agravado gargalos nas cadeias de suprimentos e pressões de preços relacionadas à pandemia, e devem culminar em taxas de inflação ainda mais elevadas nos próximos meses. O PMI da Indústria da Zona do Euro declinou de 57,0 em fevereiro para 58,2 em março, atingindo o menor patamar em 14 meses, enquanto o PMI de Serviços da região caiu de 55,3 para 54,8 no mesmo período – as expectativas do mercado estavam em 56,0 e 54,3, respectivamente;
  • Ainda na agenda econômica internacional de hoje, destaque para a divulgação de indicadores de atividade nos Estados Unidos: pedidos iniciais de seguro-desemprego para a semana encerrada em 19/mar; encomendas de bens duráveis e bens de capital referentes a fevereiro; e PMIs relativos a março. Uma série de dirigentes do Federal Reserve (Fed, banco central americano) faz pronunciamentos públicos ao longo do dia. Além disso, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desembarcou no fim da noite de ontem em Bruxelas e participará de eventos importantes com líderes europeus a partir desta quinta-feira: reunião de emergência da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte); reunião de cúpula do G7; e reunião do Conselho Europeu. Os encontros têm como missão reforçar a aliança das potências ocidentais contra a Rússia, em guerra contra a Ucrânia há um mês (novas sanções econômicas devem ser discutidas pelas lideranças políticas);
  • Em relação ao calendário doméstico, destaque para a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central referente ao 1T22. Entre outros tópicos, os agentes de mercado estarão bastante atentos ao detalhamento das projeções da autoridade monetária para inflação e crescimento econômico, bem como possíveis simulações sobre o impacto da guerra da Ucrânia na economia brasileira. Ademais, o mercado também espera uma discussão mais profunda sobre o cenário alternativo do Banco Central, tratado como “de maior probabilidade” na decisão de política monetária que elevou a taxa Selic de 10,75% para 11,75% na semana passada.

Política

A guerra na Ucrânia completou um mês nesta quinta-feira (24) com intensos ataques a cidades do país, ainda que não se registrem avanços relevantes na capital

  • Nesta manhã, líderes da OTAN estão reunidos na Bélgica para discutir coordenação de estratégias e novas sanções à Rússia em meio a preocupações sobre potencial uso de armas químicas ou biológicas na Ucrânia. Discutem também acordo que visa reduzir a dependência da Europa em energia russa, ampliando fornecimento de gás natural e hidrogênio americano. Segundo a Casa Branca, esse deve ser oficializado até sexta-feira (25);
  • Vale notar que Vladmir Putin anunciou na quinta-feira que a Rússia começará a vender gás natural para países considerados “hostis” em rublos.

Empresas

Hapvida (HAPV3): Resultados do 4T21 – Números sem brilho na despedida da GNDI

  • Hapvida e GNDI reportaram o último resultado trimestral como empresas independentes, já que a fusão entre as duas foi concluída em fevereiro e as ações da GNDI deixaram de ser negociadas;
    • O destaque positivo dos resultados de ambas as empresas foi a contínua – ainda que lenta – redução da sinistralidade caixa, atingindo 64,9% para a Hapvida e 76,1% para a GNDI;
    • Por outro lado, ainda achamos adições líquidas trimestrais de planos de saúde desanimadoras, totalizando 14 mil para a Hapvida e 44 mil para a GNDI;
    • O lucro líquido ajustado da Hapvida foi de R$374 milhões – auxiliado por um grande benefício fiscal – e o lucro líquido ajustado da GNDI foi de R$49 milhões – prejudicado por um alto endividamento líquido.
  • Nossa visão para os resultados do 4T21 é ligeiramente negativa, mas não esperamos uma reação significativa do mercado, pois consideramos que o assunto mais relevante para o preço das ações da Hapvida daqui em diante é o processo de integração da GNDI;
  • Acesse o relatório completo aqui.

Locaweb (LWSA3): Resultados fracos porém esperados no 4T21; mais um trimestre de contração de margem

  • A Locaweb reportou resultados fracos no quarto trimestre, conforme já esperado em nossas estimativas. A receita líquida cresceu 75,5% A/A, impulsionada principalmente pelo crescimento de 203% A/A no segmento de Commerce;
  • Embora continuemos otimistas em relação às perspectivas da Locaweb no longo prazo, estamos preocupados com severas contrações de margem e desaceleração da receita daqui para frente, o que deve aumentar as preocupações dos investidores, especialmente neste momento de mercado;
  • Por ora, mantemos nossa recomendação de compra e preço-alvo para o final de 2022 de R$30,0/ação para LWSA3;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Unifique (FIQE3): Resultados levemente positivos no 4T21

  • Unifique reportou resultados levemente positivos no quarto trimestre de 2021, mas em linha com nossas estimativas. O sólido desempenho da receita líquida (+ 81,4% A/A) foi impulsionado (i) pela expansão da rede e, consequentemente, pelo aumento da base de clientes; e (ii) empresas adquiridas ao longo de 2021;
  • Mas atente-se aos riscos à frente… com a companhia reportando (i) piora na rentabilidade com contração de margem EBITDA e (ii) um aumento do churn no 4T;
  • Contudo, mantemos nossa recomendação de compra e preço-alvo para o final de 2022 de R$ 13,0/ação;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Equatorial (EQTL3): Bons resultados operacionais, um trimestre de eventos não recorrentes

  • Destaques Financeiros: A Equatorial apresentou bons resultados no 4T21. O EBITDA reportado foi de R$ 1.716 milhões, que ajustado para fatores não recorrentes como o VNR (R$ 199 milhões) e o efeito IFRS na transmissão (R$ 47 milhões) atinge R$ 1.470 milhões, 6% acima da nossa estimativa de R$ 1.389 milhões. Os resultados foram impactados pela recuperação do volume (+4,1% em relação ao mesmo período do ano anterior com destaque para o Pará e Maranhão, 7,8% e 3,9%, respectivamente), aumento da tarifa da Parcela B e redução das perdas;
  • Menores perdas de energia gerando resultados. As perdas reduziram na comparação trimestral em quase todas as concessões (80bps, 50bps, 50bps e 40bps para Celpa, Cemar, CEEE-D, CEA, respectivamente), exceto Cepisa (chuvas fortes na temporada dificultam o combate às perdas) e Ceal (nova estratégia de sistema de medição centralizado em fase de implementação) que se manteve estável. Vale destacar que a CEEE-D iniciou suas operações assistidas em Dez-21 e a CEA iniciou suas operações em Nov-21 e apesar de estar longe do seu patamar regulatório (24,7% vs 7,0% e 85,5% vs 49,5%) tem demonstrado uma forte trajetória positiva no último trimestre em direção aos números regulatórios;
  • PMSO sob controle. Os custos totais aumentaram com a consolidação da CEEE-D e CEA, que totalizou R$ 578 milhões. O PMSO ajustado aumentou 67% na comparação trimestral como resultado principalmente do aumento de pessoal e serviços de terceiros, o que não surpreende, pois, esse efeito já foi observado em trimestres anteriores;
  • Temos uma avaliação positiva dos resultados da Equatorial no 4T21 considerando as melhorias operacionais e reajustes tarifários positivos alcançados pela companhia em seus ativos de distribuição e nossa visão otimista na estratégia de diversificação de receitas. Mantemos nossa recomendação de Compra na Equatorial com preço-alvo de R$31/ação.

Orizon (ORVR3): Um jovem gigante? Aumentando nosso preço-alvo para R$40/ação e reiterando Compra

  • Incorporando todas as aquisições recentes em nossos números da Orizon. Com a aquisição da UPI Aterros (7 aterros mais 1 unidade de Blending/Coprocessamento) e do aterro em Cuiabá, a empresa mais que dobrou seu tamanho com volume de resíduos chegando a ~10.000kton por ano (de ~5.000kton anteriormente). Com isso, estamos elevando nosso preço-alvo de R$ 30/ação para R$ 40/ação, o que representa um upside de 43,6% em relação aos preços atuais. Destacamos que a transação da UPI Aterros deverá ser concluída no 1T22 após o julgamento do embargo do credor;
  • Preços mais altos de crédito de carbono. A Orizon executou uma estratégia de venda bem-sucedida em 2021 ao aguardar a conferência Cop26 para aumentar os preços dos créditos de carbono. A empresa vendeu 1,57 milhão de toneladas por R$ 44 milhões, ou US$ 5,0/ton, e tem um potencial de remuneração adicional de R$ 16 milhões, sujeito a certas condições, o que elevaria o preço para US$ 7,0/ton. Nosso modelo tinha uma premissa de preço de US$ 2,3/ton para os créditos de carbono que ajustamos para US$ 5,1/ton;
  • Preços de energia mais altos na WtE Barueri. No Leilão de Energia Nova A-5 de 2021, a WtE Barueri assinou um PPA de 75% de sua capacidade (105MWh) a R$ 549/MWh por 20 anos. A usina já possuía um PPA com a Cemig de 311/MWh, que foi dissolvido em função dos melhores preços do leilão. Em troca, a Cemig receberá parte da receita da usina. Atualizamos em nosso modelo;
  • Mantemos uma visão otimista da companhia, baseada em: (i) avenidas de crescimento orgânico que agregam mais valor aos ativos existentes (ii) altas barreiras de entrada para novos players; e (iii) oportunidades de crescimento inorgânico considerando a alta fragmentação do setor de gestão de resíduos. Mantemos nossa recomendação de Compra e um preço alvo de R$40/ação (TIR real de 9,2% para a Orizon no preço atual de mercado);
  • Clique aqui para acessar conteúdo completo.

CCR: Itausa+Votorantim Apresentaram Oferta Para Comprar Stake de ~15% da Andrade Gutierrez; Positivo

  • De acordo com fato relevante divulgado esta noite pela CCR, a Andrade Gutierrez (um dos três controladores da CCR) formalizou proposta não vinculante recebida pela Itaúsa+Votorantim pela sua participação de controle na CCR (14.84% do capital da empresa);
  • Vemos o anuncio como positivo, por três principais razões:
    • se confirmada, a venda eliminaria um antigo overhang sobre a CCR (pressão negativa nas ações da empresa), uma vez que é de conhecimento público a necessidade de venda por parte da Andrade Gutierrez);
    • vemos o movimento trazendo um incremento positivo de governança corporativa com a inclusão de um player financeiro no bloco de controle; e
    • apesar de pequeno, existe um prêmio implícito na oferta que foi de R$13.75/ação, comparado com o preço de fechamento do último pregão (5% de prêmio).
  • Mais detalhes sobre o preço:
    • O prêmio de 5% ofertado é substancialmente menor que os 31% de prêmio oferecidos anteriormente pelo IG4 (oferta de R$15,44/ação que não se concretizou), mas a oferta em si é apenas 11% menor. Dado a necessidade de venda por parte da Andrade Gutierrez, e o insucesso em processos anteriores, acreditamos que a redução de 11% no valor da oferta não seja uma surpresa relevante para os investidores.
  • Próximos passos:
    • A Camargo Corrêa e a Soares Penido (demais controladores da CCR junto com a AG) possuem 30 dias para exercerem direito de preferência na aquisição. Se não o fizerem, há um prazo de 60 dias a partir de hoje pra alienação aos ofertantes por parte da Andrade Gutierrez.
  • Reiteramos recomendação de Compra para CCR, e notamos que nossa preferência relativa por CCR versus Ecorodovias (recomendação Neutra) se deu em parte pela possibilidade dessa alienação como um potencial catalizador para as ações.

Méliuz (CASH3): Novo Membro no Conselho de Administração; Positivo

  • A Méliuz (CASH3) soltou ontem (23) um comunicado ao mercado informando que a Sra. Camilla Giesecke aceitou o convite para integrar o conselho da companhia. A efetiva eleição da Sra. Camilla será discutida durante a assembleia geral de acionistas que ocorrerá no dia 29 de abril;
  • Camilla Giesecke é mestre em contabilidade e finanças, atualmente ela é a Diretora de Expansão no Klarna (banco de varejo líder global em pagamentos e serviços de compras) e ex CFO da empresa, enquanto ainda faz parte do membro do conselho de administração do BHG Group (líder de consumer e-commerce nos países nórdicos). Além disso, ela foi membro do conselho de administração do Nordic Corporate Bank ASA;
  • A nomeação da nova conselheira, Sra. Camilla Giesecke, é positiva para a Méliuz e vai de acordo com a estratégia da companhia para expandir seu portfólio de serviços bancários/financeiros, integrando-os no ecossistema de e-commerce da companhia e alavancando as vendas dos varejistas, além de trazer soluções e alternativas para o consumidor final.

CESP (CESP6): Aprovação Final da Reorganização Societária e Nova Marca ‘Auren Energia’

  • Ontem a CESP divulgou, via fato relevante, que seu Conselho de Administração junto ao Conselho de Administração da VTRM Energia aprovou a confirmação do implemento das condições suspensivas a que estava sujeita a incorporação de ações da Companhia pela VTRM. Com disso, as ações emitidas pela Cesp foram totalmente incorporadas pela VTRM Energia Participações (Votorantim);
  • As ações da CESP deixam de ser negociadas na B3 a partir desta sexta-feita (25) e as ações de emissão da VTRM passarão a ser negociadas no Novo Mercado a partir de segunda-feira, 28 de março de 2022;
  • Por fim, foi anunciado a alteração da denominação social da VTRM para Auren Energia. Com isso, as ações ordinárias de emissão da Auren Energia serão negociadas no Novo Mercado da B3 sob o ticker “AURE3”.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Itaúsa vende 12 milhões de ações da XP em operação de R$ 1,8 bi (Estadão);
    • Méliuz põe executiva da Klarna no board e vai entrar no ‘buy now pay later’ (Brazil Journal);
    • Apple compra fintech britânica Credit Kudos (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Intenção de consumo das famílias sobe 1,8% em março ante fevereiro (Estadão);
    • Receita Federal prepara MP para combater ‘camelódromo virtual’ (Valor);
    • Setor de higiene e beleza tem alta de 31% na exportação em fevereiro e atinge maior valor desde 2014 (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • União Europeia lança pacote de 500 milhões de euros para apoiar agricultores durante guerra na Ucrânia (Valor);
    • À medida que as sanções atingem a Rússia, a escassez de fertilizantes põe em risco o abastecimento mundial de alimentos (Reuters);
    • Lata de alumínio no país cresce 5,2%, sem carnaval e eventos (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Aliança com centrão aumenta pressão pela troca de presidente da Petrobras. (Folha de São Paulo);
    • Lucro da Equatorial aumenta 1,4% no 4º trimestre de 2021, para R$ 1,421 bilhão. (Valor Econômico);
    • Cesp passa a ser negociada como Auren Energia a partir de segunda-feira na B3. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Tencent sofre com maior desaceleração de receita desde o IPO.

  • Carnival projeta novos prejuízos para 2022 com o avanço no preço dos combustíveis;
  • Apple investe em tecnologia de pagamentos;
  • Tencent sofre com maior desaceleração de receita desde o IPO;
  • Demanda global por petróleo deve continuar em alta até 2023;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Bons e baratos: quatro fundos imobiliários de “tijolo” para diversificar a carteira com descontos de até 23% (InfoMOney);
    • Fundos imobiliários: 2022 e 2023 serão os anos dos dividendos; entenda (Suno);
    • Fundos imobiliários voltam a subir e fecham sessão com alta de 0,15% (InfoMoney);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia

  • Desde o início do mês, a guerra na Ucrânia está no centro das atenções do mundo, com democracias se unindo para defender a liberdade. As consequências desse conflito são inestimáveis e, se dermos um passo atrás, veremos que as estratégias do mundo contra a Rússia estão empregando um olhar ESG (Ambiental, Social e Governança), ponderando o foco nos objetivos ambientais vs. Sociais;
  • Frente à guerra, acreditamos que o crescente foco na temática ESG entre os investidores, juntamente com um aumento no preço do petróleo e crescentes tensões geopolíticas, provavelmente pesarão para uma atenção mais favorável em seis temas-chave que se destacam no investimento ESG: (i) energia limpa; (ii) fontes renováveis; (iii) veículos elétricos; (iv) impacto às populações de baixa renda; (v) ritmo de resposta das empresas; e (vi) retornos corporativos;
  • Neste relatório, nos aprofundamos em cada um dos seis temas e destacamos papéis (ações e BDRs) que vemos como bem posicionados para capturar essas tendências adiante;
  • Clique aqui para ler o relatório completo.

Investimentos em ETFs ESG cresceram 84% em 2021, superando US$370bn | Café com ESG, 24/03

  • Na quarta-feira, o Ibovespa e o ISE fecharam em leve alta de +0,2% e +0,05%, respectivamente;
  • No mercado financeiro, a mobilização mundial sobre a urgência das mudanças climáticas fortaleceu a busca por alternativas mais responsáveis de investimento nos mercados, e segundo levantamento da consultoria ETFGI, a alocação de capital fundos negociados em bolsas (ETF, na sigla em inglês) focados em ESG superou a marca de US$ 370 bilhões em 2021, um salto de 84% em relação a 2020;
  • No internacional, (i) a China anunciou ontem a meta de produzir até 200.000 toneladas por ano de hidrogênio verde livre de carbono até 2025, enquanto prevê uma indústria mais ampla no longo prazo; e (ii) as tensões entre os formuladores de políticas estão aumentando devido ao plano da União Europeia para rotular os investimentos em gás e energia nuclear como verdes, com especialistas que estão aconselhando a Comissão Europeia pedindo um novo rótulo “âmbar” para investimentos que não são totalmente sustentáveis;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.